MAX FER­CON­DI­NI “Foi no mar que en­con­trei o meu es­ti­lo de vi­da”

Com uma car­rei­ra con­so­li­da­da na Glo­bo des­de os 14 anos, o ac­tor de­ci­diu “dar um tem­po” pa­ra ve­le­jar. Em Ou­tu­bro de 2017 par­tiu de Bar­ce­lo­na, há qua­tro me­ses atra­cou em Lis­boa e vai con­ti­nu­ar no mar nos pró­xi­mos três ou qua­tro anos.

Sábado - - ASEMANA - Por Sónia Ben­to

De­pois de vo­ar pe­lo Bra­sil num mo­no­mo­tor e de ter per­cor­ri­do a Amé­ri­ca do Sul nu­ma au­to­ca­ra­va­na, Max Fer­con­di­ni de­ci­diu co­nhe­cer no­vos ho­ri­zon­tes por mar. Com­prou um ve­lei­ro e há um ano que an­da a ve­le­jar. Em Lis­boa há qua­tro me­ses, o ac­tor bra­si­lei­ro, de 33 anos – que en­trou em no­ve­las co­mo Pá­gi­nas da

Vi­da e Vi­ver a Vi­da, trans­mi­ti­das na SIC – es­tá a ado­rar a ci­da­de e até se en­con­trou com António Cos­ta. A se­guir na­ve­ga­rá pe­lo rio Dou­ro até ao Porto e pre­ten­de pas­sar o In­ver­no em Mar­ro­cos. Es­ta ex­pe­di­ção de­ve­rá ter­mi­nar em Is­tam­bul, na Turquia, mas ain­da não sa­be quan­do.

Co­mo é o ve­lei­ro que com­prou pa­ra es­ta aven­tu­ra?

Com­prei o bar­co em Bar­ce­lo­na, em Ou­tu­bro do ano pas­sa­do, e vim a ve­le­jar com ele pa­ra cá. O ve­lei­ro é um North Wind de 13 me­tros, com três ca­bi­nes (quar­tos), du­as ca­sas de ba­nho, co­zi­nha com­ple­ta com fri­go­ser rí­fi­co, con­ge­la­dor, mi­cro­on­das e fo­gão. Te­nho aque­ci­men­to em to­das as ca­bi­nas e tam­bém ar con­di­ci­o­na­do cen­tral. Ago­ra es­tou a ins­ta­lar pai­néis so­la­res e uma bo­bi­na eó­li­ca pa­ra ge­rar ener­gia sus­ten­tá­vel.

Quan­do par­tiu de Bar­ce­lo­na?

Foi a 15 de Ja­nei­ro e de Bar­ce­lo­na na­ve­guei com des­ti­no a Lis­boa. Pas­sei por to­da a cos­ta sul de Es­pa­nha, pe­lo Es­trei­to de Gi­bral­tar, até che­gar ao Algarve e su­bir a cos­ta de Por­tu­gal até aqui.

Qual é o seu iti­ne­rá­rio?

A se­guir na­ve­ga­rei pe­lo Me­di­ter­râ­neo até Is­tam­bul. Pas­sa­rei no­va­men­te pe­la cos­ta de Es­pa­nha e de­pois pe­la Fran­ça, Itá­lia, Croá­cia, Grécia e, fi­nal­men­te, Turquia. O meu pla­no ini­ci­al era fa­zer a vi­a­gem en­tre Lis­boa e Is­tam­bul num ano e meio, mas de­vi­do a im­pre­vis­tos e con­di­ções me­te­o­ro­ló­gi­cas, tive de rever o tem­po da vi­a­gem. Na ver­da­de, es­tou en­can­ta­do com es­se es­ti­lo de vi­da que dei­xou de ape­nas um pro­jec­to de um pro­gra­ma pa­ra se tor­nar o meu es­ti­lo de vi­da. Vou ve­le­jar pe­lo Me­di­ter­râ­neo nos pró­xi­mos três ou qua­tro anos.

Com que ob­jec­ti­vo par­tiu pa­ra es­ta vi­a­gem?

Es­ta é a ter­cei­ra ex­pe­di­ção que fa­ço. A pri­mei­ra foi a vo­ar num mo­no­mo­tor pe­lo Bra­sil (sou pi­lo­to pri­va­do de aviões tam­bém) e na se­gun­da per­cor­ri as es­tra­das da Amé­ri­ca do Sul num mo­torho­me (au­to­ca­ra­va­na). De­pois de ter vi­a­ja­do pe­los céus e pe­la ter­ra, de­ci­di que o mar se­ria uma boa pro­pos­ta pa­ra co­nhe­cer no­vos ho­ri­zon­tes.

