Acu­sa­ção Co­mo Cris­ti­a­no Ro­nal­do pre­pa­ra a res­pos­ta ao es­cân­da­lo de Las Ve­gas

Se os do­cu­men­tos apre­sen­ta­dos pe­la acu­sa­ção fo­ram rou­ba­dos, não são vá­li­dos. É uma “pro­va proi­bi­da”. Eis co­mo o pi­ra­ta dos emails do Ben­fi­ca en­tra nos pla­nos dos ad­vo­ga­dos do fu­te­bo­lis­ta.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Edu­ar­do Dâ­ma­so e Van­da Mar­ques

Pro­va proi­bi­da, vi­o­la­ção da pri­va­ci­da­de, rou­bo de do­cu­men­tos são al­gu­mas das li­nhas es­sen­ci­ais da de­fe­sa que os ad­vo­ga­dos de Cris­ti­a­no Ro­nal­do es­tão a pre­pa­rar pa­ra res­pon­der à no­ti­fi­ca­ção de re­a­ber­tu­ra do ca­so de ale­ga­da vi­o­la­ção pro­ta­go­ni­za­do pe­lo fu­te­bo­lis­ta. O rou­bo de do­cu­men­tos, al­guns dos quais ane­xa­dos à quei­xa apre­sen­ta­da, é re­la­ci­o­na­do com o Football Leaks e is­so tem im­pli­ca­ções re­le­van­tes. Os do­cu­men­tos de to­do o pro­ces­so que en­vol­ve Ro­nal­do em Las Ve­gas, no Ne­va­da, EUA, in­cluin­do o acor­do ce­le­bra­do en­tre o jo­ga­dor e a mu­lher que o acu­sa de vi­o­la­ção, Kathryn Mayor­ga, fo­ram rou­ba­dos por via in­for­má­ti­ca do uni­ver­so de re­pre­sen­tan­tes e ad­vo­ga­dos mais pró­xi­mos do fu­te­bo­lis­ta (o em­pre­sá­rio Jor­ge Men­des e o ad­vo­ga­do por­tu­en­se Carlos Osó­rio de Cas­tro). O sus­pei­to que to­dos pro­cu­ram é já fa­mi­li­ar da po­lí­cia por­tu­gue­sa, dos três gran­des clu­bes na­ci­o­nais e de um dos mai­o­res fun­dos de in­ves­ti­men­to no fu­te­bol, a Doyen: tra­ta-se do pi­ra­ta in­for­má­ti­co por­tu­guês Rui Pin­to, um dos en­vol­vi­dos e, por­ven­tu­ra, o mai­or im­pul­si­o­na­dor do ca­so Football Leaks e no rou­bo dos emails da cor­res­pon­dên­cia in­ter­na do Ben­fi­ca, apu­rou a SÁ­BA­DO jun­to dos pro­ta­go­nis­tas des­ta his­tó­ria. A Ges­ti­fu­te, de Jor­ge Men­des, agen­te de Ro­nal­do, e o es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos li­de­ra­do por Carlos Osó­rio de Cas­tro so­fre­ram ata­ques su­ces­si­vos a par­tir de 2016 e du­as coi­sas são cer­tas: ne­nhum apre­sen­tou quei­xa-cri­me, mas as du­as en­ti­da­des fi­ze­ram su­ces­si­vas var­re­de­las de des­pis­ta­gem das su­as vul­ne­ra­bi­li­da­des in­for­má­ti­cas, so­bre­tu­do a par­tir do mo­men­to em que per­ce­be­ram a di­men­são do fe­nó­me­no que sa­cu­dia o fu­te­bol in­ter­na­ci­o­nal. Na prá­ti­ca, to­das as re­la­ções pro­fis­si­o­nais es­ta­be­le­ci­das pe­lo es­cri­tó­rio de Osó­rio de Cas­tro, que foi in­te­gra­do em 2006 na Mo­rais Lei­tão e As­so­ci­a­dos, têm si­do ana­li­sa­das na pers­pec­ti­va da se­gu­ran­ça in­for­má­ti­ca

