O ho­mem sem qua­li­da­des

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Pa­o­lo Sor­ren­ti­no fil­ma o fim da era Ber­lus­co­ni co­mo uma tra­gi­co­mé­dia anun­ci­a­da. Jor­ge Mou­ri­nha

Silvio e os Ou­tros

Lo­ro

De Pa­o­lo Sor­ren­ti­no

Com To­ni Ser­vil­lo, Elena So­fia Ric­ci, Ric­car­do Sca­mar­cio É o mo­men­to pe­lo qual a mul­ti­dão aguar­da­va, o mo­men­to em que Pa­o­lo Sor­ren­ti­no, um dos ci­ne­as­tas mais odi­a­dos da in­tel­li­gent­sia con­tem­po­râ­nea, dá o tro­pe­ção tão de­se­ja­do pe­los ha­ters: Silvio e os Ou­tros, olhar so­bre o fim da era Silvio Ber­lus­co­ni, nas­ceu em Itália co­mo dois fil­mes se­pa­ra­dos es­tre­a­dos com um mês de in­ter­va­lo, fa­lhou o cir­cui­to de fes­ti­vais, es­treia fo­ra do seu país na­tal co­mo um úni­co fil­me de du­as ho­ras e meia, es­pé­cie de mons­tro de Fran­kens­tein re­jei­ta­do. A cer­ta al­tu­ra em Silvio e os Ou­tros, al­guém diz “qu­an­do os jo­gos aca­ba­rem, res­ta­rá o es­pe­lho” — e sem­pre ti­ve­mos a sen­sa­ção que, ao fa­lar da Itália co­mo o fez em Il Di­vo ou A Gran­de Be­le­za ou mes­mo na sua sé­rie te­le­vi­si­va The Young Po­pe, Sor­ren­ti­no tam­bém es­ta­va a fa­lar de si, co­mo se o seu cinema vis­to­so e os­ten­ta­tó­rio fos­se a úni­ca ma­nei­ra que ti­nha de po­der fil­mar o país que o ro­de­a­va.

Silvio e os Ou­tros se­ria, en­tão, o mo­men­to de olhar pa­ra o es­pe­lho — ao con­tar o es­ter­tor dos anos Ber­lus­co­ni co­mo uma lon­guís­si­ma e inin­ter­rup­ta en­ce­na­ção so­bre o va­zio, um fim de fes­ta on­de to­dos se agar­ram ao pas­sa­do co­mo se ain­da fos­se pos­sí­vel re­cu­pe­rá-lo, o no­vo fil­me é o re­ver­so da Gran­de Be­le­za, as tra­sei­ras da fa­cha­da da dol­ce vi­ta que afi­nal não pas­sou de um enor­me te­lão trom­pe-l’oeil. “Sem­pre fos­te um far­san­te” é a acu­sa­ção que Ve­ro­ni­ca lança a Silvio, “ho­mem sem qua­li­da­des” que sou­be sem­pre ser um qua­dro em bran­co apro­vei­tan­do-se da­qui­lo que to­dos os ou­tros ne­le pro­jec­ta­vam. Não é por aca­so que a pri­mei­ra “par­te” do fil­me, o seu no­me qua­se nun­ca é men­ci­o­na­do: é sem­pre “Ele”, o ho­mem com o to­que de Mi­das, ca­paz de tor­nar to­dos os sonhos re­a­li­da­de, “pa­dri­nho” cu­ja bên­ção to­dos pro­cu­ram e que lhes po­de abrir as por­tas do su­ces­so, big brother que cria uma ou­tra re­a­li­da­de que, mais tar­de ou mais ce­do, cai­rá por ter­ra.

Sor­ren­ti­no nun­ca se de­ci­de en­tre acre­di­tar nes­sa os­ten­ta­ção e de­nun­ci­ar o seu gro­tes­co; com­pre­en­de a gran­de­za da fa­cha­da e tam­bém a pe­que­nez de quem a sus­ten­ta, os­ci­la en­tre a con­des­cen­dên­cia e a com­pre­en­são, sem­pre fil­man­do com aque­les ges­tos de gran­di­o­si­da­de es­pam­pa­nan­te que são a sua mar­ca re­gis­ta­da. E Silvio e os Ou­tros nun­ca é mais do que uma “se­que­la” não as­su­mi­da da Gran­de Be­le­za, um olhar pa­ra o fim da fes­ta e pa­ra o pôr a nu do ho­mem que es­ta­va no seu cen­tro e da­que­les que o fa­ci­li­ta­ram, di­vi­di­do en­tre ce­le­brar o fi­nal de uma era in­sus­ten­tá­vel e la­men­tar as opor­tu­ni­da­des sa­tí­ri­cas que vão de­sa­pa­re­cer. Não é por aca­so que tu­do aca­ba com a tragédia do ter­ra­mo­to de Aqui­la – mo­men­to on­de já não há fa­cha­da pos­sí­vel, “fim do mun­do” que, co­mo Eli­ot di­ria, acontece não com uma ex­plo­são mas com um so­lu­ço. De­pois dis­to, fi­ca o quê?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.