ANA MAR­KL

Sábado - - PALCO & PLATEIA -

Nas­ci­da em 1978, po­de­mos ou­vi-la nas ma­nhãs da An­te­na 3. Es­tu­dou Lín­guas e Li­te­ra­tu­ras Mo­der­nas, na Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lisboa, e pas­sou por vá­ri­as pu­bli­ca­ções (Blitz, Sol, Ex­pres­so, Ti­me Out Lisboa, jor­nal i, GQ e Ob­ser­va­dor, on­de ain­da es­cre­ve). Ape­sar de ter si­do gui­o­nis­ta e apre­sen­ta­do­ra no Ca­nal Q, on­de es­cre­veu sé­ri­es co­mo Dá-las ou 39 Se­ma­nas e Meia, e de ter con­du­zi­do O Es­qua­drão do Amor ,vê 1986, sé­rie cri­a­da pe­lo ir­mão, Nu­no Mar­kl, co­mo uma opor­tu­ni­da­de pa­ra es­cre­ver ar­gu­men­to de uma for­ma mais re­al e pôr em prá­ti­ca tu­do o que leu e es­tu­dou so­bre o as­sun­to. Es­cre­ver 1986 foi “um tra­ba­lho de so­nho pa­ra mim. Em qua­se tu­do o que fiz na vi­da, tra­ba­lhei com mui­to gos­to, mas há sem­pre uma sen­sa­ção de de­ver. E, com a sé­rie, não só não acon­te­cia is­so, co­mo pas­sa­va ho­ras mer­gu­lha­das na­qui­lo, sem me aper­ce­ber que ti­nham pas­sa­do tan­tas ho­ras. Pu­nha-me a pen­sar pa­ra on­de as per­so­na­gens iri­am a se­guir e is­so re­la­xa­va-me de uma ma­nei­ra tal que me aju­dou a com­ba­ter as in­só­ni­as, en­tra­va no so­no mui­to su­a­ve­men­te e, no dia se­guin­te, con­se­guia re­cu­pe­rar al­gu­mas idei­as que ti­nha ti­do nes­se mo­men­to mais so­li­tá­rio do so­no”. Re­co­nhe­ce a sua pas­sa­gem pe­lo Ca­nal Q co­mo “um pri­vi­lé­gio”, sem dú­vi­da: “Foi mes­mo um la­bo­ra­tó­rio, uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to boa. Não há na­da me­lhor do que ve­res o teu tra­ba­lho fei­to, do que vê-lo con­cre­ti­za­do e as­sim po­der ver o que fun­ci­o­na e não fun­ci­o­na.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.