Ac­ção Pa­ra­le­la António Gu­er­rei­ro A His­tó­ria co­mo desporto de com­pe­ti­ção

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

No

úl­ti­mo dia do ano, Rui Ta­va­res, ape­lan­do a um “so­bres­sal­to da von­ta­de”, fez nes­te jor­nal uma pro­pos­ta pa­ra a pró­xi­ma dé­ca­da: “To­me­mos de­ci­sões pa­ra a dé­ca­da e não pa­ra o ano”. E, fa­zen­do da dé­ca­da uma ca­te­go­ria do tem­po his­tó­ri­co e um ins­tru­men­to me­to­do­ló­gi­co, per­cor­reu su­ces­si­va­men­te as úl­ti­mas cin­co dé­ca­das (dos anos 70 à ac­tu­a­li­da­de), re­su­min­do uma a uma co­mo se fos­sem in­di­vi­du­a­li­da­des efec­ti­vas do de­vir his­tó­ri­co e não ape­nas uma uni­da­de dos ca­len­dá­ri­os. Quin­ze ve­zes uti­li­za Rui Ta­va­res, nes­se tex­to, a pa­la­vra “dé­ca­da”. E, es­can­din­do a his­tó­ria em uni­da­des de­ce­nais com a mes­ma exac­ti­dão com que a mo­der­ni­da­de se apli­cou a con­fi­gu­rar e re­cons­ti­tuir épo­cas au­tó­no­mas (o que le­vou o fi­ló­so­fo Odo Mar­quard a di­zer que a mo­der­ni­da­de era a “épo­ca das epo­qui­za­ções”), Rui Ta­va­res de­cre­tou pa­ra o dia se­guin­te ( já lá vão qua­tro di­as) o iní­cio de uma no­va dé­ca­da: “Po­li­ti­ca­men­te, a dé­ca­da de 2020 co­me­ça já ama­nhã”. Co­mo se po­de per­ce­ber fa­cil­men­te, a sua me­to­do­lo­gia le­va-o, lo­gi­ca­men­te, à ilu­são his­to­ri­cis­ta de que a his­tó­ria es­tá sem­pre a ac­tu­a­li­zar-se de dez em dez anos. E, as­sim, a ta­re­fa des­te his­to­ri­a­dor do pre­sen­te é cor­rer atrás ou à fren­te do tem­po, fa­zen­do re­su­mos e ba­lan­ços das dé­ca­das ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­o­res (ca­da uma de­las com a sua pro­só­dia e a sua sin­gu­la­ri­da­de epo­cal), tal co­mo nos jor­nais se fa­zem os ba­lan­ços anu­ais no fi­nal de De­zem­bro, cri­an­do a gran­de ilu­são de que tu­do vai re­co­me­çar em Ja­nei­ro e se pre­ci­pi­ta­rá pa­ra um fim com da­ta mar­ca­da em De­zem­bro do ano se­guin­te. Às ve­zes, é pre­ci­so es­tar aten­to aos pe­que­nos de­sa­jus­tes en­tre a dé­ca­da da tem­po­ra­li­za­ção his­tó­ri­ca e a dé­ca­da do ca­len­dá­rio, co­mo é o ca­so da dé­ca­da de 2020 que, se­gun­do Rui Ta­va­res, “po­li­ti­ca­men­te co­me­ça já ma­nhã”, ou se­ja, com um ano de avan­ço em re­la­ção à con­ta­gem do de­cé­nio, que co­me­ça no ze­ro e avan­ça de dez em dez. Se al­guém pen­sa que é pos­sí­vel tra­çar a ce­su­ra em ca­da um dos anos que ter­mi­nam nou­tro al­ga­ris­mo que não se­ja o ze­ro (de­li­mi­tan­do, por exem­plo, a dé­ca­da que vai de 2005 a 2015), es­tá en­ga­na­do. Aqui, a his­tó­ria cor­ta-se sem­pre pe­lo pi­co­ta­do.

Não te­nho dú­vi­das de que Rui Ta­va­res, ten­do li­do Rei­nhart Ko­sel­leck, é ca­paz de se re­co­nhe­cer cri­ti­ca­men­te e até de rir de si pró­prio ao ler uma ci­ta­ção que es­te gran­de his­to­ri­a­dor dos con­cei­tos e da se­mân­ti­ca dos tem­pos his­tó­ri­cos faz de uma frase de Adel­bert von Cha­mis­so: es­te po­e­ta ro­mân­ti­co dis­se uma vez que ti­nha par­ti­do pa­ra Leip­zig pa­ra “apa­nhar o com­boio atre­la­do ao Zeit­geist”. Pa­ra apa­nhar a dé­ca­da de 2020 e o res­pec­ti­vo Zeit­geist o com­boio da his­tó­ria de Rui Ta­va­res se­gue mais ace­le­ra­do. Tão ace­le­ra­do que até uma ge­ra­ção tem a me­di­da stan­dard da dé­ca­da: “Co­mo to­dos os miú­dos da mi­nha ge­ra­ção, a do iní­cio dos anos 1970...”, as­sim co­me­ça o tex­to do co­lu­nis­ta a anun­ci­ar, pa­ra o dia se­guin­te, dia de Ano No­vo, o iní­cio de uma no­va dé­ca­da.

Uma dé­ca­da, uma épo­ca, uma ge­ra­ção: vai tu­do cor­ri­do pe­la mes­ma me­di­da, bre­ve e ace­le­ra­da, já que es­sa coi­sa da his­tó­ria e da his­to­ri­o­gra­fia, vis­ta do la­do do jor­na­lis­mo, é qua­se sem­pre um desporto de com­pe­ti­ção: vi­to­ri­o­sos são os que “fi­cam na his­tó­ria” ou “fa­zem his­tó­ria”, co­mo se diz no idi­o­ma que con­ce­be a his­tó­ria co­mo um po­dium e uma ins­tân­cia do Juí­zo Fi­nal. Es­pe­re­mos que o his­to­ri­a­dor Rui Ta­va­res nun­ca se dei­xe con­ta­mi­nar pe­la uni­da­de de me­di­da do tem­po his­tó­ri­co usa­do pe­lo co­lu­nis­ta com­pro­me­ti­do, cul­to e de­sen­vol­to (não há aqui ne­nhu­ma iro­nia) que tam­bém se cha­ma Rui Ta­va­res.

Fa­lei em ace­le­ra­ção, pre­ci­sa­men­te sob o sig­no de Ko­sel­leck. Foi ele que nos for­ne­ceu uma te­o­ria da abre­vi­a­ção do tem­po e da ace­le­ra­ção da his­tó­ria co­mo uma das ca­rac­te­rís­ti­cas cen­trais da mo­der­ni­da­de. De um pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, é uma ques­tão im­por­tan­tís­si­ma, ho­je, sa­ber qu­em ace­le­ra e qu­em di­mi­nui a ve­lo­ci­da­de. A con­tra­di­ção do tex­to de Rui Ta­va­res é que ele ape­la a uma po­lí­ti­ca do tem­po mais lon­go e mais len­to, usan­do no en­tan­to ca­te­go­ri­as ile­gí­ti­mas, cons­truí­das pe­los di­ta­mes da bre­vi­da­de e da ace­le­ra­ção. Faz lem­brar uma fa­mo­sa ane­do­ta da União So­vié­ti­ca: “Dor­me mais de­pres­sa, ca­ma­ra­da!”, or­de­na­vam aque­les que acre­di­ta­vam tão con­vic­ta­men­te na pla­ni­fi­ca­ção quin­que­nal que acha­vam que ela po­dia trans­cen­der um li­mi­te na­tu­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.