A in­fân­cia de um ído­lo “te­en”

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

O “ca­ris­ma” en­quan­to veí­cu­lo pa­ra a ma­ni­pu­la­ção de mas­sas, con­subs­tan­ci­a­do na fi­gu­ra de uma ve­de­ta “pop” de­cal­ca­da de inú­me­ras ve­de­tas “pop” de exis­tên­cia re­al. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Vox Lux

De Brady Cor­bet

Com Na­ta­lie Port­man, Ju­de Law, Stacy Mar­tin O se­gun­do fil­me de Brady Cor­bet (de­pois de A In­fân­cia de um Lí­der) vol­ta a mos­trá-lo co­mo pos­sui­dor de uma sen­si­bi­li­da­de al­go es­tra­nha no pa­no­ra­ma dos re­a­li­za­do­res ame­ri­ca­nos da sua geração, uma sen­si­bi­li­da­de que se di­ria bas­tan­te “eu­ro­peia”, e mais es­pe­ci­fi­ca­men­te até bas­tan­te “nór­di­ca” (aque­la fri­e­za, al­go mi­san­tró­pi­ca, que vai de Ha­ne­ke à Es­can­di­ná­via), vi­sí­vel tam­bém na for­ma co­mo al­me­ja o “fil­me de ar­te”, com to­da a gran­di­loquên­cia que vai a par com se­me­lhan­te de­síg­nio (sem pre­juí­zo, e é aí que Cor­bet até se tor­na mi­ni­ma­men­te in­tri­gan­te, de al­gu­ma sin­ce­ri­da­de).

A In­fân­cia de um Lí­der era uma re­fle­xão so­bre a for­ma­ção da psi­co­lo­gia de um lí­der au­to­ri­tá­rio, em re­mis­são di­rec­ta pa­ra os fas­cis­mos eu­ro­peus dos anos 1920 e 1930. Vox Lux, mu­dan­do o con­tex­to, re­cu­pe­ra al­guns des­ses ele­men­tos: é, ain­da, o “ca­ris­ma”, en­ten­di­do na acep­ção mais am­bí­gua do ter­mo, a ocu­par o cen­tro do olhar de Cor­bet. O “ca­ris­ma” en­quan­to veí­cu­lo pa­ra a ma­ni­pu­la­ção de mas­sas, ago­ra con­subs­tan­ci­a­do na fi­gu­ra de uma ve­de­ta “pop” de­cal­ca­da de inú­me­ras ve­de­tas “pop” de exis­tên­cia re­al: é a per­so­na­gem da can­to­ra Ce­les­te (in­ter­pre­ta­da por Na­ta­lie Port­man na ida­de adul­ta, na se­gun­da par­te do fil­me), que

Vox Lux: ape­sar de mais es­pa­lha­fa­to do que subs­tân­cia, ain­da as­sim al­gu­ma as­som­bra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.