O CA­SAL QUE VI­VEU NA CO­MU­NI­DA­DE DE OSHO, O GU­RU IN­DI­A­NO

Cus­tou-lhes ver o do­cu­men­tá­rio da Net­flix, ven­ce­dor de um Emmy, por­que es­ti­ve­ram na co­mu­ni­da­de no Ore­gon, EUA. Ago­ra, Nar­tan e Ha­ri­da or­ga­ni­zam um fes­ti­val em hon­ra do gu­ru.

Sábado - - SUMÁRIO - PorRa­quelLi­to

O do­cu­men­tá­rio Wild Wild Coun­try re­tra­ta a vi­da dos seguidores de Osho. Se­xo li­vre, me­di­ta­ção e uma fi­lo­so­fia de vi­da new age. Tu­do aca­bou com in­tri­ga. Mas em Por­tu­gal ain­da há um fes­ti­val

Are­de de te­le­mó­vel mal fun­ci­o­na. A es­tra­da é de ter­ra ba­ti­da e o cão Ve­et la­dra aos dois car­ros que lá pas­sam na­que­la tar­de de chu­va pós-tem­pes­ta­de Les­lie. Pomar da Ser­ra, em São Te­o­tó­nio (Ode­mi­ra), não vem as­si­na­la­do no ma­pa. Mui­tas cur­vas aper­ta­das de­pois, che­ga-se à ca­sa-tem­plo com um Bu­da bran­co à vis­ta e ban­dei­ro­las ti­be­ta­nas no al­pen­dre. Ao lon­ge ou­vem-se os gui­zos de três ove­lhas.

São 33 hec­ta­res de ter­re­no zen, em ple­na re­ser­va, o equi­va­len­te em nú­me­ro de cam­pos de fu­te­bol, que lem­bram aos pro­pri­e­tá­ri­os a pai­sa­gem da co­mu­ni­da­de de Ore­gon, Es­ta­dos Uni­dos. Ex­tin­ta em 1985, e re­cen­te­men­te es­miu­ça­da em Wild Wild Coun­try (o fe­nó­me­no da Net­flix), foi uma eta­pa mar­can­te pa­ra os eso­té­ri­cos Nar­tan Rat­jen, 62 anos, e Ha­ri­da Quin­te­ros, 69. Jun­tos há 27 anos, pas­sa­ram em se­pa­ra­do pe­lo epi­cen­tro da sé­rie do­cu­men­tal: o im­pé­rio Raj­ne­esh­pu­ram, de­di­ca­do ao cul­to de Osho a par­tir de 1981. Po­dia cha­mar-se Osho­lân­dia, da­da a mis­ce­lâ­nea de his­tó­ri­as bo­as e más: do amor li­vre e da me­di­ta­ção di­nâ­mi­ca; pas­san­do pe­la in­tri­ga en­tre as cú­pu­las e pe­los con­fli­tos com os vi­zi­nhos con­ser­va­do­res da al­deia de An­te­lo­pe, qua­se ao pon­to de uma guer­ra civil, (ver cai­xa); até aos es­que­mas pa­ra bur­lar as leis de imi­gra­ção e à con­ta­mi­na­ção de 700 pes­so­as com sal­mo­ne­la pa­ra con­tro­lar as elei­ções lo­cais. A ci­da­de utó­pi­ca new age ter­mi­na­ria da pi­or for­ma com pri­sões.

O ca­sal re­cor­da-se da der­ro­ca­da, quan­do ques­ti­o­nou tu­do. Sa­ra­das as fe­ri­das, Nar­tan e Ha­ri­da gozam do sos­se­go alen­te­ja­no. Mas o pas­sa­do ain­da es­tá pre­sen­te nos ide­ais e nos

NAR­TAN CO­NHE­CEU OSHO EM 1979: “HOU­VE UMA TRANS­MIS­SÃO DE ENER­GIA MUI­TO FORTE”

no­mes pro­pos­tos pe­lo gu­ru. Nar­tan sig­ni­fi­ca dança em sâns­cri­to. An­tes era in­tro­ver­ti­da e des­con­fi­a­da. “Quan­do me ini­ci­ei, em 1979, na Ín­dia, Osho ex­pli­cou-me o sig­ni­fi­ca­do de Hel­ga. Dis­se-me que vem de san­ti­da­de, no sen­ti­do de com­ple­to, mas não aci­ma dos ou­tros. En­tão to­cou-me no ter­cei­ro olho, en­tre as so­bran­ce­lhas, e deu-me o mala, que é um co­lar de con­tas com um pen­den­te com a sua fo­to. Hou­ve uma trans­mis­são de ener­gia mui­to forte, que me to­cou pro­fun­da­men­te”, re­la­ta a dis­cí­pu­la à SÁ­BA­DO. Ha­ri­da, mú­si­co per­cus­si­o­nis­ta, ou­tro­ra Mário, quer di­zer la­drão que rou­ba cobram ra­ções (as­su­me que era “mais ou me­nos” con­quis­ta­dor).

