AS MA­RA­TO­NAS DO OR­ÇA­MEN­TO

Não é fá­cil apro­var um Or­ça­men­to. Que o di­gam de­pu­ta­dos, mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do que no úl­ti­mo mês gas­ta­ram 97 ho­ras a dis­cu­tir a pro­pos­ta do Go­ver­no.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Margarida Da­vim

Os bas­ti­do­res das lon­gas se­ma­nas de de­ba­te do do­cu­men­to-cha­ve das fi­nan­ças pú­bli­cas pa­ra 2019

Du­ran­te o úl­ti­mo mês, de­pu­ta­dos, mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do gas­ta­ram cer­ca de 97 ho­ras a dis­cu­tir o Or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2019. Fo­ram 1.336 mi­nu­tos em de­ba­tes e vo­ta­ções e 4.506 mi­nu­tos em au­di­ções a mi­nis­tros e se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do. Se não ti­ves­sem fei­to pau­sas, se­ri­am pre­ci­sos mais de qua­tro di­as non-stop a dis­cu­tir as con­tas com que o País po­de­rá con­tar no pró­xi­mo ano. Uma ver­da­dei­ra maratona, com dis­cus­sões ace­sas, epi­só­di­os ca­ri­ca­tos, mui­to can­sa­ço, ques­tões que vão ao por­me­nor da fre­gue­sia, jo­ga­das po­lí­ti­cas e qua­se um mi­lhar de pro­pos­tas de al­te­ra­ção ao do­cu­men­to de­se­nha­do por Má­rio Cen­te­no.

Mui­tas, mui­tas ho­ras...

h Pa­ra dis­cu­tir o Or­ça­men­to, a Co­mis­são de Or­ça­men­to e Fi­nan­ças faz au­di­ções aos mi­nis­tros com as res­pec­ti­vas co­mis­sões par­la­men­ta­res. De­pois de uma in­ter­ven­ção ini­ci­al de 10 a 15 mi­nu­tos pa­ra o go­ver­nan­te, a bo­la pas­sa pa­ra os de­pu­ta­dos. Nu­ma pri­mei­ra ron­da, os par­la­men­ta­res fa­zem per­gun­tas – uma por ban­ca­da – du­ran­te oi­to mi­nu­tos ca­da. O mi­nis­tro tem 40 mi­nu­tos pa­ra res­pon­der. De­pois, há uma ron­da sem li­mi­te de per­gun­tas, mas com ape­nas dois mi­nu­tos pa­ra ca­da de­pu­ta­do. No fim, o go­ver­nan­te e os seus se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do têm tan­to tem­po pa­ra res­pon­der co­mo os par­la­men­ta­res gas­ta­ram a per­gun­tar. Sem gran­des li­mi­tes, há quem apro­vei­te pa­ra fa­zer per­gun­tas mui­to (mas mes­mo mui­to) es­pe­cí­fi­cas

A MI­NIS­TRA DA SAÚ­DE TE­VE DE FA­LAR DU­RAN­TE DU­AS HO­RAS PA­RA RES­PON­DER ÀS PER­GUN­TAS DOS DE­PU­TA­DOS

so­bre uma cer­ta es­co­la ou cen­tro de saú­de, por exem­plo...

Os mi­nis­tros re­cor­dis­tas

h Mar­ta Te­mi­do ti­nha aca­ba­do de che­gar ao Go­ver­no e tal­vez não vi­es­se pre­pa­ra­da pa­ra is­to: a au­di­ção da mi­nis­tra da Saú­de du­rou 5h52. Os de­pu­ta­dos fi­ze­ram-lhe 58 per­gun­tas, o que lhe deu di­rei­to a fa­lar du­ran­te du­as ho­ras pa­ra res­pon­der. Ao fim da pri­mei­ra ho­ra, a mi­nis­tra quis con­cluir. Mas os de­pu­ta­dos não a dei­xa­ram e re­cor­da­ram as ques­tões por res­pon­der. Matos Fer­nan­des, ago­ra à fren­te do su­per-Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te e da Tran­si­ção Ener­gé­ti­ca, es­te­ve seis ho­ras no parlamento e fa­lou du­ran­te 96 mi­nu­tos. E Pedro Marques, mi­nis­tro do Pla­ne­a­men­to e In­fra-es­tru­tu­ras, fa­lou du­ran­te 92 mi­nu­tos nu­ma au­di­ção de 5h30. “Quan­do tí­nha­mos o PIDAC, as au­di­ções iam pe­la noi­te fo­ra. Es­ta­mos mui­to me­lhor”, co­men­ta­va a meio des­ta maratona o vi­ce-pre­si­den­te da Co­mis­são de Or­ça­men­to e Fi­nan­ças, Pau­lo Tri­go Pereira. Ago­ra, no fim da au­di­ção da tar­de, os de­pu­ta­dos cos­tu­mam sair por vol­ta das 22h, no má­xi­mo.

Tru­ques pa­ra aguen­tar

h Há quem le­ve bo­la­chas pa­ra o ple­ná­rio e, por ve­zes, fa­zem-se pe­que­nos in­ter­va­los de cin­co mi­nu­tos pa­ra ir à casa de ba­nho. Mas, na mai­or par­te das ve­zes, os de­pu­ta­dos (so­bre­tu­do os que es­tão na mesa) re­ve­zam-se pa­ra po­der ir co­mer ou fu­mar.

NÃO É FÁ­CIL SO­BRE­VI­VER A TAN­TAS HO­RAS NO HE­MI­CI­CLO. HÁ QUEM LE­VE BO­LA­CHAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.