Os anos 90 es­tão vi­vos e re­co­men­dam-se

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Cau­ti­ous não pre­ci­sa da cau­ção de nin­guém: é Ma­ri­ah Ca­rey a bri­lhar, aos 48 anos, num re­gres­so — coin­ci­dên­cia ou não — si­mul­ta­ne­a­men­te ao pas­sa­do e ao seu to­po de for­ma. Fran­cis­co No­ro­nha

Cau­ti­on Ma­ri­ah Ca­rey Epic Não se­rá no­vi­da­de pa­ra nin­guém o fac­to de se vi­ver, no mun­do do R&B ac­tu­al, um in­ten­so re­vi­va­lis­mo dos anos 90 — al­go que, mui­to na­tu­ral nos dias que cor­rem, se­ria im­pen­sá­vel há meia dú­zia de anos atrás, con­de­na­das que tais so­no­ri­da­des es­ta­vam a es­se ana­cró­ni­co e cru­el tem­po­es­pa­ço do “lá atrás”. Se, por um la­do, tal re­vi­va­lis­mo ilus­tra o sem­pi­ter­no efei­to bu­me­ran­gue des­tas coi­sas ( as mo­das que, en­fim, “vão e vêm”), re­flec­te tam­bém, mais sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, a che­ga­da à ida­de adul­ta ( ou aos pal­cos) de mui­tos miú­dos e miú­das nas­ci­dos nos 80s 90s. Ou se­ja, gen­te que, ten­do cres­ci­do a ou­vir Aa­liyah, To­ni Brax­ton ou TLC ( ban­da so­no­ra dos seus pri­mei­ros amo­res e de­si­lu­sões, noi­tes de ca­ní­cu­la e anó­di­nas one-night-stand), de­se­ja, ho­je, emu­lar os seus he­róis e mu­sas (um dos mais bri­lhan­tes exem­plos é H. E. R., dois EP fa­bu­lo­sos em 2016 e 2017). A no­vi­da­de, aqui, é que quem en­con­tra­mos a fa­zer o co­me back a es­ses sons “no­ven­tis­tas”, e ao seu já tar­dio “new jack swing” (ori­gi­nal­men­te “oi­ten­tis­ta”, e o te­cla­do ini­ci­al de The Dis­tan­ce vem pre­ci­sa­men­te daí), é não um des­ses fan­boys, mas jus­ta­men­te uma das su­as mu­sas. Fa­la­mos, por­tan­to, de uma Ma­ri­ah Ca­rey que, na Eu­ro­pa, nun­ca lo­grou al­can­çar a di­men­são que re­al­men­te pos­sui na Amé­ri­ca, o que a co­lo­ca, em ter­mos de po­pu­la­ri­da­de, ao la­do de Ti­na Tur­ner, Whit­ney Hous­ton ou Beyoncé — aliás, dos anos 90, Ma­ri­ah Ca­rey tal­vez se­ja mes­mo “a” can­to­ra R& B, des­de lo­go pe­la sua ex­tra­or­di­ná­ria elas­ti­ci­da­de vo­cal, es­sa que lhe per­mi­te as im­pres­si­o­nan­tes mo­du­la­ções em 8th Gra­de (e que in­clu­si­va­men­te che­gam a fa­zer con­fun­dir a sua voz, quan­do o tom se agra­va, com uma mas­cu­li­na, ra­zão pe­la qual se po­de bem “ou­vir” Mi­cha­el Jack­son nos pri­mei­ros 30 se­gun­dos). Es­sa dé­ca­la­ge de po­pu­la­ri­da­de, mes­mo que “ge­o­gra­fi­ca­men­te” mais de­ve­do­ra de cir­cuns­tân­ci­as ale­a­tó­ri­as do que de ou­tra coi­sa, tem, ain­da as­sim, ra­zão de ser. Nu­ma car­rei­ra ex­tre­ma­men­te pro­lí­fi­ca, Ca­rey tem al­ter­na­do mo­men­tos be­lís­si­mos, R& B do mais apu­ra­do mel e glo­ri­o­so pathos (dis­pen­san­do a len­te po­li­ti­za­da que pa­re­cer ter co­lo­ni­za­do em ex­clu­si­vo al­gu­ma crí­ti­ca, que, a pre­tex­to de cau­sas mais do que le­gí­ti­mas e ne­ces­sá­ri­as, se es­que­ce de fa­lar, hé­las, de mú­si­ca), com ou­tros fran­ca­men­te de­sin­te­res­san­tes ( Me. I Am Ma­ri­ah… The Elu­si­ve Chan­teu­se, dis­co edi­ta­do em 2014 e que cu­ri­o­sa­men­te reu­nia pra­ti­ca­men­te a mes­ma equi­pa de co­la­bo­ra­do­res de Cau­ti­on, co­me­ça­va de for­ma en­tu­si­as­man­te pa­ra nos ir dei­xan­do pro­gres­si­va­men­te in­di­fe­ren­tes), e em que o sem­pre tan­gen­ci­al re­gis­to corny des­cam­ba, não ra­ras ve­zes, pa­ra o sim­ples mau gos­to. Co­mo quer que se­ja, a no­va-ior­qui­na é uma ga­ta de se­te vi­das que tem sa­bi­do ge­rir a sua car­rei­ra com in­te­li­gên­cia e cau­te­la ( Cau­ti­ous, nem de pro­pó­si­to, em­bo­ra o tí­tu­lo tam­bém pos­sa ser li­do co­mo um avi­so à na­ve­ga­ção pa­ra que não a dêem já por en­ter­ra­da) nu­ma in­dús­tria mu­si­cal em trans­for­ma­ção ace­le­ra­da nos úl­ti­mos 20 anos (mui­tís­si­mo di­fe­ren­te da­que­la com que Ca­rey to­mou con­tac­to ao tem­po do seu ho­mó­ni­mo dis­co de es­treia, de 90, do qual Vi­si­on Of Lo­ve era um pre­nún­cio de to­do o seu ul­tra-ro­mân­ti­co uni­ver­so). O no­vo ál­bum é só mais uma pro­va dis­so, um co­e­lho sa­ca­do da car­to­la quan­do nin­guém o es­pe­ra­va (al­go que, por exem­plo, Mary J. Bli­ge, ou­tra di­va dos 90s, não sou­be fa­zer no seu Strength Of A

