Gre­ve e le­gi­ti­mi­da­de dos juí­zes

Sábado - - CRÓNICA -

A HIS­TÓ­RIA, SE­GUN­DO É CON­TA­DA,TERÁSIDOASSIM:

du­ran­te o Pe­río­do Re­vo­lu­ci­o­ná­rio Em Cur­so (PREC), no an­ti­go Tri­bu­nal da Boa Ho­ra, em Lis­boa, te­rá de­cor­ri­do uma reu­nião en­tre juí­zes e mi­li­ta­res. A cer­ta al­tu­ra, um dos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os per­gun­tou: “De on­de vem a le­gi­ti­mi­da­de dos juí­zes?” A per­gun­ta, ob­vi­a­men­te re­vo­lu­ci­o­ná­ria, te­rá pro­vo­ca­do um so­bres­sal­to na clas­se dos magistrados, pa­ra quem tal dis­cus­são es­ta­va mais do que ul­tra­pas­sa­da. Qua­ren­ta e qua­tro anos de­pois, os juí­zes, em co­e­rên­cia, con­ti­nu­am a pen­sar o mes­mo, mas o fac­to é que a ques­tão es­tá tu­do me­nos ul­tra­pas­sa­da, ain­da por ci­ma quan­do o di­rei­to à gre­ve é re­cla­ma­do por ti­tu­la­res de um ór­gão de so­be­ra­nia. Nos úl­ti­mos anos, os juí­zes têm con­se­gui­do vi­ver num cu­ri­o­so equi­lí­brio en­tre ti­tu­la­res de ór­gão de so­be­ra­nia (os tribunais) e sim­ples fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do. Quan­do é pa­ra re­cla­mar mais in­de­pen­dên­cia e res­pei­to ins­ti­tu­ci­o­nal, são ti­tu­la­res de um ór­gão de so­be­ra­nia. Quan­do se dis­cu­tem ques­tões mais mun­da­nas, co­mo sa­lá­ri­os, aí com­por­tam-se co­mo fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do, re­cla­man­do um di­rei­to à gre­ve, fal­tan­do-lhes ape­nas um Mário Nogueira pa­ra, con­sis­ten­te­men­te, li­de­rar a jor­na­da de lu­ta.

Os juí­zes até po­dem ter ra- zão de quei­xa, mas não po­dem pre­ten­der o me­lhor de dois mun­dos. E se­ria útil que a pró­pria As­so­ci­a­ção Sin­di­cal des­se um pas­so no sen­ti­do de, an­tes de re­cla­mar me­lho­res sa­lá­ri­os e con­di­ções de tra­ba­lho, avan­ças­se com pro­pos­tas de mais trans­pa­rên­cia e re­for­ço da le­gi­ti­mi­da­de jun­to dos ci­da­dãos. Já que os tribunais ad­mi­nis­tram a justiça “em no­me do po­vo”, não te­rá o po­vo di­rei­to de sa­ber co­mo é que es­sa ad­mi­nis­tra­ção é fei­ta? Mas sa­ber em con­cre­to e não ape­nas com ge­ne­ra­li­da­des. Ad­mi­nis­trar a justiça “em no­me do po­vo” não é ter em sua pos­se uma pro­cu­ra­ção em bran­co. É pres­tar con­tas efec­ti­vas. Por exem­plo, com a pu­bli­ci­da­de dos re­la­tó­ri­os de ins­pec­ção. Uma cur­ta vi­si­ta à pá­gi­na do Con­se­lho Su­pe­ri­or da Ma­gis­tra­tu­ra re­ve­la que um “juiz x” foi ins­pec­ci­o­na­do e clas­si­fi­ca­do com “Mui­to Bom”. O que, em si, não é novidade. Por­que, ten­do em con­ta os re­sul­ta­dos das ava­li­a­ções, ac­tu­al­men­te há mais ga­lác­ti­cos no corpo de magistrados ju­di­ci­ais por­tu- gue­ses do que no Re­al Ma­drid: em 2017, 88% dos juí­zes fo­ram clas­si­fi­ca­dos com “Mui­to Bom”. Que equipa! Não te­rão os ci­da­dãos di­rei­to a sa­ber co­mo es­tá clas­si­fi­ca­do o juiz da sua co­mar­ca e de que for­ma ob­te­ve es­sa clas­si­fi­ca­ção? E não te­rão di­rei­to a sa­ber se es­se juiz al­gu­ma vez foi condenado em se­de de pro­ces­so dis­ci­pli­nar? Em vez de nú­me­ros ge­né­ri­cos, co­mo aque­le dos 88%, não te­rão di­rei­to os ci­da­dãos a as­pec­tos mais con­cre­tos so­bre o tra­ba­lho dos juí­zes? Já que o mo­de­lo cons­ti­tu­ci­o­nal não pre­vê uma le­gi­ti­mi­da­de di­rec­ta, os juí­zes têm de, pe­la sua ini­ci­a­ti­va, pro­cu­rar me­ca­nis­mos de re­for­ço da le­gi­ti­mi­da­de jun­to dos ci­da­dãos. Têm de pedir des­cul­pa quan­do er­ram e não se agar­ra­rem aos for­ma­lis­mo do “sis­te­ma de re­cur­sos” que, na sua per­fei­ção teó­ri­ca, ser­vi­rá pa­ra cor­ri­gir os er­ros; têm que evi­tar o trânsito en­tre tribunais e car­gos de no­me­a­ção po­lí­ti­ca, sob pe­na de, co­mo acon­te­ce ho­je, exis­tir um juiz con­se­lhei­ro, Jú­lio Pereira, com a sus­pei­ta de que te­rá uti­li­za­do o cargo de se­cre­tá­rio-ge­ral do Ser­vi­ço de In­for­ma­ções pa­ra me­ter cu­nhas de for­ma a ten­tar aju­dar Jo­sé Só­cra­tes (es­tra­nho o si­lên­cio do Con­se­lho Su­pe­ri­or da Ma­gis­tra­tu­ra so­bre es­te ca­so); têm de olhar pa­ra o tre­men­da­men­te in­fe­liz ca­so do juiz Sér­gio Moro e re­ti­rar des­se mau exem­plo to­dos as li­ções pa­ra pre­ve­nir que se­me­lhan­te si­tu­a­ção pos­sa ocor­rer em Por­tu­gal; têm de ser pro­ac­ti­vos na re­for­ma do sis­te­ma de ava­li­a­ção, que pri­vi­le­gia mais os co­nhe­ci­men­tos teó­ri­cos de­bi­ta­dos num acór­dão (ci­ta­ções e mais ci­ta­ções de acór­dãos, pro­fes­so­res de Di­rei­to, bi­bli­o­gra­fia) do que a uma lin­gua­gem sim­ples, per­fei­ta­men­te com­pre­en­di­da pe­lo tal “ho­mem mé­dio” cu­ja ex­pe­ri­ên­cia de vi­da tan­tas ve­zes ser­ve pa­ra fun­da­men­tar uma de­ci­são.

An­tes de qual­quer gre­ve, e num País cer­ca­do pe­la cor­rup­ção, os juí­zes de­vem cri­ar con­fi­an­ça nos ci­da­dãos de que po­dem er­rar, co­mo qual­quer um de nós, mas são in­cor­rup­tí­veis. Trans­pa­rên­cia é a re­cei­ta.

Sub­di­rec­tor Car­los Rodrigues Li­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.