Ale­ma­nha

Até à cri­se dos re­fu­gi­a­dos era a “mut­ti”, a ma­mã dos ale­mães. Des­de en­tão, per­deu em po­pu­la­ri­da­dee vo­tos com o cres­ci­men­to da AfD. De­ci­diu que es­tá na ho­ra de ir sain­do.

Sábado - - SUMÁRIO -

Ber­lim e a Eu­ro­pa de­pois de 13 anos da “mut­ti Mer­kel” no po­der

Ao­po­si­ção in­ter­na no par­ti­do de cen­tro-di­rei­ta co­me­çou a cha­mar-lhe

“mut­ti”, ou ma­mã, co­mo um in­sul­to. Era a mãe­zi­nha, a mu­lher ba­nal. An­ge­la Mer­kel não gos­tou, mas os ale­mães sim e adop­ta­ram a al­cu­nha pa­ra a en­tão po­pu­lar lí­der da CDU (União De­mo­cra­ta-Cris­tã), des­de 2000 e chan­ce­ler a par­tir de 2005.

Mer­kel foi o oi­ta­vo chan­ce­ler após a 2ª Guer­ra Mun­di­al – e a pri­mei­ra mu­lher. A 29 de Ou­tu­bro anun­ci­ou que não se re­can­di­da­ta­rá à li­de­ran­ça da CDU (as elei­ções são em De­zem­bro), de­pois do pi­or re­sul­ta­do de sem­pre do par­ti­do nas re­gi­o­nais de Hes­se, no cen­tro do país. Es­tas con­fir­ma­ram a per­da de elei­to­res: em 2017 ti­nham si­do 2 mi­lhões. Ape­sar de se­rem car­gos in­de­pen­den­tes, em Ber­lim pre­vê-se que, daí até dei­xar de ser chan­ce­ler, se­rá um cur­tís­si­mo pas­so. “A Eu­ro­pa tem de se acos­tu­mar à ideia de que a Ale­ma­nha te­rá um no­vo chan­ce­ler em 2021 ou até an­tes”, ex­pli­cou à BBC o bió­gra­fo ofi­ci­al, Ste­fan Kor­ne­lius. No en­tan­to, acres­cen­tou o jornalista, “ela é uma fi­gu­ra do­mi­nan­te de po­der, ten­do em con­ta as cri­ses que es­tão a apa­re­cer – o Bre­xit não es­tar pron­to e Itá­lia a de­sa­fi­ar a co­e­são da Zo­na Eu­ro. Ela vai ser mui­to ne­ces­sá­ria”. E há quem, en­tre os seus an­ti­gos co­la­bo­ra­do­res, co­mo Wolf­gang Schäu­ble, te­nha di­fi­cul­da­de em de­fi­nir-lhe um subs­ti­tu­to na­tu­ral. “Na som­bra de uma gran­de ár­vo­re, a rel­va nem sem­pre cres­ce

QUEM LHE SU­CE­DE­RÁ? “NA SOM­BRA DE UMA GRAN­DE ÁR­VO­RE, A REL­VA NEM SEM­PRE CRES­CE TÃO BEM”

tão bem”, dis­se o seu an­ti­go mi­nis­tro das Fi­nan­ças e que li­de­ra o par­la­men­to ale­mão, o Bun­des­tag. Co­mo é que An­ge­la Do­rothea Mer­kel (pri­mei­ra ca­rac­te­rís­ti­ca dis­tin­ti­va na po­lí­ti­ca ale­mã: é uma mu­lher, di­vor­ci­a­da e re­ca­sa­da, sem fi­lhos), nas­ci­da em 1954 em Ham­bur­go (se­gun­da: é da Ale­ma­nha Ori­en­tal) e for­ma­da em Fí­si­ca e dou­to­ra­da em Quí­mi­ca Quân­ti­ca (uma ra­ri­da­de en­tre os po­lí­ti­cos ale­mães), se tor­nou nu­ma fi­gu­ra apa­ren­te­men­te in­subs­ti­tuí­vel no ta­bu­lei­ro eu­ro­peu e mun­di­al?

Ti­rar van­ta­gens do ba­nal

“Ela tem um ca­rác­ter que su­ge­re que é uma de nós”, ex­pli­cou Ka­trin Gö­ring-Ec­kardt, dos Ver­des, à New Yor­ker. Es­cre­via a re­vis­ta que Mer­kel tem “no seu dis­tan­ci­a­men­to ana­lí­ti­co e apa­ren­te­men­te sem ego” – tor­na­ram-se co­muns as co­la­gens dos fa­tos sem­pre iguais com ex­cep­ção da cor – “as su­as mai­o­res van­ta­gens po­lí­ti­cas”. Pou­co sen­ti­men­tal, des­cre­vem-na co­mo uma “má­qui­na de apren­di­za­gem”: a sua for­ma­ção ci­en­tí­fi­ca fez de­la a “me­lhor ana­lis­ta” e é ca­paz de an­te­ci­par ce­ná­ri­os, des­cre­via uma fon­te do to­po da ad­mi­nis­tra­ção ale­mã à mes­ma pu­bli­ca­ção.

