Co­mo um cão que pas­seia por um bal­neá­rio

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Es­tes po­e­mas par­tem mui­tas ve­zes da in­for­ma­ção clás­si­ca, mas são ca­pa­zes de in­ter­pre­tar o quo­ti­di­a­no. Jo­sé Al­ber­to Oliveira as­si­na uma po­e­sia da lu­ci­dez, de­sen­ga­na­da, mas dis­po­ní­vel pa­ra en­fren­tar a tem­pes­ta­de e a sur­pre­sa. Hu­go Pinto San­tos

De Pas­sa­gem

Jo­sé Al­ber­to Oliveira As­sí­rio & Al­vim Po­de­rá es­tar no po­e­ta la­ti­no Ho­rá­cio uma das pis­tas mais in­te­res­san­tes e pro­vei­to­sas pa­ra ler os po­e­mas do mais re­cen­te li­vro de Jo­sé Al­ber­to Oliveira ( JAO), De Pas­sa­gem. Tra­ta-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.