Tut­ti Frut­ti

Um es­tá a dou­to­rar-se e o ou­tro man­da no dou­to­ra­men­to. Os dois cons­pi­ra­ram por um cargo po­lí­ti­co e a PJ re­gis­tou tu­do co­mo sus­pei­to na ope­ra­ção Tut­ti Frut­ti.

Sábado - - SUMÁRIO - Por António Jo­sé Vi­le­la

Os jo­gos de bas­ti­do­res pa­ra no­me­ar Ba­ce­lar Gou­veia pro­ve­dor de Justiça

ATut­ti­in­da an­tes das me­diá­ti­cas bus­cas da ope­ra­ção

Frut­ti re­a­li­za­das no iní­cio do Ve­rão pas­sa­do, os in­ves­ti­ga­do­res da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria (PJ) e do Ministério Pú­bli­co (MP) ou­vi­ram em es­cu­tas te­le­fó­ni­cas um dos prin­ci­pais al­vos do pro­ces­so, o de­pu­ta­do do PSD, Sér­gio Azevedo, a fa­zer di­ver­sos con­tac­tos de bas­ti­do­res com vis­ta à es­co­lha do professor uni­ver­si­tá­rio Jor­ge Ba­ce­lar Gou­veia co­mo no­vo pro­ve­dor de Justiça.

Es­te é um te­ma co­la­te­ral da me­gain­ves­ti­ga­ção, mas que ain­da as­sim fi­cou re­gis­ta­do no con­teú­do das cen­te­nas de ho­ras de es­cu­tas te­le­fó­ni­cas da ope­ra­ção Tut­ti Frut­ti, o pro­ces­so-cri­me aber­to em 2016 que se trans­for­mou num gi­gan­tes­co puzz­le de co­ne­xões en­tre (ex-) po­lí­ti­cos do PSD e do PS e di­ver­sos ca­sos de tro­ca de ale­ga­dos fa­vo­res (por exem­plo, con­tra­tos de aven­ça) e ad­ju­di­ca­ções de ne­gó­ci­os pa­gos com di­nhei­ros pú­bli­cos.

O que es­tá ver­da­dei­ra­men­te em cau­sa no pro­ces­so é apu­rar se exis­ti­ram ou não cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va, tráfico de in­fluên­cia, par­ti­ci­pa­ção eco­nó­mi­ca em ne­gó­cio e fal­si­fi­ca­ção e o fi­nan­ci­a­men­to proi­bi­do de par­ti­dos po­lí­ti­cos. Mas nes­te ma­nan­ci­al de suspeitas tam­bém pa­re­cem ca­ber epi­só­di­os co­mo as jo­ga­das de bas­ti­do­res fa­lha­das pa­ra no­me­ar Ba­ce­lar Gou­veia co­mo pro­ve­dor de Justiça. É que an­tes e de­pois de a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca ele­ger pa­ra o cargo, em Ou­tu­bro de 2017, a tam­bém pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria Ma­ria Lú­cia Amaral, os in­ves­ti­ga-

alu­ta­pe­la ca­dei­ra­do pro­ve­dor de Justiça

do­res po­li­ci­ais e do MP con­si­de­ra­ram co­mo suspeitas vá­ri­as con­ver­sas de Sér­gio Azevedo so­bre quem de­ve­ria sen­tar-se na ca­dei­ra de pro­ve­dor de Justiça, so­bre­tu­do por­que o de­pu­ta­do es­ta­va ins­cri­to co­mo alu­no, des­de 2016/17, no dou­to­ra­men­to em Di­rei­to e Se­gu­ran­ça, co­or­de­na­do por Ba­ce­lar Gou­veia. Se­gun­do a do­cu­men­ta­ção que cons­ta no si­te da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, nes­se ano lec­ti­vo Ba­ce­lar foi tam­bém o co­or­de­na­dor ofi­ci­al de se­te das 11 ca­dei­ras do dou­to­ra­men­to e o re­gen­te de qua­tro des­tas mes­mas ca­dei­ras (du­as de­las em co-re­gên­cia com Fran­cis­co Proença Gar­cia). Mas só te­rá lec­ci­o­na­do e ava­li­a­do o de­pu­ta­do Sér­gio Azevedo em du­as das ca­dei­ras, Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal e Se­gu­ran­ça do Es­ta­do e Ser­vi­ços de In­for­ma­ções. Mais tar­de, Ba­ce­lar Gou­veia pas­sou a ser o ori­en­ta­dor da fu­tu­ra te­se do de­pu­ta­do do PSD, uma si­tu­a­ção que ain­da ho­je se mantém, con­for­me a SÁ­BA­DO con­fir­mou por te­le­fo­ne com os dois in­ter­ve­ni­en­tes.

