Ac­ção Pa­ra­le­la António Gu­er­rei­ro In­sur­rei­ção e po­bre­za

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Uma das me­di­das de Em­ma­nu­el Ma­cron pa­ra de­ter as re­vol­tas que têm en­con­tro mar­ca­do, em Fran­ça, to­dos os sá­ba­dos, foi anun­ci­ar um au­men­to de 100 eu­ros do sa­lá­rio mí­ni­mo. Nun­ca an­tes se ti­nha tor­na­do tão cla­ro o que sig­ni­fi­ca o “mí­ni­mo” sa­la­ri­al: não se tra­ta do mí­ni­mo pa­ra ga­ran­tir uma vi­da de­cen­te, em­bo­ra po­bre, mas do mí­ni­mo num sen­ti­do po­lí­ti­co, is­to é, o li­mi­te aquém do qual há o ris­co de in­sur­rei­ções, re­vol­tas, rup­tu­ra da paz so­ci­al, eclo­são de uma guerra ci­vil la­ten­te. Mas es­ses 100 eu­ros, pro­me­teu Ma­cron, não vão cus­tar um eu­ro a mais ao em­pre­ga­dor. Ad­mi­rá­vel con­tra­di­ção: as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do so­ci­al, a que o neo-li­be­ra­lis­mo sem­pre se opôs ac­ti­va­men­te, tra­ba­lhan­do pa­ra o seu en­fra­que­ci­men­to, são pos­tas ao ser­vi­ço de uma ló­gi­ca go­ver­na­men­tal que as uti­li­za pa­ra ilu­dir ao mes­mo tem­po dois ris­cos: os ris­cos da re­vol­ta e da po­li­ti­za­ção dos tra­ba­lha­do­res e dos es­tra­tos mais pre­cá­ri­os da so­ci­e­da­de, por um la­do, e o ris­co de pro­vo­car a hos­ti­li­da­de dos pa­trões e de afu­gen­tar as em­pre­sas. Da­qui de­cor­re uma evi­dên­cia: a te­o­ria da so­ci­e­da­de do ris­co pre­ci­sa de in­te­grar nos seus cál­cu­los e de­sen­vol­vi­men­tos o ris­co que ad­vém da re­du­ção dos pri­vi­lé­gi­os con­ce­di­dos aos gran­des de­ten­to­res dos mei­os de pro­du­ção e de pro­pri­e­da­de pri­va­da. Foi o que fez Em­ma­nu­el Ma­cron, ao abo­lir as ta­xas su­ple­men­ta­res so­bre as gran­des for­tu­nas, me­di­da que lhe va­leu o epí­te­to de “Pre­si­den­te dos ri­cos”. Au­men­tar o sa­lá­rio mí­ni­mo sem que is­so cus­te um cên­ti­mo aos pa­trões é um mi­la­gre de par­ti­lha ne­o­li­be­ral: é trans­fe­rir pa­ra o bol­so dos po­bres um mon­tan­te “mí­ni­mo” que uma po­lí­ti­ca fis­cal e de se­gu­ran­ça so­ci­al aca­ba­rá por lhes re­ti­rar, ga­ran­tin­do ao mes­mo tem­po a “as­sis­tên­cia” às em­pre­sas, aos em­pre­ga­do­res – a as­sis­tên­cia que a “go­ver­na­men­ta­li­da­de” neo-li­be­ral pro­mo­ve atra­vés de um gi­gan­tes­co trans­fert de ren­di­men­tos pa­ra os de­ten­to­res de ri­que­za. Nes­ta re­vol­ta que tem pos­to al­gu­mas ci­da­des fran­ce­sas a ferro e fo­go, vê-se bem co­mo a po­bre­za é sem­pre re­la­ti­va (co­mo já Sim­mel ti­nha mos­tra­do, num es­tu­do de 1907 so­bre os po­bres). Por is­so, quan­do ho­je se fa­la do au­men­to da po­bre­za