Co­mo é um dia nor­mal no bar­co?

Quan­do es­tou a na­ve­gar acor­do às 4h da ma­nhã e pre­pa­ro o bar­co pa­ra zar­par. Afas­to-me da cos­ta e, às 5h30, li­go o pi­lo­to au­to­má­ti­co e o ra­dar e co­lo­co o des­per­ta­dor pa­ra me acor­dar a ca­da 15 mi­nu­tos, en­quan­to o bar­co na­ve­ga. Es­sa é uma prá­ti­ca co­mum pa­ra quem ve­le­ja

“Apa­nhei on­das de três me­tros no Me­di­ter­râ­neo que me des­gas­ta­ram emo­ci­o­nal­men­te”

so­zi­nho co­mo eu. Nes­ses in­ter­va­los de so­no, acor­do pa­ra ve­ri­fi­car se es­tou a se­guir o ru­mo cer­to e se não há na­da à fren­te que pos­sa ser um pe­ri­go pa­ra a em­bar­ca­ção. Às 11h le­van­to-me, fa­ço um ca­fé da ma­nhã, pre­pa­ro o al­mo­ço e de­di­co-me a es­cre­ver no­vos pa­rá­gra­fos do meu pró­xi­mo li­vro (o pri­mei­ro es­cre­vi so­bre a vi­a­gem de mo­torho­me que fiz pe­la Amé­ri­ca do Sul). Ao cair da noi­te, pro­cu­ro um porto ou ma­ri­na ou uma baía ou en­se­a­da pa­ra des­can­sar. Ge­ral­men­te fa­ço per­nas de na­ve­ga­ção de 12 a 17 ho­ras. Não mais do que is­so.

Quan­do es­tá an­co­ra­do, o que faz?

Aí a ro­ti­na é a ma­nu­ten­ção do ve­lei­ro (há sem­pre al­gu­ma coi­sa pa­ra con­ser­tar) ou pe­go na mi­nha bi­ci­cle­ta eléc­tri­ca e si­go até um pon­to tu­rís­ti­co e his­tó­ri­co da ci­da­de.

Co­mo são as su­as re­fei­ções?

A na­ve­gar ou pa­ra­do fa­ço uma ali­men­ta­ção le­ve. Co­mo mui­tas sa­la­das que pre­pa­ro no pró­prio bar­co ou qual­quer ou­tro tipo de co­mi­da fá­cil de fa­zer: mas­sa ou ri­so­to.

É can­sa­ti­vo? Qual é o seu re­cor­de de ho­ras a ve­le­jar?

Co­mo o ve­lei­ro es­tá sem­pre em mo­vi­men­to en­quan­to na­ve­go, sin­to que o corpo es­tá a tra­ba­lhar a to­do o mo­men­to. Ao fim do dia sin­to-me can­sa­do sim, mas mui­to re­a­li­za­do por fa­zer o que gosto. Co­mo te­nho fei­to na­ve­ga­ção cos­tei­ra, o tre­cho mais lon­go foi de 17 ho­ras en­tre Sa­gres, no Algarve, e Lis­boa. Lem­bro-me de che­gar à ma­ri­na e es­tar an­si­o­so por pi­sar ter­ra. Mas vol­tei pa­ra o bar­co pa­ra jan­tar e dor­mir em­ba­la­do pe­lo ba­lan­ço da água.

Nos tem­pos mor­tos, o que faz? Pen­sa, lê, ou­ve mú­si­ca, fa­la so­zi­nho, me­di­ta…

Ou­ço mui­ta mú­si­ca en­quan­to ve­le­jo. Gosto de es­cu­tar os ar­tis­tas lo­cais dos paí­ses que vi­si­to, mas não dei­xo de matar a sau­da­de do Bra­sil com nos­sa boa MPB. Apro­vei­to o tem­po en­tre um des­ti­no e ou­tro pa­ra ler e pa­ra es­cre­ver o meu diá­rio de bor­do. Quan­do es­tá sol vou pa­ra a proa bron­ze­ar-me e ad­mi­rar a pai­sa­gem. Às ve­zes ve­jo gol­fi­nhos a acom­pa­nhar o ve­lei­ro e pás­sa­ros que se apro­xi­mam pa­ra matar a cu­ri­o­si­da­de. Ain­da não vi ba­lei­as, mas es­tou lou­co pa­ra en­con­trá-las.

As re­des so­ci­ais ali­vi­am a so­li­dão?

