Er­to veio a nos­sa vi­da

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

Sa­mi

31 anos de fa­lhan­ços cri­am o há­bi­to de es­pe­rar mais fa­lhan­ços: de mo­do que quan­do IV saiu e a im­pren­sa pe­gou ne­les, os en­fi­ou na ca­pa e ba­teu pal­mi­nhas ele “não es­ta­va à es­pe­ra e hou­ve mui­to des­lum­bra­men­to [da sua par­te]. Era miú­do, es­ta­va mui­to ab­sor­vi­do em mim mes­mo. Pas­sei a ser o ti­po que pen­sa­va: já ago­ra, se me des­co­bri­ram não me im­por­ta­va que to­dos gos­tas­sem de mim”.

Hou­ve um efeito de do­mi­nó de po­pu­la­ri­da­de na im­pren­sa — e “pa­re­cia que es­ta­va fei­to, que tí­nha­mos con­quis­ta­do tu­do. O [ Jor­ge] Cruz [dos Di­a­bo na Cruz] viu mais lon­ge e por is­so che­gou mais lon­ge. Viu além por­que já ti­nha le­va­do pancada — a di­men­são do so­fri­men­to faz-te ver mais cla­ro”.

Ver cla­ro é coi­sa que o tem­po per­mi­tiu a Tiago — e ho­je ele per­ce­be que na al­tu­ra “era um cam­peão do res­sen­ti­men­to”, ao pas­so que Cruz “sa­bia que era pre­ci­so pe­gar na vi­o­la e to­car pe­lo país in­tei­ro. Fui vê-los re­cen­te­men­te ao Co­li­seu e aqui­lo foi co­mo­ven­te pa­ra mim”.

De­pois da fe­bre da FlorCa­vei­ra pas­sar — e ho­je sa­be­mos que foi um pe­río­do in­ten­so de ape­nas um ou dois anos — Tiago achou que ti­nha de se de­ci­dir: “Per­ce­bi que o que era na re­a­li­da­de era um pas­tor; um pas­tor que tam­bém fa­zia mú­si­ca”.

Hou­ve, da sua par­te, uma es­pé­cie de ac­to de sa­bo­ta­gem pa­ra com a sua car­rei­ra musical, ao pon­to de ter re­jei­ta­do “seis au­di­tó­ri­os, com bom ca­chet, por­que o Guil­lul [o no­me com que as­si­na­va os dis­cos a so­lo] ti­nha de mor­rer”. As coi­sas fo­ram tão in­ten­sas que em 2010 quis mes­mo aca­bar com a edi­to­ra, mas Sa­mi, “que é mais cal­mo”, não dei­xou. Tiago con­ti­nu­ou a fa­zer dis­cos, “mas de for­ma ir­re­gu­lar”.

As pri­o­ri­da­des de Tiago al­te­ra­ram- se: pri­vi­le­gi­ou a co­mu­ni­da­de, a pa­ró­quia, em de­tri­men­to da mú­si­ca, que co­me­çou a pa­re­cer-lhe um ele­men­to per­tur­ba­dor: “se tu pa­ti­nas, os ou­tros [da pa­ró­quia] tam­bém po­dem pa­ti­nar a se­guir”. Há uma es­pé­cie de mu­dan­ça iden­ti­tá­ria, nis­to: Tiago con­ti­nu­ou a gos­tar da mú­si­ca que faz mas aper­ce­beu- se que não era co­mo os com­pa­nhei­ros de edi­to­ra que se tor­na­ram mú­si­cos pro­fis­si­o­nais: “Nun­ca me iria aguen­tar. Não te­nho a ca­pa­ci­da­de de fa­zer a mi­nha mú­si­ca che­gar a mui­ta gen­te”.

A pos­te­ri­o­ri con­se­gue per­ce­ber por­que é que Fa­cha­da im­pri­miu uma mar­ca, co­mo é que o Ma­nel [Fú­ria] con­se­gue ser músico de pro­fis­são e ao mes­mo tem­po ser un­der­dog — mas na­que­la al­tu­ra não era fá­cil per­ce­ber is­to. “Es­tá­va­mos nu­ma al­tu­ra em que tu­do po­dia acon­te­cer. Um pas­tor roc­ker? Os Pon­tos Ne­gros no Res­te­lo com os Xu­tos? E em pou­cos anos já ti­nhas o Fa­cha­da co­mo as­tro e os Pon­tos per­de­ram o fo­co pa­ra os Ca­pi­tão Faus­to”.