NEM JOR­GE MEN­DES NEM O AD­VO­GA­DO OSÓ­RIO DE CAS­TRO APRE­SEN­TA­RAM QUEI­XA PE­LOS ASSALTOS IN­FOR­MÁ­TI­COS

nos úl­ti­mos dois anos. So­bre­tu­do a par­tir do ata­que de Rui Pin­to à Doyen e a em­pre­sas es­pa­nho­las com quem Jor­ge Men­des tem re­la­ções pro­fis­si­o­nais, in­cluin­do o es­cri­tó­rio de ad­vo­ga­dos Senn e Fer­re­ro. Da­qui, vo­a­ram mais de 190 mil do­cu­men­tos num ata­que in­for­má­ti­co que a po­lí­cia es­pa­nho­la ad­mi­te ter si­do pro­ta­go­ni­za­do por Rui Pin­to, no qua­dro do Football Leaks.

Em Es­pa­nha, a in­ves­ti­ga­ção foi de­sen­ca­de­a­da na sequên­cia de uma quei­xa de rou­bo de in­for­ma­ção con­fi­den­ci­al en­tre ad­vo­ga­do e cli­en­te, apre­sen­ta­da pe­la Senn Fer­re­ro. Um dos só­ci­os, Ja­vi­er Fer­re­ro, qu­es­ti­o­na­do pe­la SÁ­BA­DO, es­cla­re­ceu ape­nas que não po­de fa­lar no as­sun­to.

A Senn Fer­re­ro, de Ma­drid, man­te­ve re­la­ções la­bo­rais com Men­des e Osó­rio de Cas­tro até ao ano pas­sa­do, re­pre­sen­tan­do Cris­ti­a­no Ro­nal­do e ou­tros fu­te­bo­lis­tas nos con­fli­tos com o Fis­co es­pa­nhol. A re­la­ção aca­bou após a con­de­na­ção de Ro­nal­do, com os dois es­cri­tó­ri­os a de­fen­de­rem en­ten­di­men­tos di­fe­ren­tes so­bre a es­tra­té­gia a adop­tar. Foi a in­for­ma­ção re­ve­la­da pe­lo Football Leaks que le­vou à re­a­ber­tu­ra, em Es­pa­nha, dos pro­ces­sos fis­cais de Ro­nal­do e Jo­sé Mou­ri­nho. O fu­te­bo­lis­ta foi con­de­na­do a pa­gar 18,8 mi­lhões e a uma pe­na de dois anos de pri­são quan­do já es­ta­va as­ses­so­ra­do por um ex-ma­gis­tra­do, Jo­sé António Cho­clán, con­tra­ta­do por Jor­ge Men­des. De­pois de­le, Marcelo e Mo­dric fo­ram tam­bém con­de­na­dos. No pro­ces­so aber­to em Ma­drid, na sequên­cia da quei­xa da Senn Fer­re­ro, a po­lí­cia sus­pei­ta de Rui Pin­to co­mo au­tor dos cri­mes in­for­má­ti­cos em cau­sa. O mé­to­do – spe­ar phishing é o mes­mo na ori­gem dos cri­mes con­tra o Spor­ting, Ben­fi­ca e Doyen. Foi pe­di­da a co­o­pe­ra­ção da jus­ti­ça por­tu­gue­sa mas, na al­tu­ra, o pro­ces­so ape­nas che­gou a Es­pa­nha por for­ça de uma co­la­bo­ra­ção in­for­mal en­tre po­lí­ci­as. In­ves­ti­ga­do­res dos dois paí­ses che­ga­ram a en­con­trar-se jun­to à fron­tei­ra e tro­ca­ram in­for­ma­ções so­bre os dois pro­ces­sos.

