PRÍNCIPE SAU­DI­TA CAI EM DES­GRA­ÇA COM A MOR­TE DE JOR­NA­LIS­TA

Sábado - - SUMÁRIO - Por Sa­raCa­pe­lo

Há ape­nas oi­to me­ses, ater­ra­va o seu Bo­eing nas prin­ci­pais ca­pi­tais e era re­ce­bi­do pe­los lí­de­res mun­di­ais. Tu­do mu­dou com o de­sa­pa­re­ci­men­to de opo­si­to­res, co­mo Khashog­gi, e a guer­ra no Ié­men

Che­gou em 2017 e as pro­mes­sas de li­ber­da­de abri­ram-lhe as por­tas dos lí­de­res mun­di­ais. Mas os mi­lha­res de mor­tos no Ié­men, o ho­mi­cí­dio de um jor­na­lis­ta e a tor­tu­ra de opo­si­to­res ame­a­çam-lhe a au­ra de re­for­ma­dor. “Os mei­os” jus­ti­fi­cam os fins, diz ele.

Oprín­ci­pe-es­tre­la da Ará­bia Sau­di­ta é o exem­plo de co­mo, em pou­cos me­ses, se po­de cair do to­po do mun­do. Em Mar­ço ou Abril des­te ano, Moham­med bin Sal­man (ou MBS, qual pop star com di­rei­to a si­gla) ater­rou o seu Bo­eing 747, com a ex­pres­são “Deus vos aben­çoe” gra­va­da em in­glês e ára­be por bai­xo do cock­pit, nas prin­ci­pais ca­pi­tais do mun­do – on­de era re­ce­bi­do pe­los seus lí­de­res. Acon­te­ceu, em Mar­ço, com Do­nald Trump na Casa Bran­ca, António Gu­ter­res nas Na­ções Uni­das, The­re­sa May em Dow­ning Stre­et e Isa­bel II em Buc­kingham. E, no mês se­guin­te, com Em­ma­nu­el Ma­cron no Eli­seu. Mas tam­bém já acon­te­ce­ra com os Pre­si­den­te chi­nês Xi Jin­ping e o rus­so Vla­di­mir Pu­tin, em 2017. Me­nos de oi­to me­ses de­pois, se­gun­do con­fir­mou a Reuters jun­to de fon­tes pró­xi­mas da cor­te sau­di­ta, já se er­guem vo­zes na fa­mí­lia re­al que exi­gem a subs­ti­tui­ção de MBS co­mo o pri­mei­ro na li­nha de su­ces­são ao pai, o oc­to­ge­ná­rio e de­bi­li­ta­do Rei Sal­man. O mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros sau­di­ta des­men­tiu es­tes re­la­tos “ri­dí­cu­los”, mas a agên­cia man­te­ve a no­tí­cia. Em Abril, quan­do MBS, 33 anos, es­ta­va no to­po, da­va en­tre­vis­tas a cin­co jor­nais e ia ao pro­gra­ma de te­le­vi­são de Oprah Win­frey pro­mo­ver uma Ará­bia Sau­di­ta “pós-pe­tró­leo” e mais li­be­ral, a Ti­me fa­zia ca­pa com a sua “ofen­si­va de char­me”: “Se­rá que o mun­do de­ve com­prar o que o Príncipe Her­dei­ro es­tá a ven­der?”, per­gun­ta­va. E enun­ci­a­va no tex­to: “Se fun­ci­o­nar, a re­vo­lu­ção pu­ta­ti­va de Bin Sal­man po­de trans­for­mar uma das mais re­tró­gra­das au­to­cra­ci­as do mun­do de um ex­por­ta­dor de pe­tró­leo e da ide­o­lo­gia ter­ro­ris­ta nu­ma for­ça pa­ra o pro­gres­so glo­bal.” Mas os si­nais de que po­de­ria “ter­mi­nar mal, co­mo fre­quen­te­men­te acon­te­ce no Mé­dio Ori­en­te”, tam­bém já lá es­ta­vam: “Ele é um jo­vem am­bi­ci­o­so, de­ci­di­do a agir agres­si­va e de­ci­di­da­men­te pa­ra con­so­li­dar po­der”, des­cre­via Chas W. Fre­e­man Jr., em­bai­xa­dor em Ri­a­de nos tem­pos de Ge­or­ge W. Bush. E, en­tre 2016 e 2017, no­tou Phil­lip Cor­nell, es­pe­ci­a­lis­ta em eco­no­mia sau­di­ta, hou­ve uma fu­ga de ca­pi­tais de em­pre­sá­ri­os sau­di­tas e o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro di­rec­to caiu 80% (de 7,5 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra 1,4 mil mi­lhões). A ra­zão? “As ten­dên­ci­as au­to­ri­tá­ri­as do Príncipe Her­dei­ro” e as “ca­pri­cho­sas es­co­lhas da sua po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca”.

