Ci­ên­cia

A uni­da­de-ba­se de mas­sa é de­fi­ni­da por um ci­lin­dro de pla­ti­na fe­cha­do num co­fre, em Pa­ris, que dei­xou de ser ri­go­ro­so. Ago­ra vai ser de­fi­ni­da por uma cons­tan­te fí­si­ca.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Su­sa­na Lú­cio

O qui­lo­gra­ma já não é o que era e vai mu­dar. Sai­ba co­mo

Oci­lin­dro es­tá guar­da­do a vá­cuo nu­ma cam­pâ­nu­la de vi­dro e den­tro de uma cai­xa-forte em Pa­ris. Pa­ra evi­tar que se de­gra­de, só é re­ti­ra­do a ca­da 40 anos. É gra­ças ao IPK – o pro­tó­ti­po in­ter­na­ci­o­nal do qui­lo­gra­ma – que po­de pedir um qui­lo­gra­ma de pe­ras em Lis­boa ou em Pa­ris e re­ce­ber a mes­ma qu­an­ti­da­de. Mas há dé­ca­das que os ci­en­tis­tas ve­ri­fi­ca­ram que o pro­tó­ti­po es­tá a per­der mas­sa e pro­cu­ram uma for­ma mais exac­ta de de­fi­nir a uni­da­de. E is­so vai acontecer já es­te mês. Va­mos por par­tes. Uma das se­te unidades-ba­se do Sis­te­ma In­ter­na­ci­o­nal é de­fi­ni­da pe­la mas­sa des­te ci­lin­dro de me­tal fei­to de pla­ti­na (90%) e irí­dio (10%), con­ce­bi­do em 1875 na Con­ven­ção do Me­tro. Nes­se ano, o IPK foi acei­te por 17 Es­ta­dos-mem­bros, in­cluin­do Por­tu­gal, co­mo a de­fi­ni­ção do qui­lo­gra­ma, e era con­si­de­ra­do estável. “Na al­tu­ra, a pla­ti­na iri­di­a­da era a li­ga mais estável e que so­fria me­nos fac­to­res de in­fluên­cia”, ex­pli­ca à SÁ­BA­DO Isa­bel Go­di­nho, di­rec­to­ra do De­par­ta­men­to de Me­tro­lo­gia do Ins­ti­tu­to Por­tu­guês da Qu­a­li­da­de. O IPK foi guar­da­do no Pa­vi­lhão de Bre­teuil, se­de do Bu­re­au In­ter­na­ti­o­nal Des Poids et Me­su­res (BIPM), em Pa­ris, e só é re­ti­ra­do pa­ra ser com­pa­ra­do com as seis có­pi­as ofi­ci­ais exis­ten­tes que por sua vez são usa­das pa­ra ca­li­brar os pro­tó­ti­pos en­tre­gues aos Es­ta­dos-mem­bros. “O aces­so ao IPK só é pos­sí­vel sob es­tri­ta su­per­vi­são do Co­mi­té In­ter­na­ci­o­nal de Pe­sos e Medidas, pa­ra evi­tar que ha­ja de­gra­da­ção, per­da de mas­sa ou de­po­si­ção de par­tí­cu­las, co­mo po­ei­ras. Tu­do afec­ta a mas­sa fi­nal do pro­tó­ti­po”, diz Isa­bel Go­di­nho. Des­de 1940 que os ci­en­tis­tas têm no­ta­do uma per­da de mas­sa, que atin­giu os 50 mi­cro­gra­mas. “Po­de não pa­re­cer sig­ni­fi­ca­ti­vo, mas quan­do se pre­ten­de efec­tu­ar me­di­ções de ele­va­da exac­ti­dão, no âm­bi­to da in­ves­ti­ga­ção, es­ta per­da é sig­ni­fi­ca­ti­va.” Pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma de­ci­di­ram de­fi­nir o qui­lo­gra­ma atra­vés da cons­tan­te de Planck, um pa­râ­me­tro da Fí­si­ca Quân­ti­ca. “As cons­tan­tes fí­si­cas fundamentais são imu­tá­veis no tem­po e no es­pa­ço, e os seus va­lo­res de­ter­mi­na­dos com a mai­or exac­ti­dão ob­ti­da até ho­je.”

Conferência a 13 de No­vem­bro

O va­lor da cons­tan­te de Planck pa­ra o qui­lo­gra­ma (6,626 070 15×10-34 J s) po­de ser ma­te­ri­a­li­za­do atra­vés de sis­te­mas ex­pe­ri­men­tais, co­mo a balança de Kib­ble. Mas co­mo são sis­te­mas mui­to com­ple­xos e ca­ros, o pro­tó­ti­po na­ci­o­nal vai man­ter-se, por ago­ra, co­mo o pa­drão da uni­da­de de mas­sa. “Es­ta­mos a de­sen­vol­ver es­for­ços no sen­ti­do de sen­si­bi­li­zar os nos­sos go­ver­nan­tes pa­ra a per­ti­nên­cia de im­ple­men­tar es­te sis­te­ma ex­pe­ri­men­tal.” A no­va de­fi­ni­ção se­rá vo­ta­da na Conferência Ge­ral de Pe­sos e Medidas, que vai re­a­li­zar-se en­tre os di­as 13 a 16 no Palácio de Con­gres­sos de Ver­sa­lhes, em Pa­ris. Mas não se pre­o­cu­pe: a de­ci­são não afec­ta­rá as ba­lan­ças em que pe­sa a fru­ta no su­per­mer­ca­do. “Es­ta al­te­ra­ção não se irá no­tar no nos­so dia-a-dia. Vai no­tar­se ape­nas ao ní­vel das me­di­ções de mai­or ri­gor e exac­ti­dão ou ao ní­vel dos la­bo­ra­tó­ri­os na­ci­o­nais de me­tro­lo­gia.”

“O ACES­SO AO IPK (PRO­TÓ­TI­PO DO QUI­LO­GRA­MA) SÓ É POS­SÍ­VEL SOB SU­PER­VI­SÃO, PA­RA EVI­TAR PER­DA DE MAS­SA”

O pro­tó­ti­po in­ter­na­ci­o­nal do qui­lo­gra­ma es­tá guar­da­do em Pa­ris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.