Do Football Leaks ao #MeToo

O pro­ces­so da ale­ga­da vi­o­la­ção pu­bli­ca­do pe­la re­vis­ta ale­mã DerS­pi­e­gel in­clui correio elec­tró­ni­co tro­ca­do en­tre os ad­vo­ga­dos das du­as par­tes, men­sa­gens de te­le­mó­vel tro­ca­das en­tre o pró­prio Osó­rio de Cas­tro e Cris­ti­a­no Ro­nal­do na al­tu­ra das ne­go­ci­a­ções com a ad­vo­ga­da de Kathryn Mayor­ga, pa­ra lá de to­da a do­cu­men­ta­ção – do con­tra­to e ane­xos, co­mo a car­ta que a mu­lher ale­ga­da­men­te vi­o­la­da es­cre­veu ao fu­te­bo­lis­ta e quis in­cluir no acor­do, até aos re­la­tó­ri­os mé­di­cos.

Fon­tes pró­xi­mas da de­fe­sa do jo­ga­dor ad­mi­tem o ce­ná­rio de uma vi­o­la­ção mas­si­va da se­gu­ran­ça in­for­má­ti­ca dos res­pec­ti­vos com­pu­ta­do­res. No pla­no ju­rí­di­co, o rou­bo dos do­cu­men­tos não tem con­sequên­ci­as neu­tras e a de­fe­sa vai agar­rar-se a is­so. A con­tra­ta­ção de uma equi­pa de ad­vo­ga­dos na Ale­ma­nha, pa­ra en­qua­drar a re­la­ção com a Der Spi­e­gel é, nes­te pon­to, re­ve­la­do­ra. A pri­mei­ra pri­o­ri­da­de foi cons­ti­tuir a equi­pa, pa­ra de­pois pre­pa­rar a ar­ti­lha­ria ju­rí­di­ca. Osó­rio de Cas­tro vi­a­jou pa­ra Las Ve­gas as­sim que a de­nún­cia de Mayor­ga foi pu­bli­ca­da e foi acom­pa­nhan­do pes­so­al­men­te o as­sun­to jun­to das au­to­ri­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas. A op­ção foi cons­ti­tuir uma equi­pa li­de­ra­da pe­lo ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta Pe­ter Ch­ris­ti­an­sen e que tem co­mo con­sul­tor Da­vid Ches­noff, o ad­vo­ga­do das ce­le­bri­da­des nos EUA, que já de­fen­deu Brit­ney Spe­ars, An­dre Agas­si e Mi­cha­el Jack­son. Aliás, um dos ca­sos mais mediáticos e que po­de ter se­me­lhan­ças com o de Ro­nal­do é o do ilu­si­o­nis­ta Da­vid Cop­per­fi­eld, acu­sa­do de ter dro­ga­do e abu­sa­do de uma mu­lher em 1988. A ale­ga­da ví­ti­ma diz que tu­do acon­te­ceu du­ran­te um des­fi­le de mo­da, quan­do ti­nha 17 anos. Britt­ney Lewis afir­ma que apre­sen­tou quei­xa em 2007. O ca­so ain­da es­tá a ser in­ves­ti­ga­do, mas Cop­per­fi­eld es­cre­veu uma lon­ga car­ta em que re­co­nhe­ce a im­por­tân­cia do mo­vi­men­to #MeToo mas tam­bém fa­la do im­pac­to das “fal­sas acu­sa­ções” na sua vi­da. Em 2007 já fo­ra acu­sa­do por ou­tra mo­de­lo, nu­ma quei­xa que foi re­ti­ra­da. A ex­pe­ri­ên­cia de Da­vid Ches­noff e a es­tra­té­gia que tem usa­do em pro-

A DE­FE­SA IN­CLUI CO­MO CON­SUL­TOR DA­VID CHES­NOFF, O AD­VO­GA­DO DAS CE­LE­BRI­DA­DES NOS EUA

ces­sos co­mo es­te po­dem re­ve­lar-se pre­ci­o­sas pa­ra a ges­tão ju­rí­di­ca mas tam­bém me­diá­ti­ca do ca­so.

