VI­LAR FOR­MO­SO VAI TER MU­SEU DOS JU­DEUS QUE SE SAL­VA­RAM DOS NA­ZIS

De­za­no­ve des­cen­den­tes de re­fu­gi­a­dos da II Guer­ra Mun­di­al fi­ze­ram a mes­ma vi­a­gem dos pais que so­bre­vi­ve­ram gra­ças ao côn­sul por­tu­guês.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ana Ca­ta­ri­na An­dré (tex­to) e Gui­lher­me Ve­nân­cio (fotos)

Abre em Agos­to. Fo­mos lá com os des­cen­den­tes dos ju­deus que se sal­va­ram dos na­zis na II Guer­ra Mun­di­al gra­ças a Aris­ti­des de Sou­sa Men­des

Avi­si­ta ao no­vo mu­seu es­tá pres­tes a co­me­çar. Jun­to à es­ta­ção fer­ro­viá­ria de Vi­lar For­mo­so, a nor­te-ame­ri­ca­na Re­bec­ca Bar­ber e ou­tros de­zoi­to des­cen­den­tes de ju­deus que es­ca­pa­ram aos na­zis du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al es­cu­tam com aten­ção a ex­pli­ca­ção da ar­qui­tec­ta Luí­sa Pa­che­co Mar­ques. “Es­ta­mos no pre­ci­so lo­cal em que os vos­sos fa­mi­li­a­res es­ti­ve­ram no fim de Ju­nho de 1940. Nes­ses di­as es­te sí­tio es­ta­va cheio de gen­te. Há quem di­ga que pa­re­cia Pic­ca­dilly Cir­cus [cen­tro de Lon­dres] em ho­ra de pon­ta. Du­as mil pes­so­as che­ga­ram aqui di­a­ri­a­men­te ao lon­go de uma se­ma­na – qua­se to­dos com vis­tos con­ce­di­dos por Aris­ti­des de Sou­sa Men­des.” Foi gra­ças ao côn­sul por­tu­guês de Bor­déus, em Fran­ça, e à sua re­be­lião con­tra as or­dens de Sa­la­zar que cer­ca de 30 mil pes­so­as es­ca­pa­ram ao Ho­lo­caus­to.

En­tre elas es­ta­va Oty­lia Lea Step­pel, mãe de Re­bec­ca Bar­ber, que exi­be ago­ra o pas­sa­por­te da pro­ge­ni­to­ra. O do­cu­men­to es­tá ama­re­la­do pe­lo tem­po – Re­bec­ca ti­rou-o do co­fre, es­pe­ci­al­men­te pa­ra es­ta vi­a­gem que re­cons­ti­tui os pas­sos de tan­tos ou­tros re­fu­gi­a­dos que, co­mo a sua mãe, fo­ram sal­vos por Aris­ti­des. O gru­po, or­ga­ni­za­do pe­la Sou­sa Men­des Foundation, saiu de Bor­déus a 24 de Ju­nho e ter­mi­nou a vi­a­gem em Lis­boa a 4 de Ju­lho. Pe­lo meio os des­cen­den­tes (a mai­o­ria de na­ci­o­na­li­da­de nor­te­a­me­ri­ca­na) pas­sa­ram por Sa­la­man­ca, Vi­seu, Por­to e Fi­guei­ra da Foz – ci­da­des que aco­lhe­ram re­fu­gi­a­dos na II Guer­ra Mun­di­al. E pa­ra­ram na vi­la fron­tei­ri­ça pa­ra co­nhe­cer o no­vo mu­seu de Vi­lar For­mo­so, Fronteira da Paz, com inaugura-

ção mar­ca­da pa­ra 26 de Agos­to. O pro­jec­to de ho­me­na­gem ao côn­sul por­tu­guês e aos re­fu­gi­a­dos que por ali pas­sa­ram cus­tou 1 mi­lhão de eu­ros e foi fi­nan­ci­a­do pe­lo fundo eu­ro­peu EEA Grants, pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Al­mei­da. “Além de re­a­vi­var a me­mó­ria, é tam­bém uma for­ma de di­na­mi­zar a re­gião”, dis­se à SÁ­BA­DO An­tó­nio Bap­tis­ta Ri­bei­ro, pre­si­den­te do mu­ni­cí­pio, que tam­bém acom­pa­nhou a vi­si­ta.

