“Pa­ra mim não há amigáveis”

Selecionador na­ci­o­nal de­ve dar opor­tu­ni­da­des a qu­em não as tem ti­do, mas le­va a vi­si­ta a Glas­gow mui­to a sé­rio

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - FER­NAN­DO SAN­TOS

Mais es­trei­as à vis­ta na Se­le­ção Na­ci­o­nal. Cláu­dio Ra­mos, Pe­dro Men­des e Hél­der Cos­ta te­rão, ao que tu­do in­di­ca, a pos­si­bi­li­da­de de vestir a ca­mi­so­la de Por­tu­gal pe­la pri­mei­ra vez. E não, não é por se tratar de um jo­go par­ti­cu­lar. “Pa­ra mim não há amigáveis, há jo­gos que va­lem pon­tos e ou­tros não. A di­fe­ren­ça é que nuns só po­de­mos fa­zer 3 subs­ti­tui­ções e nes­tes po­de­mos fa­zer 6. Se hou­ver es­sa opor­tu­ni­da­de jo­ga­rão to­dos”, ga­ran­tiu Fer­nan­do San­tos. Não ne­ces­sa­ri­a­men­te to­dos, já que, de­pois da dis­pen­sa de Rui Patrício, o selecionador fi­cou com 22 jo­ga­do­res: 17 vão ser uti­li­za­dos. Se­rá, tam­bém, uma ges­tão com ba­se nos atle­tas uti­li­za­dos fren­te à Po- ló­nia. Cer­to é que Cláu­dio Ra­mos, Pe­dro Men­des ou Hél­der Cos­ta, ou mes­mo to­dos, po­de­rão au­men­tar a con­ta­gem de es­trei­as pro­mo­vi­das por Fer­nan­do San­tos na Se­le­ção Na­ci­o­nal. A lis­ta es­tá qua­se a atin­gir os 40 no­mes: vai nos 35. Ape­sar de ter da­do al­gu­mas pis­tas, Fer­nan­do San­tos não deu o on­ze pa­ra ho­je. Hou­ve um jor­na­lis­ta que até avan­çou com a equi­pa pro­vá­vel, pe­din­do ao se­le­ci­o­na-

dor uma res­pos­ta de ‘sim’ ou não’. O selecionador fin­tou a ques­tão e ati­rou um… “nim”. Mas afi­nal, qual o ob­je­ti­vo do con­fron­to com a Es­có­cia? Os pró­xi­mos jo­gos de Por­tu­gal são fren­te a Po­ló­nia e Itá­lia, am­bos em no­vem­bro, se­le­ções que a equi­pa das qui­nas de­fron­tou re­cen­te­men­te. Os es­co­ce­ses ser­vem de teste pa­ra o fu­tu­ro por­que têm ca­rac­te­rís­ti­cas pou­co co­muns. “A Es­có­cia es­tá em re­no­va­ção e é di­fe­ren­te da­qui­lo a que es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos. Fren­te a Israel jo­gou em 3x4x3 e de­pois al­te­rou pa­ra 3x5x2. Tem la­te­rais que so­bem mui­to e que par­tem o jo­go com fa­ci­li­da­de. Te­re­mos de de­mons­trar qua­li­da­de na or­ga­ni­za­ção e con­cen­tra­ção. Se en­trar­mos num jo­go de cor­re­ri­as sis­te­má­ti­cas de 70 me­tros va­mos ter di­fi­cul­da­des. Te­mos de to­mar con­ta do jo­go. Os es­co­ce­ses não dão uma bo­la por per­di­da, vão sem­pre ao li­mi­te”, ana­li­sou.

O Eu­ro nun­ca se es­que­ce

Mui­to se fa­lou do bom fu­te­bol pra­ti­ca­do por Por­tu­gal con­tra a Po­ló­nia. Opor­tu­ni­da­de pa­ra con­fron­tar Fer­nan­do San­tos com es­se te­ma, pa­ra per­ce­ber se es­ta ver­são da Se­le­ção Na­ci­o­nal é a me­lhor em ter­mos exi­bi­ci­o­nais. O téc­ni­co re­cu­ou até à fi­nal do Eu­ro’2016.

“Mais prazer a ver jo­gar? Foi em Saint-Dé­nis, a 11 de ju­lho de 2016. To­ma­ra eu um dia vol­tar a ter uma ex­pe­ri­ên­cia des­sas. Ob­vi­a­men­te que qual­quer trei­na­dor pri­mei­ro quer ga­nhar e de­pois jo­gar bem. Por­que jo­gan­do bem po­de­mos ga­nhar. Se ti­ver de es­co­lher en­tre jo­gar de for­ma nor­mal e ga­nhar ou per­der com no­ta ar­tís­ti­ca… Não me in­te­res­sa per­der. Se a exi­bi­ção for mais agra­dá­vel à vis­ta, me­lhor pa­ra o trei­na­dor, jo­ga­do­res, adep­tos e im­pren­sa, mas is­so nem sem­pre é pos­sí­vel. E qu­an­do is­so acon­te­ce, a mi­nha pri­o­ri­da­de é ga­nhar.” *

“ES­CÓ­CIA ES­TÁ EM RE­NO­VA­ÇÃO E É DI­FE­REN­TE DA­QUI­LO A QUE ES­TA­MOS HA­BI­TU­A­DOS. TEM LA­TE­RAIS QUE SO­BEM MUI­TO”

“SE TI­VER DE ES­CO­LHER EN­TRE JO­GAR NOR­MAL E GA­NHAR OU PER­DER COM NO­TA AR­TÍS­TI­CA... NÃO ME IN­TE­RES­SA PER­DER”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.