Ca­çar com pa­ci­ên­cia

Quan­do ce­le­brou 50 anos, Mi­cha­el Glos, um po­lí­ti­co con­ser-

KHÖL SEN­TIU-SE ATRAIÇOADO POR MER­KEL. “O QUE É QUE ELA QUER?”, PER­GUN­TA­RAM-LHE: “PO­DER”

va­dor, pu­bli­cou um tri­bu­to que co­me­ça­va com um avi­so: “Cui­da­do, a des­pre­ten­são po­de ser uma ar­ma!” E An­ge­la Mer­kel era, na sua opi­nião, uma pe­ri­ta nes­te jo­go: “Ela sa­be co­mo li­dar com ho­mens vãos, que o me­lhor mo­men­to pa­ra ca­çar um ga­lo é quan­do es­tá a cor­te­jar uma ga­li­nha. (...) Com a pa­ci­ên­cia de um an­jo, ela aguar­da pe­lo seu mo­men­to.” No ca­so de Hel­mut Khöl foi uma década. O an­ti­go chan­ce­ler ale­mão, que adop­ta­ra Mer­kel co­mo sua pro­te­gi­da em 1990, con­fes­sar-se-ia uma ví­ti­ma des­ta sua se­de de caça. Em No­vem­bro de 1999, quan­do um es­cân­da­lo no fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas en­som­bra­va o par­ti­do, o seu no­me e do seu su­ces­sor, Wolfgäng Schäu­ble, Mer­kel fez o que nin­guém se atre­ve­ra: pe­diu a ca­be­ça do an­ti­go lí­der. Afas­ta­va-se dos no­mes no cen­tro do fu­ra­cão e lan­ça­va-se co­mo can­di­da­ta. É por is­so que quan­do, anos mais tar­de, per­gun­ta­ram a Khöl “o que é que ela quer?”, o de­ca­no po­lí­ti­co res­pon­deu sim­ples­men­te “po­der”.

Ter a con­fi­an­ça do mun­do

As­sim que Mer­kel anun­ci­ou que não se re­can­di­da­ta­ria, o con­se­lho editorial do New York Ti­mes

pu­bli­cou um ex­ten­so artigo com o tí­tu­lo “a Eu­ro­pa per­de um lí­der” e re­cor­dou a for­ça que foi con­quis­tan­do na po­lí­ti­ca ex­ter­na tan­to na União Eu­ro­peia, co­mo na NATO – in­cluin­do um pa­pel de mai­or re­le­vo mi­li­tar (e com um au­men­to pa­ra 2% do pro­du­to in­ter­no bru­to nes­ta des­pe­sa). E mos­trou-se uma eu­ro­peís­ta ao for­çar a apro­va­ção do Tra­ta­do de Lis­boa. Uma pes­qui­sa do Pew Re­se­ar­ch Cen­ter em 25 paí­ses re­ve­lou que 52% dos in­qui­ri­dos ma­ni­fes­ta­vam mais con­fi­an­ça em Mer­kel do que nos lí­de­res de Fran­ça, Rús­sia, Chi­na ou Es­ta­dos Uni­dos. “Ela da­va ga­ran­ti­as de que a Ale­ma­nha era o po­der de re­ser­va na Eu­ro­pa, com a qual qual­quer um po­dia con­tar”, dis­se Jan Te­chau, di­rec­tor pa­ra a Eu­ro­pa do Pla­no Marshal Ale­mão ao jor­nal nor­te-ame­ri­ca­no. Apre­sen­ta­va-se, sem re­cei­os, pe­ran­te lí­de­res co­mo o rus­so Vla­di­mir Putin, o chinês Xi Jin­ping ou o nor­te-ame­ri­ca­no Do­nald Trump.

Re­tó­ri­ca pró-Ale­ma­nha

Há se­te anos, era vis­ta nos es­ta­dos in­ter­ven­ci­o­na­dos pe­la troi­ka co­mo uma es­pé­cie de car­ras­co in­fle­xí­vel, critica o eco­no­mis­ta No­bel Jo­seph Sti­glitz ao

New York Ti­mes: “Ela es­te­ve no cen­tro do de­se­nho do fa­lha­do pro­gra­ma à Grécia, que não só impôs a aus­te­ri­da­de, mas mais im­por­tan­te, que re­sis­tiu à res­tru­tu­ra­ção da dí­vi­da de mo­do a sal­var os ban­cos ale­mães e fran­ce­ses.” Foi, re­cor­dou ao jor­nal a po­li­tó­lo­ga Aman­di­ne Crespy, “uma po­lí­ti­ca de frag­men­ta­ção en­tre o Nor­te e o Sul, en­tre os paí­ses de­ve­do­res e os cre­do­res”. Uma re­tó­ri­ca que fun­ci­o­nou pa­ra o elei­to­ra­do ale­mão, re­ce­o­so de que as su­as pou­pan­ças fos­sem usa­das pe­lo Sul. “Ela mu­dou a men­ta­li­da­de dos ale­mães de um mo­do mui­to feio”, diz Sti­glitz. “Po­dia ter re­for­mu­la­do a Zo­na Eu­ro. Is­so te­ria si­do li­de­ran­ça.”

