A ilu­são pe­ri­go­sa de Sér­gio Moro

Sábado - - DO DIRECTOR -

Ojuiz bra­si­lei­ro Sér­gio Moro de­ci­diu acei­tar o con­vi­te de Jair Bol­so­na­ro pa­ra ser uma es­pé­cie de su­per­mi­nis­tro da Justiça e Se­gu­ran­ça In­ter­na. Pri­mei­ro equí­vo­co: um juiz po­de ser mi­nis­tro da Justiça mas di­fi­cil­men­te po­de­rá apor­tar qual­quer coi­sa re­le­van­te pa­ra a área da se­gu­ran­ça que não se­ja um res­pei­to acres­ci­do pe­los di­rei­tos hu­ma­nos. Du­vi­da-se que se­ja is­so que Bol­so­na­ro quer do seu mi­nis­tro res­pon­sá­vel pe­la se­gu­ran­ça. Aguar­da-se pa­ra ver a re­ac­ção de Moro da pri­mei­ra vez que se su­ce­de­rem as mor­tes nas ru­as do Rio de Ja­nei­ro, de São Pau­lo ou em qual­quer ou­tro sí­tio, na ba­se da pu­ra vin­gan­ça pri­va­da e de uma justiça tipo Mar­vel, de olho por olho, den­te por den­te. A cons­ci­ên­cia mo­ral e ju­rí­di­ca do juiz Moro re­sis­ti­rá ao prag­ma­tis­mo do mi­nis­tro Moro!? De­pois, Moro po­de até acre­di­tar que a sua en­tra­da no Go­ver­no le­va as­su­mi­da­men­te uma agen­da an­ti­cor­rup­ção mas is­so, só por si, não ga­ran­te que es­sa ve­nha a ser a prá­ti­ca do Go­ver­no de Bol­so­na­ro. E aí es­tá o se­gun­do equí­vo­co: co­mo po­de Moro le­var uma agen­da an­ti­cor­rup­ção a um Go­ver­no que vai jun­tar o Am­bi­en­te e a Agri­cul­tu­ra, ce­den­do aos gran­des in­te­res­ses agrá­ri­os do Bra­sil!? Ou co­mo po­de es­sa agen­da ma­ni­fes­tar-se num Go­ver­no que, no es­sen­ci­al, ten­ci­o­na subs­ti­tuir gru­pos de in­fluên­cia eco­nó­mi­ca na con­du­ção dos des­ti­nos dos gran­des gi­gan­tes da eco­no­mia es­ta­ti­za­da, co­mo a Pe­tro­bras!?

Por fim, que agen­da an­ti­cor­rup­ção re­sis­ti­rá à gi­gan­tes­ca des­con­fi­an­ça ge­ra­da por Moro ao acei­tar o con­vi­te de Bol­so­na­ro? Moro co­lo­cou-se nu­ma bar­ri­ca­da da bru­tal­men­te po­la­ri­za­da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra e, com is­so, abriu ca­mi­nho a que to­das as su­as de­ci­sões an­te­ri­o­res se­jam ques­ti­o­na­das, pro­du­zin­do um da­no re­pu­ta­ci­o­nal na Ope­ra­ção La­va Ja­to de que es­ta di­fi­cil­men­te re­cu­pe­ra­rá. A sua en­tra­da no Go­ver­no po­de até ser bem re­ce­bi­da pe­los mer­ca­dos bol­sis­tas, mas in­qui­nou a cre­di­bi­li­da­de do cha­ma­do “ju­di­ciá­rio” no Bra­sil. Por fim, o que dis­tin­gui­rá Moro de Lu­la as­sim que sur­gi­rem os pri­mei­ros e ine­vi­tá­veis ca­sos de cor­rup­ção no seu Go­ver­no, num país que fez da di­ta cor­rup­ção uma for­ma de go­ver­no!? Vai re­fu­gi­ar-se na vi­ti­mi­za­ção? Vai agi­tar o fan­tas­ma do ini­mi­go ex­ter­no? Vai cap­tu­rar o mun­do po­lí­ti­co à sua vol­ta pa­ra afir­mar a su­pre­ma­cia mo­ral de uma es­pé­cie de pu­re­za ori­gi­ná­ria? A ilu­são de Moro é um pe­ri­go bru­tal pa­ra ele pró­prio e pa­ra a justiça bra­si­lei­ra. Moro não é Fal­co­ne ou Bor­sel­li­no, gi­gan­tes uni­ver­sais da lu­ta pe­lo Es­ta­do de di­rei­to. Nem se­quer che­ga aos cal­ca­nha­res de An­to­nio Di Pi­e­tro que pôs ter­mo à sua car­rei­ra de juiz pa­ra ini­ci­ar uma vi­da po­lí­ti­ca e cí­vi­ca quan­do caiu a I Re­pú­bli­ca em Itá­lia, não por cau­sa de magistrados jus­ti­cei­ros, mas por ac­ção de uma clas­se po­lí­ti­ca pro­fun­da­men­te cor­rup­ta, que as­sas­si­nou mui­tos le­ais ser­vi­do­res do Es­ta­do e ata­cou os fun­da­men­tos do Es­ta­do de di­rei­to.

O Alen­te­jo que nun­ca mor­re

O ci­ne­as­ta Sér­gio Tré­faut per­gun­tou-se que gran­des li­vros exis­tem so­bre o Alen­te­jo quan­do co­me­çou a adap­tar o imor­tal Se­a­ra de Ven­to, de Ma­nu­el da Fon­se­ca. Es­co­lheu mui­to bem a gran­de obra do mes­tre de San­ti­a­go do Ca­cém, mas abriu ca­mi­nho pa­ra um de­ba­te fas­ci­nan­te e in­ter­mi­ná­vel. Es­se Alen­te­jo que nun­ca mor­re, da re­sis­tên­cia à ini­qui­da­de e à so­ber­ba de qual­quer po­der, re­tra­ta­do na po­de­ro­sa de­fe­sa da con­di­ção hu­ma­na dei­xa­da por Ma­nu­el da Fon­se­ca em to­da a sua obra, es­tá tam­bém no be­lís­si­mo Le­van­ta­do do Chão , de Saramago, no Alen­te­jo É San­gue ,do es­que­ci­do Antunes da Sil­va, n’O Pão Não Cai do Céu, de Jo­sé Rodrigues Mi­guéis, nas obras mo­nu­men­tais de Mário Ven­tu­ra e de Ur­ba­no Ta­va­res Rodrigues, en­tre ou­tros. Não es­que­cen­do a po­e­sia de Eu­gé­nio de An­dra­de, Tor­ga ou Ale­gre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.