Nadj: de Bec­kett a Kaf­ka

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Jo­sef Nadj che­gou a Paris em 1980 e no seu cor­po le­va­va a prá­ti­ca de ar­tes mar­ci­ais na sua ter­ra na­tal, Kan­ji­za, e a for­ma­ção em Be­las Ar­tes pros­se­gui­da em Bu­da­pes­te. Não sa­ben­do exac­ta­men­te o que fa­zer a es­ses pri­mei­ros ali­cer­ces ain­da frá­geis, foi em bus­ca de ou­tras lin­gua­gens, pas­sou pe­la es­co­la de mí­mi­ca Eti­en­ne-De­croux e te­ve au­las com Mar­cel Mar­ce­au, re­fe­rên­cia fun­da­men­tal des­sa ex­pres­são. Aos pou­cos, in­tui que o seu per­cur­so te­rá de pas­sar pe­la dan­ça con­tem­po­râ­nea e tor­na-se in­tér­pre­te de pe­ças de Mark Tomp­kins, Cathe­ri­ne Di­ver­rès ou Fran­çois Ver­ret.

Se é aí que es­ta­be­le­ce a es­pi­nha dor­sal da cri­a­ção que co­me­ça­rá a de­se­nhar a par­tir da es­treia de Ca­nard Pé­ki­nois, em 1987, afir­man­do uma lin­gua­gem co­re­o­grá­fi­ca sin­gu­lar, não tar­da­rá a abas­te­cer-se das mais variadas re­fe­rên­ci­as li­te­rá­ri­as, cru­zan­do-as po­e­ti­ca­men­te com memórias da sua ter­ra-na­tal e com re­fle­xões ve­la­das so­bre a His­tó­ria eu­ro­peia. Ot­to Tol­nai, Gyu­la Ko­do­la­ni ou Ge­or­ge Bü­ch­ner atra­ves­sam-se na sua abor­da­gem ao mo­vi­men­to, no ca­so des­te úl­ti­mo por via de uma lei­tu­ra mui­to li­vre de Woy­zeck em Woy­zeck ou l’Ébau­che du Ver­ti­ge (1994). Re­fe­rin­do-se ao tex­to de Bü­ch­ner co­mo “um enig­ma co­lo­ca­do” há mui­to no seu ca­mi­nho, Nadj ex­plo­ra­va en­tão os qua­tro ras­cu­nhos dei­xa­dos pe­lo dra­ma­tur­go ale­mão an­tes da sua mor­te aos 23 anos que, ape­sar des­sa con­di­ção pou­co fi­nal, se tor­na­ram uma pe­ça fun­da­men­tal do re­por­tó­rio te­a­tral con­tem­po­râ­neo. Do ma­te­ri­al ina­ca­ba­do, e res­pei­tan­do a na­tu­re­za dos es­cri­tos de Bü­ch­ner, Nadj fa­ria uma ma­té­ria dan­ça­da frag­men­tá­ria.

Ain­da as­sim, se­ri­am as obras de Kaf­ka e de Bec­kett a re­ve­lar-se de for­ma mais per­sis­ten­te no seu tra­jec­to. Mes­mo ao par­tir da obra da es­cri­to­ra hún­ga­ra Gé­za Csáth pa­ra cri­ar Co­me­dia Tem­po (1990), o elen­co de fi­gu­ras mas­cu­li­nas im­pre­ci­sas de fa­to e cha­péu pre­tos pa­re­cia saí­do di­rec­ta­men­te de um en­saio de À Es­pe­ra de Go­dot. Mas a cla­rís­si­ma mar­ca des­se uni­ver­so che­ga­rá de­pois de pas­sar tam­bém pe­la obra do es­cri­tor ar­gen­ti­no Jor­ge Luis Bor­ges em Les Com­men­tai­res d’Ha­ba­buc (1996), com a sua ho­me­na­gem pa­ra oi­to in­tér­pre­tes a Bec­kett, in­ti­tu­la­da Le Vent dans le Sac (1997). Vol­ta­va a Vla­di­mir e Es­tra­gon, de Go­dot, mas evo­ca­va tam­bém a pre­sen­ça de Win­nie, de Di­as Fe­li­zes, gra­ças a uma ac­triz en­fi­a­da num va­po­ro­so ves­ti­do que a lem­brar a pri­são de areia (do quo­ti­di­a­no) que so­ter­ra a per­so­na­gem.

So­bre Le Vent dans le Sac, es­cre­via-se en­tão que as per­so­na­gens “es­go­tam o seu tem­po com ac­ções ab­sur­das e pro­e­zas inú­teis”, sen­do des­cri­tos co­mo ele­men­tos da sin­ta­xe bec­ket­ti­a­na “sa­cos de ju­ta, uma ár­vo­re ou fi­gu­ri­nos pre­tos”. À Fo­lha de São Pau­lo, Nadj afir­ma­va, em en­tre­vis­ta, que a lei­tu­ra de Di­vi­na Co­mé­dia de Dan­te fez tam­bém par­te da pre­pa­ra­ção de au­tor e elen­co pa­ra a pe­ça (sa­ben­do da ad­mi­ra­ção de Bec­kett pe­lo li­vro de Dan­te), fri­san­do que o au­tor ir­lan­dês “ti­nha cer­tas an­gús­ti­as na sua vi­da e na sua obra que não ten­ta­mos con­tor­nar”. “Ten­ta­mos de­se­nhar as fi­gu­ras de pa­lha­ços de Bec­kett, co­lo­ri­das com hu­mor ne­gro e com a an­gús­tia di­an­te do ser, do tem­po, do lu­gar e do des­ti­no do ho­mem”.

