“Há uma pro­pa­gan­da pa­ra além de Fer­ro”

O pro­fes­sor de Co­mu­ni­ca­ção Po­lí­ti­ca da Uni­ver­si­da­de do Por­to no­ta que ha­via crí­ti­cas in­ter­nas aos gas­tos

Sábado - - DESTAQUE - VASCO RI­BEI­RO

Es­ta cam­pa­nha mu­da a per­cep­ção de Sa­la­zar, fe­cha­do e pro­vin­ci­a­no, e que afi­nal gas­ta­va mi­lhões em re­la­ções pú­bli­cas?

Não sei res­pon­der, pos­so fa­zer es­ta re­fle­xão: a de­ci­são po­de­rá ter a ver com o con­se­lho do seu ami­go Pedro The­o­tó­nio Pereira, que lhe di­zia que aque­la era a for­ma mo­der­na de co­mu­ni­car; mas tam­bém por­que pre­ci­sa­va de agra­dar ao novo mun­do, à no­va po­tên­cia que di­ta­va as re­gras, pre­ci­sa­va de en­trar na ONU, de um Pla­no Marshall com fi­nan­ci­a­men­to, de que aca­bou por não ter o que es­pe­ra­va. Tu­do is­so são equa­ções que en­tram na de­ci­são de pa­gar es­ta ver­ba avul­ta­da, mes­mo ten­do na pe­que­nez que o ro­de­a­va um con­jun­to de vo­zes que cri­ti­ca­vam es­sa op­ção.

Mas há uma mu­dan­ça?

Há, na ce­dên­cia ao mun­do novo, e a um in­ves­ti­men­to em co­mu­ni­ca­ção que é tu­do o que Sa­la­zar abo­mi­na­va – bas­ta ler o pre­fá­cio de­le às en­tre­vis­tas de António Fer­ro, em que che­ga a ser ri­dí­cu­lo, pe­de des­cul­pa por es­tar a per­der tem­po com as­sun­tos de pro­pa­gan­da quan­do po­dia es­tar a tra­tar de as­sun­tos do po­vo...

Há uma rup­tu­ra em re­la­ção ao pe­río­do de António Fer­ro?

Há, te­mos Por­tu­gal, uma di­ta­du­ra, a co­mu­ni­car com as for­mas mo­der­nas do mun­do novo, en­quan­to com Fer­ro e até Fer­ro, até 1949, se co­mu­ni­ca sem­pre com uma ba­se in­tui­ti­va e ar­tís­ti­ca, co­mo o pró­prio no­me de “po­lí­ti­ca do es­pí­ri­to” o de­fi­nia. Es­ta cam­pa­nha mos­tra que há uma pro­pa­gan­da pa­ra além de Fer­ro. Is­to ba­te cer­to tam­bém com os ri­os de di­nhei­ro gas­tos com a sua pai­xão ma­da­me Gar­ni­er, ou com as em­bai­xa­das de Lon­dres e de Pa­ris na área da co­mu­ni­ca­ção. Há aqui uma pre­o­cu­pa­ção que não ba­te cer­to com o que a História nos tem vin­do a dar. pre­en­den­te no mo­men­to his­tó­ri­co da al­tu­ra. Pe­lo con­trá­rio. A má im­pren­sa de Por­tu­gal no fim dos anos 40, nos Es­ta­dos Uni­dos, era uma evi­dên­cia. Mes­mo ten­do si­do for­mal­men­te neu­tral du­ran­te a se­gun­da guer­ra mundial, o país é vis­to co­mo pró­xi­mo dos der­ro­ta­dos – o lu­to na­ci­o­nal pe­la mor­te de Adolf Hitler te­rá aju­da­do. A Ti­me cha­ma a Sa­la­zar “o de­ca­no dos di­ta­do­res”, a in­ten­ção de ade­rir à ONU fa­lha em 1946 e ar­ras­ta-se, a dis­cus­são in­ter­na­ci­o­nal so­bre a ques­tão co­lo­ni­al des­pon­ta. É nes­te con­tex­to que sur­gem crí­ti­cas in­ter­nas à co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal do re­gi­me, tu­te­la­da ain­da por António Fer­ro. Na cor­res­pon­dên­cia di­plo­má­ti­ca en­tre Pedro The­o­tó­nio Pereira, em­bai­xa­dor em Washing­ton e da­do até co­mo po­ten­ci­al del­fim do di­ta­dor, é vá­ri­as ve­zes ma­ni­fes­ta a pre­o­cu­pa­ção pe­la for­ma co­mo os media ame­ri­ca­nos vêem e tra­tam Por­tu­gal. Te­rá si­do ele a su­ge­rir a con­tra­ta­ção – uma op­ção que mui­tos ou­tros paí­ses fa­zi­am, por­que No­va Ior­que, ago­ra se­de da ONU, se tor­na­ra o pal­co po­lí­ti­co on­de mais im­por­ta­va ser bem vis­to. Um dos ele­men­tos mais sur­pre­en­den­tes, pe­la mo­der­ni­da­de, do do­cu­men­to Pe­a­body é a lis­ta, com no­mes e da­tas, das des­lo­ca­ções de jornalistas e pro­fis­si­o­nais va­ri­a­dos a Por­tu­gal, com a de­sig­na­ção de “en­ti­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas que vi­si­ta­ram Por­tu­gal em