O lí­der re­li­gi­o­so es­tá om­ni­pre­sen­te na ca­sa: se­ja em fo­tos, co­mo a do cen­tro da sa­la; li­vros; ou ob­jec­tos ar­te­sa­nais, por exem­plo, um su­por­te de ve­la de ar­gi­la com o no­me Osho es­cul­pi­do. Os pro­pri­e­tá­ri­os vi­e­ram pa­ra o Su­do­es­te Alen­te­ja­no em 1999, dei­xan­do Ames­ter­dão (Ho­lan­da), dois anos de­pois de vi­si­ta­rem ami­gos em Ode­cei­xe. Per­ce­be­ram que ali per­to po­de­ri­am ter qu­a­li­da­de de vi­da es­pi­ri­tu­al. “A ra­zão prin­ci­pal foi o tem­po. No ou­tro sí­tio fal­ta­va o sol, o mar e a na­tu­re­za”, di­zem. Qua­tro a seis ve­zes por ano, des­de 2006, o chi­le­no e a ale­mã or­ga­ni­zam retiros de me­di­ta­ção; e a par­tir do Ve­rão de 2010 pas­sa­ram a re­ce­ber o fes­ti­val Osho pa­ra mais de 100 pes­so­as. Can­tam, en­to­am man­tras e ce­le- a exis­tên­cia em noi­tes de Lua cheia. Re­mi­nis­cên­ci­as de Ore­gon? “Es­tas cur­vas do ter­re­no são pa­re­ci­das”, diz Ha­ri­da.

Ver­me­lho da es­pi­ri­tu­a­li­da­de

Nar­tan ves­te uma ca­mi­so­la ver­me­lha, a sua cor fa­vo­ri­ta (sim­bo­li­za a es­pi­ri­tu­a­li­da­de na cul­tu­ra in­di­a­na), sen­ta-se na des­po­ja­da sa­la em tons ter­ra e fa­la pau­sa­da­men­te. Tem uma me­mó­ria vin­ca­da da co­mu­na dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de vi­veu nos úl­ti­mos seis me­ses.

Pa­ra a ale­mã na­tu­ral de uma al­deia a nor­te de Ham­bur­go foi di­fí­cil ver a sé­rie que pôs a nu os es­cân­da­los do mo­vi­men­to. Segue-o des­de o

ash­ram (co­mu­ni­da­de) em Po­o­na, Ín­dia, em fi­nais dos anos 70, on­de os pri­mei­ros do re­ba­nho per­noi­ta­vam em ca­ba­nas rec­tan­gu­la­res de bam­bu. Os workshops de bi­o­e­ner­gé­ti­ca (te­ra­pia cor­po­ral), as mas­sa­gens e as me­di­ta­ções às 6h30 atraíam 5.000 adep­tos de to­do o mun­do à ci­da­de do es­ta­do de Maha­rash­tra. O mai­or cha­ma­riz eram os dis­cur­sos ma­ti­nais do fun­da­dor, às 8h, com du­ra­ção de du­as ou três ho­ras, so­bre re­li­giões e au­to­co­nhe­ci­men­to.

Ela ti­nha 23 anos e so­nha­va com um mun­do me­lhor, pre­pa­ran­do-se pa­ra ser as­sis­ten­te so­ci­al. Ren­deu-se ao mes­tre “mui­to ca­ris­má­ti­co”: “Ti­nha um si­lên­cio in­te­ri­or que nun­ca vi an­tes. Sen­ti-me ama­da e acei­te.” Pa­ra o ou­vir, des­do­bra­va-se em vi­a­gens e acre­di­ta­va que se­ria as­sim pa­ra sem­pre: “Ti­nha vis­tos de seis me­ses na Ín­dia e nos res­tan­tes tra­ba­lha­va na Ale­ma­nha pa­ra ter di­nhei­ro su­fi­ci­en­te pa­ra vol­tar. Na co­mu­ni­da­de tu­do era ba­ra­to, gas­ta­va me­nos de 50 cên­ti­mos por dia.”

