JOÃO PEREIRA COU­TI­NHO

Sábado - - SUMÁRIO - Po­li­tó­lo­go, escritor João Pereira Cou­ti­nho

MAR­CE­LO RE­BE­LO DE SOU­SA per­mi­tiu três anos de so­nho a António Cos­ta. E es­te, com in­des­men­tí­vel ma­nha, apro­vei­tou: pa­ra cap­tu­rar as es­quer­das sob o seu man­do; pa­ra dis­tri­buir be­nes­ses por re­for­ma­dos e fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do ao mes­mo tem­po que dei­xa­va de­gra­dar os ser­vi­ços pú­bli­cos; e até pa­ra se des­pe­dir con­for­ta­vel­men­te de Pas­sos Co­e­lho e re­ce­ber no sa­pa­ti­nho um pre­sen­te de Na­tal an­te­ci­pa­do, na for­ma de Rui Rio.

Cla­ro que, aqui e ali, ha­via “atri­tos”, pa­ra usar a pa­la­vra sim­pá­ti­ca do co­men­ta­dor Men­des: os in­cên­di­os, e a in­com­pe­tên­cia ge­ral do Go­ver­no pe­ran­te a tra­gé­dia, fo­ram um de­les. Mas, en­ter­ra­dos os mor­tos e tra­ta­dos os fe­ri­dos, Mar­ce­lo e Cos­ta vol­ta­ram a abri­gar-se sob o mes­mo guar­da-chu­va. Tancos al­te­rou as re­gras do jo­go. E o Pre­si­den­te, de­sa­fi­nan­do do co­ro ofi­ci­al, co­me­çou a pedir de­ma­si­a­das ex­pli­ca­ções, o que se en­ten­de: Mar­ce­lo é Co­man­dan­te Su­pre­mo das For­ças Ar­ma­das e sa­be que um cri­me des­tes, aci­ma da li­nha do Equa­dor, cos­tu­ma de­ter­mi­nar o fim de go­ver­nos.

Azar. O Go­ver­no, que vi­ve da opa­ci­da­de des­de a sua ines­que­cí­vel gé­ne­se, não gos­tou da me­lo­dia. E ra­pi­da­men­te apa­re­ce­ram no­tí­ci­as se­ve­ras que en­vol­vi­am Be­lém no en­co­bri­men­to de Tancos.

Pe­ran­te o lo­da­çal, Mar­ce­lo ju­rou que não se dei­xa­va ca­lar; e acres­cen­tou que as For­ças Ar­ma­das não es­tão “ao ser­vi­ço de jo­gos de po­der”.

Não é pre­ci­so di­zer mais na­da pa­ra com­pre­en­der­mos a di­men­são des­ta cri­se po­lí­ti­ca. Mas há uma per­gun­ta que im­por­ta fa­zer: se António Cos­ta, em si­tu­a­ção mi­no­ri­tá­ria, diz que o pro­ble­ma de Mar­ce­lo com Tancos é uma “an­si­e­da­de” in­con­tro­la­da, o que fa­rá o mes­mo Cos­ta se ti­ver a mai­o­ria ab­so­lu­ta? Mar­ce­lo que pen­se um bo­ca­di­nho.

EN­QUAN­TO MAR­CE­LO PEN­SA, re­gis­ta­mos com agra­do que António Cos­ta tam­bém pen­sa. Pa­ra ser­mos exac­tos, no seu fu­tu­ro go­ver­no. Fac­to: há umas elei­ções pri­mei­ro, a que o ho­mem lá te­rá que com­pa­re­cer. Mas es­se por­me­nor en­te­di­an­te não ar­re­fe­ceu o en­tu­si­as­mo do nos­so António, que ten­ci­o­na man­ter ve­lhas ca­ras e tro­car ou­tras. Re­ve­la o Pú­bli­co que Au­gus­to San­tos Sil­va fica. Mário Cen­te­no, en­quan­to for útil na Eu­ro­pa, tam­bém. E Gra­ça Fon­se­ca, que che­gou à Cul­tu­ra sem sa­ber ler nem es­cre­ver, con­ti­nu­a­rá por lá a de­bi­tar as su­as sen­ten­ças so­bre a ci­vi­li­za­ção (on­de ela vi­ve) e a bar­bá­rie (on­de vi­vem mi­lha­res de tra­ba­lha­do­res por­tu­gue­ses afec­tos à tau­ro­ma­quia).

