PES 2019

EM ANO DE PER­DA DAS LI­CEN­ÇAS DA UE­FA, PES 2019 PA­RE­CIA NÃO TER GRAN­DES HI­PÓ­TE­SES DE SE BA­TER COM O RI­VAL DE SEM­PRE. MAS HOU­VE UM GOL­PE DE GÉ­NIO QUE FEZ MU­DAR IS­SO.

Revista PCGuia Play - - ÍNDICE - Ricardo Du­rand

Éver­da­de que PES con­ti­nua com a la­cu­na de sem­pre de não ter os direitos pa­ra apre­sen­tar co­mo de­ve ser vá­ri­os clu­bes das prin­ci­pais li­gas eu­ro­pei­as. Mais um ano, mais um jo­go com Man Red (Man­ches­ter Uni­ted), PM Black Whi­te (Ju­ven­tus) e Ma­drid Whi­te (Re­al Ma­drid) e ou­tros no­mes pa­re­ci­dos, o que po­de ser frus­tran­te pa­ra mui­tos fãs. O ano de 2018 foi de gran­de mu­dan­ça pa­ra PES: com a per­da da li­cen­ça da Liga dos Campeões, o jo­go te­ve de se rein­ven­tar e ir bus­car ou­tros cha­ma­ri­zes pa­ra agra­dar aos fãs. Uma das apostas for­tes foi na aqui­si­ção dos direitos de al­gu­mas li­gas que po­de­mos con­si­de­rar se­cun­dá­ri­as, co­mo a chi­le­na, a es­co­ce­sa, a suí­ça ou a di­na­mar­que­sa. Mas aqui tam­bém há al­guns trun­fos: a Li­gue 1 Con­fo­ra­ma (França), o Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, a Ere­di­vi­sie (Paí­ses-Bai­xos) e a Rus­si­an Pre­mi­er Le­a­gue es­tão to­tal­men­te li­cen­ci­a­das, o que po­de ser­vir pa­ra con­quis­tar no­vos fãs lo­cal­men­te

- e a Rús­sia pa­re­ce ser, es­pe­ci­al­men­te, um mer­ca­do mui­to ape­te­cí­vel pa­ra a Ko­na­mi.

UM PRO­BLE­MA QUE NUN­CA FOI

Des­de 1998 que co­me­cei a fi­car um gran­de adep­to dos si­mu­la­do­res da Ko­na­mi, ain­da PES se cha­ma­va ISS Pro e a consola era uma PS ori­gi­nal. A jogabilidade era ím­par e os grá­fi­cos eram do me­lhor que se via em anos pa­ra um jo­go de fu­te­bol, es­pe­ci­al­men­te de­pois de um FI­FA 96 em que os jo­ga­do­res pa­re­ci­am mais

uns po­lí­go­nos com pés que ou­tra coi­sa. Era uma ver­da­dei­ra de­lí­cia, a to­dos os ní­veis, jo­gar ISS Pro/PES por al­tu­ra da mu­dan­ça de mi­lé­nio e, mes­mo de­pois, com PES 2006 e 2007, a Ko­na­mi não da­va hi­pó­te­ses a FI­FA. Na al­tu­ra, não qu­e­ria sa­ber se al­guns clu­bes es­ta­vam com no­mes al­te­ra­dos: a jogabilidade e o ní­vel de di­ver­são que ha­via num PES su­pe­ra­va qual­quer ou­tra fa­lha que pu­des­se ha­ver no jo­go. Re­al­men­te, nin­guém qu­e­ria sa­ber dis­so: prin­ci­pal­men­te pa­ra PC, ha­via fi­chei­ros cri­a­dos por ter­cei­ros que po­di­am ser ins­ta­la­dos no jo­go e co­lo­car os equi­pa­men­tos ofi­ci­ais, al­te­rar os no­mes dos clu­bes e até mes­mo mo­di­fi­car os jo­ga­do­res pa­ra se pa­re­ce­rem me­lhor com os re­ais. Lem­bro-me de ir a um si­te na­ci­o­nal cha­ma­do pes.com.pt fa­zer do­wlo­ad de tu­do pa­ra tor­nar PES ain­da num jo­go me­lhor. Ac­tu­al­men­te, po­de­mos fa­zer o mes­mo nas con­so­las, com fi­chei­ros de ima­gem que po­dem ser im­por­ta­dos pa­ra o jo­go, coi­sa que até já é bas­tan­te fá­cil de fa­zer nu­ma PS4 (ver di­cas).

