A pro­fes­so­ra e o miú­do po­e­ta

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Uma for­ma não mui­to ób­via de ex­plo­rar o te­ma do abuso in­fan­til, ain­da que mar­gi­nal­men­te e sem am­bi­gui­da­des de or­dem se­xu­al. Luís Mi­guel Oliveira

A Edu­ca­do­ra de In­fân­cia The Kin­der­gar­ten Te­a­cher

De Sara Co­lan­ge­lo

Com Mag­gie Gyl­le­nha­al, Par­ker Se­vak, Ga­el Gar­cia Ber­nal A Edu­ca­do­ra de In­fân­cia, que é um re­ma­ke ame­ri­ca­no de um fil­me is­ra­e­li­ta de Na­dav La­pid, vi­ve es­sen­ci­al­men­te da com­ple­xa per­so­na­gem de Mag­gie Gyl­le­nha­al, que é im­pe­cá­vel na cons­tru­ção de uma per­so­na­gem am­bí­gua e, mais do que ape­nas is­so, ins­ta­la­da psi­co­lo­gi­ca­men­te (ou até mo­ral­men­te) nu­mas águas tur­vas que não são a coi­sa mais co­mum no ci­ne­ma ame­ri­ca­no da ac­tu­a­li­da­de. Eis, por­tan­to, a his­tó­ria de uma pro­fes­so­ra, de am­bi­ções ar­tís­ti­cas ou li­te­rá­ri­as frus­tra­das, e da sua re­la­ção com um miú­do que tem o dom de ge­rar, qua­se es­pon­ta­ne­a­men­te, po­e­mas su­fi­ci­en­te­men­te in­te­res­san­tes pa­ra que um adul­to se “apro­prie” de­les. É o que faz a per­so­na­gem de Gyl­le­nha­al, nu­ma re­la­ção que vi­ve de vá­ri­os cam­bi­an­tes que nun­ca se fi­xam (e que são, por sua vez, o cen­tro do fil­me): é ma­ter­nal, é abu­sa­do­ra, é pro­tec­to­ra, é ex­plo­ra­do­ra, é, fi­nal­men­te, rap­to­ra. Sara Co­lan­ge­lo, a re­a­li­za­do­ra, di­ri­ge tu­do is­to sem ne­nhum bri­lho es­pe­ci­al mas com ine­gá­vel in­te­li­gên­cia: mes­mo as “de­ri­vas” (a re­la­ção de Gyl­le­nha­al com as ou­tras per­so­na­gens, so­bre­tu­do a fa­mí­lia) têm o con­dão de, pou­co a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.