Su­sa­na Al­bu­quer­que

Sábado - - SU­MÁ­RIO - SU­SA­NA AL­BU­QUER­QUE

A es­pe­ci­a­lis­ta em Ges­tão Fi­nan­cei­ra e o con­su­mis­mo

O Dia dos Na­mo­ra­dos é um dos mais ex­plo­ra­dos co­mer­ci­al­men­te. A pu­bli­ci­da­de pres­si­o­na-nos a com­prar pre­sen­tes es­pe­ci­ais. A es­pe­ci­a­lis­ta em ges­tão fi­nan­cei­ra in­di­vi­du­al des­mon­ta a te­se con­su­mis­ta e apon­ta al­ter­na­ti­vas. Por Só­nia Ben­to “As mu­lhe­res ain­da acre­di­tam que não são tão com­pe­ten­tes co­mo os ho­mens a ge­rir o di­nhei­ro”

Vi­ve­mos nu­ma so­ci­e­da­de de con­su­mo que nos ten­ta con­ven­cer de que quan­tas mais coi­sas ti­ver­mos mais fe­li­zes se­re­mos. Pa­ra Su­sa­na Al­bu­quer­que, res­pon­sá­vel da AS­FAC – As­so­ci­a­ção de Ins­ti­tui­ções de Cré­di­to Es­pe­ci­a­li­za­do, es­ta é uma ideia com­ple­ta­men­te er­ra­da e é is­so que ex­pli­ca a qu­em fre­quen­ta os seus cur­sos de ges­tão fi­nan­cei­ra. A es­pe­ci­a­lis­ta, de 48 anos e mãe de um ra­paz de 9, diz que ain­da há mui­ta di­fi­cul­da­de em tra­tar o di­nhei­ro de for­ma na­tu­ral. “Há pes­so­as que não que­rem fa­lar de di­nhei­ro com me­do de per­der o amor”, afir­mou à SÁ­BA­DO.

Pa­ra o Dia dos Na­mo­ra­dos, pro­põe su­ges­tões úteis sem gas­tar mui­to di­nhei­ro. Que pro­pos­tas são es­sas?

A psi­co­lo­gia po­si­ti­va diz-nos que as coi­sas que nos tra­zem mais fe­li­ci­da­de são as ex­pe­ri­ên­ci­as que vi­ve­mos a dois. Não é aqui­lo que com­pra­mos ou re­ce­be­mos que nos vai fa­zer mais fe­li­zes por­que es­sa fe­li­ci­da­de é me­nos du­ra­dou­ra. En­tão, pa­ra que o Dia dos Na­mo­ra­dos se tor­ne me­mo­rá­vel e fi­nan­cei­ra­men­te sem cus­tos o ob­jec­ti­vo é pro­por­ci­o­nar es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as.

Que ti­po de ex­pe­ri­ên­ci­as?

Por exem­plo, po­de­mos ofe­re­cer uma lis­ta das 50 coi­sas que mais gos­ta­mos na pes­soa que ama­mos, fa­zer um fil­me com as fo­to­gra­fi­as ou ví­de­os de mo­men­tos es­pe­ci­ais que pas­sá­mos jun­tos ou es­cre­ver a his­tó­ria do nos­so re­la­ci­o­na­men­to. Tu­do is­to é mui­to mais sig­ni­fi­ca­ti­vo e con­tri­bui mais pa­ra a nos­sa fe­li­ci­da­de do que com­prar um pre­sen­te, jan­tar fo­ra ou dor­mir num ho­tel es­pe­ci­al. Nes­te dia tão ex­plo­ra­do do pon­to de vis­ta co­mer­ci­al é im­por­tan­te re­cor­dar­mos o que tor­na as da­tas es­pe­ci­ais.

Há ten­dên­cia pa­ra com­prar inu­ti­li­da­des?

Vi­ve­mos nu­ma so­ci­e­da­de de con­su­mo, em que o mar­ke­ting nos ten­ta con­ven­cer que pre­ci­sa­mos de ter mais is­to e mais aqui­lo, e nós cres­ce­mos a acre­di­tar que, se ti­ver­mos mais, so­mos mais fe­li­zes. A psi­co­lo­gia po­si­ti­va, uma área em que me es­pe­ci­a­li­zei, diz-nos que a nos­sa sa­tis­fa­ção com a vi­da não de­pen­de de ter­mos mais, mas de par­ti­lhar­mos as bo­as ex­pe­ri­ên­ci­as com as pes­so­as de qu­em gos­ta­mos.

