QUAN­DO OS AC­TO­RES SE REFORMAM

Uns es­tão do­en­tes, ou­tros fa­li­dos. A mai­o­ria não tem tra­ba­lho e as re­for­mas são bai­xas. Ve­de­tas do es­pec­tá­cu­lo por­tu­guês pas­sam por sé­ri­as di­fi­cul­da­des na ve­lhi­ce. Ou­tro­ra ido­la­tra­dos, sen­tem-se aban­do­na­dos.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ti­a­go Car­ras­co

A mai­o­ria não tem tra­ba­lho e as re­for­mas, de­pois de pou­cos des­con­tos, são bai­xas. Co­mo é vi­ver sem os aplau­sos?

Es­ta re­por­ta­gem se­rá con­ta­da co­mo se de uma pe­ça de te­a­tro se tra­tas­se. Re­la­ta a história de ac­to­res e apre­sen­ta­do­res que no pas­sa­do to­dos que­ri­am ter por per­to e que ho­je pou­cos sa­bem on­de es­tão. Pi­sa­ram os pal­cos mais im­por­tan­tes do País, re­ce­be­ram ova­ções, ves­ti­ram-se nas me­lho­res lo­jas de Lon­dres e de No­va Ior­que, nun­ca lhes fal­tou com­pa­nhia pa­ra um co­po. Es­tão ago­ra em la­res ou na so­li­dão de casa, com do­en­ças gra­ves, re­for­mas que não che­gam pa­ra a ren­da ou vi­si­tas con­ta­das pe­los de­dos de uma só mão. São per­so­na­gens uni­das por um cur­rí­cu­lo glo­ri­o­so e por um fu­tu­ro in­cer­to; Gra­ça Lo­bo, de 79 anos, in­ter­pre­tou pe­ças de Tchekhov e Bec­kett, vi­ve num lar; Ruy de Car­va­lho, 91 anos, con­ti­nua a re­pre­sen­tar por­que de ou­tra for­ma não te­ria uma vi­da de­sa­fo­ga­da; Elá­dio Clí­ma­co, 77, dei­xou de po­der tra­ba­lhar na RTP e vi­ve as­som­bra­do pe­la mor­te. Ire­ne Cruz, de 75, di­va dos pal­cos, tem a me­mó­ria can­sa­da e não tra­ba­lha há três anos. António Cor­dei­ro, 59, lu­ta con­tra uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va, pe­diu re­for­ma an­te­ci­pa­da. Ma­nu­e­la Maria, de 83 anos, di­ri­ge a Casa do Ar­tis­ta. Pau­lo Sar­gen­to é um psi­có­lo­go que já tra­ba­lhou nes­ta ins­ti­tui­ção, com ex­pe­ri­ên­cia na aná­li­se da de­pres­são ge­riá­tri­ca em per­so­na­li­da­des que atin­gi­ram o es­tre­la­to. Fa­lar-se-á da me­mó­ria, bem co­mo da mor­te, in­con­tor­ná­vel, mes­mo pa­ra quem che­gou a chei­rar a eter­ni­da­de.

Ac­to I A ques­tão nãoé ser ou não ser. Édei­xar­de­ser

h Uma se­nho­ra en­tra em cadeira de rodas na re­cep­ção do lar da San­ta Casa da Mi­se­ri­cór­dia de Ca­nha: “Não se as­sus­tem! Sou eu”, anun­cia. Gra­ça Lo­bo sa­be que en­ve­lhe­ceu e que ga­nhou pe­so mas es­que­ce-se que a sua voz con­ti­nua in­con­fun­dí­vel, pres­cin­din­do de apre­sen­ta­ções. Fá-lo por­que re­co­nhe­ce ser es­tra­nho en­con­trá-la so­zi­nha, gui­a­da por uma fun­ci­o­ná­ria do lar. “Mas eu hei-de vol­tar a ter a mi­nha casa. E a su­bir a um pal­co. Is­to, se Deus qui­ser, é só uma passagem.” É de acre­di­tar: a ac­triz já ven­ceu um gra­ve aci­den­te de vi­a­ção e um can­cro da ma­ma. Ao pé dis­so, a os­te­o­po­ro­se e o en­fi­se­ma pul­mo­nar são ma­lei­tas me­no­res. O cal­vá­rio co­me­çou quan­do fi­cou sem a fir­ma de cos­mé­ti­cos cri­a­da pe­la mãe: “Foi-me rou­ba­da por um fa­mi­li­ar”, acu­sa. “Era uma em­pre­sa tão boa que deu pa­ra eu e a mi­nha fi­lha le­var­mos uma vi­da des­pre­o­cu­pa­da. De­pois, foi o hor­ror.” Há no­ve anos deu en­tra­da na Casa do Ar­tis­ta. An­tes, pa­ra fa­zer fa­ce às des­pe­sas, ven­deu a casa e qua­dros que o pin­tor Jú­lio Po­mar lhe ofe­re­ce­ra quan­do na­mo­ra­ram. “Ven­di o úl­ti­mo há pou­co tem­po, já na Casa do Ar­tis­ta. Ren­deu 30 mil eu­ros. Pe­di a uma fun­ci­o­ná­ria que me fos­se de­po­si­tar o di­nhei­ro ao ban­co, dei-lhe o NIB, mas aque­la bes­ta se­guiu o con­se­lho da