Mos­trar emo­ções e fa­lhar

Tal­vez nun­ca a Ale­ma­nha te­nha ou­vi­do uma de­cla­ra­ção tão

MAIS DE ME­TA­DE DOS IN­QUI­RI­DOS EM 25 PAÍ­SES CON­FI­AM MAIS EM MER­KEL DO QUE NOU­TRO LÍ­DER

emo­ci­o­nal da fria e cal­ma Mer­kel co­mo a que dei­xou em Se­tem­bro de 2015, quan­do a cri­se dos re­fu­gi­a­dos já es­ta­va no au­ge. “Se te­mos de pedir des­cul­pa por mos­trar um ros­to ami­gá­vel nu­ma emer­gên­cia, en­tão es­te já não é o meu país.” A de­ci­são – pa­ra os gre­gos e italianos que aco­lhi­am mi­lha­res de mi­gran­tes vin­dos do Me­di­ter­râ­neo há me­ses – de aco­lher es­tas pes­so­as foi tal­vez o tes­te mais di­fí­cil dos qua­tro man­da­tos de Mer­kel, que te­ve de en­fren­tar o me­do de se­gu­ran­ça ge­ra­do na so­ci­e­da­de ale­mã e apro­vei­ta­do pe­lo par­ti­do de ex­tre­ma-di­rei­ta AfD – Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (que já é a ter­cei­ra for­ça po­lí­ti­ca). Ela já “não tem o po­der de 2014, quan­do ba­si­ca­men­te governava a Eu­ro­pa so­zi­nha”, diz Ste­fan Kor­ne­lius: “A ima­gem de ‘mut­ti’ de­sa­pa­re­ceu e é ago­ra uma fi­gu­ra po­la­ri­za­da, gra­ças à AfD e a ou­tros po­de­res po­lí­ti­cos que usa­ram a cri­se dos re­fu­gi­a­dos pa­ra vi­rar to­das as ar­mas con­tra ela. E is­so foi al­go que a en­fra­que­ceu”, con­clui o bió­gra­fo ofi­ci­al e jornalista.

Sa­ber quan­do sair?

h Por­que é que Mer­kel for­çou en­tão um ter­cei­ro man­da­to e não saiu an­tes das elei­ções de 2017, quan­do se con­fir­mou a per­da de for­ça elei­to­ral da CDU? “Te­ria si­do mui­to pe­ri­go­so” por­que Trump ti­nha aca­ba­do de ser elei­to, em Fran­ça de­cor­ria o con­fron­to en­tre Em­ma­nu­el Ma­cron e Ma­ri­ne Le Pen e a ame­a­ça do Bre­xit, dis­se Ste­fan Kor­ne­lius. “A chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel é a úl­ti­ma prova de que os po­lí­ti­cos são in­ven­cí­veis até dei­xa­rem de o ser. Ain­da há pou­co tem­po, era pos­sí­vel ima­gi­ná-la a pre­si­dir à Ale­ma­nha per­pe­tu­a­men­te”, lia-se na re­vis­ta Fo­reign Po­licy em No­vem­bro de 2017, quan­do as ne­go­ci­a­ções pa­ra uma co­li­ga­ção go­ver­na­ti­va tre­mi­am. E de fac­to nes­sa da­ta, a lí­der ale­mã era já mais du­ra­dou­ra no po­der do que os nor­te-ame­ri­ca­nos Ge­or­ge Bush, Ba­rack Oba­ma, os fran­ce­ses Ni­co­las Sar­kozy e Fran­çois Hol­lan­de ou o chinês Hu Jin­tao. Ago­ra, es­tá de saí­da. E, es­cre­veu o cor­res­pon­den­te do New York Ti­mes em Bru­xe­las, es­te fac­to cri­ou “um cer­to grau de pâ­ni­co no co­ra­ção da União Eu­ro­peia”, uma or­ga­ni­za­ção ca­da vez mais mar­ca­da pe­la as­cen­são de lí­de­res po­pu­lis­tas (Itá­lia, Hun­gria, Polónia). Res­ta, con­si­de­rou Jan Te­chau, Em­ma­nu­el Ma­cron, co­mo “o úl­ti­mo [lí­der] com um man­da­to forte” – mas com pou­ca ca­pa­ci­da­de pa­ra li­de­rar sem a Ale­ma­nha.

“ELA JÁ NÃO TEM O PO­DER DE 2014, QUAN­DO BA­SI­CA­MEN­TE GOVERNAVA SO­ZI­NHA”, DIZ O SEU BIÓ­GRA­FO

Co­mo se tor­nou tão po­de­ro­sa? “Por ser uma de nós”, ba­nal, diz uma ad­ver­sá­ria

Em quin­ze anos, An­ge­la Mer­kel viu sair Bush, Oba­ma, Sar­kozy, Jin­tao. Ago­ra, sai ela

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.