A te­o­ria da ár­vo­re en­ve­ne­na­da

Cons­ti­tuí­da a equi­pa ju­rí­di­ca, os ad­vo­ga­dos não têm pa­ra­do de ana­li­sar a quei­xa li­nha a li­nha, de con­sul­tar pro­ces­sos an­ti­gos e de pas­sar a pen­te fi­no a ju­ris­pru­dên­cia do Su­pre­mo Tri­bu­nal ame­ri­ca­no em ma­té­ria de di­rei­tos fun­da­men­tais. Têm de en­con­trar ar­gu­men­tos só­li­dos pa­ra ata­car, por exem­plo, a in­cor­po­ra­ção na quei­xa de Mayor­ga de do­cu­men­tos rou­ba­dos.

O ques­ti­o­ná­rio fei­to pe­los ad­vo­ga- dos de Ro­nal­do e as res­pos­tas des­te, so­bre os acon­te­ci­men­tos de 2009 em Las Ve­gas já se tor­nou um ele­men­to cen­tral do ca­so – tan­to na pers­pec­ti­va da acu­sa­ção co­mo da de­fe­sa. Os ad­vo­ga­dos Pe­ter Ch­ris­ti­an­sen e Da­vid Ches­noff pre­pa­ram to­dos os ce­ná­ri­os ca­so Ro­nal­do ve­nha a ser no­ti­fi­ca­do pa­ra de­por, mas, an­tes dis­so, vão opor-se à re­a­ber­tu­ra do pro­ces­so. Ale­ga­rão, apu­rou a SÁ­BA­DO ,quea quei­xa es­tá cheia da cha­ma­da “pro­va proi­bi­da”. Os exem­plos são vá­ri­os mas os ad­vo­ga­dos apon­tam prin­ci­pal­men­te o re­fe­ri­do ques­ti­o­ná­rio e os SMS tro­ca­dos en­tre Cris­ti­a­no Ro­nal­do e o seu ad­vo­ga­do Osó­rio de Cas­tro. A quei­xa apre­sen­ta­da pe­lo ad­vo­ga­do de Mayor­ga, Les­lie Sto­vall, a 27 de Se­tem­bro (e as­si­na­da por ela a 18) tem si­do ana­li­sa­da li­nha a li­nha pe­la de­fe­sa. Um dos as­pec­tos sen­sí­veis es­tá nas di­tas “no­vas pro­vas” – que são, ba­si­ca­men­te, do­cu­men­tos ob­ti­dos de for­ma con­si­de­ra­da ile­gal pe­los ad­vo­ga­dos de Ro­nal­do.

O ques­ti­o­ná­rio ao jo­ga­dor te­rá si­do um dos do­cu­men­tos fur­ta­dos atra­vés de pi­ra­ta­ria in­for­má­ti­ca das em­pre­sas de Men­des ou dos es­cri­tó­ri­os dos ad­vo­ga­dos. Nos EUA, a ques­tão da pro­va proi­bi­da é mui­to im­por­tan­te e tem ju­ris­pru­dên­cia fi­xa­da pe­lo Su­pre­mo, que a de­fi­ne co­mo uma “ár­vo­re en­ve­ne­na­da”, ou se­ja, de­cla­ra nu­las as pro­vas ob­ti­das com ba­se num ac­to ilí­ci­to da po­lí­cia ou na prá­ti­ca de um cri­me, co­mo o rou­bo por via in­for­má­ti­ca. Es­ta re­gra foi fi­xa­da a par­tir do ca­so Sil­verthor­ne Lum­ber vs. Uni­ted Sta­tes, de 1920, em que a po­lí­cia co­pi­ou ile­gal­men­te os li­vros de con­tas de uma em­pre­sa nu­ma in­ves­ti­ga­ção de frau­de, pa­ra tra­var uma vi­o­la­ção da Quar­ta Emen­da, que pro­te­ge os ci­da­dãos con­tra bus­cas e apre­en­sões ar­bi­trá­ri­as da po­lí­cia. Mais tar­de, a te­o­ria se­ria aper­fei­ço­a­da com o ca­so Nar­do­ne vs. Uni­ted Sta­tes, de 1939, abran­gen­do a pro­tec­ção da Quin­ta Emen­da. A ex­pres­são “ár­vo­re en­ve­ne­na­da” nas­ceu aí, re­ti­ra­da de uma pas­sa­gem bí­bli­ca.