Num es­pa­ço ain­da em obras, já é pos­sí­vel vis­lum­brar o re­sul­ta­do fi­nal. Gen­te co­mo Nós, O Iní­cio do Pe­sa­de­lo e Vi­a­gem são os no­mes de al­guns dos nú­cle­os que evo­cam o Ho­lo­caus­to, a fu­ga pa­ra Por­tu­gal e a vi­da dos ju­deus no País. Ali se­rá tam­bém exi­bi­do um do­cu­men­tá­rio do ci­ne­as­ta rus­so Ge­or­ge Rony, que re­tra­tou a che­ga­da de cen­te­nas de re­fu­gi­a­dos à es­ta­ção de ca­mi­nhos-de-fer­ro de Vi­lar For­mo­so. “E va­mos con­tar a his­tó­ria do Aris­ti­des atra­vés do tes­te­mu­nho do fi­lho Pe­dro, que es­ta­va lá [em Bor­déus] quan­do o côn­sul atri­buiu os vis­tos”, diz a his­to­ri­a­do­ra Margarida Ma­ga­lhães Ra­ma­lho, res­pon­sá­vel pe­los con­teú­dos do mu­seu.

A luz de Vi­lar For­mo­so

Pri­mei­ro em cor­re­do­res, de­pois num es­pa­ço mais am­plo, a ar­qui­tec­ta Luí­sa Pa­che­co Mar­ques vai apre­sen­tan­do o no­vo mu­seu. Re­bec­ca Bar­ber apro­vei­ta pa­ra mos­trar mais um do­cu­men­to da mãe. Des­ta vez é o diá­rio, que lê em voz al­ta. “Che­gá­mos a Vi­lar For­mo­so. Em Es­pa­nha, es­ta­va tu­do andrajoso, su­jo e frio nes­ta épo­ca do ano. Nes­ta ci­da­de fron­tei­ri­ça era di­fe­ren­te: quen­te, lu­mi­no­so e lim­po”.

Re­bec­ca, 69 anos, só sou­be que a mãe era uma das so­bre­vi­ven­tes do Ho­lo­caus­to de­pois de Oty­lia Lea Step­pel ter mor­ri­do, em 1983. “Quan­do lim­pei a ca­sa on­de vi­via, en­con­trei o diá­rio na me­sa de ca­be­cei­ra. De­mo­rei 10 anos até con­se­guir lê-lo. Ti­nha me­do de des­co­brir quem era es­ta mu­lher.”

Oty­lia e os pais saí­ram de Dus­sel­dorf, na Ale­ma­nha, na sequên­cia da Noi­te de Cris­tal e dos vi­o­len­tos ata­ques a ju­deus em No­vem­bro de 1938. Es­ti­ve­ram em fu­ga du­ran­te dois anos, até che­ga­rem a Fran­ça. “Es­con­de­ram-se em va­gões, es­ti­ve­ram no meio de bom­bar­de­a­men­tos. Foi ter­rí­vel”, diz Re­bec­ca, acres­cen­tan­do que além de Vi­lar For­mo­so os fa­mi­li­a­res es­ti­ve­ram na Cu­ria, con­ce­lho de Ana­dia, e em Pam­pi­lho­sa da Ser­ra. Na vi­a­gem que ago­ra fez a Por­tu­gal ti­rou fo­to­gra­fi­as nos mes­mos lo­cais em que a mãe es­te­ve. “Não que­ro cho­rar, mas es­ta foi pro­va­vel­men­te uma das vi­a­gens mais emo­ti­vas da mi­nha vi­da.”

Se­ten­ta e se­te anos de­pois

Quem tam­bém quis co­nhe­cer o no­vo mu­seu foi Lis­sy Jar­vik, de 93 anos. De fa­to de trei­no, bo­né e ócu­los de sol, ca­mi­nha pe­lo bra­ço do fi­lho Jer­ry. É a úni­ca do gru­po que es-

“CHE­GÁ­MOS A VI­LAR FOR­MO­SO. EM ES­PA­NHA ES­TA­VA TU­DO ANDRAJOSO, SU­JO E FRIO”, DIZ O DIÁ­RIO DE UMA SO­BRE­VI­VEN­TE