Tiago Brandão Rodrigues, que nun­ca re­al­men­te exis­tiu, dei­xa­rá de exis­tir. E Mar­ta Te­mi­do, re­cém-che­ga­da, se­rá re­cém-des­pe­di­da (bom tra­ba­lho até lá, dra. Te­mi­do).

Um no­me, po­rém, não cons­ta no rol do fu­tu­ro go­ver­no: Rui Rio, ob­vi­a­men­te. Nem se­quer co­mo mi­nis­tro adjunto? Pa­re­ce que não, em­bo­ra não se­ja de ex­cluir uma se­cre­ta­ria de Es­ta­do (quem não vai a mi­nis­tro adjunto po­de ir a se­cre­tá­rio de Es­ta­do Adjunto e não se fa­la mais nis­so).

O pró­prio Rio, aliás, pa­re­ce con­tar com um con­vi­te. Só is­so ex­pli­ca o com­por­ta­men­to dis­pli­cen­te do se­nhor pe- ran­te um se­cre­tá­rio-ge­ral que, mes­mo quan­do não es­tá sen­ta­do no he­mi­ci­clo, fi­gu­ra no re­gis­to de pre­sen­ças co­mo se es­ti­ves­se.

Em con­di­ções nor­mais, es­tes com­por­ta­men­tos fa­ri­am dis­pa­rar o alar­me de um lí­der. Não fa­zem por­que o lí­der não es­tá pro­pri­a­men­te in­te­res­sa­do em li­de­rar. Se hou­ver uma se­cre­ta­ria de Es­ta­do no pró­xi­mo go­ver­no de António Cos­ta, os de­pu­ta­dos do PSD até po­dem co­me­çar a pin­tar as unhas no par­la­men­to (des­de que o fa­çam de cor-de-ro­sa).

AQUI HÁ UNS TEM­POS, li e di­ver­ti-me com um li­vro de Ja­son Bren­nan, já edi­ta­do em Por­tu­gal. In­ti­tu­la-se Con­tra a Democracia (Gra­di­va) e a te­se do au­tor, na boa tra­di­ção pla­tó­ni­ca, é sim­ples: a democracia não pres­ta; pre­ci­sa­mos de uma epis­to­cra­cia (tra­du­ção: só os sa­be­do­res de­vem po­der vo­tar).

No li­vro, Bren­nan pro­põe vá­ri­os es­que­mas pa­ra re­a­li­zar o seu pla­no. Um de­les con­sis­te na re­a­li­za­ção de um exame “téc­ni­co” por to­dos os can­di­da­tos a elei­to­res. Exac­ta­men­te co­mo acon­te­ce nos exa­mes de có­di­go pa­ra quem de­se­ja ti­rar a carta.

O li­vro é in­te­res­san­te – co­mo exer­cí­cio fi­lo­só­fi­co. Mas é tam­bém de­li­ran­te pe­lo motivo mais ób­vio, que es­ca­pou ao au­tor: uma epis­to­cra­cia só se­ria pos­sí­vel à lei da ba­la. Cu­ri­o­sa­men­te, es­ta evi­dên­cia tam­bém não ocor­re aos nos­sos “de­mo­cra­tas”, que nas su­as pro­sas an­ti-Bol­so­na­ro sus­pi­ram por um re­gi­me on­de só vo­ta quem pen­sa co­mo eles. Es­tra­nho mun­do, es­te, em que os de­fen­so­res da democracia so­nham com a ins­ti­tui­ção de uma di­ta­du­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.