Cho­rar ba­ba e ra­nho, ce­le­brar a vi­da: eis Robyn, oi­to anos de­pois

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Ho­ney mar­ca o regresso aos ál­buns a so­lo da cantora e com­po­si­to­ra su­e­ca. É um dis­co la­te­jan­te, vi­bran­te, que en­con­tra al­go de triun­fan­te na re­si­li­ên­cia. Ma­ri­a­na Du­ar­te

Ho­ney

Robyn

Ko­ni­chiwa/ In­ters­co­pe Robyn foi des­co­ber­ta aos 13 anos pe­lo gru­po su­e­co Le­gacy of Sound nu­ma fes­ta da es­co­la, en­quan­to can­ta­va so­bre o divórcio dos pais. Me­ta­bo­li­zar as agru­ras da vi­da em glo­ri­o­sas can­ções po­pe­lec­tró­ni­ca, de emo­ti­vi­da­de trans­bor­dan­te e vul­ne­ra­bi­li­da­de cris­ta­li­na, tor­nar-se-ia na sua es­pe­ci­a­li­da­de — Dan­cing On My

Own (2010), um dos gran­des mo­men­tos da pop da úl­ti­ma dé­ca­da, é 100% is­so e é mui­to o epí­to­me da ex­pres­são “crying on the dan­ce flo­or” (quem nun­ca?).

Aos 14, Robyn já ti­nha contrato as­si­na­do com uma edi­to­ra. Trans­for­mou-se ra­pi­da­men­te nu­ma es­tre­la pop ado­les­cen­te. Tan­to ia a pro­gra­mas de te­le­vi­são pa­ra miú­dos co­mo a fes­tas de Ja­net Jack­son. Tra­ba­lhou com o produtor Max Mar­tin, pou­co an­tes de es­te se ter tor­na­do num dos mai­o­res fa­ze­do­res de hits da in­dús­tria pop, de Backs­tre­et Boys a Tay­lor Swift. Ain­da nos anos 90, a ame­ri­ca­na Ji­ve Re­cords ofe­re­ceu a Robyn um contrato su­ma­ren­to. Ela re­cu­sou (em al­ter­na­ti­va, apos­ta­ram nu­ma miú­da de 15 anos cha­ma­da Brit­ney Spe­ars).

Robyn sem­pre fez as coi­sas à sua ma­nei­ra. De for­ma dis­cre­ta, foi dei­xan­do ras­to, so­bre­tu­do na pop me­nos mas­si­fi­ca­da: sem ela não te­ría­mos a mes­ma Lor­de, a mes­ma Char­li XCX ou a mes­ma Carly Rae Jep­sen. Ho­je, aos 39 anos, ocu­pa um lu­gar de íco­ne pop mais ou me­nos pe­ri­fé­ri­co, cir­cu­lan­do en­tre a pop, a música de dan­ça e o in­die. Ho­je, es­tá de vol­ta com um no­vo ál­bum, o pri­mei­ro a so­lo em oi­to anos. Em Ho­ney, Robyn pro­ces­sa um des­gos­to de amor, a mor­te do ami­go e produtor Ch­ris­ti­an Falk e mui­tas ses­sões de psi­co­te­ra­pia. Ape­sar dis­so, ou tam­bém por is­so, é um dis­co la­te­jan­te, vi­bran­te, que en­con­tra al­go de triun­fan­te na re­si­li­ên­cia e no fa­zer lu­to — ou­ça­mos Be­cau­se It’s In The Mu­sic, can­ção es­te­lar de dis­co-sound tra­ça­da a R&B que re­bri­lha a ca­da pas­so, e em que Robyn pa­re­ce en­sai­ar um en­con­tro en­tre Whit­ney Hous­ton e Gi­or­gio Mo­ro­der. Is­to é aque­la in­ten­si­da­de ca­tár­ti­ca ca­paz de pa­rar uma sa­la in­tei­ra, is­to é Robyn a su­pe­rar-se.

Um dos pon­tos mais in­te­res­san­tes do ál­bum é o re­me­xer na me­mó­ria da música hou­se dos anos 90. Em Betwe­en

The Li­nes evo­ca-se Gypsy Wo­man, de Crys­tal Wa­ters, e Ro­bin S., en­quan­to Send To Robyn Im­me­di­a­tely balança a hip­no­se com um sam­ple de Fren­ch Kiss, de Lil Louis. A música de dan­ça é o mús­cu­lo de Ho­ney, mas, ao con­trá­rio do que acon­te­cia no seu an­te­ces­sor, Body Talk, aqui há mais oxi­gé­nio, mais tensão, uma ex­plo­ra­ção ce­lu­lar das me­lo­di­as (cor­te­sia tam­bém do elenco de pro­du­to­res, on­de fi­gu­ram Kind­ness e Jo­seph Mount, dos Me­tro­nomy): is­so é evi­den­te na es­pec­ta­cu­la­ri­da­de mi­ni­mal de Ho­ney, o sin­gle, ou na vo­lú­pia gé­li­da e pe­ne­tran­te de Hu­man Being. O fi­nal, Ever Again, é gran­di­o­so. É Robyn a es­can­ca­rar a ener­gia pri­me­va de uma can­ção, a mos­trar-nos o quan­to po­de ser re­ge­ne­ra­do­ra e sal­ví­fi­ca. Mui­to pi­e­gas, mas mui­to ver­da­dei­ro.

Um dis­co que en­con­tra al­go de triun­fan­te na re­si­li­ên­cia e no fa­zer lu­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.