AS AGÊN­CI­AS QUE TRA­BA­LHA­VAM COM ES­TA­DOS ES­TRAN­GEI­ROS TI­NHAM DE SE RE­GIS­TAR NO DE­PAR­TA­MEN­TO DE JUS­TI­ÇA

O CA­SAL ARMS­TRONG, QUE ES­CRE­VEU SO­BRE FÁ­TI­MA, ATÉ PE­LA IR­MÃ LÚ­CIA FOI RE­CE­BI­DO

co­la­bo­ra­ção com Ge­or­ge Pe­a­body and As­so­ci­a­tes” – ho­je é uma prá­ti­ca co­mum. Sa­la­zar já qu­e­ria mos­trar o País. E fo­ram, só em cin­co anos, 67 jornalistas (de jor­nais e re­vis­tas), 26 fo­tó­gra­fos e mo­de­los, 12 es­cri­to­res, 14 fun­ci­o­ná­ri­os de rá­dio e te­le­vi­são, 7 ope­ra­do­res ci­ne­ma­to­grá­fi­cos e 30 “ou­tras per­so­na­li­da­des”, em que se in­clu­em em­pre­sá­ri­os, pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os, pes­so­as da área da mo­da e ci­en­tis­tas – cen­te­na e meia de pes­so­as tra­zi­das a ex­cur­si­o­nar em Por­tu­gal. Ve­ja-se o ca­so, já re­fe­ri­do, de Cartier-Bres­son: no re­la­tó­rio, é o 26º no­me na lis­ta de fo­tó­gra­fos e mo­de­los, com es­ta re­fe­rên­cia: “Hen­ri Cartier-Bres­son, Ho­li­day, Har­per’s Ba­za­ar, Agos­to de 1955.” Pá­gi­nas an­tes, re­fe­re-se a pu­bli­ca­ção, em Fe­ve­rei­ro de 1956, na Har­per’s Ba­za­ar, das “fo­to­gra­fi­as de Por­tu­gal”. Uma das fo­tos da sé­rie mos­tra uma fes­ta de al­ta so­ci­e­da­de jun­to a uma pis­ci­na, com a le­gen­da: “Re­si­dên­cia pri­va­da em Cas­cais.” E o mes­mo ban­co de ba­loi­ço da casa de Ri­car­do Es­pí­ri­to San­to em que a me­ni­na Joy se sen­tou pa­ra ser fo­to­gra­fa­da pa­ra as pá­gi­nas da Gla­mour, sur­ge ago­ra fo­to­gra­fa­do de cos­tas: tam­bém Bres­son foi le­va­do a casa dos Es­pí­ri­to San­to. Um ti­po de aces­so que su­ge­re um pé­ri­plo en­qua­dra­do pe­lo re­gi­me.

