O bebé com voz de ho­mem gran­de

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Dis­co pou­co co­men­ta­do, mas com mui­to su­mo lá den­tro: eis Jer­ry Pa­per, o nerd mais co­ol de Los An­ge­les a can­tar aqui­lo que não po­de con­tar aos ami­gos que não tem. Fran­cis­co No­ro­nha

Li­ke A Baby

Jer­ry Pa­per

Sto­nes Th­row Re­cords Qu­em co­me­çar por “ler” es­te dis­co pe­la ca­pa, apa­nha­rá, lo­go aos 11 se­gun­dos de Your co­co­on, uma sur­pre­sa, e das gran­des. É das go­e­las des­te co­pi­nho de lei­te a qu­em ain­da mal aca­bá­mos de apre­ci­ar a fi­gu­ra que sa­em aque­les dois pri­mei­ros ver­sos — pa­ra­dig­má­ti­cos na de­fi­ni­ção do per­fil de­prê- co­ol de Pa­per — num ines­pe­ra­do e lím­pi­do vo­zei­rão: “You say the­re’s nothing el­se for me / That’s only true if you’re not free”. É, por­tan­to, es­te “cromo” — que na ca­pa po­de­mos ver de flá­ci­do tron­co co­ber­to por uma ca­mi­so­la mui­to high scho­ol, cai­xa-de-ócu­los des­pen­te­a­do e um ovo jun­to ao pei­to (?) —, com o seu quê de “wo­odyal­le­nes­co”, o res­pon­sá­vel por es­se efei­to pa­ra­do­xal, de es­tra­nhe­za, que só nos co­me­ça­rá a aban­do­nar já a meio do dis­co, quan­do fi­nal­men­te nos ha­bi­tu­a­mos ao seu tom gra­ve, clás­si­co, dé­mo­dé, até. Sim, um lo­ser do li­ceu ( Lo­sing the ga­me é tí­tu­lo de uma das can­ções, no “ga­me” se po­den­do ler. “vi­da”) que po­dia ter saí­do do Ani­mal Hou­se de John Lan­dis (ou, ge­ra­ci­o­nal­men­te mais re­cen­te, de um Ame­ri­can Pie) com um acen­to à Si­na­tra e De­an Mar­tin (é tam­bém in­te­res­san­te, por is­so, ima­gi­ná-lo fu­tu­ra­men­te num re­gis­to jazz), weir­do que, quan­do fi­nal­men­te se re­vol­ta, em vez de ates­tar um ines­pe­ra­do so­co no mau­zão da tur­ma, sa­ca de um vo­zei­rão de old soul que já viu tu­do o que há pa­ra ver no mun­do.

Fa­lá­mos em Si­na­tra co­mo po­día­mos ter fa­la­do de Bing Crosby ou Tonny Ben­nett: au­ra de gen­tle­man, de flâ­neur, sim, mas aqui tin­ta­da, por força quer das mo­du­la­ções im­pri­mi­das, quer do tex­to, por uma gra­vi­tas in­tros­pec­ti­va, ina­dap­ta­da, amar­gu­ra­da, có­mi­ca tam­bém (con­fe­rir o vi­de­o­clip de Grey area). Na es­treia pe­la se­lec­ta Sto­nes Th­row, edi­to­ra in­de­pen­den­te de

Los An­ge­les (à qual Jer­ry re­gres­sou à bo­leia do no­vo dis­co, de­pois de um pe­río­do em No­va Ior­que) a qu­em per­ten­ce um dos me­lho­res ca­tá­lo­gos da mú­si­ca po­pu­lar dos anos 2000, é ten­ta­dor vê-lo, aqui co-pro­du­tor ao la­do de Matty Ta­va­res (dos BadBadNotGo­od), na mes­ma pá­gi­na de um Mayer Hawthor­ne (tam­bém já edi­ta­do pe­la Sto­nes). Se bem que, em ri­gor, o pri­mei­ro es­te­ja nu­ma li­nha bem mais rythm & blu­es (os ori­gi­nais) (o low-fi e a elec­tró­ni­ca dos seus tra­ba­lhos an­te­ri­o­res são aqui pos­tos de la­do), lo­go mais pró­xi­mo, por exem­plo, de um Nick Wa­terhou­se (por si­nal tam­bém ca­li­for­ni­a­no e por qu­em, di­ga-se de pas­sa­gem, se aguar­da an­si­o­sa­men­te o re­gres­so). Se o low-fi era a sua mar­ca dis­tin­ti­va até es­ta par­te, atri­bu­to vi­sí­vel no seu som aba­fa­do, gra­nu­la­do, de “be­dro­om stu­dio”, aqui, pe­lo con­trá­rio, ele des­do­bra-se ai­ro­sa­men­te em or­ques­tra­ções di­la­ta­das, so­fis­ti­ca­das (o efei­to de rewind com que se ini­cia Your co­co­on, pri­mei­rís­si­ma can­ção do dis­co, po­de, aliás, ser­vir aqui de rac­cord “só­ni­co” em re­la­ção aos seus tra­ba­lhos an­te­ri­o­res), cu­jo úni­co de­fei­to é, em boa ver­da­de, a sua — a cer­ta al­tu­ra — in­dis­far­çá­vel re­dun­dân­cia.

