JOÃO PE­DRO GE­OR­GE

Sábado - - SUMÁRIO -

Na se­ma­na pas­sa­da co­lo­quei António Lo­bo Antunes (ALA) e Vasco Pu­li­do Va­len­te (VPV) ca­ra a ca­ra e pro­cu­rei de­mons­trar que a apro­xi­ma­ção en­tre am­bos é ri­ca de sen­ti­do. Pa­ra que­brar bar­rei­ras e es­ta­be­le­cer uma es­pé­cie de sim­pa­tia mú­tua – vi­ve­mos to­dos na es­pe­ran­ça de que um ver­da­dei­ro en­con­tro en­tre Vasco e António pos­sa ain­da pro­du­zir-se –, tentei ex­pli­car que os dois de­vem ser com­pre­en­di­dos em ter­mos freu­di­a­nos e que as res­pec­ti­vas en­tre­vis­tas fun­ci­o­nam co­mo me­ca­nis­mos de subs­ti­tui­ção do di­vã psi­ca­na­lí­ti­co, ou se­ja, um lu­gar on­de é pos­sí­vel fa­lar das fra­gi­li­da­des e as­su­mir a ca­rên­cia de afec­tos so­fri­da no am­bi­en­te da in­fân­cia. Com is­so, pre­ten­dia mos­trar que aqui­lo que as­se­me­lha ALA e VPV é mais in­te­res­san­te do que aqui­lo que os se­pa­ra.

Por mui­to vin­ca­das que as di­fe­ren­ças pos­sam pa­re­cer – ALA con­si­de­ra Er­nes­to Me­lo Antunes (EMA) “um ho­mem su­pe­ri­or”, VPV é da opi­nião que EMA não pas­sa­va de “um im­be­cil”; ALA acre­di­ta em Deus (“mas es­tou sem­pre zan­ga­do com ele”), VPV é ateu (“sem­pre fui”); o pai de ALA era mé­di­co (neu­ro­pa­to­lo­gis­ta, dis­cí­pu­lo de Egas Mo­niz) e “não era pos­sí­vel discutir com ele. Ele ti­nha nas­ci­do com a ra­zão”, o pai de VPV era en­ge­nhei­ro quí­mi­co e, nas reu­niões de fa­mí­lia, nin­guém lhe “con­ce­dia qual­quer es­pé­cie de au­to­ri­da­de”; ALA es­tu­dou sem­pre em es­co­las ofi­ci­ais, VPV es­tu­dou nos co­lé­gi­os St. Julian (Car­ca­ve­los) e Nun’Ál­va­res (To­mar) –, há ou­tras coi­sas, im­por­tan­tes e de­ci­si­vas, que tra­em uma cum­pli­ci­da­de de pon­tos de vis­ta en­tre o au­tor de OEs­plen­dor­dePor­tu­gal eo­de Es­ta Di­to­sa Pá­tria.

Não me re­fi­ro à cir­cuns­tân­cia de se te­rem ca­sa­do qua­tro ve­zes, de fu­ma­rem Marl­bo­ro e gos­ta­rem de ser fo­to­gra­fa­dos com o ci­gar­ro en­tre os de­dos – “Eu até gosto de ter fo­to­gra­fi­as a fu­mar, por­que de­tes­to a mi­li­tân­cia an­ti­ta­ba­gis­ta. [Tos­se] Te­nho 76 anos, fu­mo des­de os 16 e nun­ca me fez mal ne­nhum” (VPV). Nem à coin­ci­dên­cia de os dois ad­mi­ra­rem in­con­di­ci­o­nal­men­te Jo­sé Car­do­so Pi­res (ALA tra­ta-o co­mo “o meu ir­mão de al­ma”, “o meu gran­de e qu­e­ri­do ami­go”, VPV as­se­gu­ra que “nin­guém co­mo ele con­tri­buí­ra pa­ra trans­for­mar o por­tu­guês li­te­rá­rio, ar­cai­co, ru­ral e afec­ta­do, ou po­pu­lis­ta, aca­dé­mi­co e pseu­do­lí­ri­co, nu­ma lín­gua mo­der­na”). Tão-pou­co ao fac­to de se de­tes­ta­rem – ALA re­fe­re-se a VPV co­mo um cro­nis­ta “que de­ve ser a pes­soa mais in­fe­liz do mun­do. Des­ti­la tan­to fel… Meu Deus, co­mo se po­de ser as­sim? (…) o que ele escreve faz-me imen­sa im­pres­são. E pe­na. Não me ir­ri­ta, não me ener­va, não me exal­ta, não me co­mo­ve. Faz-me pe­na”, en­quan­to VPV acha que ALA é um “coi­ta­do”, que não me­re­ce se­quer ser “clas­si­fi­ca­do”, pe­lo que “nem vou fa­lar de­le”. Es­tou a pen­sar, e aqui é que es­tá o bu­sí­lis, nas ori­gens so­ci­ais: am­bos nas­ce­ram em Lis­boa e são fi­lhos da elite por­tu­gue­sa da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX. Em pri­mei­ro lu­gar, tan­to ALA co­mo VPV fo­ram edu­ca­dos no seio de cons­te­la­ções fa­mi­li­a­res ex­ten­sas e cres­ce­ram em ca­sas amon­to­a­das de pa­ren­tes. O avô pa­ter­no de ALA era mo­nár­qui­co, con­ser­va­dor e não gos­ta­va de li­vros (“Quan­do sou­be que eu es­cre­via, ti­nha eu 8 ou 9 anos, cha­mou-me e per­gun­tou-me: ‘Ou­ve lá, tu és pa­ne­lei­ro?’”), o avô pa­ter­no de VPV era de di­rei­ta e mo­nár­qui­co, foi per­se­gui­do pe­la Re­pú­bli­ca e era pró­xi­mo do re­gi­me sa­la­za­ris­ta.