Mas ao vi­rar da década tu­do mu­dou, por­que Osho de­ci­diu trans­fe­rir-se pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos por ra­zões não ca­bal­men­te es­cla­re­ci­das. “Foi-nos di­to que saiu da Ín­dia por ques­tões de saú­de, era um ho­mem frá­gil; e tam­bém por pro­ble­mas fi­nan­cei­ros.” Cer­to é que a dou­tri­na se es­pa­lha­ra por di­ver­sas co­mu­ni­da­des da Eu­ro­pa, in­cluin­do a da Ale­ma­nha (Ham­bur­go) on­de es­ta­va Nar­tan, ou a da Ho­lan­da on­de se en­con­tra­va Ha­ri­da. Ra­pi­da­men­te sur­giu Ore­gon no ma­pa: a se­de da con­gre­ga­ção,

MU­DA­RAM-SE PA­RA O ALEN­TE­JO EM 1999. OR­GA­NI­ZAM RETIROS E FES­TI­VAIS DE­DI­CA­DOS A OSHO

com fes­ti­vais pa­ra 15.000 pes­so­as de ori­gens vá­ri­as e car­rei­ras só­li­das. Ha­via pro­fes­so­res, mé­di­cos e até pro­du­to­res bem-su­ce­di­dos de Hollywo­od. Es­ti­ma­va-se que um quin­to dos re­si­den­tes ti­ves­se grau de mes­tra­do.

Por tu­do is­to, os seis epi­só­di­os de

Wild Wild Coun­try fo­ram um mur­ro no estô­ma­go de Nar­tan. Pre­ci­sou de uma se­ma­na pa­ra di­ge­rir as re­ve­la­ções e as­sis­tir ao se­guin­te. “Mui­ta coi­sa não sa­bia. Foi po­si­ti­vo ver os dois la­dos: o po­lí­ti­co da co­mu­ni­da­de e a es­tru­tu­ra das fa­mí­li­as tra­di­ci­o­nais à vol­ta. Nun­ca po­de­ria fun­ci­o­nar.” Nos pri­mór­di­os da ci­da­de de Osho, os mo­ra­do­res dor­mi­am em ten­das. Mas ano após ano, de­sen­vol­ve­ram in­fra-es­tru­tu­ras com afin­co de 12 ho­ras diá­ri­as: es­tra­das, ca­sas pré-fa­bri­ca­das, es­co­la, hos­pi­tal, bar­ra­gem, hor­ta e cen­tro de me­di­ta­ção gi­gan­tes­cos, res­tau­ran­te, dis­co­te­ca, sis­te­ma de vi­gi­lân­cia e até uma pis­ta de ater­ra­gem. A uto­pia

new age tor­na­va-se re­al. Nar­tan deu um con­tri­bu­to, quan­do lá che­gou atra­vés de um pro­gra­ma de in­ter­câm­bio das co­mu­ni­da­des de Osho na Eu­ro­pa, com du­ra­ção de seis me­ses. Po­li­va­len­te, de ma­nhã fa­zia a lim­pe­za das re­si­dên­ci­as, ca­sas de ba­nho e quar­tos (o seu era du­plo). À tar­de, aju­da­va na con­ta­bi­li­da­de: pre­pa­ra­va fac­tu­ras de pa­ga­men­to, re­ci­bos e en­co­men­das a for­ne­ce­do­res. O re­co­lher não obri­ga­tó­rio acon­te­cia pe­las 22h. Dis­ci­pli­na q.b., que a fa­zia sen­tir-se em ca­sa: “Acha­va que a co­mu­ni­da­de ia cres­cer e fi­car mais bo­ni­ta. Nun­ca pen­sei que fos­se aca­bar num ins­tan­te.” Ha­ri­da foi lá de pas­sa­gem, a um dos fes­ti­vais, on­de a me­di­ta­ção di­nâ­mi­ca cul­mi­na­va com dança. Os

sannya­sins (dis­cí­pu­los ves­ti­dos de

39 me­ses Pe­río­do que She­e­la pas­sou na pri­são, de­pois de con­de­na­da a 20 anos por ten­ta­ti­va de ho­mi­cí­dio. Saiu por bom com­por­ta­men­to e che­gou a pin­tar a ce­la

la­ran­ja e ver­me­lho) pu­la­vam e gri­ta­vam, pa­ra li­ber­ta­rem as más ener­gi­as. (Não se re­cor­da de Nar­tan, cru­za­ram-se mais tar­de quan­do ela foi pa­ra a Ho­lan­da).

