FRAN­CES­CO SAU­RO DES­CO­BRIU A MAI­OR GRU­TA DE QUARTZOS DO MUN­DO E TREI­NA AS­TRO­NAU­TAS. O ITA­LI­A­NO JÁ FEZ 31 EX­PE­DI­ÇÕES

Ca­ver­nas a 60 oC, on­de só se po­de en­trar com um fa­to es­pe­ci­al, e des­co­ber­tas ci­en­tí­fi­cas que aju­dam a com­pre­en­der Mar­te. Fran­ces­co Sau­ro é um dos mai­o­res es­pe­leó­lo­gos do mun­do.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Van­da Marques

Ema­gre­ceu qua­tro qui­los na pri­mei­ra ex­pe­di­ção, aos 15 anos. Fran­ces­co Sau­ro pas­sou 33 ho­ras sem dor­mir pa­ra des­cer à Splu­ga del­la Pre­ta, uma gru­ta com mais de 800 me­tros de pro­fun­di­da­de. “Fui a pes­soa mais no­va a che­gar lá abai­xo”, diz à SÁ­BA­DO. Aque­las lon­gas ho­ras ao frio, mo­lha­do, qua­se às es­cu­ras e sem­pre em mo­vi­men­to fo­ram es­go­tan­tes. “Ti­ve me­do, cla­ro. Mas es­ta­va mui­to mo­ti­va­do e ti­nha pes­so­as com­pe­ten­tes co­mi­go. Quan­do fa­zes es­tas coi­sas, pas­sa­do um tem­po, esqueces o que sofreste e qu­e­res re­pe­tir. Foi sem­pre as­sim co­mi­go.”

Ho­je tem qua­se tan­tos anos quan­tas as ex­pe­di­ções que fez: 31 explorações em ape­nas 34 anos de vi­da. Ain­da sem con­ta­bi­li­zar a pri­mei­ra vez que en­trou nu­ma ca­ver­na, com ape­nas 3 anos, ao la­do do pai, um es­pe­leó­lo­go ama­dor. “Cho­rei a mai­or par­te do tem­po”, re­cor­da. Na­tu­ral de Pá­dua, nor­te de Itá­lia, Fran­ces­co Sau­ro ex­pli­ca que a es­pe­le­o­lo­gia era um hobby co­mum na re­gião, mas ele quis ir mais lon­ge. Tão lon­ge que co­lec­ci­o­na des­co­ber­tas iné­di­tas, com a mais me­mo­rá­vel si­tu­a­da na Ve­ne­zu­e­la: 22,5 km de gru­tas. Fran­ces­co e a sua equi­pa des­ven­da­ram es­tas ca­ver­nas pe­la pri­mei­ra vez em 2013. Pa­ra en­con­tra­rem a en­tra­da ti­ve­ram de es­tu­dar o local du­ran­te dois anos, até se­rem dei­xa­dos lá de he­li­cóp­te­ro. É que a flo­res­ta ama­zó­ni­ca da Ve­ne­zu­e­la era tão den­sa que es­sa era a úni­ca for­ma de che­gar à re­gião de Auyan­te­pui. Foi lá que en­con­tra­ram o mai­or sis­te­ma de ca­ver­nas de quart­zo do mun­do. Um local que nun­ca ti­nha si­do ex­pos­to à luz nem ao som. Fran­ces­co Sau­ro so­nhou com aqui­lo du­ran­te me­ses. Lá den­tro en­con­tra­ram la-