Nas du­as fa­mí­li­as, os ho­mens in­ter­vi­nham sob a for­ma de lei e im­pe­ra­va o es­pí­ri­to com­pe­ti­ti­vo. VPV, evo­can­do os jan­ta­res de Na­tal da fa­mí­lia Pu­li­do Va­len­te, re­ve­la que “a con­ver­sa, co­mo sem­pre su­ce­dia nes­sa do­ce fa­mí­lia, de­pres­sa de­ge­ne­ra­va em dis­cus­são, com ca­da um a que­rer mos­trar in­te­li­gên­cia e sa­ber ao pa­tri­ar­ca, que in­ter­vi­nha pou­co e go­za­va o es­pec­tá­cu­lo com or­gu­lho. As se­nho­ras de ma­nei­ra ge­ral não abri­am o bi­co, por­que o meu avô não dei­xa­ra ain­da o sé­cu­lo XIX”. ALA, por seu tur­no, con­fes­sa que “o

meu pai com­pe­tia com os fi­lhos”, ou “o meu pai ti­nha uma ma­nia pa­ra nós, seis irmãos ra­pa­zes, hor­ro­ro­sa. Di­zia: ‘Quem não sa­be quem es­cre­veu es­ta fra­se não sai no sá­ba­do.’ Ou en­tão pu­nha meia dú­zia de com­pas­sos de uma sin­fo­nia a to­car e ame­a­ça­va: ‘Quem não sa­be quem compôs is­to não sai no do­min­go’” (ALA). De­pois, co­mo ne­nhum de­les en­con­trou na ca­sa dos pais um es­pa­ço pa­ra a ma­ni­fes­ta­ção dos afec­tos e das emo­ções, am­bos têm na fi­gu­ra do avô a fi­gu­ra tu­te­lar: em ALA é o avô pa­ter­no (António Lo­bo Antunes, “não en­con­trei a sua ter­nu­ra e a sua ge­ne­ro­si­da­de nou­tros ho­mens”), e em VPV é o avô ma­ter­no (Fran­cis­co Pu­li­do Va­len­te, mé­di­co de pres­tí­gio am­pla­men­te con­so­li­da­do no meio in­te­lec­tu­al e po­lí­ti­co, um dos re­tra­ta­dos por Abel Man­ta no fa­mo­so qua­dro que jun­ta Aqui­li­no Ri­bei­ro, Ra­ma­da Cur­to, Lo­pes Gra­ça, Ma­nu­el Men­des, Câ­ma­ra Reis, etc.). Po­rém, aqui­lo que tal­vez ex­pli­ci­ta me­lhor a coin­ci­dên­cia nas su­as po­si­ções de clas­se é o ódio de am­bos a Jo­sé Saramago, que mi­me­ti­za o an­ti­go ódio en­tre le­gí­ti­mos e bas­tar­dos. So­bre o au­tor de Me­mo­ri­al do Con­ven­to dis­se VPV que só tem “idei­as de tro­lha ou de ti­pó­gra­fo se­mi­a­nal­fa­be­to” e que “não es­tu­dou o que de­via es­tu­dar, mui­to pro­va­vel­men­te con­tra a von­ta­de de­le. Cla­ro que Saramago ga­nhou o Prémio No­bel, co­mo vá­ri­os ‘ca­ma­ra­das’ que não va­li­am na­da, e ven­deu mi­lhões de li­vros, co­mo mui­ta gen­te acé­fa­la e fe­liz que não sa­bia, ou sa­be, dis­tin­guir a mão es­quer­da da mão di­rei­ta. E cla­ro que o sa­loi­i­ce por­tu­gue­sa de­li­rou com a fa­ça­nha. Só que daí não se segue que se­ja obri­ga­tó­rio le­var a cri­a­tu­ra a sé­rio. (…) Saramago es­tá mes­mo en­tre as pes­so­as que ne­nhum in­di­ví­duo in­te­li­gen­te em prin­cí­pio ou­ve”. Quan­to a ALA, não só con­si­de­ra a es­cri­ta de Saramago “uma mer­da”, co­mo o ten­tou me­no­ri­zar afir­man­do que “ele ti­nha-me um pó. Uma in­ve­ja” e que “sem­pre te­ve mu­lhe­res de di­rei­ta en­quan­to se afir­ma­va co­mu­nis­ta. Nun­ca cor­reu ris­cos. Nun­ca foi pre­so”. Que o Prémio No­bel da Li­te­ra­tu­ra te­nha si­do atri­buí­do a Saramago, um in­di­ví­duo que nas­ceu na vi­la de Azi­nha­ga (Go­le­gã), que era