VES­TI­AM-SE NAS ME­LHO­RES LO­JAS E NUN­CA LHES FAL­TOU COM­PA­NHIA PA­RA UM CO­PO. AGO­RA ES­TÃO EM LA­RES OU SO­ZI­NHOS

Q e co­lo­cou-o nou­tra con­ta que ti­nha, que es­ta­va ar­res­ta­da. Fi­quei sem ele”, con­ta. “Ho­je não te­nho ab­so­lu­ta­men­te na­da. Nem a aju­da de nin­guém. Ti­ran­do a mi­nha fi­lha, a mi­nha fa­mí­lia é ine­xis­ten­te.” Um as­sis­ten­te so­ci­al no Hos­pi­tal de San­ta Maria dis­se-lhe há uns me­ses aqui­lo que nun­ca pen­sou ou­vir: “A se­nho­ra é uma sem-abri­go.” “Qua­se lhe dei um par de es­ta­los”, re­cor­da. Des­de que en­trou no lar de Ca­nha, em Agos­to, re­ce­beu uma vi­si­ta: da can­to­ra Dulce Pon­tes e do ma­ri­do.

A so­li­dão mas­sa­cra-a, mas não a der­ru­ba. É uma mu­lher de fi­bra, com um ca­rác­ter que mui­tos ava­li­am co­mo “di­fí­cil”. “Vi­vo bem co­mi­go mes­ma”, afir­ma. Saiu da Casa do Ar­tis­ta em li­tí­gio, di­zen­do-se ví­ti­ma de rou­bos e acu­san­do a ins­ti­tui­ção de não lhe ter de­tec­ta­do um in­cha­ço nos pés sin­to­má­ti­co do en­fi­se­ma. “São de uma in­com­pe­tên­cia atroz”, vi­tu­pe­ra. Ma­nu­e­la Maria, da di­rec­ção da ins­ti­tui­ção, res­pon­de­ria à

SÁ­BA­DO: “Não fa­lo so­bre a Gra­ça Lo­bo. Se qui­se­rem sa­ber a ver­da­de, per­gun­tem aos ou­tros 71 uten­tes.” Qu­a­ren­ta anos de car­rei­ra re­sul­ta­ram nu­ma re­for­ma de 680 eu­ros. “Quan­do con­to is­to a um co­le­ga es­tran­gei­ro, qua­se des­maia”, diz, fri­san­do os tem­pos em que com­pra­va rou­pa ele­gan­te nas me­lho­res lo­jas de Lon­dres e de No­va Ior­que, al­go que, re­al­ça, em Por­tu­gal só as Cham­pa­li­maud fa­zi­am. Com ren­di­men­tos tão par­cos, de­po­si­ta ago­ra es­pe­ran­ças de re­cu­pe­ra­ção fi­nan­cei­ra na pu­bli­ca­ção de um li­vro de me­mó­ri­as em que pro­me­te con­tar epi­só­di­os das re­la­ções com os ho­mens que amou, im­por­tan­tes fi­gu­ras da cul­tu­ra por­tu­gue­sa. “Co­mo a for­ma co­mo o Jú­lio Po­mar me pôs fo­ra de casa. E da sua vi­da. Foi da noi­te pa­ra o dia. Ele, ébrio, eu, ébria, às 5h da ma­nhã. Por­que eu es­ta­va a can­tar o Ne­ver Ne­verNe­ver, da Shir­ley Bas­sey, den­tro do car­ro de um ami­go, es­ta­ci­o­na­do à fren­te de­le. Deu-lhe pa­ra o ciú­me e dis­se-me: ‘Tu aqui não en­tras mais.’” Se lhe cus­tou? Nem por is­so. “Ele era bem mais ve­lho e qu­e­ria que eu es­ti­ves­se a con­tem­plá-lo en­quan­to pin­ta­va, mas eu ti­nha mais que fa­zer”, re­ma­ta. Nos­tal­gia, não tem. Só dos pal­cos. A úl­ti­ma pe­ça que fez foi uma adap­ta­ção de Tchekhov há três anos. “Se fos­se in­gle­sa, com a mi­nha car­rei­ra, não pas­sa­ria por es­tas di­fi­cul­da­des”, diz.

