O mo­vi­men­to do tem­po

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Na pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de An­dré Prín­ci­pe num mu­seu, a fo­to­gra­fia é uma ar­te das apa­ri­ções, en­tre a vi­da e a mor­te, o re­al e a fic­ção. Jo­sé Mar­me­lei­ra

Ele­fan­te An­dré Prín­ci­pe Lisboa. MAAT — Mu­seu de Ar­te, Ar­qui­tec­tu­ra e Tec­no­lo­gia. Av. Bra­sí­lia — Ed. Central Te­jo. Até 31 de De­zem­bro. To­dos os di­as das 11h às 19h. En­cer­ra à 3ª fei­ra.

Ele­fan­te não é a pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de An­dré Prín­ci­pe, ci­ne­as­ta e fun­da­dor (com Jo­sé Pe­dro Cor­tes) da edi­to­ra de li­vros de fo­to­gra­fia Pi­er­re Von Kleist, mas tem ele­men­tos que lhe con­fe­rem um ca­rác­ter iné­di­to: um tra­ba­lho de cu­ra­do­ria (de Ana Ana­cle­to e de João Pi­nha­ran­da) e uma se­lec­ção de obras do arquivo do ar­tis­ta (re­a­li­za­das em 1998). An­dré Prín­ci­pe con­fron­ta-se as­sim, e a título in­di­vi­du­al, com as con­di­ções e as pos­si­bi­li­da­des de uma ex­po­si­ção de ar­te con­tem­po­râ­nea. E des­se con­fron­to — que é um tra­ba­lho — mos­tra-nos díp­ti­cos, cons­te­la­ções de ima­gens so­bre su­per­fí­ci­es, fo­to­gra­fi­as iso­la­das e uma ins­ta­la­ção. Há uma dis­per­são nes­tas pro­pos­tas que é apa­ren­te. Li­a­mes de sen­ti­do, re­la­ções con­cep­tu­ais li­gam-nas en­tre si, afir­man­do Ele­fan­te en­quan­to obra una nu­ma pro­du­ção ar­tís­ti­ca.

O mo­vi­men­to da ima­gem é um des­ses li­a­mes. Num pai­nel, ve­mos 10 fo­to­gra­fi­as da es­tá­tua de um dan­ça­ri­no “der­vish” (pra­ti­can­te do is­la­mis­mo su­fis­ta) re­a­li­za­da de di­fe­ren­tes ân­gu­los. A com­po­si­ção acen­tua o mo­vi­men­to, o ro­do­pio da dan­ça, mas a ima­gem, co­mo a es­tá­tua per­ma­ne­cem imó­veis. É o olhar do es­pec­ta­dor que ani­ma, que ima­gi­na o mo­vi­men­to nos in­ter­va­los en­tre as fo­to­gra­fi­as. Na ins­ta­la­ção que dá o no­me à ex­po­si­ção, pe­lo con­trá­rio, são as ima­gens que avan­çam len­ta­men­te, co­mo va­por ou ne­bli­na, di­an­te dos nos­sos olhos, es­ca­pan­do-lhes. Tra­ta-se de um ex­tra­or­di­ná­rio tra­ba­lho de re­tra­tos em que ne­nhum é anó­ni­mo, to­dos os re­tra­ta­dos fo­ram um dia vis­tos por An­dré Prín­ci­pe, fi­ze­ram ou fa­zem par­te da sua vi­da in­di­vi­du­al

(e, por­ven­tu­ra, o es­pec­ta­dor po­de­rá re­co­nhe­cer al­guns: a fo­to­gra­fia na sua ines­ca­pá­vel re­la­ção com o re­al pres­ta-se a coin­ci­dên­ci­as, a re­en­con­tros tão fu­ga­zes quan­to in­ten­sos e sur­pre­en­den­tes). Des­fi­lam, sob o efei­to do fa­de in e do fa­de out, apa­re­cen­do e de­sa­pa­re­cen­do, so­bre­pon­do-se. Há co­res que se es­ten­dem de um a ou­tro re­tra­to, ilu­sões efé­me­ras, for­man­do fi­gu­ras ou ima­gens que só exis­tem na ins­ta­la­ção, na­que­le ecrã, em for­ma de lá­pi­de. Na ver­da­de, to­das as pes­so­as ali re­pre­sen­ta­das já não exis­tem co­mo as ve­mos. Ain­da são elas ali, na­que­le me­mo­ri­al que po­de­mos con­tem­plar sen­ta­dos, mas já não são as­sim no mun­do, em­bo­ra es­te­jam, cer­ta­men­te, no mun­do.

