Li­vros

Sábado - - SUMÁRIO - Por An­dré San­tos

Jin Yong, o chinês que che­gou ao Oci­den­te gra­ças a uma pes­qui­sa no Go­o­gle

Um agen­te in­glês pes­qui­sou no Go­o­gle por best­sel­lers e de­pa­rou-se com um au­tor chinês que ven­dia mi­lhões. Nun­ca ti­nha ou­vi­do fa­lar de­le. As­sim co­me­ça a his­tó­ria da che­ga­da ao Oci­den­te dos li­vros de Jin Yong, que mor­reu na se­ma­na pas­sa­da, aos 94 anos.

EVEN­TOS HIS­TÓ­RI­COS de­cor­rem com a sa­tis­fa­ção da fan­ta­sia, ac­ção a mil à ho­ra num jo­go de pa­la­vras de­sen­fre­a­do a cri­ar be­lís­si­mas des­cri­ções vi­su­ais de ba­ta­lhas, com­ba­tes que ocor­rem com frequên­cia e na­tu­ra­li­da­de e que sa­bem cons­tan­te­men­te a épi­co. Cen­te­nas de per­so­na­gens con­vi­vem sem atropelo, en­tram e sa­em de ce­na pa­ra cons­truir ce­ná­ri­os úni­cos e uma epo­peia fan­tás­ti­ca ao ní­vel

de O Se­nhor dos Anéis. É as­sim Len­das dos He­róis do

Con­dor, sa­ga cu­jo pri­mei­ro volume – de 12 – já es­tá dis­po­ní­vel em Por­tu­gal: Nas­ce

Um He­rói é uma óp­ti­ma in­tro­du­ção à es­cri­ta de Jin Yong. A es­cri­ta de Jin Yong (pseu­dó­ni­mo de Louis Cha, fa­le­ci­do a 30 de Ou­tu­bro, aos 94 anos, num hos­pi­tal de Hong Kong)

po­de ter de­mo­ra­do a che­gar ao Oci­den­te, mas o seu uni­ver­so não. A obra que dei­xou tem mar­ca­do a cul­tu­ra po­pu­lar uni­ver­sal des­de me­a­dos da década de 1970, al­tu­ra em que os fil­mes de ar­tes mar­ci­ais chi­ne­ses co­me­ça­ram a fi­car mais po­pu­la­res na Eu­ro­pa e na Amé­ri­ca. Jin Yong, que es­cre­veu 15 ex­ten­sas obras (Len­das

dos He­róis do Con­dor é ape­nas uma de­las), na sua mai­o­ria pu­bli­ca­das aos pou­cos em jor­nais diá­ri­os chi­ne­ses, con­ta­mi­nou a cul­tu­ra po­pu­lar atra­vés das adap­ta­ções/ins­pi­ra­ções das su­as obras que iam che­gan­do ao Oci­den­te, pri­mei­ro fil­mes e de­pois sé­ri­es, ao lon­go das dé­ca­das de 1970 até 1990. Lem­bra-se da­que­les fil­mes mag­ní­fi­cos de ar­tes mar­ci­ais que mis­tu­ra­vam fan­ta­sia e his­tó­ria – ca­sos da tri­lo­gia The Bra­ve Ar­cher ou Sword Stai­ned with Royal

Blo­od –, re­la­ti­va­men­te po­pu­la­res em Por­tu­gal du­ran­te a década de 90? Eram ins­pi­ra­dos no tra­ba­lho de Jin Yong. E, cla­ro, de­pois vi­e­ram os vi­de­o­jo­gos. Além dis­so, com os mun­dos ins­pi­ra­dos em Jin Yong vi­nham sem­pre re­fe­rên­ci­as aos li­vros de Jin Yong, de co­mo ele era o J.R.R. Tol­ki­en chinês, que ven­dia mi­lhões, ha­via ins­pi­ra­do e con­ti­nu­a­va a ins­pi­rar ge­ra­ções na Chi­na. Mas on­de se po­di­am en­con­trar os seus li­vros no Oci­den­te? Nem uma pa­la­vra so­bre is­so. Até que, no iní­cio da ac­tu­al década, Pe­ter Buck­man, um agen­te in­glês mui­to ex­pe­ri­en­te, en­con­trou Jin Yong da for­ma mais ób­via, mas tam­bém ines­pe­ra­da: “Es­ta­va à pro­cu­ra de best­sel­lers pa­ra um si­te com que es­ta­va a tra­ba­lhar na al­tu­ra. Quan­do fiz a pes­qui­sa no Go­o­gle, o Jin Yong apa­re­ceu-me na quin­ta po­si­ção, lo­go a se­guir a uma sé­rie de es­cri­to­res de po­li­ci­ais nor­te-ame­ri­ca­nos. Es­tou nes­te ne­gó­cio há 50 anos e en­con­trar al­guém que ven­deu mi­lhões de có­pi­as dos seus li­vros, de quem nun­ca ou­vi fa­lar, des­per­tou-me a cu­ri­o­si­da­de. Nes­sa al­tu­ra já es­ta­va a tra­ba­lhar com a An­na Holmwo­od nou­tro pro­jec­to e pe­di-lhe que in­ves­ti­gas­se mais.” An­na Holmwo­od as­su­miu o pa­pel de tra­du­to­ra pa­ra in­glês de Len­das dos He­róis do Con­dor. Tra­du­ziu o pri­mei­ro li­vro