É so­bre­tu­do tu­do quan­to diz res­pei­to a uma pre­sen­ça de­so­ri­en­ta­da, des­lo­ca­da e mer­gu­lha­da em memórias dis­tan­tes e fu­gi­di­as dos in­tér­pre­tes que Nadj se re­la­ci­o­na com pe­ças co­mo Go­dot, Di­as Fe­li­zes ou Fim de Par­ti­da, pa­re­cen­do lar­gar as per­so­na­gens num es­pa­ço que não exis­te, um lu­gar sem ca­bi­men­to no mun­do. “É a cla­re­za das pa­la­vras, es­sa qua­li­da­de de Bec­kett se ex­pri­mir pa­ra se di­ri­gir ao na­da, ao qua­se na­da, ou às coi­sas in­sig­ni­fi­can­tes”, é is­so que lhe in­te­res­sa, esclarece Nadj ques­ti­o­na­do pe­lo Íp­si­lon. “Aca­ba por abrir ou­tros es­pa­ços de re­fle­xão e a exi­gên­cia da es­cri­ta man­têm-se sem­pre até che­gar à ne­ga­ção da pa­la­vra. Bec­kett vai até aqui.”

Es­sa “ne­ga­ção da pa­la­vra”, que en­con­tra­mos nos vá­ri­os Ac­tos sem Pa­la­vras do au­tor ir­lan­dês, re­la­ci­o­na-se tam­bém com a lin­gua­gem dos clowns, da mí­mi­ca e até das ma­ri­o­ne­tas que tan­to se­du­zem Jo­sef Nadj - e que são tam­bém a di­rec­ção pa­ra on­de se en­ca­mi­nha a cri­a­ção de pe­que­nas for­mas que to­mou con­ta da sua obra mais re­cen­te. Daí que se­ja fá­cil en­con­trar ves­tí­gi­os do uni­ver­so bec­ket­ti­a­no em Pay­sa­ge In­con­nu (2014) ou em Mné­mosy­ne (2018) - a ex­po­si­ção / per­for­man­ce que ago­ra ocu­pa o Mosteiro São Ben­to da Vi­tó­ria, no Por­to -, nos am­bi­en­tes cri­a­dos mas tam­bém na ab­so­lu­ta me­ti­cu­lo­si­da­de da sua in­ter­pre­ta­ção.

De­pois de Bec­kett ins­pi­rar Le Vent dans le Sac, Jo­sef Nadj vi­rou-se pa­ra ou­tra das su­as mai­o­res re­fe­rên­ci­as li­te­rá­ri­as (que con­si­de­ra qua­se om­ni­pre­sen­te), o che­co Franz Kaf­ka. Les Veil­leurs (1998) era en­tão uma co­re­o­gra­fia ins­cri­ta num “uni­ver­so ne­gro, me­câ­ni­co on­de os ele­men­tos do ce­ná­rio e os ho­mens de cha­péu pre­to en­tram uns pe­los ou­tros, co­mo se os ob­jec­tos ganhassem al­ma ou co­mo se os hu­ma­nos se tor­nas­sem ob­jec­to”. Em Mné­mosy­ne, tam­bém os ob­jec­tos pa­re­cem vi­vos e os se­res es­vaí­dos de vi­da aqui­rem a qua­li­da­de dos ob­jec­tos. No fun­do, o diá­lo­go de Nadj com a li­te­ra­tu­ra é inin­ter­rup­to. Nal­guns mo­men­tos, acon­te­ce sim­ples­men­te que a in­fluên­cia apa­re­ce sob a for­ma de ho­me­na­gem ofi­ci­al. Nos ou­tros, há que su­jar um pou­co as mãos e des­co­brir on­de se co­lam as re­cor­ren­tes fi­gu­ras e os cons­tan­tes am­bi­en­tes “rou­ba­dos” à li­te­ra­tu­ra. G.F.

A obra do co­reó­gra­fo, com a lin­gua­gem dos clowns, da mí­mi­ca

e das ma­ri­o­ne­tas, en­con­tra-se pe­ja­da de re­fe­rên­ci­as li­te­rá­ri­as.

Ten­do cri­a­do a par­tir de Bü­ch­ner ou Bor­ges, a pre­sen­ça de Bec­kett

e Kaf­ka es­ten­de-se a mui­tas das su­as cri­a­ções.

É fá­cil en­con­trar ves­tí­gi­os do uni­ver­so bec­ket­ti­a­noem Pay­sa­ge In­con­nu (2014) — no am­bi­en­te mas tam­bém na ab­so­lu­ta me­ti­cu­lo­si­da­de da in­ter­pre­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.