Es­te apa­re­cer e de­sa­pa­re­cer ma­ni­fes­ta-se em mais dois pai­néis de fo­to­gra­fi­as, mui­to distintos, qua­se con­trá­ri­os. Num, as fo­to­gra­fi­as, pa­re­cem des­pro­te­gi­das, co­mo se ame­a­ças­sem cair da te­la, fu­gir-lhe, nu­ma com­po­si­ção ma­nu­al, qua­se anár­qui­ca, rá­pi­da (que lem­bra as ca­pas dos ca­der­nos de es­co­la dos ado­les­cen­tes, co­ber­tas de re­cor­tes e ima­gens). Do­mi­na o pre­to e o bran­co de uma noi­te es­cu­ra e chu­vo­sa em ima­gens de de­sam­pa­ro e so­li­dão. Ve­mos al­guém dei­ta­do, imó­vel, há um sem-abri­go, um gru­po de ho­mens que avan­ça na noi­te, es­con­den­do o ros­to, fu­gin­do do frio e de uma in­tem­pé­rie que dei­xa as sua mar­cas, as su­as man­chas na fo­to­gra­fia. Crime, aci­den­te, noi­te, rua, ci­da­de, mor­te. An­dré Prín­ci­pe pa­re­ce evo­car We­e­gee (no­me mai­or da fo­to­gra­fia, em par­ti­cu­lar da­que­la que re­tra­tou e do­cu­men­tou o quo­ti­di­a­no nos Es­ta­dos Uni­dos do sé­cu­lo pas­sa­do) mas são as pos­si­bi­li­da­des da fic­ção que ex­plo­ra. Aque­le lu­gar e aque­la noi­te não têm no­me e, no en­tan­to, to­dos as podem re­co­nhe­cer, sem a elas se en­tre­ga­rem (en­tre o pre­to e o bran­co não dei­xa de ha­ver luz e fogo). A ou­tra com­po­si­ção é me­nos som­bria e me­nos ma­te­ri­al, “abrin­do-se” co­mo uma pá­gi­na cheia de um ál­bum de fa­mí­lia, na qual res­sal­tam ima­gens de pes­so­as e animais, pai­sa­gens, re­fe­rên­ci­as à música, à na­ta­li­da­de, a vi­a­gens. Uma po­li­fo­nia lu­mi­no­sa, que dá con­ta da plu­ra­li­da­de da vi­da e do mun­do, res­ga­ta­da ao pas­sa­do pe­la ar­te da fo­to­gra­fia, con­ce­bi­da es­ta co­mo prá­ti­ca de­mo­crá­ti­ca e nó­ma­da.

Uma e ou­tra com­po­si­ção con­tras­tam em ter­mos cro­má­ti­cos e de con­teú­do, mas não se re­ve­lam uma sem a ou­tra, en­tre a vi­da e a mor­te, o re­al e a fic­ção.

Fa­lou-se de mo­vi­men­to. Re­gres­sa nos díp­ti­cos que reúnem re­tra­tos de pes­so­as em re­pou­so, qua­se imo­bi­li­za­das, com ima­gens de cla­rões, rai­os in­ten­sos de ver­de, ama­re­lo e bran­co que An­dré Prín­ci­pe fez em 1998, apon­tan­do a má­qui­na pa­ra vá­ri­as fon­tes de luz. Os re­tra­tos re­sul­tam de um olhar que po­de­ría­mos par­ti­lhar com o ar­tis­ta (so­bre o lu­gar e o re­tra­ta­do, nu­ma sen­sa­ção co­mum do que é a re­a­li­da­de), a se­gun­da é fei­ta de es­pec­tros que o ges­to de An­dré Prín­ci­pe trou­xe ao mun­do na sua dan­ça com a má­qui­na. Bri­lham co­mo pin­tu­ras que es­cor­rem, lu­zes de néon dis­tor­ci­das, li­que­fei­tas. La­do a la­do, os dois ti­pos de ima­gens pro­põem di­a­léc­ti­cas, ten­sões de or­dem cro­má­ti­ca, for­mal, re­pre­sen­ta­ci­o­nal an­tes de cul­mi­na­rem num sen­ti­do co­mum: são am­bas apa­ri­ções, co­mo a do ti­gre que, nu­ma das fo­to­gra­fi­as de mai­o­res di­men­sões, pa­re­ce avan­çar, des­per­to, ca­ti­va­do pe­la nos­sa som­bra.

To­dos os re­tra­ta­dos fo­ram um dia vis­tos por An­dré Prín­ci­pe, fi­ze­ram ou fa­zem par­te da sua vi­da in­di­vi­du­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.