Uma pre­ce de per­dão

Publico - Ipsilon - - Primeira Página -

No seu úl­ti­mo ro­man­ce, Ri­chard Zim­ler vol­ta à fa­mí­lia Zar­co, por ele cri­a­da em O Úl­ti­mo Ca­ba­lis­ta de Lis­boa, pa­ra con­tar uma his­tó­ria de di­zi­ma­ção. Em Os Dez Es­pe­lhos de Ben­ja­min Zar­co per­gun­ta co­mo vi­ver de­pois do Ho­lo­caus­to e o que sig­ni­fi­ca car­re­gar es­sa he­ran­ça. Isabel Lu­cas

Os Dez Es­pe­lhos de Ben­ja­min Zar­co

Ri­chard Zim­ler

(Trad. Da­ni­e­la Car­va­lhal Gar­cia) Por­to Edi­to­ra Em 1947, um jo­vem ame­ri­ca­no re­gres­sa­do da tropa não sa­be co­mo li­dar com os seus de­mó­ni­os de guer­ra. Viu o que não era su­pos­to ter vis­to: a li­ber­ta­ção de um cam­po de con­cen­tra­ção na­zi. “Quem que­re­ria ser o mes­mo de­pois de abrir va­las co­muns pa­ra mil ju­deus e ci­ga­nos que o mun­do aban­do­na­ra?” Sa­bia que ele “mu­da­ra pa­ra sem­pre”. Não sa­bia, no en­tan­to, co­mo con­ti­nu­ar. Até à lei­tu­ra de uma fra­se, no con­to Fla­via e os Seus Ar­tis­tas, de Wil­la Cather: “Rin­do, Fla­via in­ci­tou os pó­neis a avan­çar, e a mu­lher co­los­sal, no meio da es­tra­da poi­ren­ta, ti­rou o cha­péu de aba lar­ga e fez-lhe um ace­no de des­pe­di­da que, na lar­gue­za do ges­to, lem­bra­va a sau­da­ção de um ca­va­lei­ro em­plu­ma­do.” Cons­truiu uma ima­gem à vol­ta de­la e de­se­nhou-a na pa­re­ce do qu­ar­to jun­to de ou­tras ima­gens com que vi­via, so­bre­tu­do em so­nhos. Mas aque­la se­ria uma es­pé­cie de cha­ve.

O jo­vem cha­ma-se Ge­or­ge, é meio ju­deu meio na­va­jo, e se­rá cen­tral na vi­da dos dois úni­cos so­bre­vi­ven­tes de uma fa­mí­lia eli­mi­na­da no Ho­lo­caus­to: Shel­ley e Ben­ja­min, ou Ben­ni. Com os três, for­mu­la-se a gran­de per­gun­ta que atra­ves­sa Os Dez Es­pe­lhos de Ben­ja­min Zar­co, o mais re­cen­te ro­man­ce de Ri­chard Zim­ler (No­va Ior­que, 1956): que cul­pa car­re­gam os que se sal­vam?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.