Os si­nais es­ta­vam lá. Mas, na­que­le pé­ri­plo na Pri­ma­ve­ra de 2018, o mun­do ain­da com­pra­va a ima­gem de um Príncipe jo­vem dis­po­ní­vel pa­ra fa­zer a aber­tu­ra de uma so­ci­e­da­de con­ser­va­do­ra. Cu­ri­o­sa­men­te, co­me­ça­va nes­sa mes­ma es­ta­ção o de­sen­can­ta­men­to.

Três ra­zões con­tri­buí­ram pa­ra is­so. A mais me­diá­ti­ca de to­das foi o vi­o­len­to as­sas­si­na­to do jor­na­lis­ta sau­di­ta Ja­mal Khashog­gi, em Ou­tu­bro, no con­su­la­do sau­di­ta de Is­tam­bul. E a con­vic­ção das au­to­ri­da­des tur­cas ou da CIA de que MBS, no mí­ni­mo, sa­bia do pla­no pa­ra matar o crí­ti­co ao re­gi­me. As au­to­ri­da­des sau­di­tas des­men­ti­ram – e in­sis­ti­ram vá­ri­as ve­zes nes­te pon­to – o en­vol­vi­men­to do Príncipe ou do Go­ver­no nes­ta mor­te. A úl­ti­ma das ra­zões foi o re­co­nhe­ci­men­to, pe­las Na­ções Uni­das, de que a in­ter­ven­ção militar (e, co­mo mi­nis­tro, MBS não es­ta­rá isento) da co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­lo país e pe­los Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos no Ié­men es­tá a matar a po­pu­la­ção à fo­me. Pe­lo meio, os avi­sos de or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais: a pro­me­ti­da aber­tu­ra aos di­rei­tos das mu­lhe­res e dos crí­ti­cos não se con­cre­ti­za­ram. Pi­or, mui­tos opo­si­to­res fo­ram tor­tu­ra­dos ou de­sa­pa­re­ce­ram. Há três anos que os ie­me­ni­tas sen­tem as fe­ri­das de uma guer­ra en­tre dois ou­tros es­ta­dos, a Ará­bia Sau­di­ta (que apoia as for­ças go­ver­na-

