Raül Re­free, um ar­te­são sem pres­sa

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Co­nhe­ci­do pe­las su­as co­la­bo­ra­ções com Síl­via Pé­rez Cruz e Ro­sa­lía, tra­ba­lhou com

Luí­sa Sobral em Ro­sa. Um pro­du­tor que gos­ta de tra­ba­lhar sem pres­sa, pres­tes a es­tre­ar-se no uni­ver­so do fado.

Qu­an­do acon­te­ce não ter de ima­gi­nar­se den­tro da ca­be­ça de ou­tro músico, ten­tan­do des­co­di­fi­car os seus de­se­jos mu­si­cais e per­ce­ben­do co­mo dar-lhes uma tra­du­ção que não lhes traia as in­ten­ções, Raül Fer­nán­dez Mi­ró — mais co­nhe­ci­do co­mo Raül Re­free — não sa­be, por ve­zes, a que soa a sua música. Li­ga­do ini­ci­al­men­te aos pro­jec­tos da editora in­die Acu­a­re­la, Re­free co­me­çou a as­su­mir um lu­gar pre­pon­de­ran­te na música es­pa­nho­la des­de que ini­ci­ou a sua par­ce­ria com a can­to­ra Síl­via Pé­rez Cruz (com quem gra­vou

11 de No­vem­bre e Gra­na­da, de­pois de te­rem já co­la­bo­ra­do qu­an­do Pé­rez Cruz in­te­gra­va o gru­po Las Mi­gas), mas tam­bém com a can­to­ra de fla­men­co Ro­cío Már­quez, com a rap­per Ma­la Ro­drí­guez, com o his­tó­ri­co do rock bas­co Fer­min Mu­gu­ru­za ou até com o gui­tar­ris­ta dos So­nic Youth Lee Ra­nal­do. Os gé­ne­ros que tem abor­da­do, qua­se sem­pre a par­tir de um lu­gar de ex­plo­ra­ção que se ini­cia na gui­tar­ra acús­ti­ca, têm-no co­lo­ca­do ao ser­vi­ço da música dos ou­tros que, re­co­nhe­ce, as­su­mir a sua voz nos in­ter­va­los des­ses tra­ba­lhos po­de afi­gu­rar-se um pro­ble­ma.

“Às ve­zes te­nho in­ve­ja das pes­so­as que têm um per­fil mui­to cla­ro e que são al­go de mui­to con­cre­to”, con­fes­sa. “Aque­las pes­so­as que mes­mo qu­an­do fa­zem mui­tas coi­sas dis­tin­tas têm sem­pre a cer­te­za de qual é o seu ca­mi­nho.” Não é es­se o seu ca­so. Mas tam­bém por is­so, por sem­pre ter querido ser mui­tas coi­sas e acre­di­tar que exis­tem mui­tos Raül den­tro de si, a ideia de mi­grar re­pe­ti­da­men­te para ou­tros ter­ri­tó­ri­os mu­si­cais sem­pre o se­du­ziu. “Es­tar em tan­tas fren­tes po­de mes­mo fa­zer com que me perca”, adi­an­ta. “Aca­ba por ser di­ver­ti­do por­que des­fru­to mui­to ao apren­der e pro­var coi­sas no­vas, ar­ris­can­do sal­tar para o va­zio, mas qu­an­do es­tou só e me per­gun­to quem sou, o que que­ro di­zer e fa­zer, por ve­zes te­nho di­fi­cul­da­de em en­con­trar qual é o meu dis­cur­so por­que, afi­nal, os meus dis­cur­sos são mui­tos.” Uma es­cu­ta­de­la de La Otra Mi­tad, dis­co a so­lo que aca­ba de lan­çar, em que a gui­tar­ra par­ti­lha o pro­ta­go­nis­mo com gra­va­ções de rua, po­de dar uma pe­que­na ideia.