Exa­mes e con­tra­cep­ção

A apo­lo­gia do se­xo li­vre co­mo al­go be­lo, des­com­pro­me­ti­do, di­ver­ti­do e es­pi­ri­tu­al era mais um tabu que­bra­do. For­ma­vam-se gru­pos te­ra­pêu­ti­cos con­tra a re­pres­são se­xu­al. Na prá­ti­ca, po­de­ria tra­zer dis­sa­bo­res, pois não era fá­cil en­con­trar o com­pa­nhei­ro, con­fi­na­do ao mes­mo es­pa­ço da “ex”, a se­du­zir ou­tra mu­lher. Nar­tan cho­rou mui­tas ve­zes: “Na so­ci­e­da­de nor­mal, se a re­la­ção for in­fe­liz, as pes­so­as se­pa­ram-se e não se vêem. Lá, tu­do era mais fluí­do. Mes­mo que nos se­pa­rás­se­mos, con­ti­nuá­va­mos a ter mui­tos dos mes­mos ami­gos. Ti­nha de li­dar com is­so.” O tam­bém prag­má­ti­co lí­der cedo per­ce­beu que não con­vi­nha que a dou­tri­na do pra­zer co­li­dis­se com a si­da, nu­ma al­tu­ra em que eram co­nhe­ci­dos os pri­mei­ros ca­sos. Apres­sou-se a aper­tar com nor­mas, que im­pli­ca­vam o uso de pre­ser­va­ti­vos e lu­vas de lá­tex. To­dos fi­ze­ram exa­mes; e dois de­les, a quem foi di­ag­nos­ti­ca­do o ví­rus da imu­no­de­fi­ci­ên­cia, fi­ca­ram iso­la­dos. “Quan­do vives tão jun­to na co­mu­ni­da­de, ca­da do­en­ça pas­sa mais ra­pi­da­men­te”, con­ta Nar­tan.

Da­do o con­tex­to do ca­pi­ta­lis­mo nor­te-ame­ri­ca­no, Bhagwan Sh­ree Raj­ne­esh aka Osho (ver cai­xa), an­ti­go professor de Fi­lo­so­fia, ce­deu às ex­cen­tri­ci­da­des. Os de­fen­so­res jus­ti­fi­cam-nas co­mo pro­vo­ca­ção à so­ci­e­da­de. Se­ja co­mo for, nin­guém lhe ti­ra­va os 93 Rolls Roy­ce, as cen­te­nas de re­ló­gi­os e os jac­tos pri­va­dos. O mo­men­to do (co­mu-

HA­RI­DA CO­NHE­CEU UMA DAS PRO­TA­GO­NIS­TAS DA SÉ­RIE, SHE­E­LA. CON­SI­DE­RA-A “AR­RO­GAN­TE”

O TABU DO SE­XO LI­VRE CO­MO AL­GO BE­LO FOI QUE­BRA­DO. MAS COM A SI­DA, OSHO CRI­OU NOR­MAS Ore­gon On­de fun­ci­o­na­va a co­mu­ni­da­de há ago­ra um cam­po de fé­ri­as pa­ra jo­vens cris­tãos, Young Li­fe. O ter­re­no foi do­a­do por um mi­li­o­ná­rio em 1996 e tem in­fra-es­tru­tu­ras de lu­xo: la­go ar­ti­fi­ci­al, pis­ci­na olím­pi­ca, pis­ta de kart e cen­tro des­por­ti­vo

