Com os olhos em bi­co

Record (Portugal) - - OPINIÃO -

Qu­em olhar ape­nas pa­ra o re­sul­ta­do, não fi­ca com a ideia das am­plas ar­dui­da­des com que o FC Por­to se de­ba­teu pa­ra ul­tra­pas­sar o Portimonense. Foi uma pri­mei­ra par­te mui­to pou­co con­se­gui­da dos cam­peões na­ci­o­nais, de re­gres­so à or­ga­ni­za­ção es­tru­tu­ral em 4x4x2, em que vol­ta­ram a jun­tar Ma­re­ga e So­a­res na fren­te do ata­que, an­te uma for­ma­ção al­gar­via que apos­tou num 5x4x1 que se des­do­bra­va sa­gaz­men­te em 3x4x2x1. Hou­ve de­mé­ri­to dos dra­gões, im­pa­ci­en­tes na cons­tru-

MU­DAN­ÇA DE ATI­TU­DE NA ETA­PA COM­PLE­MEN­TAR FOI DE­CI­SI­VA PA­RA A RE­VI­RA­VOL­TA DOS CAM­PEÕES NA­CI­O­NAIS

ção, o que con­du­ziu à bus­ca per­ma­nen­te e pre­ci­pi­ta­da da pro­fun­di­da­de atra­vés de uma cons­tru­ção di­re­ta [ 1], pro­cu­ran­do apro­vei­tar a o po­si­ci­o­na­men­to su­bi­do da úl­ti­ma li­nha ri­val. Além dis­so, os por­tis­tas fo­ram in­con­sis­ten­tes na re­a­ção à per­da, com pou­ca agres­si­vi­da­de e uma pos­tu­ra pas­si­va, o que con­du­ziu a mo­men­tos de tran­si­ção –e, por ve­zes, de or­ga­ni­za­ção –pou­co com­pac­tos. Mas tam­bém hou­ve um mé­ri­to do Portimonense, que nun­ca te­ve me­do de ter bo­la, evi­den­ci­an­do uma pers­pi­cá­cia a li­gar o jo­go de for­ma rá­pi­da de trás pa­ra a fren­te, ex­plo­ran­do o es­pa­ço nas cos­tas dos la­te­rais ad­ver­sá­ri­os, o que trans­for­mou Na­ka­ji­ma no pro­ta­go­nis­ta da eta­pa ini­ci­al. Foi dos pés do ni­pó­ni­co que bro­tou o go­lo inau­gu­ral, con­cluí­do por Tor­me­na ao se­gun­do pos­te, on­de os al­gar­vi­os sur­gi­ram de for­ma con­tun­den­te em su­pe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca[ 2]. Nem mes­mo o go­lo do FC Por­to, as­si­na­do por Ma­re­ga des­per­tou o dra­gão, já que con­ti­nu­ou a ser o Portimonense, qua­se sem­pre de con­tra­a­ta­ques, a en­trar no úl­ti­mo ter­ço do ter­re­no. Ain­sa­tis­fa­ção de Con­cei­ção era evi­den­te, o que o trans­por­tou a uma ina­bi­tu­al al­te­ra­ção no de­cor­rer da 1.ª par­te, ao ab­di­car de Óli­ver, que até vi­nha a re­ve­lar-se mais efi­caz na re­cu­pe­ra­ção do que na cons­tru­ção, pa­ra lan­çar Her­re­ra, pro­cu­ran­do mais equi­lí­brio no cor­re­dor cen­tral. Mais do que a tro­ca de uni­da- des, o que se sen­tiu foi uma mu­dan­ça de ati­tu­de na eta­pa com­ple­men­tar. Al­go que foi cru­ci­al pa­ra a re­vi­ra­vol­ta, ao apro­vei­ta­rem re­cu­pe­ra­ções pa­ra apa­nha­rem o ri­val em con­tra­pé. Foi as­sim que foi de­se­nha­do o 2-1, co­mo tam­bém o 3-1, on­de um de­sar­me de Otá­vio a Na­ka­ji­ma ori­gi­nou um con­tra­gol­pe que te­ve con­ti­nui­da­de na con­du­ção de Da­ni­lo e na fi­na­li­za­ção de Brahi­mi [ 3], o má­gi­co que co­lo­cou a de­fe­sa al­gar­via, des­de o mi­nu­to ini­ci­al, com os olhos em bi­co. *

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.