O CUI­DA­DO DA KO­NA­MI COM POR­TU­GAL

Quan­do me fi­ze­ram che­gar a edição des­te ano pa­ra tes­tar, já ti­nha ex­pe­ri­men­ta­do PES há al­guns me­ses, quan­do a equi­pa da Ko­na­mi veio a Por­tu­gal apre­sen­tar o jo­go, um cui­da­do que a EA dei­xou de ter há mui­to tem­po, tal­vez por achar que o mer­ca­do na­ci­o­nal são fa­vas

con­ta­das pa­ra FI­FA… po­de ser que em bre­ve te­nham uma sur­pre­sa de­sa­gra­dá­vel.

O cui­da­do que a Ko­na­mi te­ve pa­ra com os fãs na­ci­o­nais de jo­gos de fu­te­bol, e tam­bém pa­ra com jor­na­lis­tas, you­tu­bers e blog­gers na­ci­o­nais, me­re­ce ser des­ta­ca­do - não nos es­que­ça­mos que PES ti­nha aca­ba­do de perder a li­cen­ça das com­pe­ti­ções da UE­FA pa­ra FI­FA, um gol­pe dos pi­o­res que um jo­go des­te gé­ne­ro po­de ter.

Ape­sar dis­so, a edi­to­ra ja­po­ne­sa não de­sis­tiu da lu­ta e pe­diu aos res­pon­sá­veis eu­ro­peus pa­ra in­cluir Por­tu­gal na lis­ta de paí­ses on­de o jo­go se­ria apre­sen­ta­do de for­ma pes­so­al. Du­ran­te o even­to, que te­ve lu­gar na Ci­da­de do Fu­te­bol em Oeiras, foi pos­sí­vel ver que PES es­ta­va com uma jogabilidade mui­to di­fe­ren­te. E era is­so mes­mo aqui­lo que es­te jo­go es­ta­va a pre­ci­sar.

QUE JOGABILIDADE!

E por mui­to di­fe­ren­te que­ro di­zer mui­to me­lhor que em anos an­te­ri­o­res. De­pois de tes­tar o jo­go du­ran­te o even­to de apre­sen­ta­ção, fi­quei lo­go com a ideia de que PES po­dia vol­tar aos seus tem­pos de gló­ria. Não me en­ga­nei: de­pois de con­fir­mar a pés­si­ma jogabilidade de FI­FA 19, pe­gar no PES des­te ano foi co­mo

che­gar a um oá­sis. Há mui­tos anos que não me di­ver­tia tan­to a jo­gar um si­mu­la­dor de fu­te­bol: os mo­vi­men­tos res­pon­dem aos nos­sos co­man­dos com uma flui­dez no­tá­vel, con­tro­lar um jo­ga­dor é um pra­zer e de­sen­vol­ver jo­ga­das de en­ten­di­men­to en­tre a equi­pa é mui­to fá­cil. PES 2019 aca­ba por ter aque­le to­que­zi­nho ar­ca­de que fez as de­lí­ci­as de mui­tos fãs (e as mi­nhas) ain­da no tem­po em que se cha­ma­va ISS Pro.

E is­so é uma das me­lho­res coi­sas que se po­de di­zer de um jo­go des­te ti­po. Além dis­so, tem, fi­nal­men­te, a Liga NOS to­tal­men­te li­cen­ci­a­da e mui­tos, mas mes­mo mui­tos

jo­ga­do­res de clu­bes na­ci­o­nais bas­tan­te pa­re­ci­dos com a realidade, o que se tor­na ain­da mais imer­si­vo. A jogabilidade é, co­mo é fá­cil en­ten­der, a ca­rac­te­rís­ti­ca mais im­por­tan­te de qual­quer jo­go, mas num si­mu­la­dor de fu­te­bol é crí­ti­ca e po­de fa­zer mes­mo os fãs mu­da­rem de pre­fe­rên­cia. PES con­se­gue es­ta me­da­lha de ou­ro, com a ver­são de 2019, o que me faz pas­sar ou­tros pro­ble­mas pa­ra um pa­ta­mar se­cun­dá­rio, co­mo o tal das li­cen­ças. Aliás, co­mo as mi­nhas pre­fe­rên­ci­as clu­bís­ti­cas es­tão mui­to bem re­tra­ta­das em PES, o res­to não me pre­o­cu­pa mui­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.