fi­lho e ne­to de agri­cul­to­res, que nun­ca fre­quen­tou a Uni­ver­si­da­de e que foi ser­ra­lhei­ro me­câ­ni­co, en­gen­dra nos fi­lhos des­ta elite lis­bo­e­ta uma cons­ci­ên­cia do­lo­ro­sa. Des­de lo­go, a cons­ci­ên­cia de que a sua clas­se so­ci­al per­deu va­lor e, so­bre­tu­do, de que o re­co­nhe­ci­men­to dei­xou de ser al­go ad­qui­ri­do pa­ra to­do o sem­pre, co­mo acon­te­cia aos an­ti­gos “herdeiros”. Ho­je, es­se re­co­nhe­ci­men­to tem de ser con­quis­ta­do a to­do o ins­tan­te, é al­go que es­tá sem­pre em dis­pu­ta. Ou­tro­ra, a pro­du­ção cul­tu­ral era um ex­clu­si­vo de uma elite, ago­ra, mer­gu­lha­dos num ex­ces­so de pro­du­ção cul­tu­ral, com ca­da vez mais pes­so­as de di­fe­ren­tes ori­gens so­ci­ais de­di­can­do-se à li­te­ra­tu­ra, às ar­tes e às ci­ên­ci­as, a as­pi­ra­ção de distinção e de re­co­nhe­ci­men­to dos mem­bros das eli­tes a que per­ten­cem as fa­mí­li­as de ALA e VPV não é tão fá­cil de sa­tis­fa­zer co­mo acon­te­cia há 80 ou 90 anos. Com efei­to, a ca­pa­ci­da­de que es­ses gru­pos ti­nham de im­por a sua vi­são do mun­do, o seu “pon­to de vis­ta de clas­se”, tor­nou-se mais di­fí­cil. Pe­ran­te es­te des­fa­sa­men­to ou de­sa­de­qua­ção – “um mun­do que não se co­nhe­ce e de que não se gos­ta” (VPV) –, tan­to um co­mo ou­tro se­guem as mes­mas es­tra­té­gi­as de com­pen­sa­ção. Por um la­do, con­fi­nan­do-se e com­pra­zen­do-se nu­ma es­pé­cie de in­su­la­ri­da­de, iso­lan­do-se e cri­an­do dis­tân­ci­as em re­la­ção aos con­tem­po­râ­ne­os e à épo­ca em que vi­vem. VPV de­cla­ra que “há pou­ca gen­te in­te­res­san­te”, que “a re­a­li­da­de não entra na ca­be­ça de nin­guém”, que “já nin­guém sa­be His­tó­ria, nem ela se en­si­na”, que to­dos os li­vros dos his­to­ri­a­do­res por­tu­gue­ses são “im­plau­sí­veis. Lê-se e não se acre­di­ta”, e ALA re­fe­re-se aos crí­ti­cos que “me da­vam por­ra­da” co­mo “gen­te que não per­ce­be na­da de li­vros” e anuncia que “is­so é uma coi­sa dra­má­ti­ca que se pas­sa ho­je: não há gran­des es­cri­to­res em par­te ne­nhu­ma”. Ao eli­mi­na­rem tu­do o que os pos­sa pôr em cau­sa, ao mes­mo tem­po que se acal­mam e tran­qui­li­zam por via da des­me­su­ra do au­to-elo­gio, ALA e VPV ten­tam re­for­çar a in­te­gri­da­de e a con­sis­tên­cia dos res­pec­ti­vos egos no meio des­te imen­so de­ser­to sem qua­li­da­des. Por is­so, as pa­la­vras que pro­jec­tam no es­pe­lho das inú­me­ras en­tre­vis­tas que con­ce­dem, on­de am­bos pa­re­cem to­mar-se a si pró­pri­os co­mo ob­jec­tos de au­to-ero­tis­mo, de­vem ser ana­li­sa­das não co­mo ar­gu­men­tos, mas en­quan­to sin­to­mas de de­so­ri­en­ta­ção e in­se­gu­ran­ça. É que, por mui­to que is­so lhes cus­te ou que lhes pos­sa pa­re­cer es­can­da­lo­so, no es­ta­do ac­tu­al das so­ci­e­da­des oci­den­tais até um ex-ser­ra­lhei­ro me­câ­ni­co po­de ga­nhar o No­bel da Li­te­ra­tu­ra.

MISS INÊS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.