Uma Ham­mer­kla­vi­er ma­gis­tral!

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Gra­va­ção ma­gis­tral, ab­so­lu­ta­men­te ma­gis­tral, co­mo ra­ras vezes se ou­viu num dis­co de pi­a­no be­etho­ve­ni­a­no.

Au­gus­to M. Se­a­bra

Be­etho­ven

So­na­tas op. 106 Ham­mer­kla­vi­er e op.27 nº2 Ao Lu­ar

Mur­ray Pe­rahia

DG, dist. Uni­ver­sal Mur­ray Pe­rahia é re­co­nhe­ci­da e no­to­ri­a­men­te um dos gran­des pi­a­nis­tas da ac­tu­a­li­da­de. É cu­ri­al re­cor­dar o seu per­cur­so. Co­mo pro­fes­sor te­ve um gran­de mas in­jus­ta­men­te tão pou­co lem­bra­do pi­a­nis­ta, Mi­eczys­law Hors­zows­ki, pa­ra mais, as­pec­to im­por­tan­te, um gran­de in­ter­pre­te de música de câ­ma­ra, e te­ve tam­bém a opor­tu­ni­da­de de fre­quen­tar o Fes­ti­val de Marl­bo­ro e de aí trabalhar com in­ter­pre­tes da cra­vei­ra de Ru­dolf Ser­kin (com o qual to­cou du­e­tos de pi­a­no), Ale­xan­der Sch­nei­der e Pa­blo Ca­sals — e, sen­do ele pi­a­nis­ta é Ca­sals que con­si­de­ra o seu “pai em música”. De res­to, após ter al­can­ça­do a no­to­ri­e­da­de, ga­nhan­do um dos mais im­por­tan­tes con­cur­sos in­ter­na­ci­o­nais de pi­a­no, o de Le­eds, tra­ba­lhou com Ben­ja­min Brit­ten e Peter Pe­ars no Fes­ti­val de Al­de­burgh, do qual in­clu­si­ve vi­ria a ser co-di­rec­tor ar­tis­tís­ti­co.

Em ter­mos dis­co­grá­fi­cos a sua re­pu­ta­ção fi­cou in­de­le­vel­men­te as­so­ci­a­da à in­te­gral dos Con­cer­tos pa­ra Pi­a­no de Mo­zart que fez com a En­glish Cham­ber Or­ches­tra na du­pla qua­li­da­de de so­lis­ta e ma­es­tro. Mui­to fru­tu­o­sa, com be­lís­si­mas in­ter­pre­ta­ções de obras de Mo­zart e Schu­bert, foi tam­bém a sua par­ce­ria com ou­tro pi­a­nis­ta, Ra­du Lu­pu.

De re­fe­rir é ain­da um fac­to sin­gu­lar: co­mo bem sa­be­mos, Ge­org Sol­ti foi um dos mai­o­res ma­es­tros da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo; o que é bem me­nos co­nhe­ci­do é que tam­bém gra­vou um dis­co co­mo pi­a­nis­ta, ou an­tes co­mo um dos pi­a­nis­tas. Acontece que fo­ra o jo­vem Sol­ti a vi­rar as pá­gi­nas da par­ti­tu­ra a Bé­la Bar­tók na es­treia da So­na­ta pa­ra Dois Pi­a­nos e Per­cus­são. Com es­se la­ço afec­ti­vo Sol­ti quis gra­var a obra e pa­ra par­cei­ro es­co­lheu…Mur­ray Pe­rahia.

Schu­mann, Cho­pin ou Brahms são re­fe­rên­ci­as no seu re­por­tó­rio, a que há a acres­cen­tar a sin­gu­la­ri­da­de de tam­bém abor­dar Men­dels­sohn, bem mais do que é ha­bi­tu­al em pi­a­nis­tas da sua no­to­ri­e­da­de. E, ape­sar de ter tra­ba­lha­do tam­bém com Ho­rowitz e de ter si­do mui­to pró­xi­mo de­le, é alheio ao re­por­tó­rio mais vir­tu­o­sís­ti­co, de Liszt ou dos rus­sos.

Se Mo­zart per­ma­ne­ce o seu com­po­si­tor de eleição, nas úl­ti­mas dé­ca­das o mais fre­quen­te é Ba­ch — mas con­fes­so que o seu uso cons­tan­te do pe­dal me faz con­si­de­rar as su­as in­ter­pre­ta­ções ba­chi­a­nas co­mo mo­nó­to­nas, pa­ra não di­zer mes­mo al­gu­mas vezes en­fa­do­nhas.