Sem dú­vi­da! Te­nho in­te­ra­gi­do mui­to com as pes­so­as que me es­cre­vem atra­vés do Ins­ta­gram. É um alen­to re­ce­ber o ca­ri­nho dos que acom­pa­nham es­sa vi­a­gem co­mi­go. Ou­vir pa­la­vras de apoio e ca­ri­nho mo­ti­vam-me a se­guir em fren­te e a con­ti­nu­ar a par­ti­lhar o meu dia-a-dia.

Es­tá a es­cre­ver um li­vro so­bre es­ta ex­pe­ri­ên­cia?

Eu ima­gi­na­va es­cre­ver um li­vro ape­nas quan­do ter­mi­nas­se a vi­a­gem. Mas co­mo já pas­sei por

“Que­ria mui­to na­ve­gar no rio Te­jo, de on­de par­ti­ram os gran­des na­ve­ga­do­res por­tu­gue­ses”

mui­tas bo­as aven­tu­ras, de­ci­di que vou pu­bli­car um pri­mei­ro li­vro que con­ta co­mo tem si­do a ex­pe­ri­ên­cia nes­te pri­mei­ro ano a vi­ver a bor­do.

Es­tá em Lis­bóp­ti­ma, co­mo diz, des­de Ju­lho. É a pri­mei­ra vez?

Co­nhe­ci Lis­boa e ou­tras ci­da­des em 2008, mas de lá pa­ra cá mui­ta coi­sa mu­dou. De­ci­di vir pa­ra Por­tu­gal, por­que que­ria mui­to na­ve­gar no rio Te­jo, de on­de par­ti­ram os gran­des na­ve­ga­do­res co­mo Vasco da Ga­ma, Pe­dro Ál­va­res Ca­bral ou Fer­não de Ma­ga­lhães. O meu fo­co nes­ta ex­pe­di­ção são as his­tó­ri­as que mol­da­ram o mun­do co­mo o co­nhe­ce­mos nos di­as de ho­je e, sem dú­vi­da, os por­tu­gue­ses e ou­tros po­vos do Me­di­ter­râ­neo fo­ram os gran­des pre­cur­so­res da ex­plo­ra­ção do pla­ne­ta.

Es­ta­va pre­vis­to fi­car tan­to tem­po em Por­tu­gal?

Che­guei pa­ra fi­car qua­tro se­ma­nas e já es­tou cá há qua­tro me­ses. Sin­to-me mui­to bem com o po­vo por­tu­guês.

O que mais o im­pres­si­o­nou aqui?

Vim pa­ra Lis­boa com o ob­jec­ti­vo de na­ve­gar pe­lo rio Te­jo. Gos­tei de ad­mi­rar o Pa­drão dos Des­co­bri­men­tos e a Tor­re de Be­lém. Fui ou­vir fa­do em Al­fa­ma e pu­de apro­vei­tar um pou­co da vi­da noc­tur­na no Prín­ci­pe Re­al. Ain­da te­nho vi­si­ta mar­ca­da pa­ra co­nhe­cer o Mu­seu da Ma­ri­nha. Tam­bém es­ti­ve três noi­tes an­co­ra­do en­tre o Por­ti­nho da Ar­rá­bi­da e a Ri­bei­ra do Ca­va­lo e fi­quei im­pres­si­o­na­do com tan­ta be­le­za.

Há di­as es­te­ve com António Cos­ta e pu­bli­cou a fo­to no Ins­ta­gram. Co­mo é que foi o en­con­tro?

Es­tá­va­mos en­tre ami­gos no Prín­ci­pe Re­al e o dr. António Cos­ta ia a pas­sar, acom­pa­nha­do por al­guns as­ses­so­res. O Thi­a­go Rodrigues [ac­tor bra­si­lei­ro que es­tá em Por­tu­gal a gra­var a no­ve­la Va­lor da Vi­da ,da TVI] re­co­nhe­ceu-o e cha­mou-o. Ele foi su­pe­ra­ten­ci­o­so e nós não pou­pá­mos elogios a Por­tu­gal. Um dos as­ses­so­res re­co­nhe­ceu-nos e is­so des­per­tou a cu­ri­o­si­da­de do pri­mei­ro-mi­nis­tro. Ex­pli­quei-lhe que es­ta­va a mo­rar num bar­co e con­vi­dei-o pa­ra co­nhe­cer – uma for­ma sim­pá­ti­ca de mos­trar a boa vi­zi­nhan­ça dos ve­le­ja­do­res que ado­ram re­ce­ber as pes­so­as nos seus bar­cos. Foi um en­con­tro ca­su­al, mas mui­to agra­dá­vel.

As pes­so­as re­co­nhe­cem-no aqui?