Lan­çou um li­vro so­bre a in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra pa­ra mu­lhe­res. Nu­ma al­tu­ra em que se fala tan­to de igual­da­de, acha que faz sen­ti­do fa­lar des­te te­ma es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra as mu­lhe­res?

Acho que faz ca­da vez mais sen­ti­do, por mui­to pa­ra­do­xal que pa­re­ça. O li­vro foi lan­ça­do há se­te anos, e eu pró­pria ti­ve dú­vi­das em re­la­ção ao tí­tu­lo por­que acha­va que as mu­lhe­res já ti­nham ga­nho a sua eman­ci­pa­ção, mas não é is­so que acon­te­ce. En­quan­to as mu­lhe­res ti­ve­rem uma dis­cre­pân­cia de salário em re­la­ção aos ho­mens, pre­ci­sa­mos de fa­lar des­te te­ma. As ques­tões da in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra es­tão mui­to li­ga­das aos mi­tos do di­nhei­ro.

Que mi­tos são es­ses?

As mu­lhe­res ain­da acre­di­tam, por exem­plo, que não são tão bo­as a Ma­te­má­ti­ca nem tão com­pe­ten­tes a ge­rir o di­nhei­ro co­mo os ho­mens. Is­to es­tá mui­to en­rai­za­do. O pa­pel do ho­mem sem­pre foi o de pro­ve­dor fi­nan­cei­ro da fa­mí­lia e as mu­lhe­res fi­ca­vam a cui­dar da ca­sa. E quan­do is­to se al­te­ra, ain­da per­ma­ne­ce ao ní­vel do in­cons­ci­en­te, de men­ta­li­da­de.

Acha que ain­da são os ho­mens a ge­rir o or­ça­men­to fa­mi­li­ar?

En­quan­to co­a­ch, ve­jo que as mu­lhe­res en­tre­gam a ges­tão fi­nan­cei­ra aos par­cei­ros, mes­mo quan­do ga­nham mais do que eles. Em mui­tos ca­sos, exis­te di­fi­cul­da­de em fa­lar de di­nhei­ro de for­ma na­tu­ral, com me­do de per­der o amor. O di­nhei­ro es­tá as­so­ci­a­do ao po­der e ao con­tro­lo emo­ci­o­nal. Por exem­plo, há mui­ta gen­te que tem vergonha de di­zer qu­an­to é que ga­nha.

O di­nhei­ro é um as­sun­to-ta­bu?

É, por­que acre­di­ta­mos que o que ga­nha­mos re­flec­te o nos­so va­lor ou por­que nos sen­ti­mos cul­pa­dos por ga­nhar­mos mais. Um dos pa­péis da Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra é tor­nar pos­sí­vel fa­lar de di­nhei­ro de uma for­ma na­tu­ral, cons­ci­en­te, ob­jec­ti­va e pa­cí­fi­ca.

As cri­an­ças de­vem sa­ber qu­an­to é que os pais ga­nham?

De­vem per­ce­ber qual é o ní­vel de vi­da dos pais, com cla­re­za e na­tu­ra­li­da­de, sem pre­ci­sar de en­trar em de­ta­lhes so­bre va­lo­res de or­de­na­dos.

A par­tir de que ida­de é que lhes de­ve­mos fa­lar de di­nhei­ro?

Quan­do co­me­çam a pe­dir coi­sas, por vol­ta dos 2 anos. Es­se é o mo- men­to pa­ra ini­ci­ar a Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra, sen­do que ain­da se­ja uma edu­ca­ção que não en­vol­ve di­nhei­ro, mas que já é uma edu­ca­ção pa­ra a ges­tão dos re­cur­sos. De­ve­mos ex­pli­car que não po­de­mos ter tu­do. Di­zer não pos­so com­prar ago­ra, mas ama­nhã, fa­zê-los es­pe­rar pa­ra ter e não dar gra­ti­fi­ca­ções ime­di­a­tas.