Al­go que, sen­do la­men­tar no que de ba­na­li­zan­te ou abor­re­ci­do em­pres­ta ao dis­co ( Lo­sing the ga­me, não fos­se a voz de Jer­ry e um ou ou­tro ar­ran­jo mais es­me­ra­do, po­de­ria ser mu­si­qui­nha de um Jack John­son), é, quan­to a nós, fran­ca­men­te pres­sen­tí­vel a par­tir de uma fai­xa em con­cre­to, Everything bor­rowed (não nos lem­bra­mos, aliás, de uma tal cla­ra ci­são en­tre o va­li­o­so e o me­nos bom num dis­co des­de o An­ti de Rihan­na). Ra­zão pe­la qual a úl­ti­ma de­las, Mo­re bad news, soa a is­so mes­mo: a “mais” can­ções tris­tes, a “mais” do mes­mo (sem que is­so apa­gue a ma­ra­vi­lho­sa, an­si­o­lí­ti­ca, me­lan­co­lia dos ver­sos: “Dri­ving over to the phar­macy / To get me so­mething that is go­od for me / Ta­ke it on­ce or twi­ce, it do­esn’t work”). Até aí che­gar­mos, po­rém, mo­ti­vos de so­bra exis­tem pa­ra le­var­mos Li­ke a baby co­mo um dos mais in­te­res­san­tes ál­buns de 2018, des­de lo­go pe­la sua per­ma­nen­te atmosfera gli­co-psi­ca­dé­li­ca

(quan­do não sur­re­a­lis­ta, ve­ja-se o vi­de­o­clip de Your co­co­on): as co­res (e vol­ta­mos à ca­pa) pop, bub­ble gum, de um idí­li­co su­búr­bio ame­ri­ca­no (os de Tim Bur­ton, Lyn­ch), front yards que, na sua per­fei­ção (lo­go, ur­ba­no­de­pres­si­vos), se re­ve­lam tão pos­ti­ços quan­to os malls e sua om­ni­pre­sen­te pu­bli­ci­da­de. Com­mer­ci­al bre­ak fun­ci­o­na, por is­so, nes­te sen­ti­do, quer co­mo tí­tu­lo ilus­tra­ti­vo des­ta mun­di­vi­dên­cia, quer co­mo ten­ta­ti­va de fuga, de cor­te ( bre­ak), com a mes­ma. Ve­ja-se Did I buy it?, alu­ci­no­gé­ni­ca ba­la­da (em co­la­bo­ra­ção com os ex­ce­len­tes

Mild High Club) em que Pa­per so­bre­voa as as­se­a­das ru­as do ame­ri­can dre­am com a re­ti­na di­la­ta­da: “In my car, I think about the big stuff / Mo­ney, fa­me, mi­sery and tho­se kinds of things / I he­ar talk that it’s the end ti­mes / They’ve be­en saying that from the start / The­re co­mes a ti­me when we all must ask / ‘Did I buy it, or was it sold to me?’ / In the squa­re, I see Mary in her new suit / She wa­ves ‘Hel­lo’ / But my hands weighed down by my shop­ping bags / I can’t wa­ve back”. É quan­do se cen­tra na soul, nos blu­es e na pop psi­ca­dé­li­ca (e me­nos no pop rock que, em So­mething’s not right, é sau­da­vel­men­te eli­di­do pe­la en­tra­da dos synths) ali­men­ta­dos a sin­te­ti­za­do­res — mas tam­bém, não fos­se ele ca­li­for­ni­a­no, com uns cer­tos ecos de surf rock ( Hu­ge laughs) — que Pa­per atinge os seus pi­cos de in­ten­si­da­de (até um ór­gão reg­gae co­mo o de A mo­ment é “psi­ca­de­li­za­do” nas su­as mãos).

É o ca­so cla­ro de Baby, bai­xo bor­bu­lhan­te e ar­ran­jo coun­try de gui­tar­ra a fa­ze­rem a ca­ma pa­ra uma re­fle­xão só apa­ren­te­men­te go­zo­na ( bem fi­lo­so­fan­te, na ver­da­de, ele que é um ob­ce­ca­do por re­li­giões e es­pi­ri­tu­a­li­da­des al­ter­na­ti­vas) so­bre os nos­sos egos e o pa­pel das pa­la­vras no con­fli­to (ou­tra das su­as mar­cas: a se­ri­e­da­de do tex­to mas­ca­ra­da pe­lo hu­mor de­ad­pan, o ou­vin­te qua­se se “es­que­cen­do” de aten­tar nas pa­la­vras): “Un­der­ne­ath the flesh fa­ca­de / We’re all ba­bi­es playin’ big / Sa­me fe­e­lings, just mo­re words / But words are the world (.) / Words con­ce­al sim­ple de­si­res that dri­ve our spo­ken world (.) / Now ima­gi­ne your enemy as a child / We’re just kids that ha­ve hid our ids behind big clus­ters of words”. Ou, bem as­sim, o ca­so de Grey area, que, na com­pa­nhia de Weyes Blo­od, trans­pi­ra al­go de chan­son ao mes­mo tem­po que dá ares de um bo­le­ro pop, as­sim ao jei­to da So­mething stu­pid imor­ta­li­za­da nos anos 70 por, nem de pro­pó­si­to. Si­na­tra (em­bo­ra se­ja um ori­gi­nal de Car­son Parks). Pa­ra qu­em qui­ser ini­ci­ar 2019 cheio de ener­gia, es­te não é, de­fi­ni­ti­va­men­te o dis­co cer­to; pa­ra qu­em, in­de­pen­den­te­men­te do mo­od, pre­ten­da en­trar pe­lo no­vo ano com mú­si­ca da boa, en­tão é car­re­gar no play. E acre­di­tar que pos­sa­mos ver Jer­ry pa­ra bre­ve num pal­co por­tu­guês, pos­si­vel­men­te na com­pa­nhia da sua ac­tu­al bac­king band, na­da mais, na­da me­nos do que os BadBadNotGo­od.

Es­pe­ra­mos ver Jer­ry Pa­per em bre­ve num pal­co por­tu­guês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.