Co­mo atra­ves­sar o es­pe­lho e ima­gi­nar uma vi­da

Publico - Ipsilon - - Primeira Página - Isa­bel Lucas

Há a re­la­ção de uma ra­pa­ri­ga e de um es­cri­tor mui­to mais ve­lho e há um ho­mem à pro­cu­ra do

ir­mão de­sa­pa­re­ci­do num país em gu­er­ra. São as his­tó­ri­as cen­trais de As­si­me­tria. Sem apa­ren­te li­ga­ção en­tre si,

pas­sam-se na pri­mei­ra dé­ca­da de 2000, em plena gu­er­ra

con­tra o ter­ro­ris­mo, e ques­ti­o­nam a de­mo­cra­cia, a

li­ber­da­de, o pa­pel da ar­te e da ima­gi­na­ção. É o

pri­mei­ro ro­man­ce de Li­sa Hal­li­day e es­te­ve em qua­se to­das

as lis­tas de me­lho­res li­vros de 2018. Aqui, ela fa­la do li­vro e das su­as mo­ti­va­ções.

Sen­ta­da num ban­co de jar­dim, no Up­per East Si­de de Ma­nhat­tan, Ali­ce la­men­ta­se de não ser ca­paz de le­var na­da até ao fim. No co­lo tem um li­vro que não con­se­gue con­ti­nu­ar a ler, e é en­tão que um ho­mem de ge­la­do na mão se sen­ta ao seu la­do. Ela re­co­nhe­ce-o. É um es­cri­tor fa­mo­so, “três Na­ci­o­nal Bo­ok Awards”, o Pen Faulk­ner, “uma me­da­lha de ou­ro de fic­ção da Ame­ri­can Aca­demy of Arts and Let­ters, dois pré­mi­os Pu­lit­zer, a Na­ti­o­nal Me­dal of Arts”. Ele per­gun­ta-lhe o que lê e de­pois per­gun­ta-lhe o no­me. Se­rá o pri­mei­ro de vá­ri­os en­con­tros en­tre Ali­ce, uma jo­vem as­sis­ten­te editorial, e Ez­ra Bla­zer, es­cri­tor, 45 anos mais ve­lho, mol­da­do na fi­gu­ra de... Phi­lip Roth. Os dois en­vol­vem-se amo­ro­sa­men­te no que se­rá tam­bém uma es­pé­cie de edu­ca­ção de Ali­ce. Sen­ti­men­tal, mas so­bre­tu­do li­te­rá­ria e cul­tu­ral.

Es­te é o nú­cleo de De­lí­rio, pri­mei­ra par­te do ro­man­ce de es­treia de Li­sa Hal­li­day. Na se­gun­da par­te, Lou­cu­ra, co­nhe­ce­mos Amar Ja­a­fa­ri, um eco­no­mis­ta ira­qui­a­no-ame­ri­ca­no, re­si­den­te em Los An­ge­les, que pre­ten­de ir até Su­lai­ma­niya, no Ira­que, em bus­ca do ir­mão de­sa­pa­re­ci­do. O per­cur­so é in­ter­rom­pi­do quan­do é le­va­do pa­ra uma sa­la pa­ra in­qui­ri­ções no ae­ro­por­to de He­ath­row, Lon­dres. En­quan­to na pri­mei­ra par­te a his­tó­ria de Ali­ce é nar­ra­da na ter­cei­ra pes­soa, sem aces­so pri­vi­le­gi­a­do ao mais ín­ti­mo da per­so­na­gem, com­pon­do uma rá­bu­la cáus­ti­ca e di­ver­ti­da so­bre a re­la­ção en­tre um mes­tre e a sua dis­cí­pu­la, na se­gun­da te­mos uma per­so­na­gem nar­ra­do­ra a vi­a­jar pe­la sua me­mó­ria, num uni­ver­so mais ne­gro e in­tros­pec­ti­vo, pon­tu­a­do por re­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas, his­tó­ri­cas e ge­o­grá­fi­cas. Há ain­da uma ter­cei­ra par­te, bre­ve, uma entrevista a Ez­ra Bla­zer, De­sert Is­land Discs, na qual res­so­am mui­tas das idei­as re­cor­ren­tes do li­vro. Di­to is­to, a for­ma é uma das prin­ci­pais as­si­me­tri­as que cons­ti­tu­em o ro­man­ce As­si­me­tria, tí­tu­lo que, nos uni­ver­sos bri­tâ­ni­co e nor­te-ame­ri­ca­no, es­te­ve em qua­se to­das as lis­tas de me­lho­res li­vros de 2018.

