GOLO DE ZÉ LUÍS VA­LE BI­LHE­TE

Ati­tu­de for­te dos dra­gões após o in­ter­va­lo foi dde­ci­si­vaii pa­ra se­larl a vi­tó­ria.iói En­tra­dad dde SéSér­gi­oi Oliveira im­por­tan­te pa­ra con­tro­lar o jo­go

Record (Portugal) - - PRIMEIRA PÁGINA - CRÓNICA DE RUI SOU­SA

SÉR­GIO CON­CEI­ÇÃO

“Fi­ze­mos o 2-0 um pou­co tar­de”

Foi glo­bal­men­te po­bre a exi­bi­ção do FC Por­to no re­gres­so ao cam­pe­o­na­to, de­pois de 22 di­as de in­ter­reg­no, mas era difícil pe­dir mui­to mais à equipa de Sér­gio Con­cei­ção no que res­pei­ta à no­ta ar­tís­ti­ca, de­pois de um jo­go des­gas­tan­te na Suíça, on­de te­ve pe­la fren­te um ad­ver­sá­rio for­te fi­si­ca­men­te e um rel­va­do sin­té­ti­co. Co­mo tal, era pre­vi­sí­vel que o FC Por­to não exer­ces­se um do­mí­nio avas­sa­la­dor so­bre o P. Ferreira e per­mi­tis­se até al­gum atre­vi­men­to à equipa de Pepa, fa­ce ao des­gas­te pro­vo­ca­do pe­la ba­ta­lha de Ber­na, na pas­sa­da quin­ta-fei­ra, pa­ra a Liga Eu­ro­pa, mas não dei­xou de cau­sar al­gu­ma surpresa o fac­to de os dra­gões te­rem che­ga­do ao fi­nal da pri­mei­ra par­te com tan­tos re­ma­tes (três) co­mo os cas­to­res. Um rit­mo de­ma­si­a­do len­to, mo­vi­men­tos pre­vi­sí­veis e de­sins­pi­ra­ção no úl­ti­mo ter­ço do ter­re­no per­mi­ti­ram que se ve­ri­fi­cas­se um equi­lí­brio pou­co ex­pec­tá­vel e que pos­si­bi­li­tou ao con­jun­to de Pepa acre­di­tar que se­ria pos­sí­vel sur­pre­en­der o FC Por­to, ape­sar dos 20 pon­tos que se­pa­ra­vam as du­as equi­pas à par­ti­da pa­ra es­ta jornada. Houve mo­men­tos que trou­xe­ram à memória a re­ce­ção ao Aves, há umas se­ma­nas, na­que­la que te­rá si­do a exi­bi­ção mais po­bre no Dragão.

Mas mes­mo com ser­vi­ços mí­ni­mos, o FC Por­to che­gou ao in­ter­va­lo em van­ta­gem no mar­ca­dor, com as bo­las pa­ra­das a as­su­mi­rem-se no­va­men­te co­mo um fa­tor de de­se­qui­lí­brio. E des­ta vez cou­be a Loum o mé­ri­to de fi­na­li­zar com êxi­to, ele que se vai as­su­min­do ca­da vez mais co­mo um elemento pre­pon­de­ran­te no meio-cam­po dos dra­gões, jo­gan­do já qua­se de olhos fe­cha­dos com Da­ni­lo Pe­rei­ra. Aliás, o se­ne­ga­lês foi im­por­tan­te não só pelo golo que mar­cou, co­mo tam­bém se re­ve­lou de­ter­mi­nan­te na fa­se em que os dra­gões car­re­ga­ram so­bre o sec­tor re­cu­a­do do P. Ferreira, fa­zen­do dois re­ma­tes que an­te­ce­de­ram a bicicleta pri­mo­ro­sa de Zé Luís que co­lo­cou um pon­to fi­nal na dis­cus­são do jo­go.

De res­to, bem se po­de di­zer que a ve­lo­ci­da­de co­lo­ca­da no jo­go pe­los por­tis­tas na se­gun­da par­te foi de­ci­si­va pa­ra abrir fis­su­ras na mu­ra­lha de­fen­si­va dos cas­to­res, anu­lan­do ao mes­mo tem­po as saí­das do ad­ver­sá­rio pa­ra o ata­que, com uma ati­tu­de for­te e as­ser­ti­va.

As­su­mir as ré­de­as

Mes­mo ten­do mai­or as­cen­den­te no jo­go, com Otá­vio mui­to ati­vo a ten­tar ser­vir o ata­que e Ma­re­ga

a ‘mas­sa­crar’ os cen­trais pa­cen­ses, a equipa de Sér­gio Con­cei­ção che­gou a sen­tir al­gu­mas di­fi­cul­da­des pa­ra con­tro­lar o jo­go, de­vi­do à in­fe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca no cen­tro do ter­re­no, mas es­se pro­ble­ma foi resolvido quan­do Sér­gio Oliveira foi lan­ça­do pa­ra o lu­gar de Je­sús Co­ro­na.

A equipa pas­sou a jo­gar em 4x3x3, com o in­ter­na­ci­o­nal por­tu­guês a jun­tar-se a Da­ni­lo e

Loum, e a par­tir daí as­su­miu o co­man­do to­tal na zo­na ne­vrál­gi­ca do cam­po. O Paços foi de­fi­ni­ti­va­men­te em­pur­ra­do pa­ra trás e as opor­tu­ni­da­des co­me­ça­ram a sur­gir jun­to da ba­li­za de Ri­car­do Ri­bei­ro, o que dei­xou Sér­gio Con­cei­ção mais des­can­sa­do. O golo de Zé Luís foi uma con­sequên­cia des­se do­mí­nio e abriu mais uma ja­ne­la de ex­pec­ta­ti­va no ata­que, sec­tor que de um mo­men­to pa­ra o ou­tro viu os seus pro­ta­go­nis­tas ba­te­rem-se pe­los go­los. Numa noi­te em que a de­fe­sa so­mou mais um jo­go em branco no Dragão, co­lo­can­do-se mui­to per­to de um re­cor­de lon­gín­quo, a úni­ca no­ta ne­ga­ti­va da noi­te foi a le­são de Vin­cent Abou­ba­kar. O ca­ma­ro­nês, que foi o he­rói da vi­tó­ria na Suíça, re­sis­tiu ao des­gas­te de um rel­va­do sin­té­ti­co, mas res­sen­tiu-se on­tem, sain­do pre­ma­tu­ra­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.