Ga­nhou qu­em mais quis ga­nhar

Ber­nar­do Ri­bei­ro

Record (Portugal) - - NEWS -

Sur­pre­en­deu a apos­ta em Pau­li­nho em de­tri­men­to de Wil­son Edu­ar­do?

Aos ana­lis­tas pen­so que sim, a Sér­gio Con­cei­ção não te­nho a cer­te­za. Foi a con­fir­ma­ção de que Abel Fer­rei­ra per­ce­beu que es­te era um dos ‘jo­gos do tí­tu­lo’, lan­çan­do uma equi­pa pa­ra jo­gar olhos nos olhos, sa­ben­do que ti­nha a equi­pa mais fres­ca do que os dra­gões. Cu­ri­o­sa­men­te, uma das fa­lhas do Sp. Bra­ga no jo­go de on­tem foi na de­ci­são, pois com uma fi­na­li­za­ção me­lhor, qu­em sa­be os guer­rei­ros ti­nham saí­do do Dra­gão com ou­tro re­sul­ta­do.

O que de­ci­diu o clás­si­co a fa­vor da equi­pa por­tis­ta? Não foi ape­nas uma pes­soa ou um fe­nó­me­no. Sim­pli­fi­can­do, di­ria So­a­res e Sér­gio Con­cei­ção. O pri­mei­ro por­que lu­tou do pri­mei­ro ao úl­ti­mo mi­nu­to e, ape­sar de não ter fei­to um gran­de jo­go, sou- be apa­re­cer pa­ra re­sol­ver na ho­ra cer­ta. Ou quan­do foi ser­vi­do da me­lhor for­ma. Pa­ra is­so aju­dou mui­to o mo­do co­mo Con­cei­ção me­xeu na equi­pa. As en­tra­das de Otávio, Her­re­ra e Her­nâ­ni ti­ve­ram co­mo ideia prin­ci­pal ga­nhar o jo­go. Cri­ar for­mas de fa­zer a bo­la che­gar à área, me­lho­rar di­nâ­mi­cas, cri­ar su­pe­ri­o­ri­da­de. Tu­do ga­nho. Sim­ples­men­te bri­lhan­te.

A fres­cu­ra do Sp. Bra­ga fez-se sen­tir?

Tal­vez du­ran­te o jo­go, na for­ma co­mo o FC Por­to não con­se­guiu es­tan­car al­gu­mas das in­ves­ti­das dos guer­rei­ros, mas es­sen­ci­al­men­te os dra­gões pa­re­cem ter con­se­gui­do re­cu­pe­rar o es­pí­ri­to que os le­vou a se­rem cam­peões. E is­so po­de ser de­ter­mi­nan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.