Pa­ra os que sen­ti­ram a fa­ma e o mag­ne­tis­mo so­ci­al, uma ve­lhi­ce vo­ta­da ao es­que­ci­men­to acar­re­ta pro­ble­mas adi­ci­o­nais. “A de­pres­são ge­riá­tri­ca apa­re­ce de­pois da re­for­ma, li­ga­da à so­li­dão, à per­da de aten­ção dos ami­gos e fa­mi­li­a­res e à in­ca­pa­ci­da­de. A pes­soa sen­te-se aban­do­na­da is­so ge­ra stress psi­co-so­ci­al. Os ar­tis­tas têm uma agra­van­te. Além de per­de­rem a aten­ção dos mais pró­xi­mos, tam­bém per­dem a do pú­bli­co. Quan­do li­dam mal com is­so, in­cor­rem nu­ma exis­tên­cia tor­tu­o­sa e uma pos­sí­vel per­tur­ba­ção de­pres­si­va”, diz o psi­có­lo­go Pau­lo Sar­gen­to. “O pró­prio El­vis pas­sou a in­ter­pe­lar pes­so­as na rua quan­do dei­xa­ram de lhe fa­zer ca­so.”

Não é o ca­so de Ire­ne Cruz. Quem a re­co­nhe­ce de pe­ças co­mo Mãe Co­ra­gem ou das te­le­no­ve­las, con­ti­nua a cum­pri­men­tá-la. Ela re­tri­bui. O que a apo­quen­ta é a me­mó­ria gas­ta, fla­ge­la­da, que a obri­gou a pa­rar de tra­ba­lhar há três anos. Nove­las não faz des­de 2012. “Olhei pa­ra o es­pe­lho e re­pa­rei que es­ta­va es­que­lé­ti­ca. Eu co­mia mas o stress es­ta­va a des­truir­me. Pen­sei que ti­nha de pa­rar se­não não ia aguen­tar”, con­fes­sa. “Cha­tei­a­me ago­ra es­tar a tra­ba­lhar me­nos do que de­via. Dei­xa­ram de me cha­mar da te­le­vi­são. Is­so dei­xa-me tris­te. Eles es­que­cem-se dos ac­to­res. Nas nove­las ve­mos pes­so­as que não sa­bem fa­lar e não têm ex­pres­são. En­fim... eu tam­bém não qu­e­ria tra­ba­lhar mui­to por­que a mi­nha me­mó­ria não é o que era. Mas o te­a­tro faz-me fal­ta.” Sem ele, uma es­cu­ri­dão ate­nu­a­da pe­la vi­si­ban­cá­ria

40 ANOS DE CAR­REI­RA RE­SUL­TA­RAM NU­MA RE­FOR­MA DE €680 PA­RA GRA­ÇA LO­BO

ta das ne­tas e pe­la com­pa­nhia dos dois cães, o Boss e a Jenny, bap­ti­za­da em ho­me­na­gem à pi­ra­ta de Bre­cht. “Quan­do me ape­te­ce cho­rar, que faz bem à al­ma, o Boss sobe pa­ra o meu co­lo e lam­be-me as lá­gri­mas.” Cus­ta-lhe con­fes­sar fra­que­zas e as me­mó­ri­as do pas­sa­do as­sal­tam-lhe o quo­ti­di­a­no. Re­cor­da-se do pai, bar­bei­ro em Sa­ca­vém, fa­zer es­pec­tá­cu­los de ilu­si­o­nis­mo em que par­ti­ci­pa­va co­mo as­sis­ten­te, da es­treia no Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Maria II ain­da com Amé­lia Rey Colaço, do ca­sa­men­to com o en­ce­na­dor João Lou­ren­ço, da quí­mi­ca em pal­co com Eu­ni­ce Muñoz. As fo­to­gra­fi­as e os pos­ters ex­pos­tos na sa­la são ex­ce­len­tes au­xi­li­a­res – es­tá lá o de Oi­çam Co­mo Eu Res­pi­ro, a pe­ça que a con­sa­grou. Ou­tras re­cor­da­ções não são tão bo­as, co­mo a mor­te do pai com Alzhei­mer: “Eu e a mi­nha ir­mã ía­mos vi­si­tá-lo à Casa do Ar­tis­ta e ele já não nos re­co­nhe­cia.” Des­sa do­en­ça nem quer ou­vir fa­lar – uma re­a­li­da­de que a ater­ro­ri­za sem­pre que to­ma me­di­ca­ção pa­ra a me­mó­ria. “Era uma má­qui­na. De­co­ra­va tu­do. E en­tre­ga­va-me. Por­que no te­a­tro te­mos de ti­rar o que te­mos den­tro e pre­en­cher com as ca­rac­te­rís­ti­cas da per­so­na­gens. Abu­sei. Can­sei-me cá den­tro.”