“Foi tu­do es­for­ço e em­pe­nho”

Con­tac­ta­do por te­le­fo­ne pe­la SÁ­BA­DO, Ba­ce­lar Gou­veia re­cu­sou co­men­tar as suspeitas que os in­ves­ti­ga­do­res po­li­ci­ais te­rão so­bre os con­tac­tos que man­te­ve com Sér­gio Azevedo. Já o de­pu­ta­do do PSD dis­se-nos que es­tá de cons­ci­ên­cia tran­qui­la, ten­do con­fir­ma­do que con­ti­nua sem ser cons­ti­tuí­do ar­gui­do no inqué­ri­to ou se­quer foi cha­ma­do a pres­tar qual­quer es­cla­re­ci­men­to após as bus­cas do­mi­ci­liá­ri­as de que foi al­vo – o con­teú­do do com­pu­ta­dor pes­so­al foi-lhe apre­en­di­do.

“Nun­ca o professor Jor­ge Ba­ce­lar Gou­veia me be­ne­fi­ci­ou (...). A sua con­du­ta co­mo professor e co­mo pes­soa é ina­ta­cá­vel. As no­tas que tive fo­ram fru­to do meu tra­ba­lho, do meu es­tu­do, do meu es­for­ço e do meu em­pe­nho”, res­pon­deu por es­cri­to. De­pois, ao te­le­fo­ne, o de­pu­ta­do con­fir­mou que “su­ge­riu” no PSD o no­me de Ba­ce­lar pa­ra pro­ve­dor de Justiça por­que “ele ti­nha es­sa von­ta­de” e o “cur­rí­cu­lo pa­ra tal”. Mas des­ta­cou que nem se­quer te­ve su­ces­so na in­fluên­cia que exer­ceu – “a es­co­lha foi ou­tra co­mo se viu”, con­cluiu.

En­tre os con­tac­tos ale­ga­da­men­te fei­tos por Sér­gio Azevedo so­bre es­te te­ma es­ta­rão, con­for­me cons­ta nas gra­va­ções da ope­ra­ção Tut­ti Frut­ti, con­ver­sas com o pró­prio Ba­ce­lar Gou­veia e com os so­ci­ais-de­mo­cra­tas Mar­co António Cos­ta e Luís Mon­te­ne­gro. E tam­bém com o an­te­ri­or e o ac­tu­al lí­der par­la­men­tar do PSD, res­pec­ti­va­men­te, Hu­go Soares e Fer­nan­do Ne­grão.

Es­ta ten­ta­ti­va de in­fluên­cia po­lí­ti­ca e o fac­to de Azevedo e Ba­ce­lar te­rem uma re­la­ção de alu­no-professor levaram os in­ves­ti­ga­do­res a con­si­de­ra­rem os te­le­fo­ne­mas pas­sí­veis de vi­rem a ser in­ves­ti­ga­dos den­tro do inqué­ri­to ou mes­mo num pro­ces­so au­tó­no­mo. Se­gun­do a SÁ­BA­DO apu­rou, a de­ci­são to­ma­da foi con­ser­var as suspeitas no pro­ces­so e só nu­ma fa­se mais avan­ça­da da in­ves­ti­ga­ção de­ci­dir o que fa­zer. Tu­do por­que, pa­ra já, os in­ves­ti­ga­do­res não têm mãos a me­dir na aná­li­se que es­tão a fa­zer a mi­lha­res de do­cu­men­tos re­co­lhi­dos em bus­cas em 12 au­tar­qui­as: Lis­boa; Pó­voa de Lanhoso; Es­po­sen­de; Bar­ce­los; Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão; Vi­la No­va de Gaia; Cin­fães; Santa Ma­ria da Fei­ra; Ma­ri­nha Gran­de; Go­le­gã; Ar­ru­da dos Vi­nhos; Cas­cais; Oei­ras; Lou­res; Fa­ro; e Pon­ta Del­ga­da. E tam­bém em 12 jun­tas de fre­gue­sia e du­as as­sem­blei­as mu­ni­ci­pais – Lis­boa e Lou­res.

Sér­gio Azevedo O de­pu­ta­do do PSD ga­ran­te que tem os trabalhos uni­ver­si­tá­ri­os pa­ra pro­var que nun­ca foi be­ne­fi­ci­a­do

Jor­ge Ba­ce­lar Gou­veia

O do­cen­te foi de­pu­ta­do do PSD e di­ri­giu a fis­ca­li­za­ção das se­cre­tas. Mas que­ria ser pro­ve­dor de Justiça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.