A de­fe­sa de Ro­nal­do tam­bém pe­ga na ques­tão da pro­va proi­bi­da por ou­tro ân­gu­lo: o ques­ti­o­ná­rio não só foi ob­ti­do de uma for­ma ile­gal co­mo re­pre­sen­ta­ria uma ver­da­dei­ra au­to-in­cri­mi­na­ção, nu­ma fla­gran­te vi­o­la­ção da Quin­ta Emen­da.

No pla­no pú­bli­co, a de­fe­sa vai in­sis­tir tam­bém na vi­o­la­ção dos di­rei­tos fun­da­men­tais atra­vés do re­cur­so à pro­va proi­bi­da. Ch­ris­ti­an Schertz, o ad­vo­ga­do ale­mão, foi cla­ro, lo­go nos di­as que se se­gui­ram ao res­sus­ci­tar do ca­so pe­la DerS­pi­e­gel, que “a ma­té­ria no­ti­ci­a­da é ma­ni­fes­ta­men­te ile­gal e viola os di­rei­tos de per­so­na­li­da­de do nos­so cli­en­te de uma for­ma ex­tre­ma­men­te gra­ve. Es­ta é uma no­tí­cia de sus­pei­ção inad­mis­sí­vel em ma­té­ria de pri­va­ci­da­de”.

Da­qui já se po­dia per­ce­ber qu­al a li­nha prin­ci­pal de es­tra­té­gia: pro­vas ob­ti­das de for­ma ilí­ci­ta. A po­lí­cia

me­tro­po­li­ta­na de Las Ve­gas anun­ci­ou for­mal­men­te, a 2 de Outubro, a re­a­ber­tu­ra do ca­so e Ro­nal­do tem ago­ra cer­ca de 20 di­as pa­ra res­pon­der à in­ti­ma­ção dos ad­vo­ga­dos de Mayor­ga que o acusam de 11 cri­mes, en­tre os quais abu­so se­xu­al, chan­ta­gem e di­fa­ma­ção. No Ne­va­da, a vi­o­la­ção é o se­gun­do cri­me mais gra­ve, a se­guir ao homicídio e a pe­na po­de che­gar à pri­são per­pé­tua; no pi­or dos ca­sos, Ro­nal­do não po­de­ria vol­tar aos Es­ta­dos Uni­dos.

Por is­so, não é de es­tra­nhar que os

si­tes de ad­vo­ga­dos mais fa­mo­sos de Las Ve­gas te­nham es­pe­ci­a­lis­tas em cri­mes se­xu­ais. Co­mo se po­de ler no

