“Ten­tei dar to­do o apoio à es­po­sa”

Record (Portugal) - - SPORTING -

Ter­mi­na con­tra­to no fi­nal da épo­ca mas o Spor­ting tem a cláu­su­la de op­ção. Quer fi­car? M –Há uma op­ção pa­ra o Spor­ting. Ob­vi­a­men­te que co­mo jo­ga­dor qu­e­ro ren­der e ter­mi­nar es­te ano da me­lhor ma­nei­ra, des­fru­tar de ca­da par­ti­da co­mo se fos­se a úl­ti­ma, des­fru­tar de ca­da go­lo co­mo se fos­se o úl­ti­mo tam­bém, e va­mos ver o que es­pe­rar pois tu­do po­de acon­te­cer. Não é um se­gre­do que é a úl­ti­ma épo­ca. Va­mos ver o que vai acon­te­cer .

Num mo­men­to mui­to com­pli­ca­do a ní­vel pes­so­al [a es­po­sa Ale­xis per­deu o ter­cei­ro fi­lho do ca­sal] par­ti­lhou uma men­sa­gem que pa­re­cia de des­pe­di­da?

M – Se me per­gun­ta a di­fe­ren­ça en­tre es­sa men­sa­gem e o que se dis­se, eu con­ti­nuo a di­zer o mes­mo. É a úl­ti­ma épo­ca que te­nho de con­tra­to e não sei se irá ser re­no­va­do, qu­e­ro des­fru­tar. Não sei o que se vai pas­sar e as pa­la­vras man­têm-se inal­te­ra­das.

Co­mo é que um atle­ta de al­ta com­pe­ti­ção li­da com uma si­tu­a­ção tão de­li­ca­da?

M – A ra­zão por que pu­bli­quei es­sa men­sa­gem foi por­que co­me­ça­ram a sair no­tí­ci­as, al­gu­mas er­ra­das. Des­de que es­ti­ve no hos­pi­tal – qu­e­ro apro­vei­tar pa­ra dei­xar uma men­sa­gem de agra­de­ci­men­to ao pes­so­al do Hos­pi­tal da Luz que foi sem­pre es­pe­ta­cu­lar com a mi­nha fa­mí­lia – de­se­jei dei­xar cla­ro o que se pas­sou e qu­e­ria dei­xar cla­ro que fo­mos tra­ta­dos da me­lhor ma­nei­ra. Que­re­mos vi­rar a pá­gi­na e não qui­se­mos que saís­sem no­tí­ci­as er­ra­das nas re­des so­ci­ais. Es­sa sem­pre foi a mi­nha in­ten­ção e a da mi­nha mu­lher. Qu­e­ro agra­de­cer as men­sa­gens de apoio que re­ce­bi dos adep­tos do Spor­ting e de to­dos os ou­tros clu­bes.

Po­dia ter pa­ra­do al­guns di­as mas de­ci­diu con­ti­nu­ar a trei­nar­se. Porquê?

M –O trei­na­dor dis­se-me que a de­ci­são era mi­nha, po­dia fi­car em ca­sa uns di­as pa­ra dar apoio mo-

“RE­NO­VA­ÇÃO? HÁ UMA OP­ÇÃO PA­RA O SPOR­TING. QU­E­RO REN­DER E TER­MI­NAR O ANO DA ME­LHOR MA­NEI­RA”

ral e to­dos os cui­da­dos à mi­nha mu­lher. Eu op­tei por con­ti­nu­ar pois não po­dia mu­dar na­da fi­can­do em ca­sa. Ten­tei dar o apoio to­do à mi­nha es­po­sa, te­mos du­as pe­que­nas que pre­ci­sam de nós e ain­da não en­ten­di­am a si­tu­a­ção. A pre­o­cu­pa­ção foi ten­tar pas­sar­lhes ale­gria, e ago­ra vi­rá­mos a pá­gi­na. O que vi­rá no fu­tu­ro se­rá cer­ta­men­te mui­to me­lhor.

Ga­nha­va mais na Chi­na. Por­que vol­tou?

M – Na Chi­na lu­tá­va­mos pa­ra que o clu­be não des­ces­se. Era to­tal­men­te di­fe­ren­te da­qui­lo a que es­ta­va ha­bi­tu­a­do no Spor­ting. Pa­ra mim foi um pou­co frus­tran­te, não era o que qu­e­ria. Na­que­le pon­to da mi­nha car­rei­ra, não qu­e­ria con­ti­nu­ar a fa­zer par­te des­se ti­po de pro­je­to. Por is­so, op­tei por fa­lar com a di­re­ção do clu­be, pa­ra que me dei­xas­se sair. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.