Quan­do se de­ve in­tro­du­zir a se­ma­na­da?

No iní­cio da es­co­la pri­má­ria, que é o se­gun­do gran­de mo­men­to da Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra, aque­le em que in­tro­du­zi­mos o di­nhei­ro fí­si­co. Mes­mo que não gas­tem di­nhei­ro na es­co­la, po­dem com­prar coi­sas ao fim-de-se­ma­na quan­do sa­em com os pais, que po­dem mo­ni­to­ri­zar as es­co­lhas de­les e in­cen­ti­vá-los a pou­par de um mo­do di­ver­ti­do.

“Te­mos mui­tas ve­zes a ilu­são de que se ga­nha­mos bem, po­de­mos gas­tar à von­ta­de”

Q É uma es­pé­cie de trei­no?

Sim, por­que ge­rir di­nhei­ro é uma com­pe­tên­cia que se trei­na, pou­par e gas­tar são ou­tras com­pe­tên­ci­as que se trei­nam. Se lhes der­mos três me­a­lhei­ros trans­pa­ren­tes, um pa­ra pou­par, ou­tro pa­ra gas­tar e ou­tro pa­ra do­ar, es­ta­mos a en­si­nar as três coi­sas prin­ci­pais que po­de­mos fa­zer com o di­nhei­ro.

Qual é a al­tu­ra ide­al pa­ra te­rem um car­tão de dé­bi­to?

Mui­tos já o têm nas es­co­las, que car­re­gam e usam co­mo um car­tão de dé­bi­to. Se não ti­ve­rem, os pais vão sa­ber o mo­men­to ide­al de acor­do com a ma­tu­ri­da­de emo­ci­o­nal da cri­an­ça, por­que a ma­tu­ri­da­de fi­nan­cei­ra es­tá di­rec­ta­men­te re­la­ci­o­na­da com a emo­ci­o­nal. Eu di­ria que an­tes dos 10, 12 anos não se de­ve dar, mas ca­be aos pais fa­zer es­sa ava­li­a­ção.

É bom pa­ra os miú­dos ar­ran­ja­rem um part-ti­me nas fé­ri­as?

Acho mes­mo es­sen­ci­al, por­que eu co­me­cei a tra­ba­lhar aos 14 anos. Is­so de­sen­vol­ve ou­tra com­pe­tên­cia do di­nhei­ro, que é o em­pre­en­de­do­ris­mo.

Há qu­em jul­gue que as pes­so­as que ga­nham mais são as que mais pou­pam. Con­cor­da?

Não. Os da­dos que exis­tem em Por­tu­gal di­zem que qu­em ga­nha me­nos pou­pa mais. A mi­nha ex­pe­ri­ên­cia de acon­se­lha­men­to fi­nan­cei­ro a adul­tos mos­trou-me que as pes­so­as com pro­ble­mas de di­nhei­ro eram as que ga­nha­vam mui­to aci­ma da mé­dia.

Co­mo ex­pli­ca is­so?

Por­que qu­an­to mais te­mos mais fá­cil é per­der o con­tro­lo. Te­mos mui­tas ve­zes a ilu­são de que se ga­nha­mos 5 mil eu­ros po­de­mos gas­tar à von­ta­de. Há uns anos, tra­ba­lhei com um gru­po de ado­les­cen­tes e per­gun­tei-lhes: “O que é pa­ra vocês ser ri­co?” E to­dos me res­pon­de­ram: “É ga­nhar 5 mil eu­ros por mês.” Aí co­lo­quei a ques­tão de ou­tra for­ma: “E se ga­nha­rem 5 mil eu­ros e gas­ta­rem 5 mil eu­ros, são ri­cos?” E fez-se o cli­que.

Por­que é que diz que a pou­pan­ça é uma des­pe­sa po­si­ti­va?

A pou­pan­ça de­ve fa­zer par­te da lis­ta de des­pe­sas men­sais, pa­ra ga­ran­tir­mos que vi­ve­mos abai­xo dos ren­di­men­tos. Quan­do o salário en­tra na nos­sa con­ta, de­ve­mos ter uma or­dem de trans­fe­rên­cia au­to­má­ti­ca pa­ra ou­tra con­ta pou­pan­ça. O pi­or que po­de acon­te­cer é ter­mos de gas­tar o di­nhei­ro num im­pre­vis­to, mas vai-nos re­sol­ver um pro­ble­ma.