Aliás, es­se con­tro­lo do re­gi­me, atra­vés do SNI, so­bre as vi­si­tas de en­ti­da­des es­tran­gei­ras a Por­tu­gal, é ilus­tra­do de for­ma fla­gran­te pe­la car­ta de agra­de­ci­men­to que o ca­sal Arms­trong es­cre­veu a Sa­la­zar de­pois da sua des­lo­ca­ção a Fá­ti­ma – pa­tro­ci­na­da pe­la Pe­a­body, na­tu­ral­men­te. Em car­ta da­ta­da de 25 de Novembro de 1953 (e que se en­con­tra no Ar­qui­vo Sa­la­zar), April e Mar­tin Arms-

trong, dois es­cri­to­res ca­tó­li­cos que Pe­a­body trou­xe­ra a Fá­ti­ma, escrevem ao di­ta­dor: “Não que­re­mos dei­xar de men­ci­o­nar que de­ve­mos mui­to à or­ga­ni­za­ção Pe­a­body&As­soc. e ao Se­cre­ta­ri­a­do Na­ci­o­nal de In­for­ma­ção, pe­la ma­nei­ra ex­ce­len­te co­mo pre­pa­ra­ram o nos­so iti­ne­rá­rio, ha­bi­li­tan­do-nos as­sim a al­can­çar o nos­so fim, sem di­fi­cul­da­de al­gu­ma. Com a óp­ti­ma e cons­tan­te co­la­bo­ra­ção des­tas or­ga­ni­za­ções, as nos­sas pes­qui­sas fo­ram de­ve­ras ace­le­ra­das.” Os Arms­trong fo­ram ain­da re­ce­bi­dos, na sua pe­re­gri­na­ção pré­de­se­nha­da, pe­los bis­pos de Lei­ria e Coim­bra e até pe­la Ir­mã Lú­cia, “uma hon­ra que nun­ca so­nhá­va­mos ter”.

A fac­tu­ra e os re­sul­ta­dos

Os cus­tos des­tas des­lo­ca­ções são pa­gos pe­los re­gi­me, in­di­rec­ta­men­te: a Pe­a­boby im­pu­ta pos­te­ri­or­men­te as des­pe­sas ao SNI. No con­tra­to as­si­na­do a 15 de Se­tem­bro de 1955 en­tre a agên­cia e o SNI (pe­lo qual as­si­na Jo­sé Ma­nu­el da Cos­ta, Se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal da In­for­ma­ção, Cul­tu­ra Po­pu­lar e Tu­ris­mo), é in­cluí­da a des­pe­sa ti­da com Cartier-Bres­son, bem co­mo as de ou­tros, e es­te é des­cri­to co­mo “fo­tó­gra­fo de re­no­me mundial, que co­li­giu ma­te­ri­al pa­ra pu­bli­car nas re­vis­tas Har­per’s Ba­za­ar, Ho­li­day, e ou­tras das prin­ci­pais re­vis­tas ame­ri­ca­nas e fran­ce­sas”. A par­ce­la que in­clui es­ta e vá­ri­as ou­tras des­lo­ca­ções, cor­res­pon­de a 15.686 dó­la­res – o pró­prio con­tra­to es­ta­be­le­ce a ta­xa de câm­bio a 28,95 es­cu­dos por ca­da dó­lar: fo­ram 454.109 es­cu­dos só nes­te con­tra­to. Apli­ca­do o co­e­fi­ci­en­te de des­va­lo­ri­za­ção da moeda pa­ra o ano 1955 (pu­bli­ca­do anu­al­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças), re­pre­sen­ta­ria ho­je um va­lor apro­xi­ma­do de 176.812 eu­ros. O se­cre­tá­rio na­ci­o­nal do SNI Edu­ar­do Bra­zão che­gou a es­cre­ver pos­te­ri­or­men­te nas su­as me­mó­ri­as, edi­ta­das em 1976, que os gas­tos com a Pe­a­body eram mes­mo “o prin­ci­pal es­ban­ja­men­to dos di­nhei­ros pú­bli­cos que por ali se fa­zia” (ver caixa na pá­gi­na 39). Os cus­tos po­de­ri­am ser al­tos, mas o re­gi­me pa­re­cia sa­tis­fei­to. Além da mai­or ex­po­si­ção me­diá­ti­ca, a gran­de apos­ta era na pro­mo­ção de Por­tu­gal co­mo des­ti­no tu­rís­ti­co. Aqui, a ac­ção co­me­ça por ava­li­ar o pon­to de par­ti­da, con­tac­tan­do 73 agên­ci­as em três gran­des ci­da­des ame­ri­ca­nas (No­va Ior­que, Bos­ton e Bal­ti­mo­re). Sem sur­pre­sa, o es­tu­do cons­ta­tou que ha­via “pou­ca ou ne­nhu­ma in­for­ma­ção so­bre Por­tu­gal”. Is­so iria mu­dar. A Pe­a­body dis­tri­buiu 2.200 bro­chu­ras so­bre Por­tu­gal, mais 50 mil fo­lhe­tos, de pro­du­ção pró­pria, pe­los agen­tes de vi­a­gens, fei­ras e ex­po­si­ções de tu­ris­mo, a que se so­ma­ram ou­tros que lhe eram pas­sa­dos pe­lo SNI ou pe­la Casa de Por­tu­gal em No­va Ior­que. Co­lo­cou anún­ci­os nas prin­ci­pais re­vis­tas de vi­a­gens e tu­ris­mo, dis­tri­buiu car­ta­zes, nu­ma co­la­bo­ra­ção com a TWA, en­tre­gou ao lon­go de vá­ri­os anos, aos ope­ra­do­res tu­rís­ti­cos, os ar­ti­gos que saíam na im­pren­sa so­bre o Tu­ris­mo em Por­tu­gal, e usou a Ame­ri­can Ex­press pa­ra a dis­tri­bui­ção de 100 mil fo­lhe­tos so­bre Por­tu­gal.