te­ve na es­ta­ção de ca­mi­nhos-de-fer­ro em Ju­nho de 1940 – ti­nha 16 anos. Con­fes­sa que já se es­que­ceu de mui­tos de­ta­lhes – foi há 77 anos –, mas com a aju­da do fi­lho con­ta que vi­veu com a fa­mí­lia na Fi­guei­ra da Foz an­tes de em­bar­ca­rem pa­ra os EUA, em Ja­nei­ro de 1941. Du­ran­te a vi­si­ta es­ta­va lon­ge de ima­gi­nar que, di­as de­pois, olha­ria pa­ra a ca­sa on­de vi­veu com os pais e com a ir­mã, na Rua Bernardo Lo­pes. “En­con­trá­mos es­sa in­for­ma­ção no arquivo mu­ni­ci­pal da ter­ra”, ex­pli­ca­ria Jer­ry, em Lis­boa (o pé­ri­plo ter­mi­nou na ca­pi­tal). “Es­ti­ve­mos à por­ta e ti­rá­mos fotos”, re­ve­la. O lo­cal avi­vou as lem­bran­ças de Lis­sy. “Sem­pre ti­ve a ima­gem da­que­la ca­sa. Não con­si­go ex­pli­car o que sen­ti”, re­fe­re a ido­sa. Além das me­mó­ri­as ou dos re­la­tos dos fa­mi­li­a­res, gran­de par­te das pes­so­as que vi­a­ja com a Sou­sa Men­des Foundation traz tam­bém fo­to­gra­fi­as. É o ca­so de Pau­let­te Fre­ed, que exi­be de­ze­nas de re­tra­tos en­quan­to con­ta que o pai vi­veu 10 me­ses na Fi­guei­ra da Foz. “Sem o Sou­sa Men­des eu pro­va­vel­men­te não exis­tia”, su­bli­nha a nor­te-ame­ri­ca­na. Pau­let­te diz que a fa­mí­lia, que fu­giu de An­tuér­pia, na Bél­gi­ca, a 10 de Maio de 1940, aca­bou por “re­vo­lu­ci­o­nar” a vi­da so­ci­al na Fi­guei­ra da Foz, on­de vi­ve­ram uns me­ses. “A mi­nha mãe con­ta­va que as por­tu­gue­sas eram mui­to sub­mis­sas – não saíam sem os ma­ri­dos. Só os ho­mens iam ao café. A mi­nha mãe con­se­guiu con­ven­cer al­gu­mas mu­lhe­res lo­cais a irem tam­bém. Es­ta­va mui­to or­gu­lho­sa. De cer­ta for­ma con­tri­buiu pa­ra a eman­ci­pa­ção fe­mi­ni­na”, re­fe­re. Nes­te Ca­mi­nho da Li­ber­da­de – Jour­ney on the Ro­ad to Fre­e­dom, no­me da vi­a­gem que já vai na ter­cei­ra edi­ção, es­tá tam­bém Ge­rald Men­des, um dos ne­tos do côn­sul. “O meu pai, 12.o fi­lho de Aris­ti­des, fa­la­va mui­to de Por­tu­gal e do meu avô [que emi­grou pa­ra o Ca­na­dá], um ho­mem fe­liz que gos­ta­va de con­tar pi­a­das e que foi re­ce­bi­do co­mo um herói em Ca­ba­nas de Vi­ri­a­to [on­de nas­ceu], em 1940”, diz o des­cen­den­te.

A vi­da da fa­mí­lia Men­des com­pli­car-se-ia pou­co de­pois. Sa­la­zar não per­mi­tiu que Aris­ti­des con­ti­nu­as­se na car­rei­ra di­plo­má­ti­ca e o côn­sul pas­sou por gra­ves pri­va­ções eco­nó­mi­cas. “O meu pai não foi à es­co­la en­tre os 13 e os 20 anos, por­que es­ta­va em­pe­nha­do em aju­dar o meu avô na sua de­fe­sa. Só vol­tou a es­tu­dar quan­do saiu de Por­tu­gal”, diz Ge­rald, que vi­ve en­tre Lis­boa e Pa­ris.

De bar­co com chei­ro a sar­di­nhas

Se é ver­da­de que a mai­o­ria dos re­fu­gi­a­dos vi­a­jou de au­to­mó­vel e de com­boio, hou­ve quem op­tas­se por vir de bar­co. Foi o ca­so da fa­mí­lia ho­lan­de­sa Van Der Bergh, que che­gou a Bayon­ne no iní­cio de Ju­nho de 1940. “Ha­via mi­lha­res de pes­so­as a ten­tar sair de Fran­ça. A mi­nha fa­mí­lia de­ci­diu con­tra­tar um bar­co de pes­ca por­tu­guês que ti­nha vin­do de Avei­ro com sar­di­nhas e que iria re­gres­sar à ci­da­de do Por­to va­zio”, con­ta Co­o­kie Fish­cher, des­cen­den­te dos Van Der Bergh, que in­te­grou a vi­a­gem da Sou­sa Men­des Foundation pa­ra co­nhe­cer as su­as raí­zes. “É uma for­ma de pôr a mi­nha vi­da em pers­pec­ti­va.” Co­mo­vi­da, re­cor­da os di­as que a fa­mí­lia vi­veu an­tes da fu­ga pa­ra Por­tu­gal. “Sou­be­ram que es­ta-