TRUMP SAN­CI­O­NA 17 SAU­DI­TAS LI­GA­DOS À MOR­TE DE KHASHOG­GI, MAS RE­CU­SA CAN­CE­LAR A VEN­DA DE AR­MAS

men­tais, su­ni­tas, que es­tão no exí­lio) e o Irão (que apoia a mi­no­ria re­bel­de e xi­i­ta, os Houthis). Vin­te e dois mi­lhões (um ter­ço da po­pu­la­ção) pre­ci­sam de aju­da pa­ra so­bre­vi­ver; 8,4 es­tão à bei­ra da fo­me – mas em bre­ve, avi­sam as Na­ções Uni­das, po­de­rão ser 14 mi­lhões. Se­gun­do es­te or­ga­nis­mo, des­de que os pri­mei­ros ti­ros fo­ram dis­pa­ra­dos no Ié­men, em Abril de 2015, mor­re­ram per­to de 84.700 cri­an­ças ví­ti­mas de mal­nu­tri­ção agu­da se­ve­ra – e o nú­me­ro, apon­ta a Sa­ve the Chil­dren, é con­ser­va­dor. “Por ca­da cri­an­ça mor­ta nos bom­bar­de­a­men­tos ou com ba­las”, ex­pli­cou à Reuters es­ta ONG, “de­ze­nas es­tão a mor­rer à fo­me e de do­en­ças que são com­ple­ta­men­te pre­ve­ní­veis”. Hou­ves­se ali­men­tos dis­po­ní­veis. Por Ho­dei­da, no mar Ver­me­lho, tem si­do qua­se im­pos­sí­vel: o prin­ci­pal por­to do país (por on­de en­tra­vam 80% das im­por­ta­ções) es­tá blo­que­a­do pe­la co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­los sau­di­tas há três anos.

Prag­ma­tis­mo an­tes da “to­li­ce”

A “ca­tás­tro­fe hu­ma­ni­tá­ria” (que a ONU diz ser a pi­or no mun­do nes­te mo­men­to) vai mui­to além da fo­me, con­tou Carlos Ba­tal­las, que li­de­ra a equi­pa da Cruz Ver­me­lha em Adem, ci­da­de por­tuá­ria que es­tá a fun­ci­o­nar co­mo ca­pi­tal do país: “O pro­gra­ma de va­ci­na­ção não es­tá a ser se­gui­do, as grá­vi­das não têm acom­pa­nha­men­to pré-na­tal e não po­dem dar à luz em hos­pi­tais ou centros de saú­de” com pes­so­al es­pe­ci­a­li­za­do. Is­so não exis­te ou foi des­truí­do na guer­ra. Em 1.300 di­as de con­fli­to, se­gun­do o Ye­men Da­ta Pro­ject, hou­ve 18.500 rai­des aé­re­os (uma mé­dia de 14 por dia) que des­truí­ram es­co­las, hos­pi­tais, mer­ca­dos, fá­bri­cas, es­tra­das, mo­nu­men­tos e ha­bi­ta­ções. A ONU es­pe­ra avan­çar com ne­go­ci­a­ções de ces­sar-fo­go na Sué­cia, em De­zem­bro. A Ará­bia Sau­di­ta é o se­gun­do mai­or com­pra­dor de ar­mas do mun­do, atrás da Ín­dia. E foi o mai­or cli­en­te dos Es­ta­dos Uni­dos (18% do to­tal ex­por­ta­do), Rei­no Uni­do (49%) e Ca­na­dá (19%) en­tre 2013 e 2017, se­gun­do o re­la­tó­rio SI­PRI. Es­tas per­cen­ta­gens ex­pli­cam por­que é mais di­fí­cil aos Es­ta­dos Uni­dos ou à França (o ter­cei­ro mai­or ven­de­dor de ar­mas aos sau­di­tas no mes­mo pe­río­do) to­ma­rem uma po­si­ção co­mo a da Ale­ma­nha, Di­na­mar­ca e Fin­lân­dia, que sus­pen­de­ram a apro­va­ção fu­tu­ra de ex­por­ta­ções de ar­mas e equi­pa­men­tos mi­li­ta­res – man­ten­do os con­tra­tos ac­tu­ais.

