Aju­de-se a si mes­mo

Sábado - - OPINIÃO -

Ao fa­zer con­tac­tos pa­ra o te­ma de ca­pa des­ta se­ma­na, so­bre pou­par e ga­nhar di­nhei­ro, o jornalista Bru­no Fa­ria Lo­pes des­co­briu que há trabalhos jor­na­lís­ti­cos que aju­dam os lei­to­res e não só – aju­dam tam­bém quem escreve. Ou se­ja, per­ce­beu que já po­de­ria ter re­ne­go­ci­a­do o seu cré­di­to hi­po­te­cá­rio, que es­tá a des­cu­rar os in­cen­ti­vos da­dos pe­lo Fis­co pa­ra quem pede cer­tas fac­tu­ras e que já de­ve­ria ter mu­da­do de cartão de cré­di­to. De­pois de fei­to o tra­ba­lho que po­de ler a par­tir da pág. 38, fi­cou com ou­tro pa­ra fa­zer: apro­vei­tar es­tas fon­tes de pou­pan­ça anu­al, que são mui­to mais uma ques­tão de ati­tu­de do que de es­for­ço.

A ho­me­na­gem de Lia Ga­ma

A ac­triz Lia Ga­ma não gos­ta de en­tre­vis­tas. Foi adi­an­do o nos­so pe­di­do – e só ao fim de oi­to me­ses res­pon­deu que sim. A pro­xi­mi­da­de da es­treia de Rai­va, a 31 de Ou­tu­bro, foi cru­ci­al. De­via ter con­tra­ce­na­do com o seu ami­go Ni­co­lau Brey­ner, que mor­reu pou­co an­tes do iní­cio da ro­da­gem, em Mar­ço de 2016.

Rai­va é tam­bém uma ho­me­na­gem ao ac­tor – o seu pa­pel, ma­ri­do da per­so­na­gem de Lia, foi su­pri­mi­do. A ac­triz afir­mou à jornalista Su­sa­na Lú­cio, na en­tre­vis­ta de vi­da que po­de ler a par­tir da pág. 74, que as fil­ma­gens fo­ram mui­to di­fí­ceis: “Per­gun­ta­va-me sem­pre: ‘Co­mo é que o Ni­co fa­ria is­so?’ A pre­sen­ça de­le em mim es­te­ve sem­pre lá.”

Da Net­flix pa­ra o Alen­te­jo

O pri­mei­ro con­tac­to com Nar­tan, dis­cí­pu­la do gu­ru Osho, foi fei­to pe­lo Fa­ce­bo­ok, a 14 de Se­tem­bro. O en­con­tro com a jornalista Ra­quel Li­to só acon­te­ceu se­ma­nas de­pois. O pon­to de en­con­tro foi nu­ma chur­ras­quei­ra em São Te­o­tó­nio, on­de ela e o com­pa­nhei­ro Ha­ri­da fo­ram bus­car a jornalista e a fo­tó­gra­fa Ma­ri­sa Car­do­so pa­ra que os se­guis­sem até ca­sa de­les, em Pomar da Ser­ra, um es­con­de­ri­jo de 33 hec­ta­res en­tre os mon­tes alen­te­ja­nos, ao fim de mui­tas cur­vas en­tre ri­ban­cei­ras. Du­ran­te três ho­ras, Nar­tan re­vi­veu os tem­pos do mo­vi­men­to re­tra­ta­do na sé­rie do­cu­men­tal da Net­flix Wild Wild Coun­try – que achou re­du­to­ra. A re­por­ta­gem que po­de ler a par­tir da pág. 80 fi­na­li­zou com um pe­que­no e ines­pe­ra­do re­ci­tal de Ha­ri­da, per­cus­si­o­nis­ta, nu­ma ka­lim­ba, um ins­tru­men­to afri­ca­no.

Uma su­ces­são de in­jus­ti­ças

O que é que a me­mó­ria re­tém dos momentos mais dra­má­ti­cos? O sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça. Foi is­so que o edi­tor-exe­cu­ti­vo Car­los Torres ou­viu, re­pe­ti­da­men­te, ao es­cu­tar os pro­ta­go­nis­tas do artigo so­bre as equi­pas que es­ti­ve­ram qua­se a su­bir à I Di­vi­são do fu­te­bol. Fa­la­ram-lhe de “fal­tas não as­si­na­la­das”, de “golos em fo­ra de jo­go”, de “cor­rup­ção a sé­rio”. Só de­pois, even­tu­al­men­te, ou­viu a ad­mis­são de “cul­pas pró­pri­as”, “er­ros” e “aza­res”. Leia a par­tir da pág. 90 as me­mó­ri­as de fi­gu­ras de cam­pe­o­na­tos com fi­nais emo­ci­o­nan­tes e dra­má­ti­cos (al­guns, com 80 anos, só fo­ram des­co­ber­tos de­pois de mais de uma de­ze­na de te­le­fo­ne­mas).

A en­tre­vis­ta com Nar­tan, dis­cí­pu­la de Osho, no re­fú­gio de Pomar da Ser­ra, São Te­o­tó­nio

Lia Ga­ma es­co­lheu, pa­ra a SÁ­BA­DO, al­gu­mas fo­tos mar­can­tes da sua vi­da e da sua car­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.