Du­re­za se­lec­ti­va

Record (Portugal) - - OPINIÃO -

A pro­pó­si­to dos ecos do Bo­a­vis­ta-FC Por­to é pre­ci­so se­pa­rar as águas:

1. É con­de­ná­vel e pas­sí­vel de re­fle­xão que ha­ja equi­pas que en­du­re­çam se­lec­ti­va­men­te o seu jo­go, qu­an­do jo­gam con­tra ad­ver­sá­ri­os da mes­ma fai­xa de or­ça­men­tos/re­cur­sos.

2. Bo­as ou más re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais não são cha­ma­das pa­ra den­tro do rel­va­do.

3. Os trei­na­do­res po­dem vi­ver o jo­go, so­bre­tu­do qu­an­do há in­cer­te­za no re­sul­ta­do até ao fim, mas sa­bem que são pro­fis­si­o­nais e que, qu­an­do se ex­ce­dem – por­que às ve­zes per­de-se o con­tro­lo –, de­vem ter a hom­bri­da­de de re­co­nhe­cer os ex­ces­sos, co­mo fez re­cen­te­men­te Jur­gen Klopp (gran­de exem­plo!)… 4. Di­ri­gen­tes e trei­na­do­res não pre­ci­sam de ser pas­si­vos, mas não de­vem ig­no­rar a sua res­pon­sa­bi­li­da­de pe­ran­te os adep­tos e ‘ca­sas a fer­ver’. As jau­las não são pre­ci­sas pa­ra na­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.