Wo­man do ano pas­sa­do): pe­ça só­li­da, com­pac­ta, sem uma no­ta fo­ra do sí­tio e, com uma ex­cep­ção ou ou­tra ( A No No sam­pla a Rain Dan­ce dos The Jeff Lor­ber Fu­si­on de for­ma po­bre­men­te idên­ti­ca, sem ima­gi­na­ção, àque­la que Lil’ Kim sam­plou em Crush On You), as­saz vi­ci­an­te. Mais a mais se abs­ten­do de ce­der ao im­pul­so fá­cil, fre­quen­te­men­te de mau gos­to mas co­mer­ci­al­men­te ren­tá­vel, de en­ve­re­dar pe­lo trap. GTFO, tí­tu­lo da pri­mei­ra fai­xa, ri­ma per­fei­ta­men­te, no seu se­du­tor pa­ro­xis­mo, com a ca­pa do dis­co: é Ca­rey exor­tan­do vi­o­len­ta­men­te ao ama­do, com voz de an­jo so­bre um dul­cís­si­mo ins­tru­men­tal, pa­ra Get The Fuck Out (a is­to se cha­ma man­dar ce­les­ti­al­men­te al­guém àque­la par­te). Tal e qual o seu ros­to de me­ni­na bem- com­por­ta­da pa­re­des mei­as com o de nasty girl — co­mo, en­fim, o da sua he­roí­na de sem­pre Ma­rilyn Mon­roe (“Thin­kin’ ‘ bout when we we­re se­ven­te­en / Fe­e­lin’ my­self li­ke I’m Nor­ma Je­a­ne”, no re­frão de Gi­ving Me Li­fe) — jo­ga com as to­na­li­da­des blue mas, si­mul­ta­ne­a­men­te, es­car­la­tein­fer­no (de de­se­jo, las­cí­via) da ca­pa. A mes­ma vo­lup­tu­o­si­da­de tra­ves­ti­da de ino­cên­cia de One Mo’ Gen, com Ma­ri­ah a pe­dir por re­ci­pro­ci­da­de de “mo­vi­men­tos” (e o Everywhe­re a es­cla­re­cer de que The­re es­tá ela, afi­nal, a fa­lar…): “Did you li­ke when I put my lips the­re? / ‘Cau­se I li­ke when you’re kis­sin’ me everywhe­re / Do you mind if we go back in?”. De ou­tro pris­ma, es­sa du­a­li­da­de cro­má­ti­ca da ca­pa con­den­sa, ain­da, a pró­pria trans­for­ma­ção do R& B clás­si­co dos 60s pa­ra o dos 80s em di­an­te: blue, sim, mas com o ver­me­lho a re­for­çar o rythm, a dan­ça, a ener­gia pop, en­fim, mais bri­lho do que som­bra. Em­bo­ra, na re­a­li­da­de, Cau­ti­on se cons­ti­tua num ál­bum pre­do­mi­nan­te­men­te de in­te­ri­o­res, abs­ten­do- se de con­vi­dar o ou­vin­te pa­ra a pis­ta e in­ves­tin­do em ma­lhas es­cu­ras, me­lan­có­li­cas q.b., de que o ex li­bris tal­vez se­ja Gi­ving Me Li­fe — be­at ir­re­sis­tí­vel (com­pos­to a qua­tro mãos en­tre Ca­rey e Blo­od Oran­ge, que, di­ga- se, não sa­cou ne­nhum do mes­mo ca­li­bre no dis­co que edi­tou re­cen­te­men­te), nar­có­ti­co, e que, por vol­ta dos 4 mi­nu­tos ( já de­pois de o his­tó­ri­co Slick Rick ter dei­xa­do umas ra­ras li­nhas), co­nhe­ce uma se­gun­da vi­da, mo­men­to em que a gui­tar­ra eléc­tri­ca so­la em to­a­da es­fin­gi­ca­men­te sexual. Mas exis­tem ain­da os ins­tru­men­tais ele­gan­te­men­te mi­ni­ma­lis­tas — fo­go- de-ar­ti­fí­cio ab­so­lu­ta­men­te au­sen­te — de