E Be­etho­ven? Pe­rahia tem-no abor­da­do com par­ci­mó­nia. A sua in­te­gral dos Con­cer­tos com

Hai­tink não é par­ti­cu­lar­men­te dis­tin­ti­va, co­mo não o é a in­ter­pre­ta­ção das Va­ri­a­ções Di­a­bel­li. E quan­to às 32 So­na­tas ti­nha gra­va­do até ago­ra, e se as mi­nhas con­tas não er­ram, nem me­ta­de, 15. Mas eis que…

Eis que, aos 70 anos, e co­mo se ti­ves­se ti­do ne­ces­si­da­de de to­da uma lon­ga ma­tu­ra­ção, Pe­rahia nos aba­la (não há ou­tro ter­mo) e lo­go com “a so­na­ta das so­na­tas”, a Ham­mer­kla­vi­er. Pe­se ain­da a jus­ti­fi­ca­da no­to­ri­e­da­de das três úl­ti­mas so­na­tas es­ta é a mais di­fí­cil e mo­nu­men­tal. Dis­pon­do de um no­vo ins­tru­men­to dos seus cons­tru­to­res de eleição, os in­gle­ses Bro­adwo­od (es­se pi­a­no ain­da es­tá con­ser­va­do de res­to), Be­etho­ven le­vou ao ex­tre­mo a sua am­bi­ção de que o pi­a­no so­as­se co­mo uma or­ques­tra. Ci­en­te das di­fi­cul­da­des da obra pre­viu que daí a 50 anos os pi­a­nis­tas ain­da te­ri­am di­fi­cul­da­des em in­ter­pre­tá-la.

E o que lo­gra Pe­rahia? O ataque é co­los­sal, e de ime­di­a­to somos con­fron­ta­dos com um edifício mo­nu­men­tal em que con­tu­do o sen­ti­do do de­ta­lhe nun­ca é obli­te­ra­do. A des­me­su­ra dos 1º, 3º e 4º an­da­men­tos é man­ti­da sem que­bras e de per­meio o bre­ve Scher­zo. As­sai Vi­va­ce po­de du­rar ape­nas 2’28’’ mas é de fac­to de tal mo­do “As­sai Vi­va­ce” que es­tá lon­ge de ser ape­nas um in­ter­lú­dio. Mas, e lo­go de­pois, co­mo, mas co­mo, é pos­sí­vel man­ter sem que­bra o sos­te­nu­to do tão lon­go Ada­gio? E co­mo é pos­sí­vel lo­grar a ter­ri­vel­men­te di­fí­cil com­bi­na­ção da for­ma-so­na­ta e das fu­gas no an­da­men­to fi­nal, pa­ra mais res­pei­tan­do as ter­rí­veis in­di­ca­ções de me­tró­no­mo do Al­le­gro ri­so­lu­to? Só de ou­vir fi­ca-se ofe­gan­te!

Em vez de co­lo­car em aber­tu­ra do dis­co, qual pre­lú­dio ao aba­lo da Ham­mer­kla­vi­er, a bem mais pra­ti­ca­da Ao Lu­ar, Pe­rahia se­gue o ca­mi­nho in­ver­so, co­mo se de­pois do tu­mul­to vi­es­se a “rê­ve­rie”. E são de fac­to de uma eté­ria be­le­za os dois pri­mei­ros an­da­men­tos da so­na­ta. Só que de­pois vem um Pres­to agi­ta­to que é de no­vo es­ma­ga­dor. Co­mo, mas co­mo, é pos­sí­vel a Pe­rahia con­se­guir ser tão ma­gis­tral ao ní­vel dos mai­o­res de­sa­fi­os?!

Es­ta gra­va­ção é ma­gis­tral, ab­so­lu­ta­men­te ma­gis­tral, co­mo ra­ras vezes se ou­viu num dis­co de pi­a­no be­etho­ve­ni­a­no.

Em Maio Pe­rahia vol­ta à Gul­ben­ki­an, com “pro­gra­ma a anun­ci­ar”. O que nos es­ta­rá re­ser­va­do?

Pe­rahia aba­la-nos (não há ou­tro ter­mo) com “a so­na­ta das so­na­tas”, a Ham­mer­kla­vi­er

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.