Mui­to. Fi­co im­pres­si­o­na­do e fe­liz com a for­ma ca­ri­nho­sa co­mo nós, ac­to­res bra­si­lei­ros, somos aco­lhi­dos aqui. Mui­tos lem­bram-se dos meus pri­mei­ros trabalhos na TV e pe­dem pa­ra re­gis­tar o en­con­tro com fo­to ou ví­deo.

Nes­tes me­ses to­dos a ve­le­jar, nun­ca sen­tiu me­do?

Não. Mas já apa­nhei mares for­tes e on­das de três me­tros no Me­di­ter­râ­neo que me de­ram mui­to tra­ba­lho e que me des­gas­ta­ram emo­ci­o­nal­men­te. Quan­do se en­fren­ta o mar com in­ten­si­da­de per­ce­be-se quão frá­geis e im­po­ten­tes somos pe­ran­te a Na­tu­re­za.

Diz que des­co­briu que é no mar que se sen­te fe­liz. Pre­ten­de vi­ver no bar­co pa­ra sem­pre?

Te­nho con­si­de­ra­do es­sa possibilidade. Vi­ver no mar é um es­ti­lo de vi­da sem igual. O con­ví­vio com ou­tros ve­le­ja­do­res na ma­ri­na tam­bém me en­can­ta mui­to. Quem an­da no mar, es­tá em bus­ca de apro­vei­tar e vi­ver a vi­da com sim­pli­ci­da­de.

Co­mo pô­de fi­nan­cei­ra­men­te fa­zer uma pau­sa na sua car­rei­ra pa­ra es­ta aven­tu­ra?

Tra­ba­lho des­de os 14 anos. No ano pas­sa­do or­ga­ni­zei-me pa­ra po­der fi­car um tem­po a vi­ver só dos meus in­ves­ti­men­tos. Um dia te­rei de me fi­xar nal­gum lu­gar só pa­ra po­der ter mais al­gu­ma fon­te de ren­di­men­to, mas te­nho uma cer­te­za pa­ra já: não vou sair do bar­co tão cedo.

De­ci­diu “dar um tem­po” às no­ve­las?

Sim. Fo­ram mui­tos anos a vi­ver per­so­na­gens na fic­ção. Ho­je acre­di­to ser mais in­te­res­san­te re­pre­sen­tar o meu pró­prio per­so­na­gem.

De que é que tem mais sau­da­des?

Da fa­mí­lia e dos ami­gos. Tam­bém te­nho mui­tas sau­da­des de vo­ar. Ain­da te­nho um mo­no­mo­tor que uti­li­zo pa­ra la­zer, quan­do es­tou no Bra­sil. Mas ul­ti­ma­men­te quem tem vo­a­do mais é a mi­nha mãe. Ela é mé­di­ca re­for­ma­da e ti­rou a carta de pi­lo­to aos 60 anos. Ho­je com 63 faz acro­ba­ci­as aé­re­as. Co­mo diz o di­ta­do: “O fru­to não cai lon­ge da ár­vo­re.” Tive a quem pu­xar.

Há ca­da vez mais ac­to­res bra­si­lei­ros a tra­ba­lhar em Por­tu­gal. Co­lo­ca es­sa hi­pó­te­se?

Não des­car­to a possibilidade. Mas ago­ra es­tou fo­ca­do em ve­le­jar e se­guir a mi­nha ex­pe­di­ção. Tal­vez, no fim da vi­a­gem, vol­te pa­ra pas­sar mais tem­po.

O que es­pe­ra do Pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro?

Es­pe­ro que a Cons­ti­tui­ção se­ja res­pei­ta­da e que as di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas não aca­bem em vi­o­lên­cia. No Bra­sil es­tão to­dos com os ner­vos à flor da pe­le, mas de­se­jo que os âni­mos se acal­mem com o pas­sar dos me­ses. Que a opo­si­ção ao Go­ver­no do Bol­so­na­ro fa­ça a sua par­te em co­brá-lo por um Go­ver­no jus­to e que ele te­nha a cons­ci­ên­cia de go­ver­nar o país de ma­nei­ra igua­li­tá­ria e jus­ta com to­dos.

Max Fer­con­di­ni fi­cou co­nhe­ci­do em Por­tu­gal em no­ve­las co­mo Pá­gi­nas da Vi­da (trans­mi­ti­da ago­ra no ca­nal da Glo­bo) e Vi­ver a Vi­da

O ac­tor bra­si­lei­ro en­con­trou o pri­mei­ro-mi­nis­tro António Cos­ta, no Prín­ci­pe Re­al, em Lis­boa, e es­ti­ve­ram à con­ver­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.