Ac­to II Uma­ca­sa­pa­ra­on­deir

h Tal co­mo Gra­ça, tam­bém Ire­ne Cruz tem uma re­for­ma que ron­da os 700 eu­ros – um va­lor al­to quan­do com­pa­ra­do com o au­fe­ri­do por ou­tros ac­to­res de me­nor pro­jec­ção. “Que­ro con­ti­nu­ar em mi­nha casa. Se não con­se­guir tra­tar de mim, te­nho a Casa do Ar­tis­ta”, diz. A ins­ti­tui­ção de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al, inau­gu­ra­da em 1999, é pa­ra os pro­fis­si­o­nais do mun­do do es­pec­tá­cu­lo um úl­ti­mo re­du­to de dig­ni­da­de nu­ma ac­ti­vi­da­de ab­so­lu­ta­men­te des­re­gu­la­da e instável. Trans­mi­te-lhes um sen­ti­men­to con­tra­di­tó­rio; por um la­do, qua­se to­dos a que­rem evi­tar por­que re­pre­sen­ta o mo­men­to em que dei­xam de ser au­tó­no­mos, por ou­tro, re­co­nhe­cem a ex­tre­ma uti­li­da­de de te­rem uma casa pa­ra on­de ir na ve­lhi­ce e na do­en­ça.

O pro­ble­ma não é novo: “Aliás, es­tá bem me­lhor ago­ra do que já foi”, diz Ma­nu­e­la Maria. “An­tes mui­tos mor­ri­am iso­la­dos num quar­to alu­ga­do.” Foi Raul Sol­na­do que trou­xe de uma di­gres­são ao Bra­sil, no fi­nal dos anos

Pro­fis­são instável Es­co­lhi­am os es­ca­lões mais bai­xos de des­con­to

Se­gun­do Ma­nu­e­la Maria, de­pois do 25 de Abril os ac­to­res dei­xa­ram de tra­ba­lhar com con­tra­to, à ex­cep­ção da com­pa­nhia do Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Maria II. Mui­tos re­ce­bi­am à pe­ça, em di­nhei­ro, e não fa­zi­am des­con­tos. Es­se é um dos mo­ti­vos da pre­va­lên­cia de re­for­mas mui­to bai­xas. Com a che­ga­da dos re­ci­bos ver­des, pas­sa­ram a ser res­pon­sá­veis pe­los seus pró­pri­os des­con­tos, op­tan­do pe­los es­ca­lões mais bai­xos. Mui­tos quei­xam-se do re­gi­me, vis­to te­rem si­do obri­ga­dos a pa­gar im­pos­tos mes­mo nos me­ses de in­ter­reg­no en­tre pe­ças, em que fi­ca­vam sem ren­di­men­tos. 60, a ideia de cons­truir um re­fú­gio pa­ra os seus co­le­gas de­ca­nos, re­ce­ben­do o apoio do ca­sal Armando Cortez e Ma­nu­e­la Maria, de Car­men Dolores e de mui­tos ou­tros. Em 1976, co­me­ça­ram à pro­cu­ra de um es­pa­ço. Só 30 anos de­pois co­me­ça­ram a cons­tru­ção num ter­re­no ca­ma­rá­rio em Car­ni­de, Lis­boa, inau­gu­ran­do um com­ple­xo que ho­je além do lar tem te­a­tro e cen­tro de for­ma­ção. O le­ma es­tá à en­tra­da: “Aqui não é per­mi­ti­do en­ve­lhe­cer.”

