O Ho­mem e o rio

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

“Ter­ra Fran­ca” é um fil­me de “paz”, on­de se­ria inú­til pro­cu­rar um “pathos”: não im­por­ta quão di­fí­cil se­ja a vi­da, no cen­tro do olhar de Leonor Teles es­tá es­ta his­tó­ria de co­mu­nhão e har­mo­nia. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Ter­ra Fran­ca De Leonor Teles Ter­ra Fran­ca é pri­mei­ra lon­ga­me­tra­gem de Leonor Teles, de­pois das bem su­ce­di­das cur­tas­me­tra­gens que fo­ram Rho­ma Acans e, so­bre­tu­do, Balada de um Batráquio, pre­mi­a­da em Ber­lim. O la­do des­troy, mui­to punk, do fil­me do batráquio (que, re­cor­de-se, es­ca­quei­ra­va um nú­me­ro in­con­tá­vel da­que­les hor­ren­dos sa­pos de lou­ça que cer­tas lo­jas põem à en­tra­da pa­ra afas­tar “os ci­ga­nos”), dá lu­gar a um ob­jec­to de na­tu­re­za bem di­fe­ren­te, imer­so num re­a­lis­mo con­tem­pla­ti­vo e in­ti­mis­ta, fei­to de ob­ser­va­ção e pro­xi­mi­da­de, e, no que por­ven­tu­ra é o seu tra­ço mais dis­tin­ti­vo, sin­gu­lar­men­te isen­to de qu­al­quer es­pé­cie de “dra­ma”. Con­ti­nu­am a ser as raí­zes de Leonor – na­tu­ral de Vi­la Fran­ca de Xi­ra, a “ter­ra fran­ca” que a re­a­li­za­do­ra aqui fil­ma – mas a re­la­ção pes­so­al é mais dis­tan­ci­a­da, e tu­do se põe por trás dos su­jei­tos de ob­ser­va­ção do fil­me: um pes­ca­dor (Al­ber­ti­no, só­sia qua­se per­fei­to, in­cluin­do o bi­go­de, do pro­ta­go­nis­ta do Wes­tern de Va­les­ka Gri­se­ba­ch) e a sua fa­mí­lia, nas se­ma­nas que an­te­ce­dem o ca­sa­men­to da fi­lha.

A ima­gem leit­mo­tiv do fil­me são os pla­nos de Al­ber­ti­no so­zi­nho no rio, nas mar­gens ou nu­ma pe­que­na em­bar­ca­ção, que vol­tam re­pe­ti­da­men­te e sem­pre nu­ma du­ra­ção con­si­de­rá­vel. Não me­no­ri­zan­do tu­do o res­to, são es­tas ima­gens que de­fi­nem o cen­tro de Ter­ra Fran­ca, e fa­zem de­le um fil­me de “paz”, um fil­me on­de se­ria inú­til pro­cu­rar um pathos: não im­por­ta quão di­fí­cil se­ja a vi­da (e há, ine­vi­ta­vel­men­te, al­gu­mas re­fe­rên­ci­as à “cri­se”, ten­do a ro­da­gem do fil­me ar­ran­ca­do ain­da du­ran­te os anos da troi­ka), no cen­tro do olhar de Leonor es­tá es­ta his­tó­ria de co­mu­nhão e har­mo­nia, en­tre um ho­mem e o seu meio am­bi­en­te, fa­mi­li­ar, ge­o­grá­fi­co, la­bo­ral (por­que tu­do se fun­de, é daí que vem a co­mu­nhão). Com es­se leit­mo­tiv, Ter­ra Fran­ca po­de en­tão de­cli­nar-se nu­ma sé­rie de ce­nas, al­gu­mas bas­tan­te lon­gas, que de­com­põem e par­ti­cu­la­ri­zam uma fa­mí­lia (os diá­lo­gos du­ran­te as ce­nas de re­fei­ções, os pre­pa­ra­ti­vos do ca­sa­men­to), e no-la fa­zem apa­re­cer em to­da a sua ple­ni­tu­de in­di­vi­du­al sem com is­so se per­der a di­men­são “ti­po­ló­gi­ca” que a faz va­ler tam­bém en­quan­to re­tra­to pro­pri­a­men­te “so­ci­al”. Es­se vai e vem de uma di­men­são a ou­tra (pon­tu­a­do ain­da por mo­men­tos al­go ele­gía­cos e ali­men­ta­dos por es­co­lhas mu­si­cais ines­pe­ra­das: Nat King Co­le, Otis Red­ding...), fei­to sem quais­quer re­cur­sos re­tó­ri­cos con­ven­ci­o­nais (nem voz “off” nem “co­men­tá­rio” ex­plí­ci­to), as­se­gu­ra a for­ça, con­tem­pla­ti­va e dis­cre­ta, de Ter­ra Fran­ca.

Um re­a­lis­mo con­tem­pla­ti­vo e in­ti­mis­ta, fei­to de ob­ser­va­ção e pro­xi­mi­da­de: Ter­ra Fran­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.