si­te do ad­vo­ga­do cri­mi­nal de Las Ve­gas Mi­cha­el Bec­ker, a mai­or pro­ba­bi­li­da­de de um ad­vo­ga­do de de­fe­sa con­se­guir ili­bar o seu cli­en­te é evo­can­do fal­sas ale­ga­ções. Ou se­ja, se o ad­vo­ga­do con­se­guir pro­var que exis­tem dú­vi­das ra­zoá­veis so­bre o que se pas­sou. Fal­ta de pro­vas é ou­tra for­te de­fe­sa. O que quer is­to di­zer? A não ser que exis­ta um ví­deo on­de se ve­ja a vi­o­la­ção, po­de­rá cair na ca­te­go­ria de “ele dis­se/ela dis­se”. Por úl­ti­mo, uma das ques­tões mais di­fí­ceis de pro­var é o con­sen­ti­men­to. A vi­o­la­ção acon­te­ce quan­do não há con­sen­ti­men­to e se o ad­vo­ga­do de de­fe­sa con­se­guir pro­var que hou­ve, se­rá di­fí­cil ser con­de­na­do. Ou­tra es­tra­té­gia usa­da nes­tes ca­sos é vi­sar a re­pu­ta­ção da ví­ti­ma. Aliás, te­rá si­do es­sa uma das es­tra­té­gi­as uti­li­za­das aquan­do do acor­do ex­tra­ju­di­ci­al, se­gun­do acu­sou Kathryn. “Ten­ta­ram des­cre­di­bi­li­zar-me”, con­tou ao Der Spi­e­gel. Mayor­ga, que apos­ta­va en­tão nu­ma car­rei­ra de mo­de­lo, era pa­ga pa­ra atrair cli­en­tes pa­ra a zo­na VIP do Rain, no Palms Ca­si­no Re­sort, e fa­zer com que com­pras­sem be­bi­das. Se­gun­do a DerS­pi­e­gel, Ro­nal­do te­rá con­tra­ta­do in­ves­ti­ga­do­res pa­ra per­ce­ber o pas­sa­do de Mayor­ga, nas­ci­da em 1984, em Las Ve­gas, fi­lha de um bom­bei­ro e de uma do­més­ti­ca. Não en­con­tra­ram na­da in­cri­mi­na­tó­rio.

Li­qui­dar o con­tra­to

O ca­so ter­mi­na­ria com um con­tra­to de con­fi­den­ci­a­li­da­de. Pa­ra se pre­pa­rem pa­ra o acor­do ex­tra­ju­di­ci­al rea-

li­za­ram um inqué­ri­to, de cer­ca de 200 per­gun­tas, com vá­ri­as ques­tões quer a Cris­ti­a­no Ro­nal­do quer ao pri­mo e ao cu­nha­do pa­ra apu­rar o que ti­nha acon­te­ci­do. As du­as par­tes en­con­tra­ram-se a 12 de Ja­nei­ro de 2010, pa­ra as­si­nar o acor­do. Ro­nal­do não es­te­ve pre­sen­te, ia tro­can­do men­sa­gens com o ad­vo­ga­do Osó­rio de Cas­tro (as tais re­ve­la­das pe­la Der Spi­e­gel), em que fa­lam de va­lo­res da in­dem­ni­za­ção. Fo­ram 12 ho­ras de ne­go­ci­a­ção. Foi en­tão que Mayor­ga fez ques­tão de es­cre­ver uma car­ta de 6 pá­gi­nas pa­ra ser li­da a Ro­nal­do. Uma exi­gên­cia que fa­zia par­te do acor­do. “Es­pe­ro que te aper­ce­bas da­qui­lo que me fi­zes­te e que te­nhas apren­di­do com es­te erro ter­rí­vel!! Não rou­bes a vi­da de ou­tra mu­lher co­mo rou­bas­te a mi­nha!! Não qu­e­ro sa­ber do teu di­nhei­ro, is­so era a úl­ti­ma coi­sa que eu que­ria!!”

Mas no­ve anos de­pois, a 27 de Se­tem­bro, Mayor­ga apre­sen­tou quei­xa no Clark County Ne­va­da Eighth Ju­di­ci­al Dis­trict Court. Quer que o acor­do de con­fi­den­ci­a­li­da­de in­cluí­do no acor­do ex­tra­ju­di­ci­al se­ja anu­la­do. Dis­se à re­vis­ta ale­mã que foi ins­pi­ra­da pe­lo mo­vi­men­to MeToo – se­rá ob­vi­a­men­te uma te­cla em que o seu ad­vo­ga­do mais in­sis­ti­rá.

Com 34 anos, Kathryn de­ci­diu de­nun­ci­ar no­va­men­te o ca­so ins­pi­ra­da pe­lo mo­vi­men­to MeToo e por­que nun­ca ul­tra­pas­sou o que acon­te­ceu. De­pois da en­tre­vis­ta, es­tá in­con­tac­tá­vel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.