ni­ca­ção co­ra­ção a co­ra­ção) li­mi­ta­va­se a um ace­no do gu­ru à mul­ti­dão de seguidores. Os dis­cur­sos per­ten­ci­am ao pas­sa­do de Po­o­na, na Ín­dia; as­sim co­mo a se­cre­tá­ria Lax­mi, que Nar­tan des­cre­ve co­mo “que­ri­da”. Ac­ção e mar­ke­ting: o es­pi­ri­tu­al con­ver­tia-se ao ne­gó­cio e ti­nha Ma Anand She­e­la aos co­man­dos. Além de porta-voz, de ter res­pos­ta pron­ta (e des­con­cer­tan­te) em tan­tas en­tre­vis­tas e de ar­re­gi­men­tar sannya­sins pa­ra a cons­tru­ção da co­mu­na, a as­sis­ten­te do lí­der re­li­gi­o­so ga­nha­va po­der. Pe­ran­te a hos­ti­li­da­de da vi­zi­nhan­ça con­ser­va­do­ra, She­e­la pôs a re­ta­li­a­ção em mar­cha: trei­nos de tiro, re­ve­la­dos na sé­rie. Nar­tan es­cla­re­ce que foi um gru­po pe­que­no, 15 a 20 en­tre os cin­co mil dis­cí­pu­los, mais pró­xi­mo da se­cre­tá­ria-ca­pa­taz. E não es­con­de a dis­cor­dân­cia de­la: “Sen­tia-se o po­der que ela usa­va, em par­te pa­ra con­se­guir cons­truir tan­to em tão pou­co tem­po.” Ha­ri­da classifica-a co­mo “ar­ro­gan­te”. Nar­tan ad­mi­te que is­so, ali­a­do “ao nar­ci­sis­mo”, cus­tou-lhes ver na sé­rie: “Foi forte. Tu­do acon­te­cia sem sa­ber­mos.” She­e­la saiu in­com­pa­ti­bi­li­za­da com o mes­tre, em Se­tem­bro de 1985, que en­tão que­brou o vo­to de si­lên­cio. Nar­tan re­cor­da os momentos pré­vi­os: “Es­tá­va­mos con­ten­tes por­que Osho iria fa­lar. Du­ran­te anos só o vía­mos pas­sar de car­ro. Mas foi um cho­que quan­do ele re­ve­lou as coi­sas que She­e­la fez, os ve­ne­nos.” O fim es­ta­ria pa­ra bre­ve. Em Ou­tu­bro de 1985, quan­do Osho fu­giu num dos jac­tos e foi apa­nha­do sob a acu­sa­ção de ter par­ti­ci­pa­do em frau­des – atra­vés de ca­sa­men­tos pa­ra con­tor­nar as leis de imi­gra­ção –, Nar­tan sen­tiu “uma tris­te­za imen­sa”. En­tre re­vol­ta e de­fe­sa, ques­ti­o­nou-se: “Co­mo é que aqui­lo ti­nha acon­te­ci­do com uma pes­soa que ama­va e que me ti­nha da­do tan­ta con­fi­an­ça pa­ra se­guir o meu cres­ci­men­to? Es­ta re­fle­xão de­mo­rou meio ano.”

No mes­mo ano em que She­e­la foi con­de­na­da, 1986, Nar­tan apa­zi­guou-se com o mes­tre. “Hou­ve al­go em mim pa­ra lim­par. Quan­do che­guei a Bom­baim sen­ti a cha­ma­da. Fo­ram pou­cos.”

Osho, de saú­de frá­gil, mor­reu na Ín­dia a 19 de Ja­nei­ro de 1990. Su­pos­ta­men­te por “in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca”, diz Nar­tan sem cer­te­zas. Após o epí­lo­go do mes­tre, aos 58 anos, é que a dis­cí­pu­la en­con­trou o com­pa­nhei­ro pa­ra a vi­da na Ho­lan­da. “Fo­mos a uma fes­ta de anos de uma ami­ga co­mum, se­gui­do­ra de Osho.” E jun­ta­ram-se, com in­ten­ções de per­ma­ne­cer lá... até des­co­bri­rem o es­con­de­ri­jo alen­te­ja­no em Agos­to de 1997. Com­pra­ram-no na Pri­ma­ve­ra de 1998 e mu­da­ram-se em Mar­ço de 1999. Vi­e­ram pa­ra fi­car – e per­pe­tu­ar os en­si­na­men­tos de Osho.

Área de re­fei­ções no al­pen­dre da ca­sa; a co­mi­da é ve­ge­ta­ri­a­na co­mo na co­mu­ni­da­de de Ore­gon

Ha­ri­da, 69 anos, e Nar­tan, 62, fo­to­gra­fa­dos no al­pen­dre de ca­sa no Alen­te­jo

O gu­ru in­di­a­no mor­reu em 1990, mas a sua Fi­lo­so­fia é um su­ces­so de ven­das. Os li­vros são tra­du­zi­dos em cer­ca de 60 lín­guas

A ten­da pa­ra as ac­ti­vi­da­des das cri­an­ças du­ran­te os fes­ti­vais de Ve­rão de­di­ca­dos a Osho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.