Não faltam me­ca­nis­mos pa­ra re­tar­dar o des­gas­te: os re­si­den­tes têm con­sul­tas mé­di­cas, fi­si­o­te­ra­pia, gi­ná­sio e psi­có­lo­go, são con­vi­da­dos pa­ra to­das as an­tes­trei­as de te­a­tro e re­ce­bem a vi­si­ta de can­to­res. Carlos Alberto Mo­niz foi o úl­ti­mo. A es­tra­té­gia tem re­sul­ta­do com Maria Ca­ro­li­na Mar­ti­nez, co­nhe­ci­da por “Ni­ni”, que ape­sar de fa­zer 100 anos em Fe­ve­rei­ro – e não é a mais ve­lha na Casa do Ar­tis­ta – apren­deu ali a usar a In­ter­net. Vem de uma tro­ca de emails com Jú­lio Isi­dro. A sua vi­da con­ta histórias de ou­tros tem­pos: o pai, vi­o­li­nis­ta, che­gou a to­car pa­ra o Rei D. Carlos, ela foi des­co­ber­ta por um na­da­dor-sal­va­dor da Na­za­ré que a ou­viu to­car pi­a­no num bar, foi es­tre­la de rá­dio com a ir­mã no duo Ir­mãs Mar­ti­nez, tra­ba­lhou de­pois na Emis­so­ra Na­ci­o­nal. Em 2005, en­trou na Casa. “Te­nho In­ter­net, TV cabo e casa de ba­nho pri­va­ti­va. So­mos uns pri­vi­le­gi­a­dos.”

O lar es­tá aber­to não só a ac­to­res co­mo a to­dos os pro­fis­si­o­nais do mun­do do es­pec­tá­cu­lo, de en­ce­na­do­res a elec­tri­cis­tas de pal­co. Miguel Barbosa, de 92 anos es­con­di­dos nu­ma ca­ra que não apa­ren­ta ter mais de 70, é es­cri­tor e dra­ma­tur­go. Já as­si­nou mais de 80 tí­tu­los e che­ga com o úl­ti­mo, Re­fle­xões na Ar­dó­sia a Giz, de­bai­xo do bra­ço. Es­cre­veu-o à mão na Casa do Ar­tis­ta e es­tá já a pre­pa­rar o pró­xi­mo. Veio pa­rar a Car­ni­de com a mu­lher, ex-pro­fes­so­ra de li­ceu, por­que as re­for­mas eram bai­xas. “Es­te é um lu­gar vi­ra­do pa­ra a me­mó­ria, pa­ra a união e pa­ra o ca­ri­nho que, ao mes­mo tem­po, pro­mo­ve a ac­ti­vi­da­de cons­tan­te. Ain­da as­sim, en­con­tra­mos aqui pes­so­as trau­ma­ti­za­das e in­fe­li­zes pe­lo aban­do­no a que fo­ram con­fi­na­das. So­mos um

Ho­je não te­nho ab­so­lu­ta­men­te na­da. Nem a aju­da de nin­guém. Ti­ran­do a mi­nha fi­lha, a mi­nha fa­mí­lia é ine­xis­ten­te Gra­ça Lo­bo “NÓS, OS AC­TO­RES POR­TU­GUE­SES, NÃO TE­MOS QUAL­QUER SIS­TE­MA DE PRO­TEC­ÇÃO SO­CI­AL”, DIZ ANTÓNIO COR­DEI­RO

Sei que das con­de­co­ra­ções que re­ce­bi ao pro­vei­to que te­nho vai uma gran­de dis­tân­cia Ruy de Car­va­lho RUY DE CAR­VA­LHO, DE 91 ANOS, CON­TI­NUA A TRA­BA­LHAR E DIZ QUE “EM POR­TU­GAL NÃO HÁ AC­TO­RES RI­COS”