“QUAN­DO FA­ZES ES­TAS COI­SAS, PAS­SA­DO UM TEM­PO, ESQUECES O QUE SOFRESTE E QU­E­RES RE­PE­TIR”

gos vi­o­le­ta, mi­ne­rais cris­ta­li­za­dos em for­ma de co­gu­me­los. “Foi a ex­pe­ri­ên­cia mais in­crí­vel que ti­ve. É sem­pre um gran­de pri­vi­lé­gio en­trar em sí­ti­os des­co­nhe­ci­dos e ver coi­sas que nun­ca vi­mos. Um dos ca­sos foi des­co­brir es­tro­ma­tó­li­tos, es­tes fei­tos de ro­chas cri­a­das por bac­té­ri­as, são pa­re­ci­dos com os de Mar­te”, ex­pli­ca à SÁ­BA­DO por te­le­fo­ne. Mas o que têm es­tas ro­chas de es­pe­ci­al? “Os es­tro­ma­tó­li­tos nor­mal­men­te são fei­tos de car­bo­na­to de cál­cio e cres­cem jun­to ao mar, usan­do a fo­tos­sín­te­se. Nes­te ca­so, as ro­chas são fei­tas de sí­li­ca e cres­ce­ram na to­tal es­cu­ri­dão da gru­ta.” A des­co­ber­ta das gru­tas Imawarì Yeu­ta, com 50 a 70 mi­lhões de anos, foi a co­ro­a­ção de Fran­ces­co co­mo um dos gran­des es­pe­leó­lo­gos do mun­do. Sau­ro con­ta à SÁ­BA­DO que quer lá re­gres­sar na pró­xi­ma Pri­ma­ve­ra. Por en­quan­to es­tá a trei­nar as­tro­nau­tas. Mas co­mo é que as ca­ver­nas mais pro­fun­das da Ter­ra es­tão re­la­ci­o­na­das com o es­pa­ço?

Sem es­tra­gar as­tro­nau­tas

A Agên­cia Es­pa­ci­al Eu­ro­peia co­me­çou a tra­ba­lhar com es­pe­leó­lo­gos co­mo Fran­ces­co Sau­ro em 2011. O ob­jec­ti­vo é ex­por os as­tro­nau­tas aos de­sa­fi­os de um ter­ri­tó­rio des­co­nhe­ci­do. Mas o ita­li­a­no re­fe­re que es­co­lhe­ram Lan­za­ro­te, em Es­pa­nha, pa­ra que não cor­res­sem ris­cos des­ne­ces­sá­ri­os. “Os as­tro­nau­tas têm a opor­tu­ni­da­de de ex­pe­ri­men­tar uma ex­pe­di­ção nu­ma ca­ver­na e num am­bi­en­te re­al, não ape­nas nos centros de for­ma­ção. Não é uma si­mu­la­ção”, ex­pli­ca o ita­li­a­no que com­pa­ra as ca­ver­nas a am­bi­en­tes tão inós­pi­tos co­mo Mar­te.

Mas quais são as se­me­lhan­ças? Os as­tro­nau­tas fi­cam con­fi­na­dos a um am­bi­en­te fe­cha­do, pas­sam di­as sem sa­ber dis­tin­guir o dia da noi­te e não é pos­sí­vel es­ca­par ra­pi­da­men­te. Aliás, é até mais lon­ge do que ir ao es­pa­ço, diz em tom de brin­ca­dei­ra. “Num fo­gue­tão che­gas à Ter­ra em seis ho­ras. Aqui se te ma­go­a­res, de­pois de uma descida de cin­co ho­ras, po­des de­mo­rar qua­tro di­as a che­gar à su­per­fí­cie.” Du­ran­te as ex­pe­di­ções, diz Fran­ces­co, os no­va­tos vão com os es­pe­leó­lo­gos pa­ra a ex­plo­ra­ção e têm as mes­mas ta­re­fas de mi­cro­bi­o­lo­gia. Por exem­plo, re­co­lher e guar­dar amos­tras e se­quen­ci­ar ADN. “São os bra­ços dos ci­en­tis­tas co­mo se­rão no es­pa­ço.” Tam­bém têm de apren­der a li­dar com os ris­cos de en­trar nas ca­ver­nas. Mas Sau­ro de­fen­de que não es­tão nu­ma das gru­tas mais pe­ri­go­sas até por­que “os as­tro­nau­tas são um in­ves­ti­men­to ca­ro, não va­mos dei­xar

que na­da de mau lhes acon­te­ça”. A lis­ta de pe­ri­gos é lon­ga, mas o ita­li­a­no percorre-a com a nor­ma­li­da­de de quem des­cre­ve um ca­mi­nho si­nu­o­so, em que te­mos de ler os