nun­ca se sabe bem do que se es­tá a fa­lar: da po­bre­za em ter­mos ab­so­lu­tos ou da dis­tân­cia ca­da vez mai­or en­tre os que se si­tu­am nos pó­los opos­tos qu­an­to aos ren­di­men­tos que au­fe­rem? Uma so­ci­e­da­de ri­ca, co­mo é a fran­ce­sa, ori­gi­na uma no­va po­bre­za, que tem a ver com car­ros e com­bus­tí­veis. Es­ta po­bre­za é cri­a­da no in­te­ri­or de uma so­ci­e­da­de ob­jec­ti­va­men­te ri­ca, atra­vés de ins­tru­men­tos po­lí­ti­cos de di­vi­são e de di­fe­ren­ci­a­ção. O re­gi­me po­lí­ti­co-eco­nó­mi­co em que vi­ve­mos, e pa­ra o qual não se vis­lum­bra ain­da saí­da que não se­ja sob a for­ma de ca­tás­tro­fe, não quer a re­du­ção – e mui­to me­nos a ex­tin­ção – des­sa po­bre­za, pe­la sim­ples ra­zão de que pre­ci­sa de­la pa­ra a sua for­ma de go­ver­nar. Em su­ma: go­ver­na a par­tir de­la, co­mo se vê com to­da a cla­re­za mes­mo no mo­men­to em que Ma­cron de­cla­ra so­le­ne­men­te à na­ção que per­ce­beu a có­le­ra dos re­vol­to­sos e to­mou me­di­das pa­ra res­ta­be­le­cer a paz so­ci­al. Pi­er Pa­o­lo Pa­so­li­ni des­cre­veu com uma fú­ria inau­di­ta e um em­pe­nha­men­to po­lí­ti­co ra­di­cal es­ta pas­sa­gem po­lí­ti­ca, so­ci­o­ló­gi­ca e an­tro­po­ló­gi­ca da ve­lha po­bre­za - do po­vo que ele ve­ne­ra­va - pa­ra uma no­va po­bre­za, me­di­da pe­los pa­râ­me­tros da clas­se mé­dia que representou pa­ra ele uma vil con­di­ção so­ci­al e cul­tu­ral, pre­nún­cio de um fim do mun­do. Mas o mo­do co­mo Ma­cron tem go­ver­na­do e co­mo ge­riu ago­ra as re­vol­tas mos­tra uma coi­sa mui­to in­te­res­san­te que nem sem­pre é evi­den­te: há um in­ter­ven­ci­o­nis­mo do Es­ta­do na cons­tru­ção do mer­ca­do que tem vin­do a ser am­pli­fi­ca­do pe­las po­lí­ti­cas neo-li­be­rais con­tem­po­râ­ne­as. Mui­to em­bo­ra es­tas fa­çam a pre­ga­ção do mer­ca­do co­mo sis­te­ma pre­ten­sa­men­te au­to-re­gu­la­do. Is­to foi mui­to bem des­cri­to por Mi­chel Fou­cault na sua aná­li­se do or­do-li­be­ra­lis­mo ale­mão do pós-guerra. Ao Es­ta­do ca­be es­ta­be­le­cer o equi­lí­brio to­le­rá­vel na so­ci­e­da­de de ris­co – o ris­co du­plo, que ad­vém tan­to da apro­xi­ma­ção dos po­bres em re­vol­ta, co­mo do dis­tan­ci­a­men­to dos ri­cos pa­ra ou­tras pa­ra­gens. Ma­cron foi pou­co pru­den­te e não te­ve em con­ta to­dos es­ses ris­cos. Ago­ra, sim, diz ele, per­ce­beu­os bem. E o que sig­ni­fi­ca pa­ra ele tê-los per­ce­bi­do? Sig­ni­fi­ca uti­li­zar de ma­nei­ra cí­ni­ca ou mes­mo per­ver­sa as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do-pro­vi­dên­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.