– Nas­ce Um He­rói – so­zi­nha. Pa­ra o se­gun­do – que se­rá edi­ta­do no pró­xi­mo ano – con­tou com a aju­da de um ami­go, en­quan­to se en­con­tra a adi­an­tar já o ter­cei­ro volume. O pla­no é edi­tar, pe­lo me­nos, um volume por ano. Ao te­le­fo­ne com a SÁ­BA­DO, An­na con­fes­sa que quan­do ou­viu a ideia de Pe­ter Buck­man viu lo­go o po­ten­ci­al de su­ces­so: “Quan­do co­me­cei a es­tu­dar chinês, foi um dos pri­mei­ros no­mes que os meus co­le­gas re­fe­ri­ram. Ele é um íco­ne cul­tu­ral na Chi­na e já che­gou ao Oci­den­te por via dos fil­mes e sé­ri­es de ar­tes mar­ci­ais e dos vi­de­o­jo­gos. É sur­pre­en­den­te que nun­ca te­nha si­do tra­du­zi­do, até ago­ra.” Porquê? A ques­tão le­van­tou-se de ime­di­a­to a Pe­ter e An­na, pe­lo que a sua res­pos­ta evi­den­cia cla­re­za: “Pen­so que no pas­sa­do exis­tiu mui­to a ten­dên­cia de ape­nas tra­du­zir pa­ra o in­glês li­vros que fos­sem con­si­de­ra­dos de uma ‘al­ta li­te­ra­tu­ra’ e se ne­gli­gen­ci­ou um pou­co ou­tros uni­ver­sos, co­mo a fan­ta­sia ou o po­li­ci­al. Com o su­ces­so dos po­li­ci­ais su­e­cos há 10 anos, creio que se abriu uma possibilidade no mer­ca­do an­glo-sa­xó­ni­co pa­ra tra­du­ções e pa­ra mos­trar a um pú­bli­co mais alar­ga­do que boa fic­ção de ou­tros gé­ne­ros, es­cri­ta nou­tras lín­guas, tam­bém po­de ter um pú­bli­co abran­gen­te no Oci­den­te.”

E re­ma­ta: “É pos­sí­vel que tam­bém não te­nha si­do tra­du­zi­do por­que a sua po­pu­la­ri­da­de co­me­çou há mui­to tem­po, nu­ma al­tu­ra em que a cul­tu­ra chi­ne­sa es­ta­va des­li­ga­da do Oci­den­te. Mas o no­me de Jin Yong foi che­gan­do e ago­ra, com a In­ter­net, há mui­tas co­mu­ni­da­des que têm tra­ba­lha­do pa­ra tra­du­zir os li­vros pa­ra con­su­mo in­ter­no. Es­sa foi uma das idei­as que ven­di à editora: per­ce­bi que já exis­tia uma gran­de au­di­ên­cia pa­ra os li­vros de Jin Yong.” Ago­ra tam­bém não há des­cul­pas pa­ra não ler Jin Yong em por­tu­guês: a ASA vai edi­tá-lo, a par­tir da tra­du­ção in­gle­sa, que abre ao mer­ca­do um ma­ra­vi­lho­so mun­do de aven­tu­ras. Em Nas­ce um He­rói, são mag­ní­fi­cas, me­lho­res do que os pro­du­tos adap­ta­dos que che­ga­ram ao Oci­den­te nas úl­ti­mas dé­ca­das. E a sa­ga ain­da ago­ra co­me­çou.

LEN­DAS DOS HE­RÓIS DO CON­DOR I – NAS­CE UM HE­RÓI JIN YONG Ed. ASA • 448 págs. €17,70

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.