Ma­ni­fes­to na­ci­o­na­lis­ta?

Sábado - - OPINIÃO -

Pa­ra al­guns é uma sur­pre­sa. Pa­ra ou­tros é um re­gres­so na­tu­ral de te­mas en­ter­ra­dos, mas não en­cer­ra­dos.

Fa­la-se ou­tra vez em “so­be­ra­nia”, “in­te­res­se na­ci­o­nal”, “po­der do po­vo”, “iden­ti­da­de pá­tria”, “des­ti­no co­mum”, “or­gu­lho pe­la his­tó­ria”. De Bar­ce­lo­na a Bu­da­pes­te, de Washing­ton a Bra­sí­lia, de Lon­dres a Vi­e­na, de Mi­lão a No­va De­li, ou­ve-se o “nós pri­mei­ro”, ou “se não tra­tar­mos de nós, quem é que tra­ta?”.

Mas o na­ci­o­na­lis­mo tem cos­tas lar­gas, e uma lar­ga ba­ga­gem de coi­sas bo­as e si­nis­tras.

Vão por mim, que aju­dei a fun­dar um mo­vi­men­to po­lí­ti­co de ju­ven­tu­de em tor­no do ter­mo, e que pas­sei os meus me­lho­res anos da vi­da na rua, en­tre bar­ri­ca­das e com­ba­tes pe­la mes­ma ideia.

O mais gra­ve não é o fac­to de o na­ci­o­na­lis­mo po­der de­sig­nar coi­sas di­fe­ren­tes. Sé­rio é o fac­to de po­der sig­ni­fi­car idei­as opostas. Du­ran­te mui­to tem­po, fa­lar-se em mo­vi­men­tos na­ci­o­na­lis­tas afri­ca­nos sig­ni­fi­ca­va glo­ri­fi­car a li­ber­ta­ção. Mas o na­ci­o­na­lis­mo dos im­pé­ri­os co­lo­ni­ais, ne­o­co­lo­ni­ais, pré-co­lo­ni­ais ou nos­tál­gi­cos do im­pé­rio re­pre­sen­ta o con­trá­rio. Is­to é, opres­são.

O cho­que en­tre os dois con­cei­tos viu-se à luz do dia nal­guns de­ba­tes pa­ro­xís­ti­cos, e na ide­o­lo­gia da pe­dra­da, em tor­no da cri­se ca­ta­lã.

Há um na­ci­o­na­lis­mo de car­ti­lha, que so­le­tra sem­pre as mes­mas coi­sas, do uni­for­me na es­co­la à ban­dei­ra em bom es­ta­do, do or­gu­lho en­si­na­do à nas­cen­ça até aos ri­tos fu­ne­rá­ri­os, com con­fu­são en­tre re­gi­me e igre­jas. Exis­te um na­ci­o­na­lis­mo à la car­te, que faz es­co­lhas his­tó­ri­cas e se adap­ta às cir­cuns­tân­ci­as do tem-

po e do mo­do, quan­do não do tem­plo da mo­da.

A mi­nha ex­pe­ri­ên­cia diz-me, por ou­tro la­do, que um na­ci­o­na­lis­mo com per­nas pa­ra an­dar, só­li­do e con­se­quen­te pre­ci­sa de re­nun­ci­ar, an­tes de mais, a mui­ta tra­lha his­tó­ri­ca, e denunciar e per­se­guir to­dos os cri­mes e cri­mi­no­sos que se fi­ze­ram em seu no­me. Pre­ci­sa de se ca­sar com a de­cên­cia das pes­so­as co­muns, com o ci­vis­mo e a to­le­rân­cia, o res­pei­to pe­los di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as, a pro­tec­ção das mi­no­ri­as. O que não é o mes­mo que o des­po­tis­mo das mi­no­ri­as não elei­tas. Pre­ci­sa, cer­ta­men­te, de olhar pa­ra a eco­no­mia com um pro­gra­ma e uma ati­tu­de. Mas de for­ma re­a­lis­ta e tan­to quan­to pos­sí­vel in­te­gra­da num sis­te­ma mun­di­al ob­jec­ti­vo, se es­te for jus­to e não in­qui­na­do.

Pre­ci­sa de não cair num pro­tec­ci­o­nis­mo acé­fa­lo e frau­du­len­to, que des­cul­pe to­dos os atro­pe­los de pa­trões de­so­nes­tos e ex­plo­ra­do­res, ope­rá­ri­os ti­râ­ni­cos, oci­o­sos e sa­bo­ta­do­res, pro­du­tos e pro­du­to­res sem qu­a­li­da­de, eter­nos afi­lha­dos do po­der.

Mas ne­ces­si­ta de pro­te­ger o me­lhor das ener­gi­as cri­a­ti­vas na­ci­o­nais, de aju­dar fir­mas es­ma­ga­das por con­cor­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal des­le­al, de pro­mo­ver no ex­te­ri­or em­pre­sas e em­pre­sá­ri­os de mé­ri­to.

Pre­ci­sa de man­ter um sec­tor pú­bli­co ca­paz de com­ba­ter os de­se­qui­lí­bri­os e as de­si­gual­da­des, mas não de ca­mu­flar co­mo pú­bli­co ou pri­va­do um sis­te­ma de sub­ven­ções clan­des­ti­nas, ou de com­pra dos po­lí­ti­cos por par­ti­cu­la­res.

Tem de se opor às di­ta­du­ras, mi­li­ta­res ou ci­vis. Se é ver­da­de que “so­be­ra­no é aque­le que de­ci­de da ex­cep­ção”, avan­çá­mos em ci­vi­li­za­ção ao tra­tar dos es­ta­dos de emer­gên­cia, de sí­tio e de ca­la­mi­da­de no lu­gar pró­prio: a Cons­ti­tui­ção. De­ve ser es­ta a im­pe­dir que um qual­quer tri­bu­no ou ma­re­chal se er­ga em “sal­va­dor” co­lec­ti­vo, sem pro­vas nem cur­rí­cu­lo. O na­ci­o­na­lis­mo “com per­nas pa­ra an­dar” não tem me­do de re­vo­lu­ções. E tem de co­e­xis­tir com um sis­te­ma elei­to­ral e par­ti­dá­rio dis­su­a­di­do da ma­ni­pu­la­ção, aco­lhen­do “democracia di­rec­ta”, re­fe­ren­do e con­sul­ta ex­tem­po­râ­nea, ou o pa­pel dos in­de­pen­den­tes na de­fi­ni­ção do que é a po­lí­ti­ca. Por fim, e fa­ce à imi­gra­ção, tem de ser frio e jus­to, cal­cu­lis­ta e hu­ma­no, in­te­li­gen­te e mag­nâ­ni­mo, so­li­dá­rio, mas não sui­ci­da.

Há imi­gran­tes ur­gen­tes, ób­vi­os, im­pe­ri­o­sos, ne­ces­sá­ri­os, des­ne­ces­sá­ri­os, in­tru­sos e in­va­so­res. Não po­dem fi­car to­dos no mes­mo sa­co, ou no mes­mo be­co sem saí­da. Um na­ci­o­na­lis­mo lú­ci­do, e não me­ra­men­te lú­di­co, sa­be­rá se­pa­rar as águas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.