O go­ver­no de Ri­a­de é um ali­a­do im­por­tan­te na es­tra­té­gia nor­te-ame­ri­ca­na con­tra o Irão na re­gião do Mé­dio Ori­en­te. É o prag­ma­tis­mo, por­tan­to, que es­tá a ori­en­tar a es­tra­té­gia de Do­nald Trump, jus­ti­fi­ca­ram dois dos seus go­ver­nan­tes. “Com frequên­cia, os Pre­si­den­tes não têm a li­ber­da­de pa­ra tra­ba­lha­rem com par­cei­ros ima­cu­la­dos”, de­cla­rou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da De­fe­sa, Ja­mes Mat­tis. “Nem to­dos os paí­ses par­ti­lham o nos­so con­jun­to de va­lo­res”, in­sis­tiu o se­cre­tá­rio de Es­ta­do Mi­ke Pom­peo. O pró­prio Pre­si­den­te, no seu es­ti­lo de­sa­bri­do, re­fe­riu que “se­ria to­lo” (“fo­o­lish” no ori­gi­nal) se can­ce­las­se os acor­dos mi­li­ta­res com a Ará­bia Sau­di­ta. A administração nor­te-ame­ri­ca­na es­tá sa­tis­fei­ta com as me­di­das que to­mou: ao san­ci­o­nar 17 sau­di­tas (França san­ci­o­nou 18) pe­la mor­te de Khashog­gi, foi cri­ti­ca­da por Ri­a­de. Pa­ra os ob­jec­ti­vos nor­te-ame­ri­ca­nos, bas­ta.

Es­tas de­cla­ra­ções são con­fir­ma­das pe­lo que o pró­prio MBS dis­se à Ti­me, em Abril: sim, com ele no pa­pel de go­ver­nan­te no­ta­va-se mai­or con­tro­lo dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al; sim, pe­lo me­nos 60 ac­ti­vis­tas, jornalistas e aca­dé­mi­cos ti­nham si­do de­ti­dos nos se­te me­ses an­te­ri­o­res (um re­la­to da ac­ti­vis­ta Ma­nal al-Sha­rif, que vi­ve na Aus-

EM 1.300 DI­AS, A CO­LI­GA­ÇÃO, LI­DE­RA­DA PE­LA ARÁ­BIA SAU­DI­TA, BOMBARDEOU 18.500 VE­ZES O IÉ­MEN

trá­lia, no The Washing­ton Post ul­tra­pas­sa as vá­ri­as cen­te­nas); sim, a Ará­bia Sau­di­ta é – e man­ter-se-á, di­zia o príncipe, por mais cin­co dé­ca­das – uma mo­nar­quia ab­so­lu­ta. “Aqui­lo em que nos de­ve­mos fo­car é no fim, não nos mei­os. Se os mei­os nos es­tão a le­var pa­ra es­se bom fim [de evo­lu­ção da Ará­bia Sau­di­ta], e to­dos es­tão de acor­do quan­to a is­so, en­tão se­rá bom.” Bom? Ma­nal al-Sha­rif dis­cor­da. Em Maio, a ac­ti­vis­ta sau­di­ta pre­pa­ra­va o re­gres­so à Ará­bia Sau­di­ta. Qu­e­ria sen­tar-se pe­la pri­mei­ra vez ao vo­lan­te no seu país a 24 de Ju­lho – a da­ta mar­ca­da pa­ra o fim da proi­bi­ção de as mu­lhe­res con­du­zi­rem. Mas, em me­a­dos de Mar­ço, che­ga­ram as pri­mei­ras no­tí­ci­as de que ou­tras se­te ac­ti­vis­tas que co­mo ela de­fen­de­ram o fim des­ta proi­bi­ção ou do di­rei­to de pro­pri­e­da­de dos ho­mens so­bre as mu­lhe­res, ti­nham si­do de­ti­das. Era a ter­cei­ra on­da de pri­sões des­de que MBS as­su­mi­ra o po­der (acu­mu­lan­do car­gos da De­fe­sa à Eco­no­mia e co­mo con­se­lhei­ro es­pe­ci­al do Rei Sal­man, seu pai), em Ju­nho de 2017. Ma­nal não quis acre­di­tar. “Ape­sar de cau­te­lo­sa, eu tam­bém fui apa­nha­da [num es­ta­do] re­no­va­do de es­pe­ran­ça e op­ti­mis­mo” com as pro­mes­sas do Príncipe Her­dei­ro, es­cre­veu no The Washign­ton Post. A con­fir­ma­ção che­gou num co­mu­ni­ca­do ofi­ci­al, “va­go e alar­man­te”, des­cre­veu. Es­tas mu­lhe­res, se­gun­do a po­si­ção ofi­ci­al, ti­nham con­tac­ta­do en­ti­da­des es­tran­gei­ras pa­ra “mi­na­rem a es­ta­bi­li­da­de do país e o seu te­ci­do re­li­gi­o­so e so­ci­al”.

