Uma his­tó­ria de san­gue

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Co­mo se Our Mad­ness fos­se um fil­me so­bre a fal­ta de ima­gens da tragédia afri­ca­na e pro­cu­ras­se com­ba­ter es­sa la­cu­na.

Luís Miguel Oliveira

Our Mad­ness

De João Vi­a­na

Com Er­ma­nia Rai­nha, Fran­cis­co Mu­xan­ga, Ma­ma­du Baio Áfri­ca tem si­do o ter­ri­tó­rio de João Vi­a­na, que an­tes fil­ma­ra, na Gui­né, A Ba­ta­lha de Ta­batô (no fil­me que pri­mei­ro cha­mou atenção so­bre o re­a­li­za­dor, gra­ças ao su­ces­so da sua pas­sa­gem pe­lo Fes­ti­val de Ber­lim), e ago­ra se ins­ta­la em Moçambique. Our Mad­ness, “a nos­sa lou­cu­ra”, é um fil­me mais am­bi­ci­o­so (em ter­mos de es­tru­tu­ra, em ter­mos, até, de acu­ti­lân­cia es­té­ti­ca), e é tam­bém um fil­me mais con­se­gui­do — en­tre o mi­to e re­a­li­da­de, é uma evo­ca­ção, por vezes so­nâm­bu­la, por vezes oní­ri­ca, de uma “his­tó­ria ge­ral” afri­ca­na, dos sé­cu­los de co­lo­ni­a­lis­mos, das dé­ca­das de guer­ras ci­vis e vi­o­lên­cia ge­ne­ra­li­za­da. A am­bi­gui­da­de do título (“nos­sa”, de quem?), que tam­bém se justifica pe­lo lu­gar que ser­ve de pon­to de par­ti­da nar­ra­ti­vo (um ma­ni­có­mio em Ma­pu­to), é so­bre­tu­do re­tó­ri­ca: a “lou­cu­ra” é co­lec­ti­va, é his­tó­ri­ca, é de to­dos, eu­ro­peus e afri­ca­nos, co­lo­ni­za­do­res e (pós-) co­lo­ni­za­dos.

Há uma mu­lher que, sem­pre em tran­se ( o la­do so­nâm­bu­lo evo­ca a Ca­sa de La­va de Pe­dro Cos­ta), procura ma­ri­do e filho, que tam­bém podem ser ape­nas fan­tas­mas, há mui­to de­sa­pa­re­ci­dos, por­ven­tu­ra na guer­ra. No fun­do pou­co im­por­ta, a sua his­tó­ria é me­ro fil rou­ge, ele­men­to con­du­tor do olhar do fil­me, eco das gran­des ca­tás­tro­fes afri­ca­nas. O que im­por­ta é a fi­gu­ra da viagem, da de­am­bu­la­ção, e a for­ma co­mo tu­do is­so com­bi­na as­pec­tos fí­si­cos e pal­pá­veis com ir­rup­ções mi­to­ló­gi­cas nou­tra or­dem de re­a­li­da­de, a for­ma co­mo am­bi­en­tes re­a­lis­tas ( bar­zi­nhos com as pa­re­des en­fei­ta­das com anún­ci­os de refrigerantes, pai­sa­gens de prai­as, de ri­os, de sa­va­nas) sur­gem de bra­ço da­do com um ima­gi­ná­rio tra­di­ci­o­nal co­lhi­do no fol­clo­re lo­cal. Os en­qua­dra­men­tos ri­go­ro­sos e su­ges­ti­vos, a fo­to­gra­fia num pre­to e bran­co frio ( a ima­gem é de Sa­bi­ne Lan­ce­lin, umas das mai­o­res di­rec­to­ras de fo­to­gra­fia da ac­tu­a­li­da­de, que tra­ba­lhou com Chan­tal Aker­man e Oliveira), tu­do is­so con­tri­bui pa­ra que es­se vai e vem en­tre re­a­li­da­de e ima­gi­ná­rio, per­cur­so es­pa­ci­al e per­cur­so men­tal, ga­nhe uma for­ça pe­cu­li­ar, so­bre­tu­do qu­an­do se con­se­gue que as du­as coi­sas, “re­a­li­da­de” e “so­nho”, se tor­nem a mes­ma. Há mo­men­tos que ex­pli­ci­tam a pas­sa­gem ao olhar mais vas­to so­bre a tragédia afri­ca­na, por exem­plo qu­an­do se evo­cam os gran­des mas­sa­cres que a his­tó­ria eu­ro­peu in­te­grou co­mo “sím­bo­lo” ( Gu­er­ni­ca, por exem­plo) ao la­do dos mas­sa­cres afri­ca­nos de que os eu­ro­peus guar­dam na me­lhor das hi­pó­te­ses um no­me, mais ou me­nos obs­cu­ro. Co­mo se Our Mad­ness fos­se um fil­me so­bre a fal­ta de ima­gens da tragédia afri­ca­na e pro­cu­ras­se, na me­di­da das su­as pos­si­bi­li­da­des, com­ba­ter es­sa la­cu­na. Don­de, a ima­gem mais sin­té­ti­ca e mais drás­ti­ca, o mo­men­to em que o pre­to e bran­co sur­ge tin­ta­do de ver­me­lho- san­gue, trans­for­ma­do na cor do­mi­nan­te de uma his­tó­ria que, mais do que do um país, é de to­do um con­ti­nen­te.

A “lou­cu­ra” é co­lec­ti­va, é his­tó­ri­ca, é de to­dos, eu­ro­peus e afri­ca­nos, co­lo­ni­za­do­res e (pós-)co­lo­ni­za­dos: Our Mad­ness

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.