Me­tal Ge­ar Sur­vi­ve

ME­TAL GE­AR SEM HIDEO KOJIMA PER­DEU A PI­A­DA? VEJAMOS.

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Pedro Tróia

Ape­sar do no­me, es­te jo­go tem pou­co que ver com os ou­tros que fa­zem par­te da sé­rie, quan­to mais não se­ja pe­lo fac­to de aban­do­nar a me­câ­ni­ca de jo­go em que a ac­ção fur­ti­va era ne­ces­sá­ria pa­ra quase tu­do. Ao in­vés dis­so, te­mos um jo­go em que o prin­ci­pal ob­jec­ti­vo é so­bre­vi­ver e aju­dar os ami­gos a so­bre­vi­ver. Um dos fi­os con­du­to­res que li­ga (de for­ma mui­to té­nue) es­te jo­go aos an­te­ri­o­res é a his­tó­ria com­ple­ta­men­te ab­sur­da, da qual con­fes­so que não sou fã, que me­te zom­bi­es, wormho­les, in­fec­ções e viagens in­ter­di­men­si­o­nais. Ain­da as­sim, mui­to do que se faz em Me­tal Ge­ar Sur­vi­ve tem li­ga­ção à re­a­li­da­de, co­mo fac­to de ter de ca­çar pa­ra se ali­men­tar ou be­ber pa­ra se man­ter hi­dra­ta­do. Mas de res­to é uma con­fu­são com­ple­ta.

CO­ME­ÇAR DO NA­DA

Quan­do co­me­ça Me­tal Ge­ar Sur­vi­ve o jo­ga­dor tem ape­nas com uma arma bá­si­ca e, à me­di­da que vai re­co­lhen­do ma­te­ri­ais e pro­gre­din­do, po­de fa­zer pe­que­nos up­gra­des, co­mo fo­guei­ras pa­ra co­zi­nhar a car­ne e fer­ver a água. Depois, se­rá pos­sí­vel cons­truir edi­fí­ci­os pro­gres­si­va­men­te mais com­ple­xos pa­ra se pro­te­ger.

Mais tar­de ser-lhe-ão atri­buí­das mis­sões em que tem de ata­car ba­ses do ini­mi­go pa­ra sal­var ou­tras per­so­na­gens (leia-se jogadores) que o vão aju­dar na sua vi­a­gem pe­lo mun­do de Me­tal Ge­ar Sur­vi­ve. As­sim que os res­ga­ta fi­ca na pos­se das ba­ses on­de eles es­ta­vam e dos res­pec­ti­vos ge­ra­do­res de wormho­les que ser­vem co­mo meio de fast tra­vel.

ZOM­BI­ES?

Mui­to do tem­po que pas­sa a jo­gar se­rá gas­to a con­truir de­fe­sas con­tra hor­das de Wan­de­rers (os ini­mi­gos zom­bie) pa­ra que es­tes não to­mem as su­as ba­ses e os res­pec­ti­vos re­cur­sos de que tanto pre­ci­sa. Quan­do es­tá a lutar con­tra as hor­das o jo­go é em­pol­gan­te, mas só no ini­cio. À me­di­da que pro­gri­de e o seu ar­se­nal me­lho­ra, a in­te­li­gên­cia dos ini­mi­gos man­tém-se no ní­vel ini­ci­al. Ou se­ja, a coisa vai fi­can­do

um pou­co fá­cil e re­pe­ti­ti­va. O mapa de Sur­vi­ve é mui­to se­me­lhan­te ao de Phan­tom Pain, o jo­go an­te­ri­or da sé­rie, ao pon­to de con­ter a mesma fau­na e flo­ra e até mes­mo al­gu­mas das es­tru­tu­ras que exis­ti­am no epi­só­dio an­te­ri­or. Ou­tra se­me­lhan­ça es­tá no sis­te­ma de ges­tão de pes­so­al, que tam­bém é mui­to pa­re­ci­do ao do seu an­te­ces­sor.

Ao fim de al­gum tem­po de jo­go sin­gle player, des­blo­que­a­mos as mis­sões co­o­pe­ra­ti­vas em que equi­pas de até quatro jogadores se reú­nem, nor­mal­men­te, pa­ra pro­cu­rar re­cur­sos ou de­fen­der ba­ses. Nes­tas mis­sões to­dos po­dem cons­truir e me­lho­rar de­fe­sas e ma­tar zom­bi­es pa­ra se man­te­rem vi­vos. Me­tal Ge­ar Sur­vi­ve tem dois pro­ble­mas: o pri­mei­ro, e já fo­ca­do, é o de ter si­do feito em ci­ma de Phan­tom Pain. Is­to ti­ra-lhe va­ri­e­da­de e, por ve­zes, pa­re­ce que es­ta­mos ou­tra vez em 2015. O ou­tro tem que ver a com as mi­cro-tran­sac­ções. Faz sen­ti­do termos de gas­tar dinheiro pa­ra ter mais slots pa­ra gra­var o jo­go? Não? Bem me pa­re­cia. Eu até ad­mi­to que o jo­ga­dor te­nha de com­prar ele­men­tos cos­mé­ti­cos e, no li­mi­te, al­gu­mas ar­mas quan­do che­ga ao li­mi­te da pro­gres­são da per­so­na­gem, mas sa­ve slots?!

O mapa de Sur­vi­ve é mui­to se­me­lhan­te ao de Phan­tom Pain.

Se gos­ta des­te jo­go, su­ge­ri­mos: Qual­quer jo­go da sé­rie Me­tal Ge­ar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.