With You, Cau­ti­on (que, jun­ta­men­te com The Dis­tan­ce, é, na per­cus­são e nos ecos ca­ri­be­nhos, a fai­xa mais “mo­der­na”), 8th Gra­de (pro­du­zi­da por Tim­ba­land, te­cla­dos que pa­re­cem ar­pas), Stay Long Lo­ve You ou One Mo’ Gen, dos me­lho­res com que o ano de 2018 nos brin­dou. Ou, au­ge do mi­ni­ma­lis­mo di­rec­ta­men­te apon­ta­do à soul, o grand fi­na­le ao pi­a­no de Por­trait.

Com­po­si­ções nas quais Ma­ri­ah con­se­gue fa­zer o que al­guém co­mo SiR não con­se­guiu — co­mo nes­tas pá­gi­nas de­mos con­ta — em No­vem­ber: ul­tra­pas­sar a cir­cuns­tân­cia de, no R&B ac­tu­al (ar­qui­tec­ta­do pre­do­mi­nan­te­men­te por pro­du­to­res de hip-hop tout court, e não de R&B pro­pri­a­men­te di­to, co­mo acon­te­cia nos 90s), a voz sur­gir em ci­ma de ins­tru­men­tais rit­mi­ca­men­te rí­gi­dos (as­sim se su­bli­nhan­do a tra­ço gros­so a re­pe­ti­ção do lo­op nu­cle­ar, com o ris­co de mo­no­to­nia a ele as­so­ci­a­do) e pou­co ade­qua­dos às nu­an­ces que o gé­ne­ro — can­ta­do, não ape­nas rap­pa­do — exi­ge ao lon­go de uma can­ção. Se­nho­ras e se­nho­res, she still got it: eis

Ma­ri­ah Ca­rey em to­do o seu es­plen­dor.

Se­nho­ras e se­nho­res, she still got it: eis Ma­ri­ah Ca­rey em to­do o seu es­plen­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.