“OS AS­TRO­NAU­TAS SÃO UM IN­VES­TI­MEN­TO CA­RO. NÃO VA­MOS DEI­XAR QUE NA­DA DE MAU LHES ACON­TE­ÇA”

si­nais de trân­si­to e an­te­ci­par o com­por­ta­men­to dos ou­tros veí­cu­los. Há ris­co de inun­da­ções, de le­var com pe­dras, de es­cor­re­gar e de as cor­das fa­lha­rem. “O gran­de de­sa­fio é ter a ca­pa­ci­da­de de se adap­tar ao am­bi­en­te. O can­sa­ço é um gran­de ris­co e se es­tás des­con­for­tá­vel nu­ma ca­ver­na cor­res pe­ri­go. Se só pen­sas em sair, pas­sas a ser con­du­zi­do pe­lo me­do, ar­ris­cas ir de­ma­si­a­do de­pres­sa, pôr o pé num sí­tio pe­ri­go­so e is­so cria o pro­ble­ma. Tens de fi­car cal­mo e pen­sar em ca­da um dos teus pas-

sos. É co­mo an­dar no meio do trân­si­to. Tens de con­se­guir con­du­zir um car­ro no meio da con­fu­são de car­ros e não en­trar em pâ­ni­co.”

Ver a mor­te de fren­te

Mas mes­mo com ex­pe­ri­ên­cia os aci­den­tes acon­te­cem. As­sim de ca­be­ça, Sau­ro re­cor­da-se das du­as ve­zes em que par­tiu os tor­no­ze­los. “Co­lo­quei o pé mal. Par­ti os dois tor­no­ze­los em du­as oca­siões di­fe­ren­tes. O chão po­de ser mui­to trai­ço­ei­ro e se te me­xes de­pres­sa is­to po­de acon­te­cer.” Nes­ses ca­sos nem os com­ple­xos pro­ce­di­men­tos de se­gu­ran­ça pre­vi­nem tu­do. Mes­mo as­sim, é no es­cru­pu­lo­so cum­pri­men­to das re­gras que es­tá a ba­se da so­bre­vi­vên­cia. O geó­lo­go, que faz par­te da as­so­ci­a­ção ita­li­a­na de ex­plo­ra­do­res La Ven­ta, re­lem­bra que es­tas re­gras im­pli­cam, por exem­plo, a ve­ri­fi­ca­ção de to­das as cor­das, ar­ne­ses, e equi­pa­men­to por to­da a equi­pa. Quer os seus pró­pri­os, quer os dos ou­tros mem­bros. Na ver­da­de é um tri­ple check, diz.

É que, nas ca­ver­nas, é tu­do novo. Na ver­da­de, ain­da se ex­plo­rou pou­co o que es­tá por bai­xo dos nos­sos pés e não exis­te tec­no­lo­gia que nos per­mi­ta co­nhe­cer as pro­fun­de­zas sem ter de lá ir. Há ca­ver­nas em to­dos os con­ti­nen­tes e em vá­ri­os ti­pos de ter­re­no – do cal­cá­rio ao ge­lo. Das ex­pe­ri­ên­ci­as mais di­fí­ceis por que pas­sou, não fa­zem par­te os 60 da ca­ver­na no Mé­xi­co, nas mi­nas Nai­ca, em que al­guns co­le­gas ti­ve­ram de ser ex­traí­dos an­tes de des­mai­a­rem, tal era a exaus­tão dos 100% de hu­mi­da­de mes­mo com fa­tos es­pe­ci­ais. Tam­bém não foi na oca­sião em que fi­ca­ram pre­sos nu­ma gru­ta por cau­sa de uma inun­da­ção du­ran­te três di­as. A pi­or foi no Mé­xi­co num des­fi­la­dei­ro, quan­do es­ta­vam a des­cer por uma cas­ca­ta. Um dos co­le­gas es­ta­va a pren­der gan­chos de se­gu­ran­ça, só que um de­les caiu. Nes­sa al­tu­ra fi­ca­ram pen­du­ra­dos, sem po­der su­bir ou des­cer, a 170 me­tros de al­tu­ra. Fran­ces­co só via uma hi­pó­te­se: pren­der a sua cor­da a um ar­bus­to. Era ar­ris­ca­do e não sa­bia se a plan­ta aguen­ta­va o pe­so de­le. Mes­mo as­sim, era a úni­ca hi­pó­te­se. Con­se­guiu.