Acu­sa­ções de tor­tu­ra

Di­as de­pois, ou­tras três sau­di­tas fo­ram pre­sas. Ma­nal li­gou ao fi­lho Ab­dal­lah, que es­tá proi­bi­do de a vi­si­tar na Aus­trá­lia, on­de vi­ve, pa­ra lhe ex­pli­car por­que é que mais uma vez não se po­di­am en­con­trar na Ará­bia Sau­di­ta. Te­mia que, se re­gres­sas­se, fos­se pre­sa co­mo em 2011, quan­do a po­lí­cia a le­vou de casa, a meio da noi­te en­quan­to ele dor­mia. E, pi­or, po­de­ria ser tor­tu­ra­da ou se­xu­al­men­te agre­di­da co­mo al­guns dos de­ti­dos em Maio. Se­gun­do os re­la­tos re­co­lhi­dos e di­vul­ga­dos há di­as pe­la Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal e pe­la Hu­mans Rights Wat­ch, fo­ram elec­tro­cu­ta­dos ou su­jei­tos a se­ví­ci­as. Em si­mul­tâ­neo, cor­ri­am nas re­des so­ci­ais as fo­tos das de­ti­das com a pa­la­vra “trai­do­ra”. Mais uma es­tra­té­gia de­sen­vol­vi­da pe­lo pró­prio Go­ver­no sau­di­ta, se­gun­do con­tou Ma­nal a 9 de Novembro. O Twit­ter, dis­se, tem ser­vi­do pa­ra in­ti­mi­dar e fa­zer pas­sar no­tí­ci­as fal­sas so­bre opo­si­to­res ao re­gi­me. E con­tou por­que é que são ca­da vez me­nos os que ali escrevem. A ela li­ga­ram-lhe do De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal por du­as ve­zes, exi­gin­do-lhe que dei­xas­se de o fa­zer. A ou­tros (co­mo a Ja­mal Khashog­gi) su­ce­deu o mes­mo. E pe­lo me­nos um au­tor foi de­ti­do e ou­tro de­sa­pa­re­ceu, se­gun­do lhe des­cre­ve­ram fon­tes anó­ni­mas. “O Es­ta­do con­tro­la o ar que res­pi­ra­mos.” Por se sen­tir in­se­gu­ra, de­ci­diu apa­gar a con­ta no Twit­ter on­de ti­nha mais de 295 mil se­gui­do­res. “Tor­nou-se evi­den­te pa­ra mim que per­de­mos as re­des so­ci­ais pa­ra a di­ta­du­ra.”

MA­NAL APA­GOU A CON­TA NO TWIT­TER: “TOR­NOU-SE EVI­DEN­TE QUE PER­DE­MOS AS RE­DES SO­CI­AIS PA­RA A DI­TA­DU­RA”

1

3

e2MBS, o ído­lo: a 23 de Ou­tu­bro e a 14 de Novembro, du­ran­te con­fe­rên­ci­as em Ri­a­de, os sau­di­tas qui­se­ram ti­rar fo­tos com o Príncipe (na ima­gem de bai­xo, es­tá ao cen­tro)Ab­dulqu­dous, de 1 ano, no hos­pi­tal de Ho­dei­da. Tem pro­ble­mas de des­nu­tri­ção (que ma­tou pe­lo me­nos 84 mil cri­an­ças)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.