OS HO­LAN­DE­SES VAN DER BERGH CHE­GA­RAM A POR­TU­GAL NUM BAR­CO DE PES­CA DE SAR­DI­NHAS E SÓ CO­ME­RAM FIAMBRE

vam a dar vis­tos no con­su­la­do por­tu­guês e um de­les re­co­lheu os 15 pas­sa­por­tes e le­vou-os a Aris­ti­des pa­ra que os ca­rim­bas­se [nes­sa al­tu­ra não sa­bi­am o no­me do por­tu­guês]”. Já com au­to­ri­za­ção, vi­a­ja­ram du­ran­te oi­to di­as nu­ma em­bar­ca­ção su­ja e on­de o chei­ro a pei­xe era nau­se­a­bun­do. Par­ti­lha­ram a mes­ma ca­sa de ba­nho (uma pa­ra 15) e os pou­cos ali­men­tos que res­ta­vam. “O que ha­via em mai­or quan­ti­da­de era fiambre, o que não é pro­pri­a­men­te ade­qua­do pa­ra ju­deus. Mas cla­ro que na­que­la si­tu­a­ção aca­ba­ram por co­mer”, con­ta Co­o­kie Fisher, acres­cen­tan­do que a mãe, en­tão com 25 anos, era uma das pas­sa­gei­ras mais en­ge­nho­sas. “An­tes da fu­ga pre­pa­rou vá­ri­as mo­chi­las com o mes­mo kit de so­bre­vi­vên­cia (to­das in­cluíam uma mu­da de rou­pa, sa­pa­tos e uma lan­ter­na) pa­ra pre­ca­ver a per­da de al­gu­ma de­las.

E quan­do sou­be que ia de bar­co, com­prou plás­ti­co pa­ra pro­te­ger o pas­sa­por­te em ca­so de nau­frá­gio.” Nem a lan­ter­na de Ada Van den Bergh era uma lan­ter­na qual­quer – ar­ran­jou uma an­ti­o­xi­dan­te. “Era uma mu­lher mui­to prá­ti­ca. Es­ta­va de­ter­mi­na­da a che­gar aos Es­ta­dos Uni­dos não im­por­ta­va de que for­ma fos­se e sa­bia que os ju­deus eram um al­vo a aba­ter. O meu avô ti­nha li­do o Mein Kamp­fe es­ta­va ci­en­te do que is­so sig­ni­fi­ca­va”, con­ta Co­o­kie, re­ve­lan­do que nes­sa al­tu­ra a mãe es­cre­via a um ho­mem por quem se apai­xo­na­ra. “Nun­ca me fa­lou de­le em vi­da, o que me cho­cou de cer­ta for­ma”. Ada e a fa­mí­lia che­ga­ri­am a Por­tu­gal em se­gu­ran­ça. Se­ma­nas de­pois, a re­fu­gi­a­da par­tia pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos – Co­o­kie não sa­be exac­ta­men­te co­mo con­se­guiu. Des­co­briu ape­nas que na lis­ta de pas­sa­gei­ros o no­me da mãe cons­ta­va co­mo cri­a­da de um ca­sal de pro­fes­so­res –es­ta­va res­pon­sá­vel por seis cães. Do gru­po que es­te­ve em Vi­lar For­mo­so faz par­te tam­bém Ma­ri­an­ne Ro­sen­berg, ne­ta do fa­mo­so co­lec­ci­o­na­dor de ar­te Paul Ro­sen­berg. O fran­cês, que re­pre­sen­tou ar­tis­tas co­mo Pa­blo Pi­cas­so, Ge­or­ges Bra­ques, An­dré Mas­son e Hen­ri Ma­tis­se, ti­nha uma ga­le­ria de ar­te em Pa­ris quan­do a guer­ra che­gou. “Uns anos an­tes, pres­sen­tin­do o que iria acon­te­cer, co­me­çou a en­vi­ar obras de ar­te pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, Aus­trá­lia e al­guns paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na”, con­ta Ma­ri­an­ne, re­ve­lan­do que mes­mo as­sim fo­ram rou­ba­das 400 pe­ças – a fa­mí­lia em­pe­nhou-se em re­cu­pe­rá-las nos úl­ti­mos anos; fal­tam 68.

