Lu­zes da ri­bal­ta

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Uma fan­ta­sia so­bre uma fan­ta­sia, um olhar pa­ra o Portugal sa­la­za­ris­ta com a re­vis­ta à por­tu­gue­sa co­mo pre­tex­to — um fil­me com mais am­bi­ção que re­sul­ta­dos mas que é o nos­so APV pre­fe­ri­do em anos. Jor­ge Mou­ri­nha

Par­que Mayer

De António-Pe­dro Vas­con­ce­los Com Fran­cis­co Fro­es, Da­ni­e­la Mel­chi­or, Di­o­go Mor­ga­do Tal­vez a me­lhor ma­nei­ra de olhar­mos pa­ra Par­que Mayer seja des­car­tan­do a “gan­ga” que ro­deia, des­de há mui­to tem­po, as de­cla­ra­ções pú­bli­cas de An­tó­ni­o­Pe­dro Vas­con­ce­los e to­man­do o fil­me por aqui­lo que ele é, ape­nas: um fil­me. Em nos­so en­ten­der, pe­lo me­nos, o me­lhor fil­me de Vas­con­ce­los em mui­to tem­po, cer­ta­men­te des­de Os Imor­tais —o que não faz de­le nem um gran­de fil­me, nem o isen­ta de ter pro­ble­mas es­tru­tu­rais re­cor­ren­tes nas úl­ti­mas obras do ci­ne­as­ta. Que vão de uma du­ra­ção al­go ex­ces­si­va a uma uti­li­za­ção ater­ra­do­ra da banda-so­no­ra, que car­re­ga a tra­ço gros­so em vez de ape­nas co­lo­rir, pas­san­do pe­la que­da pon­tu­al no ma­ni­queís­mo te­le­no­ve­les­co (so­bre­tu­do na re­la­ção en­tre De­o­lin­da, a as­pi­ran­te a ve­de­ta, e o seu na­mo­ra­do, vi­lão de ope­re­ta ao qual nem fal­ta ser PIDE).

O que Par­que Mayer trans­pi­ra, so­bre­tu­do — e é is­so que nos se­duz ne­le — é a as­su­mi­da ci­ne­fi­lia do seu re­a­li­za­dor, a von­ta­de de fa­zer um pa­no­ra­ma dos bastidores do teatro po­pu­lar co­mo os fran­ce­ses em tem­pos fi­ze­ram, co­mo se fos­se um Bec­ker ou um Car­né (Vas­con­ce­los fa­la de Re­noir, de Fren­ch Can­can ou A Co­mé­dia e a Vi­da — mas ne­nhum de­les pre­ci­sou de 134 mi­nu­tos pa­ra con­tar as su­as his­tó­ri­as...). Que es­sa von­ta­de de adap­tar a ideia à re­vis­ta à por­tu­gue­sa não possa ser cum­pri­da — por­que a re­vis­ta é um ca­dá­ver adi­a­do que já não po­de vol­tar a ser o que foi; por­que a pro­du­ção na­ci­o­nal não tem um or­ça­men­to ili­mi­ta­do nem um de­co­ra­dor co­mo Ale­xan­der Trau­ner pa­ra lhe dar a vol­ta — aca­ba por cair bem a Par­que Mayer. O que foi a re­vis­ta, no fun­do, se­não um teatro de­sen­ras­ca­do, fa­zen­do das fra­que­zas for­ças, pa­ren­te po­bre do pa­lha­ço ri­co? Que Par­que Mayer seja “o mui­to que se po­de fa­zer com o pou­co que se tem” é per­fei­to pa­ra fa­lar da re­vis­ta — e de um pe­río­do em que era um es­pa­ço não in­tei­ra­men­te seguro de crí­ti­ca so­ci­al e protesto con­tra o re­gi­me, em que um par de ho­ras num teatro fun­ci­o­na­va co­mo es­ca­pe do cin­zen­to da vi­da.

Se a re­vis­ta eram du­as ho­ras de fan­ta­sia, en­tão Par­que Mayer quer ser uma fan­ta­sia so­bre uma fan­ta­sia: o en­con­tro de três “ti­pos” ca­rac­te­rís­ti­cos (a “in­gé­nua” Da­ni­e­la Mel­chi­or, o “ma­ri­o­la” Di­o­go Mor­ga­do, o “se­nhor dou­tor” Fran­cis­co Fro­es) nu­ma his­tó­ria que fa­la de Portugal, on­de aqui­lo que é di­to meio a rir no pal­co é vi­vi­do sem sor­ri­sos na vi­da re­al, com os ac­to­res de te­le­vi­são e da te­le­no­ve­la a subs­ti­tui­rem as ve­de­tas da re­vis­ta (afi­nal, sem­pre são o mais pró­xi­mo que te­mos ho­je, quer da re­vis­ta, quer da in­dús­tria e do mer­ca­do au­di­o­vi­su­al que Portugal nun­ca te­ve). É uma cla­ra e jus­ta ideia de mi­se en scè­ne, que o fil­me car­re­ga — e, a es­pa­ços, so­bre­car­re­ga — de re­le­vân­cia con­tem­po­râ­nea (vi­o­lên­cia do­més­ti­ca, re­sis­tên­cia po­lí­ti­ca, ho­mos­se­xu­a­li­da­de, pros­ti­tui­ção, cor­rup­ção), nu­ma sa­la­da que es­cor­re­ga pa­ra o di­dác­ti­co ou pa­ra o re­dun­dan­te mas que Vas­con­ce­los vai ge­rin­do com efi­cá­cia. E, so­bre­tu­do, dan­do aos ac­to­res es­pa­ço pa­ra em­pres­ta­rem den­si­da­de e vi­da às per­so­na­gens de arqué­ti­po, con­subs­tan­ci­a­do na ma­nei­ra co­mo Ale­xan­dra Len­cas­tre e Miguel Guilherme em­pres­tam per­so­na­li­da­de a pa­péis se­cun­dá­ri­os, e co­mo Fro­es e

Da­ni­e­la são ab­so­lu­ta­men­te cre­dí­veis en­quan­to par (fal­sa­men­te) ro­mân­ti­co.

Cla­ro que, de­pois, tal co­mo a re­vis­ta qu­an­do as lu­zes do pal­co se apa­gam, o que res­ta de Par­que Mayer é mui­to pou­co: um olhar so­bre a po­bre­za de um país e de uma épo­ca que na­da traz de no­vo, um fil­me es­cor­rei­to e cor­rec­to que con­fir­ma APV co­mo um ci­ne­as­ta fo­ra de tem­po e fo­ra de mo­da, Dom Qui­xo­te que tei­ma em fa­zer

“ci­né­ma de papa” num país po­la­ri­za­do en­tre a ló­gi­ca da te­le­vi­são em gran­de écrã e o

O que Par­que Mayer trans­pi­ra, so­bre­tu­do – e é is­so que nos se­duz ne­le – é a as­su­mi­da ci­ne­fi­lia do seu re­a­li­za­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.