País de me­mó­ria cur­ta, on­de o va­lor só é re­co­nhe­ci­do após a mor­te”, diz. Ma­nu­e­la Maria só tem pe­na que ha­ja fi­gu­ras do es­pec­tá­cu­lo não as­so­ci­a­das à Casa do Ar­tis­ta: “Prin­ci­pal­men­te, os mais jo­vens. Di­zem que ain­da são mui­to no­vos pa­ra pen­sar nis­so. Mas se não pen­sam no fu­tu­ro de­les, que pen­sem em aju­dar os co­le­gas que cá es­tão”, diz. So­ma-se a fal­ta de aten­ção dos fa­mi­li­a­res: “Quan­do não os vi­si­tam re­ce­bem lo­go uma cha­ma­da mi­nha. É que nós fa­ze­mos tu­do, mas não subs­ti­tuí­mos a fa­mí­lia.” Pau­lo Sar­gen­to fun­da­men­ta: “O su­por­te fa­mi­li­ar é es­sen­ci­al pa­ra evi­tar o iso­la­men­to.” Pa­ra além da au­sên­cia de re­de fa­mi­li­ar, a fal­ta de saú­de e a pre­ca­ri­e­da­de pro­fis­si­o­nal são os prin­ci­pais mo­ti­vos de in­gres­so. “De­pois do 25 de Abril os ac­to­res dei­xa­ram de tra­ba­lhar com con­tra­to. Com os re­ci­bos ver­des, pas­sa­ram a ser res­pon­sá­veis pe­los seus pró­pri­os des­con­tos. Os que des­con­ta­ram sem­pre pe­lo mí­ni­mo aper­ce­be­ram-se tar­de que iam fi­car com uma re­for­ma bai­xa”, ex­pli­ca Ma­nu­e­la Maria. Pou­cos são os que su­pe­ram os 1.000 eu­ros. A mai­o­ria ron­da os 500 e os 700. “Em Por­tu­gal, não há ac­to­res ri­cos”, diz Ruy de Car­va­lho. Sa­be-o por ex­pe­ri­ên­cia pró­pria: se hou­ves­se, ele, que não tem es­pa­ço na sa­la pa­ra mais me­da­lhas, se­ria um for­te can­di­da­to. Mas es­tá lon­ge dis­so. “Con­ti­nuo a tra­ba­lhar por­que gos­to, mas tam­bém por­que pre­ci­so de um re­for­ço pa­ra a re­for­ma. Acho que me­re­ço vi­ver de­sa­fo­ga­da­men­te, co­mo me­re­ce to­da a gen­te que tra­ba­lhou bem. E vi­vo. Mas não dá pa­ra um cru­zei­ro, ir a um res­tau­ran­te e es­tar à von­ta­de, pa­gar um bom jan­tar a um ami­go.” Por en­quan­to, es­tá com o es­pec­tá­cu­lo iti­ne­ran­te Tro­vas e Can­ções. Nun­ca dei­xou de re­pre­sen­tar, nem mes­mo quan­do per­deu a mu­lher, ex-bai­la­ri­na, com­pa­nhei­ra de uma vi­da. Fez a úl­ti­ma pe­ça em Ju­lho, tem uma te­le­no­ve­la a ar­ran­car em Ja­nei­ro e um pa­pel à es­pe­ra no Te­a­tro Ex­pe­ri­men­tal de Cas­cais a par­tir de Abril. “Sou um fe­li­zar­do por ain­da me cha­ma­rem en­quan­to há co­le­gas de­sem­pre­ga­dos e de­sam­pa­ra­dos.” Uma si­tu­a­ção que atri­bui a pro­ble­mas de ba­se: a fal­ta de or­ça­men­to pa­ra a cul­tu­ra e de pú­bli­co no te­a­tro. “Aju­da­ria mui­to na mi­nha pro­fis­são se os res­pon­sá­veis pe­la tu­te­la per­ce­bes­sem de cul­tu­ra”, cri­ti­ca. É um ho­mem em paz con­si­go mes­mo. Em pal­co, fez de tu­do: “Fui rei, mé­di­co, bê­be­do e ma­ri­cas. Sou um ho­mem fe­liz por­que me es­co­lhe­ram pa­ra pa­péis de que gos­tei mui­to”, diz. “Sei que das con­de­co­ra­ções que re­ce­bi ao pro­vei­to que te­nho vai uma gran­de dis­tân­cia. Mas con­to com o re­co­nhe­ci­men­to do pú­bli­co, que con­ti­nua a aca­ri­nhar-me.” Diz ter uma cri­an­ça den­tro de­le que não o dei­xa en­ve­lhe­cer. Pen­sa pou­co no pas­sa­do, ex­cep­ção pa­ra os mo­men­tos em que des­fia a ca­ra e a voz dos co­le­gas que já par­ti­ram; Vasco San­ta­na, João Vil­la­ret, Amé­lia Rey Colaço. Pre­fe­re olhar em fren­te. Tra­va na mor­te, abor­re­ci­da, por­que to­dos a sa­bem in­con­tor­ná­vel. “Pre­fi­ro apoi­ar-me na fé e acre­di­tar que há uma con­ti­nui­da­de, que es­ta ener­gia que te­nho pas­sa pa­ra ou­tro la­do qual­quer”, diz. “Por­que a mor­te, meu fi­lho, é só um se­gun­do.”

