Ven­tos da Ar­bi­tra­gem mu­dam de di­re­ção

Record (Portugal) - - OPINIÃO -

O VAR VEIO DI­MI­NUIR CLA­RA­MEN­TE A VI­SÃO DO PO­DER AB­SO­LU­TO. É PRE­CI­SO ACA­BAR COM A IDEIA DE QUE A AR­BI­TRA­GEM SE DOMESTICA E, PA­RA IS­SO, É PRE­CI­SO ELE­VAR A EFICÁCIA DA VIDEOARBITRAGEM

ci­as do fu­te­bol-in­dús­tria, em cu­jo pe­río­do Jor­ge Je­sus deu um con­tri­bu­to sig­ni­fi­ca­ti­vo, os tí­tu­los apa­re­ce­ram. Vi­e­ram, de­pois, em sequên­cia, os ca­sos dos emails e e-tou­pei­ra e ou­tros que tais, to­dos mui­to as­so­ci­a­dos a es­ta ideia de po­der, in­fluên­ci­as e de ges­tão de po­de­res.

AFPFe­o­pró­pri­oFer­nan­doGo­me­sa­cha­ram­que os ár­bi­tros, na fa­se Ví­tor Pe­rei­ra/Fer­rei­ra Nu­nes, já não con­se­gui­am fa­zer um exer­cí­cio mí­ni­mo de equi­dis­tân­cia dos po­de­res clu­bís­ti­cos, e mu­da­ram as pre­si­dên­ci­as do Con­se­lho de Ar­bi­tra­gem e do Con­se­lho de Dis­ci­pli­na pa­ra ate­nu­ar o im­pac­to da chi­a­dei­ra. Foi uma no cra­vo e ou­tra na fer­ra­du­ra pa­ra se evi­tar a con­tra-chi­a­dei­ra. E a coi­sa pas­sou, pe­lo cré­di­to que Fer­nan­do Go­mes nun­ca per­deu jun­to de Luís Fi­li­pe Vi­ei­ra.

Ébom­não­es­que­cer­que, à ‘con­tre­co­eur’, quan­do a FPF to­mou a di­an­tei­ra à Li­ga e se de­ci­diu pe­la in­tro­du­ção da fi­gu­ra do ví­deo-ár­bi­tro no fu­te­bol por­tu­guês (Maio de 2017), o am­bi­en­te es­ta­va a es­cal­dar, com os pri­mei­ros si­nais do ‘ca­so dos emails’ –an­tes do ‘ca­so e-tou­pei­ra’ e na se- quên­cia do ‘ca­so dos vou­chers’.

Oví­deo-ár­bi­tro(VAR) pas­soua ser­mais uma fer­ra­men­ta pa­ra apu­rar o es­cru­tí­nio e é bom re­cor­dar que o Ben­fi­ca a encarou com al­gu­ma des­con­fi­an­ça. Sim, não, tal­vez, sim (um pou­co en­ver­go­nha­do).

De­pois­do‘ano0’ doVARe­em­ple­no‘ano1’ e já de­bai­xo do consulado de Fon­te­las Go­mes, o que es­ta­mos a as­sis­tir? Dei­xou de ha­ver uma ar­bi­tra­gem de sen­ti­do úni­co. E, pas­sa­do o tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra se per­ce­ber que, aqui e ali, o FC Por­to já não ti­nha tan­tas ra­zões pa­ra se quei­xar, lo­go co­me­ça­ram as crí­ti­cas a es­te Con­se­lho de Ar­bi­tra­gem.

Qu­er­di­zer: o Ben­fi­ca per­deu o con­tro­lo (to­tal) so­bre a ar­bi­tra­gem e vi­ve­mos um pe­río­do em que ain­da não é pos­sí­vel de­ter­mi­nar se o FC Por­to o re­cu­pe­rou ou se, na ver­da­de, há pre­juí­zos e be­ne­fí­ci­os de­cor­ren­tes de er­ros que exis­ti­rão sem­pre no fu­te­bol e na ar­bi­tra­gem –mes­mo com VAR.

OVAR­di­mi­nuiu­cla­ra­men­te­a­vi­são­do­po­de­rab­so­lu­to, o que sig­ni- fi­ca que a ar­bi­tra­gem mu­dou, mi­ti­gan­do os efei­tos des­se po­der ab­so­lu­to. Is­so não in­va­li­da que se re­co­nhe­ça que os VAR têm ti­do al­guns er­ros de ava­li­a­ção, e is­so re­sul­ta da pro­mo­ção em ex­clu­si­vo pa­ra a videoarbitragem de ár­bi­tros de pou­ca qua­li­da­de en­quan­to es­ti­ve­ram so­bre o rel­va­do e tam­bém do aper­fei­ço­a­men­to e da adap­ta­ção a um no­vo sis­te­ma.

Oque­não­mu­daéo‘cha­ri­va­ri’ das di­rec­ções­de co­mu­ni­ca­ção ( pa­tro­ci­na­das pe­las di­rec­ções e ad­mi­nis­tra­ções) que vêem mui­tas ve­zes pre­juí­zos on­de há be­ne­fí­ci­os e be­ne­fí­ci­os on­de há pre­juí­zos.

En­quan­to­nãohou­ver­san­ções for­tes pa­ra es­tes com­por­ta­men­tos, não há na­da a fa­zer. E, so­bre is­to, eram ne­ces­sá­ri­as po­si­ções for­tes da FPF e da Li­ga. On­de an­dam?

NO­TA- Dois pe­nál­tis con­se­cu­ti­vos não as­si­na­la­dos pe­los VAR con­tra o FC Por­to (Bes­sa e on­tem) não po­dem ser re­la­ti­vi­za­dos. O CA não po­de fe­char os olhos ou re­la­ti­vi­zar er­ros des­ta na­tu­re­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.