Ho­je as pes­so­as que se­guem Tiago vi­vem no Bra­sil e se­guem-no por cau­sa dos seus li­vros de re­li­gião. Per­deu o pú­bli­co que o se­guia há 10 anos, ga­nhou ou­tro. Sa­mu­el Úria tor­nou-se músico pro­fis­si­o­nal e des­de en­tão já lan­çou dois longa-du­ra­ção, além de es­cre­ver can­ções pa­ra ou­tros e ser o ga­jo mais por­rei­ro de Lis­boa. Re­cen­te­men­te lan­çou o mi­ni-ál­bum Mar­cha Atroz

Há dez anos e pi­co um ra­paz des­co­nhe­ci­do de Tondela, al­to, com ta­len­to pa­ra o de­se­nho e apai­xo­na­do pe­la NBA, re­sol­veu ir mo­rar pa­ra Lis­boa por­que es­ta­va far­to de gas­tar dinheiro com a ga­so­li­na que pa­ga­va pa­ra dar con­cer­tos em Lis­boa: “Eu da­va au­las [de de­se­nho] e só con­cor­ri pa­ra Lis­boa por­que que­ria que a mú­si­ca fos­se um part-ti­me mais ba­ra­to”, re­cor­da.

Por es­ses di­as, e ape­sar de já ter um pri­mei­ro ál­bum pe­la FlorCa­vei­ra, de 2003 [ O Ca­mi­nho Fer­ro­viá­rio Es­trei­to], sem dis­tri­bui­ção, de es­tar a lan­çar o EP Em Bru­to e ain­da ter ou­tras can­ções es­pa­lha­das por dis­cos de ban­das co­mo os Ve­lhas Gló­ri­as ou os Ni­nin­vi­tas, qua­se nin­guém o co­nhe­cia.

Es­cas­sos me­ses de­pois o cam­pe­o­na­to em que se mo­via era ou­tro: a sú­bi­ta ex­plo­são e ex­po­si­ção me­diá­ti­ca da Flor Ca­vei­ra “foi sur­pre­en­den­te, por­que an­dá­va­mos a brin­car aos mú­si­cos há mui­to” e nun­ca ha­vi­am si­do re­co­nhe­ci­dos. Ti­nham a ideia de “con­ti­nu­ar a fa­zer dis­cos co­mo tí­nha­mos fei­to, até por­que ne­nhu­ma edi­to­ra nos ti­nha abor­da­do” e, de re­pen­te, aqui­lo a que ele cha­ma “a nos­sa dis­co­gra­fia ca­sei­ra” es­ta­va a ser ou­vi­da por pes­so­as que não co­nhe­ci­am.

Não era as­sim, an­tes da ex­plo­são de 2008: “Ha­via uma es­pé­cie de cir­cui­to punk que pas­sa­va pe­la garagem da Igre­ja de Qu­e­luz e nos es­cas­sos con­cer­tos em que ha­via bi­lhe­tei­ra es­ta re­su­mia-se aos amigos e a gen­te da igre­ja”. Com a net co­me­çou a apa­re­cer gen­te que não co­nhe­ci­am — e de­pois hou­ve aque­la ca­pa: “O que sen­ti­mos foi que a ca­pa mu­dou-nos a nós, não aos ou­vin­tes. Aque­la ca­pa le­gi­ti­mou uma so­bran­ce­ria que tí­nha­mos, em brin­ca­dei­ra: se Por­tu­gal não nos ou­via, en­tão é por­que não nos me­re­cia. E ali de­ram-nos au­to­ri­da­de. Sen­ti­mo-nos le­gi­ti­ma­dos pa­ra ir­mos pa­ra o pal­co, com­por­tar-nos co­mo es­tre­las de rock e me­xer-nos co­mo o Mick Jagger”.

As pri­mei­ras pes­so­as ex­te­ri­o­res à re­li­gião pro­tes­tan­te que ou­vi­ram os Ca­vei­ras “che­ga­ram to­das por cau­sa do MyS­pa­ce: foi com o Mys­pa­ce que per­ce­be­mos que ha­via cor­re­li­gi­o­ná­ri­os que não co­nhe­cía­mos pes­so­al­men­te”. O MyS­pa­ce foi uma re­de im­por­tan­te pa­ra os mú­si­cos em Por­tu­gal: “Hou­ve uma avi­dez em fa­zer­mos coi­sas jun­tos, às ve­zes nem tan­to pe­la mú­si­ca mas pe­las pes­so­as — eram per­so­na­li­da­des mui­to di­fe­ren­tes das nos­sas. Ha­via ele­men­tos de es­tra­nhe­za que es­sas pes­so­as tra­zi­am”.

Foi o MyS­pa­ce que trou­xe Fa­cha­da, Fú­ria, Co­ra­ção, Cruz, que se jun­ta­ram às ami­za­des an­ti­gas dos Ca­vei­ras e ra­pi­da­men­te se tor­na­ram par­te des­sas ami­za­des.

“Nun­ca me iria aguen­tar. Não te­nhoa ca­pa­ci­da­de de fa­zer a mi­nha mú­si­ca che­gar a mui­tagen­te” Ho­je as pes­so­as que se­guem Tiago se­guem-no por cau­sa dos li­vros de re­li­gião. Per­deu o pú­bli­co que o se­guia há 10 anos, ga­nhou ou­tro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.