Ac­to III Amor­te:um­se­gun­do ou­a­vi­da­to­da

h Pa­ra Elá­dio Clí­ma­co le­va mui­to mais tem­po. Des­de que, aos 15 anos, viu o avô mor­to no seu lei­to que o fan­tas­ma do fim lhe as­som­bra a exis­tên­cia. “Vi­vi sem­pre an­te­ci­pa­da­men­te a ve­lhi­ce e a mor­te”, afir­ma. A re­for­ma só veio pi­o­rar o es­ta­do de al­ma. Após 40 anos de RTP fi­cou a sa­ber que não po­dia tra­ba­lhar na es­ta­ção pú­bli­ca com mais de 70. “Uma gran­de es­tu­pi­dez”, ati­ra. De iní­cio, sou­be a fé­ri­as: agar­rou-se ao gi­ná­sio pa­ra des­can­sar o cé­re­bro e exer­ci­tar os mús­cu­los. Mas far­tou-se. En­tão, sur­gi­ram as sau­da­des da te­le­vi­são: a ro­ti­na de en­trar as 9h, pes­qui­sar, pre­pa­rar os tex­tos. E com elas, a an­gús­tia. “Tra­ba­lhar obri­ga-nos a con­cen­trar a me­mó­ria e o es­pí­ri­to em de­ter­mi­na­da coi­sa. Sem is­so, a ca­be­ça es­va­zia-se, fo­ca-se só nas pre­o­cu­pa­ções”, diz. Ain­da ten­tou vol­tar, mas da te­le­vi­são não o cha­ma­ram e na publicidade res­pon­dem-lhe que a sua ca­ra e a sua voz

Tra­ba­lhar obri­ga-nos a con­cen­trar a me­mó­ria e o es­pí­ri­to. Sem is­so, a ca­be­ça es­va­zia-se Elá­dio Clí­ma­co