A li­ção de Aris­ti­des

Gra­ças a Sou­sa Men­des con­se­gui­ram fu­gir de Fran­ça, lo­go após a invasão na­zi, em 1940. “Fo­ram de car­ro pa­ra Bor­déus e re­ce­be­ram vis­tos pa­ra Por­tu­gal. Dos 17 mem­bros da fa­mí­lia, três fi­ca­ram re­ti­dos em Fran­ça: o meu pai e três pri­mos – os ra­pa­zes com mais de 17 anos não po­di­am sair de Fran­ça”, con­ta Ma­ri­an­ne, acres­cen­tan­do que aca­ba­ri­am por se sal­var, mas mais tar­de. Já em Lis­boa, Paul Ro­sen­berg par­tiu de bar­co pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos. “O meu avó ti­nha or­ga­ni­za­do uma ex­po­si­ção de Pi­cas­so no Mo­ma (Mu­seum of Mo­dern Art), em No­va Ior­que. To­da a gen­te o co­nhe­cia e foi as­sim que ele ar­ran­jou vis­tos”, con­ta Ma­ri­an­ne que ho­je tem uma ga­le­ria de ar­te com o no­me da fa­mí­lia na­que­la ci­da­de nor­te-ame­ri­ca­na. A co­lec­ci­o­na­do­ra de ar­te, de 63 anos, ga­ran­te que Sou­sa Men­des foi fun­da­men­tal no des­ti­no dos Ro­sen­berg. “An­tes da guer­ra, o meu avô or­ga­ni­zou pro­tes­tos con­tra as ven­das de ar­te pro­mo­vi­das por Hi­tler. Era cer­ta­men­te um al­vo a aba­ter”, de­cla­ra. Pa­ra Ma­ri­an­ne, o le­ga­do do di­plo­ma­ta por­tu­guês é fun­da­men­tal ho­je. “Ele dei­xou uma men­sa­gem mui­to im­por­tan­te pa­ra a ac­tu­a­li­da­de: é pre­ci­so ocu­par­mo-nos das pes­so­as”. E ex­pli­ca: “Não bas­ta olhar pa­ra aque­le me­ni­no sí­rio mor­to na praia [fo­to­gra­fia que se tor­nou sím­bo­lo do dra­ma dos re­fu­gi­a­dos que ten­tam che­gar à Eu­ro­pa]. Aris­ti­des mos­trou-nos que é pre­ci­so agir.”

“O MEU PAI NÃO FOI À ES­CO­LA EN­TRE OS 13 E OS 20 ANOS PA­RA AJU­DAR O MEU AVÔ”, DIZ GE­RALD

Pas­sa­por­tes Mui­tos des­cen­den­tes de re­fu­gi­a­dos ain­da gu­ar­dam os do­cu­men­tos que ga­ran­ti­ram a sua en­tra­da em Por­tu­gal

Aris­ti­des de Sou­sa Men­des O côn­sul por­tu­guês, que nas­ceu em Ca­ba­nas de Vi­ri­a­to (Car­re­gal do Sal), sal­vou cer­ca de 30 mil pes­so­as du­ran­te a II Guer­ra

1 Pau­let­te Fre­ed nas­ceu nos EUA, mas os pais vi­e­ram de An­tuér­pia 2

Re­bec­ca Bar­ber trou­xe o diá­rio e o pas­sa­por­te da mãe 3

Lis­sy Jar­vik, re­fu­gi­a­da em 1940, e Ge­rald Men­des, ne­to do côn­sul 4

De­za­no­ve des­cen­den­tes de re­fu­gi­a­dos co­nhe­ce­ram o no­vo mu­seu 5

A ar­qui­tec­ta Luí­sa Pa­che­co Mar­ques e a his­to­ri­a­do­ra Margarida Ma­ga­lhães Ra­ma­lho são res­pon­sá­veis pe­lo pro­jec­to 6

As pa­re­des ain­da por ter­mi­nar se­rão pre­en­chi­das com fo­to­gra­fi­as e ví­de­os 1

6

Mar­ce­lo O gru­po da Sou­sa Men­des Foundation foi re­ce­bi­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, no Pa­lá­cio de Be­lém, a 3 de Ju­lho 5

2

3

1 Olivia Mat­tis pre­si­de à Sou­sa Men­des Foundation des­de 2010 2

O mu­seu ocu­pa dois ar­ma­zéns, jun­to à es­ta­ção fer­ro­viá­ria 3

An­tó­nio Bap­tis­ta Ri­bei­ro, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Al­mei­da, e a ar­qui­tec­ta Luí­sa Pa­che­co Mar­ques 1

3

2

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.