O ro­man­ce che­gou a Por­tu­gal em De­zem­bro, dez me­ses de­pois de apa­re­cer nos Es­ta­dos Uni­dos com o se­lo de dis­rup­ti­vo. Aten­to à for­ma, ela­bo­ra uma teia na qual se cru­zam pen­sa­men­tos so­bre a ar­te, a po­lí­ti­ca, o quo­ti­di­a­no. É tão so­lar quan­to in­qui­e­tan­te. Ne­gro, iró­ni­co, fa­la da cri­a­ção, da am­bi­ção, do quo­ti­di­a­no em que as no­tí­ci­as da in­va­são do Ira­que che­gam, en­quan­to al­guém em No­va Ior­que as­sis­te, na ca­ma, a um jo­go de ba­se­ball; fa­la da re­li­gião, de uma ideia de Deus ou de fé — “pro­cu­rar co­nhe­ci­men­to é uma obri­ga­ção re­li­gi­o­sa”, é a cren­ça de Amar —, ex­plo­ra as po­ten­ci­a­li­da­des da me­mó­ria, ques­ti­o­na a gu­er­ra, re­flec­te so­bre o me­do, es­bar­ra em con­cei­tos co­mo os de vi­da ou de mor­te. E de li­ber­da­de. “Ve­mos o que as pes­so­as fa­zem com a sua li­ber­da­de — o que não fa­zem — e é im­pos­sí­vel não as jul­gar por is­so. Aca­ba­mos por cons­ta­tar que uma so­ci­e­da­de es­sen­ci­al­men­te pa­cí­fi­ca e de­mo­crá­ti­ca es­tá num es­ta­do de sus­pen­são in­cri­vel­men­te de­li­ca­do, uma sus­pen­são que exi­ge um equilíbrio até à mais ín­fi­ma mo­lé­cu­la, de mo­do que até ao mí­ni­mo so­bres­sal­to uma pes­soa ape­nas que se es­que­ça da fra­gi­li­da­de des­sa sus­pen­são por cau­sa da sua com­pla­cên­cia e ego­cen­tris­mo po­de fa­zer com que to­da es­ta mer­da de­sa­be”, lê-se na pá­gi­na 220. É um ro­man­ce am­bi­ci­o­so que não cai na fa­ci­li­da­de do pre­ten­si­o­sis­mo, co­mo acon­te­ce a tan­tos que usam a in­ter­tex­tu­a­li­da­de co­mo fer­ra­men­ta pri­vi­le­gi­a­da. No ca­so, não só a do tex­to es­cri­to, mas a do tex­to mu­si­cal. A mú­si­ca é te­ma e es­ta­be­le­ce o rit­mo. Dá a for­ma e con­ta­mi­na ca­da frase. É um dos gran­des mo­to­res de As­si­me­tria.

O que es­te­ve na gé­ne­se des­te li­vro?, per­gun­ta-se a Li­sa Hal­li­day, a sua au­to­ra, que, co­mo Ali­ce, a per­so­na­gem, foi as­sis­ten­te editorial em

O ro­man­ce de Li­sa Hal­li­dayche­gou a Por­tu­gal em De­zem­bro, dez me­ses de­pois de apa­re­cer nos EUA com o se­lode dis­rup­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.