são de­ma­si­a­do co­nhe­ci­das: “Um con­tra-sen­so, não acham?” O an­ti­go apre­sen­ta­dor dos Jo­gos sem Fron­tei­ras e do Fes­ti­val da Can­ção es­tá a fa­zer uma do­bra­gem pa­ra um filme ani­ma­do de Ste­ven Spi­el­berg, a es­tre­ar na Net­flix. Foi o úni­co ser­vi­ço nos úl­ti­mos tem­pos. Tem saú­de e uma re­for­ma ge­ne­ro­sa. Não obs­tan­te, não con­se­gue atin­gir a fe­li­ci­da­de. Sen­te que o seu des­ti­no fi­cou tra­ça­do des­de um des­gos­to de amor aos 20 anos. Nun­ca mais as­su­miu uma re­la­ção du­ra­dou­ra. Vi­veu sem­pre em casa dos pais, cui­dan­do de­les até fa­le­ce­rem. De­pois, re­ce­beu em casa um ami­go mais ve­lho, pin­tor, de quem tam­bém cuida. “A so­li­dão mo­ra em mim.” Na opi­nião de Pau­lo Sar­gen­to, o se­gre­do es­tá num en­ve­lhe­ci­men­to ac­ti­vo. No ca­so dos ar­tis­tas, ali­cer­ça­do em du­as co­lu­nas: “O or­gu­lho nu­ma car­rei­ra re­le­van­te e a cren­ça de que se vale até ao fim”, anun­cia. “É pre­ci­so en­ve­lhe­cer vi­ven­do, não à es­pe­ra de mor­rer. E en­con­trar um equi­lí­brio en­tre o sal­do po­si­ti­vo da vi­da e o in­ves­ti­men­to no que fal­ta vi­ver.” Es­sa tem si­do a lu­ta de António Cor­dei­ro des­de que lhe foi di­ag­nos­ti­ca­da uma do­en­ça neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va ra­ra: a pa­ra­li­sia su­pra­nu­cle­ar pro­gres­si­va. Ain­da não tem cu­ra. “No meu úl­ti­mo tra­ba­lho em te­le­vi­são, al­gu­mas pes­so­as dis­se­ram-me que não en­ten­di­am al­gu­mas coi­sas que di­zia. Obri­guei-me a re­ver as ce­nas e ti­nham ra­zão. Foi as­sim que en­ten­di que al­go de pre­o­cu­pan­te me es­ta­va a acon­te­cer”, con­ta o ac­tor de sé­ri­es de cul­to co­mo Cla­xon e Ma­jor Al­ve­ga. Além das al­te­ra­ções na fa­la, a do­en­ça cau­sa atro­fia mus­cu­lar, per­da dos mo­vi­men­tos ocu­la­res e di­fi­cul­da­des de de­glu­ti­ção. António nun­ca mais tra­ba­lhou. Alo­cou as pou­pan­ças ao tra­ta­men­to, fei­to à ba­se de te­ra­pêu­ti­cas pa­ra o Par­kin­son, mas sem ren­di­men­tos nem qual­quer apoio so­ci­al, ra­pi­da­men­te se viu em aper­to: “Nós, os ac­to­res por­tu­gue­ses, não te­mos qual­quer sis­te­ma de pro­tec­ção so­ci­al. En­quan­to tra­ba­lha­mos, des­con­ta­mos sem ape­lo nem agra­vo. Mas, quan­do pa­ra­mos, ou te­mos al­gum di­nhei­ro guar­da­do pa­ra so­bre­vi­ver­mos ou en­tão es­ta­mos com­ple­ta­men­te tra­ma­dos.” Con­tra a sua von­ta­de, pe­diu re­for­ma. Ain­da não sa­be quan­to vai re­ce­ber. Se ta­ma­nha in­jus­ti­ça lhe ser­viu pa­ra al­gu­ma coi­sa, foi pa­ra per­ce­ber que mui­ta gen­te gos­ta de­le. A 26 de Ou­tu­bro, num jan­tar so­li­dá­rio em sua ho­me­na­gem com­pa­re­ce­ram mais de 1.000 fãs e ami­gos. A re­cei­ta vai co­brir os tra­ta­men­tos por mais uns tem­pos. António diz acor­dar ce­do e que­rer acre­di­tar que na­da o afec­ta. “Mas, quan­do me ve­jo ao es­pe­lho, sin­to que é mais um dia igual aos que te­nho vi­vi­do ul­ti­ma­men­te. Por­que não saio de casa co­mo gos­ta­ria e te­nho de me me­di­car, por­que foi pa­ra is­so que me le­van­tei”, diz. Foi obri­ga­do a pen­sar na mor­te pre­co­ce­men­te e pe­de ape­nas que es­ta o le­ve de­pois dos pais. Es­pe­ra tam­bém que a Me­di­ci­na en­con­tre uma fór­mu­la pa­ra o cu­rar e que pos­sa pas- sar umas fé­ri­as com a mu­lher num sí­tio que não co­nhe­ce. O so­nho per­sis­te na rec­ta fi­nal. Gra­ça Lo­bo quer en­con­trar uma casa que lhe dê a es­ta­bi­li­da­de ne­ces­sá­ria pa­ra vol­tar aos pal­cos. Ire­ne acre­di­ta que ou­vin­do o pon­to com au­ri­cu­la­res po­de­rá vol­tar a ac­tu­ar. Quer mor­rer a sa­ber di­zer adeus e com di­nhei­ro pa­ra o en­ter­ro. Ruy de Car­va­lho gos­ta­va de vi­si­tar a Chi­na e a Aus­trá­lia. Ma­nu­e­la Maria al­me­ja a con­ti­nui­da­de da Casa do Ar­tis­ta por lon­gos anos. Olha pa­ra o céu, pen­sa em Armando Cortez e em Raul Sol­na­do: “Ve­jo as es­tre­las e pen­so que de­ve ser tão bom en­con­trar­mo­nos lá em ci­ma.”

Ire­ne Cruz

Es­tre­ou-se no te­a­tro em 1959. Aqui ao la­do de Fran­cis­co Ni­chol­son, com quem tra­ba­lhou

Gra­ça Lo­bo Es­tre­ou-se na Casa da Co­mé­dia e em 1979 fun­dou a Com­pa­nhia de Te­a­tro de Lis­boa. Aqui nu­ma pro­du­ção fo­to­grá­fi­ca nos anos 90

António Cor­dei­ro Nos anos 80, en­trou em Duarte & Com­pa­nhia, mas a per­so­na­gem que o tor­nou mais co­nhe­ci­do foi o de­tec­ti­ve Cla­xon (1991)

Es­treia nos anos 40 Man­tém o mes­mo mé­to­do: de­co­ra os tex­tos à noi­te, com música ade­qua­da à per­so­na­gem – Mo­zart, Cho­pin e Stra­vinsky são os fa­vo­ri­tos

Elá­dio Clí­ma­co Em 1972 en­trou na RTP, on­de che­gou a tra­ba­lhar co­mo jor­na­lis­ta, mas fi­cou co­nhe­ci­do co­mo apre­sen­ta­dor. Aqui nos Jo­gos Sem Fron­tei­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.