En­tão, por que mo­ti­vo não se fi­ca pe­lo la­bo­ra­tó­rio a ana­li­sar es­pé­ci­es no­vas, fós­seis ou mi­ne­rais? “Co­me­cei pe­la par­te téc­ni­ca, pri­mei­ro co­mo des­por­to, de­pois in­te­res­sei-me por per­ce­ber o que lá exis­tia.” E o que exis­te é um mun­do de res­pos­tas – quer pa­ra os pro­ble­mas am­bi­en­tais do pla­ne­ta, co­mo água con­ta­mi­na­da – quer uma es­pe­ran­ça pa­ra en­con­trar no­vas bac­té­ri­as que po­de­rão ser a cha­ve pa­ra re­sol­ver do­en­ças. “Es­tes am­bi­en­tes que nun­ca fo­ram to­ca­dos por hu­ma­nos, são ecos­sis­te­mas que se man­têm iguais du­ran­te mi­lha­res de anos. São ilhas do pas­sa­do em ter­mos de cli­ma e de es­pé­ci­es vi­vas. Po­de­mos ter uma vi­são de um mun­do iso­la­do que evo­luiu de uma for­ma di­fe­ren­te do que se pas­sou na su­per­fí­cie e até des­co­brir uma so­lu­ção pa­ra a re­sis­tên­cia a an­ti­bió­ti­cos.” Co­mo é que is­to po­de acon­te­cer? “Qual­quer ti­po de in­sec­to que en­con­tra­mos nu­ma ca­ver­na é in­te­res­san­te pa­ra per­ce­ber a evo­lu­ção da vi­da ou até mes­mo ser uma gran­de des­co­ber­ta mé­di­ca. Vi tan­tos sí­ti­os que nem acre­di­ta­va que exis­ti­am no pla­ne­ta: ca­ver­nas com quart­zo cor-de-ro­sa, coi­sas mais pró­xi­mas da ima­gi­na­ção do que da re­a­li­da­de.”

Os as­tro­nau­tas são di­vi­di­dos em equi­pas de seis e têm as mes­mas ta­re­fas que os es­pe­leó­lo­gos “VI TAN­TOS SÍ­TI­OS QUE NEM ACRE­DI­TA­VA QUE EXIS­TI­AM NO PLA­NE­TA, COI­SAS MAIS PRÓ­XI­MAS DA IMA­GI­NA­ÇÃO”

Foi nas gru­tas na re­gião dos ín­di­os Auyan­te­pui, na Ve­ne­zu­e­la, que Sau­ro des­co­briu a en­tra­da pa­ra es­ta ca­ver­na. Há 20 anos que os ex­plo­ra­do­res que­ri­am en­trar na Imawarì Yeu­ta

A pri­mei­ra ca­ver­na A es­treia nas ex­pe­di­ções foi ain­da em ado­les­cen­te na re­gião de Sant’An­na d’Al­fa­e­do, na gru­ta da Splu­ga del­la Pre­ta, na pro­vín­cia de Verona, Itá­lia

Tem 34 anos e fez 31 ex­pe­di­ções. Diz que nas ca­ver­nas en­con­tram qua­se sem­pre no­vas es­pé­ci­es ani­mais, co­mo pei­xes sem olhos

Lan­za­ro­te Es­co­lhe­ram as ilhas es­pa­nho­las por se­rem vul­câ­ni­cas e pa­re­ci­das com as cra­te­ras de Mar­te. Sau­ro tra­ba­lha com a Agên­cia Es­pa­ci­al Eu­ro­peia des­de 2011

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.