A ha­ver um dis­cur­so a que pos­sa cha­mar seu, ar­ris­ca que pos­sa ser a vi­são mu­si­cal que é co­mum a tu­do quan­to faz, se­ja um dis­co de gui­tar­ra so­lo, de im­pro­vi­sa­ção ou uma or­ques­tra­ção con­tem­po­râ­nea, se­ja um ál­bum de au­to­ria alheia ao qual em­pres­ta a sua sen­si­bi­li­da­de e que tan­to po­de ron­dar o fla­men­co quan­to o hip-hop ou o rock mais van­guar­dis­ta. Es­sa vi­são cor­res­pon­de a uma li­nha que, en­ten­de Raül, une to­dos os dis­cos em que tra­ba­lha, mes­mo que para po­der ser ob­ser­va­da te­nha de se olhar a sua dis­co­gra­fia a par­tir de uma ma­cro­es­ca­la. “Mas, para mim, há uma li­nha cla­ra en­tre Gra­na­da e Los Án­ge­les.” Os dois exem­plos vêm de dois ál­buns que Raül par­ti­lhou com Síl­via Pé­rez Cruz e Ro­sa­lía, as du­as can­to­ras que mais con­tri­buí­ram para a sua fa­ma de pro­du­tor. São tam­bém os dois ca­sos em que Raül, ha­bi­tu­a­do a pen­sar a sua vi­da mu­si­cal pro­jec­to a pro­jec­to, se en­vol­veu a pon­to de acom­pa­nhá-las em pal­co e se en­vol­ver a fun­do no pro­ces­so cri­a­ti­vo — o primeiro é as­si­na­do pe­los dois, o se­gun­do foi cre­di­ta­do ape­nas a Ro­sa­lía por­que Raül te­rá pre­fe­ri­do que o fo­co re­caís­se so­bre “uma ar­tis­ta jo­vem, com uma ener­gia mui­to for­te”.

Em­bo­ra não des­car­te vol­tar a tra­ba­lhar com as du­as no fu­tu­ro, Re­free gos­ta de tra­ba­lhar com gen­te va­ri­a­da e diz ali­men­tar­se des­sas re­la­ções in­ten­sas e con­cren­tra­das no tem­po. “A ver­da­de é que, se­ja vir­tu­de ou de­fei­to, te­nho a ne­ces­si­da­de de ir mu­dan­do, abor­re­ço-me ra­pi­da­men­te. Nun­ca me sen­ti có­mo­do com a ideia de de­di­car a mi­nha vi­da a um só pro­jec­to ou a uma só pes­soa.” Ain­da as­sim, ten­ta que ca­da uma des­tas re­la­ções se­ja tão pro­lon­ga­da quan­to pos­sí­vel.

Quer is­so di­zer que Raül se vê co­mo um pro­du­tor des­fa­sa­do da ace­le­ra­ção tem­po­ral com que a música é ho­je pro­du­zi­da e dis­po­ni­bi­li­za­da. “Ago­ra, no mun­do da música mais mains­tre­am ou mais jo­vem, gra­va-se uma te­ma, fil­ma-se um vídeo, con­so­me-se e mor­re ao fim de pou­co tem­po. Vi­ve­mos nu­ma épo­ca que tu­do acon­te­ce mui­to rá­pi­do e em que a música se está a con­ver­ter em al­go me­nos re­pou­sa­do.” A sua abor­da­gem, pe­lo con­trá­rio, pe­de-lhe o tem­po para es­cu­tar a música do ar­tis­ta com quem vai gra­var, per­ce­ber quem tem pela fren­te e para on­de es­sa pes­soa pre­ten­de ir. Dai que se de­fi­na co­mo “um ar­te­são” que gos­ta de “tra­ba­lhar mui­to len­ta­men­te, com o tem­po ne­ces­sá­rio para ca­da dis­co”.

Foi tam­bém as­sim com Ro­sa, ál­bum de Luí­sa Sobral que lhe tomou boa par­te de 2018 — e as­sim de­ve­rá ser qu­an­do, em Ja­nei­ro, co­me­çar a tra­ba­lhar no ter­cei­ro ál­bum da fa­dis­ta Ca­ro­li­na (as “vi­si­tas de estudo” a ca­sas de fa­dos já ti­ve­ram lu­gar, de ma­nei­ra a Raül am­bi­en­tar-se a um gé­ne­ro que o atrai imen­so). Com Luí­sa, fo­ram vá­ri­as as vi­a­gens de Bar­ce­lo­na para Lisboa, e vi­ce-ver­sa, mui­tos os te­le­fo­ne­mas e os emails, até o tom jus­to de Ro­sa ter flo­res­ci­do. O úni­co se­não é mes­mo qu­an­do a cal­ma de Raül se cru­za com o tem­po dis­ten­di­do afri­ca­no. A sua co­la­bo­ra­ção com o se­ne­ga­lês Cheikh Lô es­pe­ra ain­da uma con­clu­são. “O re­ló­gio em Áfri­ca fun­ci­o­na de ou­tra ma­nei­ra”, sus­pi­ra. Até para quem gos­ta de uma pro­du­ção re­pou­sa­da há li­mi­tes. G.F.

A abor­da­gem do pro­du­tor pe­de-lhe o tem­po para es­cu­tar a música do ar­tis­ta com quem vai gra­var, per­ce­ber quem tem pela fren­te e para on­de es­sa pes­soa pre­ten­de ir

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.