“A men­ta­li­da­de é que es­ta­va mal”

Record (Portugal) - - OPINIÃO - JO­SÉ MI­GUEL MA­CHA­DO

Trei­na­dor não gos­tou da en­tra­da “pas­si­va, sem in­ten­si­da­de e ve­lo­ci­da­de” da sua equi­pa e con­fes­sou que a úni­ca coi­sa que pe­diu aos jo­ga­do­res du­ran­te o in­ter­va­lo foi mais ati­tu­de, por­que ter qua­li­da­de nem sem­pre che­ga

tro­ca de Óli­ver por Her­re­ra foi­de­ci­si­va­pa­ra­a­vi­tó­ria?

– Não en­trá­mos bem no jo­go. O Portimonense vi­nha co­mo nós es­pe­rá­va­mos, com uma li­nha de cin­co atrás, à ima­gem do que fez na pré-épo­ca. En­trá­mos de for­ma al­go pas­si­va, sem in­ten­si­da­de e sem ve­lo­ci­da­de no jo­go. A di­ver­si­da­de de mo­vi­men­tos ofen­si­vos não tem que ser fei­ta de for­ma de­sor­ga­ni­za­da e is­so acon­te­ceu, o que le­vou a que so­frês­se­mos quan­do per­día­mos a bo­la, ha­via mui­to es­pa­ço pa­ra o ad­ver­sá­rio, so­bre­tu­do no cor­re­dor cen­tral. Mu­dei por­que pa­re­ceu-me que pre­ci­sá­va­mos de ou­tra pre­sen­ça no meio-cam­po. O Óli­ver ten­tou cum­prir com o pe­di­do, mas a equi­pa não sou­be com­pen­sar al­gu­mas per­mu­tas nos­sas. Era im­por­tan­te ter in­fil­tra­ções de mé­di­os e ex­tre­mos, mas es­tá­va­mos cons­tan­te­men­te a per­der as se­gun­das bo­las e a le­var com con­tra-ata­ques.

– Co­mo se ex­pli­cam as di­fe­ren­ças da1.ª pa­raa2.ª par­te?

– Ti­ve a opor­tu­ni­da­de de fa­lar com a equi­pa, de não mu­dar na­da do que já se es­ta­va a fa­zer pou­co an­tes, mas sim mu­dar a ati­tu­de. Era mais pe­la men­ta­li­da­de que es­tá­va­mos a ter no jo­go. Po­de­mos ter uma equi­pa cheia de ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca e qua­li­da­de, mas quan­do não ali­a­mos is­so à am­bi­ção e a uma boa agres­si­vi­da­de e in­ten­si­da­de não adi­an­ta na­da. Foi is­so que foi pe­di­do ao in­ter­va­lo. Há jo­gos on­de po­dem acon­te­cer es­te ti­po de coi­sas, não qu­e­ro ti­rar o mé­ri­to ao Portimonense, que veio aqui de for­ma mui­to or­ga­ni­za­da. Fez uma boa 1ª par­te, mas tam­bém por cul­pa nos­sa. De­pois já fo­mos uma equi­pa mais pró­xi­ma do que é há­bi­to e ga­nhá­mos na­tu­ral­men­te.

– Quan­do de­ci­de lan­çar Her­re­ra tam­bém foi pa­ra dar uma voz de co­man­do à equi­pa?

– Tí­nha­mos mui­tas vo­zes de co­man­do den­tro de cam­po, até es­tá­va­mos a fa­lar mais do que a jo­gar. Não, não foi por is­so.

– Que aná­li­se faz à exi­bi­ção de Co­ro­na de­fen­si­va­men­te, que te­ve de le­var com Na­ka­ji­ma?

– Sa­bía­mos que o Na­ka­ji­ma ex­plo­ra o es­pa­ço in­te­ri­or e dá o cor­re­dor ao Ma­na­fá. Te­nho to­tal con­fi­an­ça no Co­ro­na a la­te­ral e na for­ma co­mo de­fen­de. E no Fe­li­pe co­mo cen­tral des­se la­do. Te­mos de elo- gi­ar a qua­li­da­de do ad­ver­sá­rio. – Es­te­ve mais cal­mo no ban­co do que é ha­bi­tu­al, é uma con­sequên­ci­a­do que se pas­sou no Bes­sa?

– Es­ta­va so­li­dá­rio com o An­tó­nio Fo­lha, es­ti­ve em clima ro­mân­ti­co com ele...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.