Qual é o mai­or pro­ble­ma da ili­te­ra­cia fi­nan­cei­ra?

É a fal­ta de au­to­no­mia fi­nan­cei­ra, que im­pe­de as me­lho­res de­ci­sões pa­ra a ges­tão do nos­so di­nhei­ro e is­so tor­na-nos vul­ne­rá­veis pe­ran­te a quan­ti­da­de de ofer­ta pa­ra con­su­mir. A ideia é trans­for­mar vul­ne­ra­bi­li­da­de em ca­pa­ci­da­de.

Qu­em a en­si­nou a li­dar com o di­nhei­ro?

Fo­ram os meus pais, mais a mi­nha mãe, que me deu a se­ma­na­da aos 4 anos, que era de 2,50 es­cu­dos. Gas­ta­va uma par­te e pou­pa­va ou­tra. Lem­bro-me que com a pri­mei­ra se­ma­na­da com­prei um chu­pa­chu­pa e do pra­zer que foi fa­zer aque­la com­pra com o meu pró­prio di­nhei­ro.

O que a le­vou a es­pe­ci­a­li­zar-se em Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra?

Co­me­cei a tra­ba­lhar com 17 anos e na al­tu­ra pas­sei de uma me­sa­da de 10 eu­ros (2 mil es­cu­dos, à épo­ca) pa­ra um salário de 1.000 eu­ros. Gas­tei tu­do e ao fim de um mês ti­nha o ban­co a li­gar-me a di­zer que ti­nha pas­sa­do dois che­ques sem pro­vi­são. Per­di o con­tro­lo. Pas­sei pe­la ex­pe­ri­ên­cia de ter a ilu­são de que o di­nhei­ro não tem li­mi­tes e gas­tei sem ges­tão. Is­so fez-me pen­sar nas ques­tões com­por­ta­men­tais do di­nhei­ro.

Po­de dar al­gum exem­plo de uma si­tu­a­ção de des­con­tro­lo fi­nan­cei­ro que a te­nha im­pres­si­o­na­do?

Nas mi­nhas ses­sões de acon­se­lha­men­to nun­ca en­con­trei nin­guém que in­ten­ci­o­nal­men­te gas­tas­se pa­ra se ar­rui­nar, às ve­zes o que acon­te­ce é que as pes­so­as não con­se­guem di­zer não aos fi­lhos e ul­tra­pas­sam os li­mi­tes fi­nan­cei­ros, ou­tras ve­zes há se­pa­ra­ções ou si­tu­a­ções de de­sem­pre­go e os en­car­gos du­pli­cam.

Acha que o di­nhei­ro traz fe­li­ci­da­de ou pe­lo me­nos a fal­ta de­le não traz an­gús­ti­as?

Traz-nos fe­li­ci­da­de até um de­ter­mi­na­do pon­to. Um es­tu­do fei­to em vá­ri­os paí­ses re­ve­la que nos Es­ta­dos Uni­dos, por exem­plo, as pes­so­as que atin­gem ren­di­men­tos de 50 mil dó­la­res por ano já não au­men­tam a sua cur­va de fe­li­ci­da­de, pois ela man­tém-se es­tá­vel ou po­de mes­mo di­mi­nuir. Até ao ní­vel de con­for­to das ne­ces­si­da­des bá­si­cas, o di­nhei­ro con­tri­bui pa­ra a nos­sa fe­li­ci­da­de, mas a par­tir daí ter mais di­nhei­ro não nos faz mais fe­li­zes. Vi­ve­mos com a cren­ça de que ter mais é me­lhor, mas não é. W

Su­sa­na Al­bu­quer­que, fo­to­gra­fa­da na AS­FAC, on­de é res­pon­sá­vel pe­la área da Edu­ca­ção Fi­nan­cei­ra

A es­pe­ci­a­lis­ta diz que a pou­pan­ça de­ve fa­zer par­te da lis­ta de des­pe­sas men­sais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.