Ou­tra das pre­o­cu­pa­ções foi o con­tac­to com os au­to­res de gui­as de vi­a­gem (ver caixa), de for­ma a ga­ran­tir a en­tra­da de Por­tu­gal ou o alar­ga­men­to do es­pa­ço de­di­ca­do ao País. Pe­a­body con­tac­ta, por exem­plo, a Dou­ble­day and Co., uma das mai­o­res edi­to­ras de li­vros de vi­a­gens, que en­via um au­tor a Por­tu­gal es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra o efei­to. É de no­tar que Sa­la­zar ti­nha aber­tu­ra pa­ra cola-

bo­rar nes­tes es­for­ços: Law­ton Mac­kall, o au­tor do guia, veio a Por­tu­gal em 1952 e “foi re­ce­bi­do por Sua Ex­ce­lên­cia o Pre­si­den­te do Con­se­lho”. O re­sul­ta­do, se­gun­do a em­pre­sa (não é cla­ra a fon­te, mas é crí­vel que te­nham si­do as pró­pri­as au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas a for­ne­cer os nú­me­ros), foi sen­sí­vel: o nú­me­ro de tu­ris­tas ame­ri­ca­nos en­tra­dos em Por­tu­gal ron­da­va os 6.500 no fim da dé­ca­da de 40, pas­sou a 11.385 no pri­mei­ro ano da Pe­a­body (1951) e che­gou aos 30.700 em 1955. Foi tam­bém a Dou­ble­day a edi­tar, por sua vez, o li­vro do ca­sal

Arms­trong Fá­ti­ma, A Pil­gri­ma­ge to Pe­a­ce (Fá­ti­ma, uma pe­re­gri­na­ção à paz): Fá­ti­ma era um con­teú­do trans­ver­sal de to­da a ac­ção de pro­pa­gan­da da Pe­a­body. En­tra­va nos gui­as de vi­a­gem, co­mo en­tra­va nos ar­ti­gos na im­pren­sa, em con­teú­dos pa­ra dis­tri­bui­ção es­pe­ci­fi­ca­men­te em mei­os ca­tó­li­cos, em li­vros pro­mo­vi­dos pe­la em­pre­sa, e até no filme, pro­du­zi­do pe­la Warner Brothers, O mi­la­gre de Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma. A Pe­a­body su­ge­riu a ideia, co­la­bo­rou no guar­da-rou­pa e na “pre­pa­ra­ção, mon­ta­gem e publicidade do filme”, e ain­da trou­xe a Por­tu­gal dois ope­ra­do­res de câ­ma­ra pa­ra fil­mar o en­cer­ra­men­to do Ano San­to em Fá­ti­ma. Po­de sem­pre ad­mi­tir-se que Ge­or­ge Pe­a­body te­nha exa­ge­ra­do, e que to­me co­mo efei­to da sua ac­ção um in­te­res­se que pu­des­se ter si­do ge­nuí­no por te­mas por­tu­gue­ses. Mas tam­bém há pon­tos em que não só não exa­ge­ra, co­mo fi­ca até aquém da re­a­li­da­de. Uma das su­as ini­ci­a­ti­vas foi con­tac­tar Ri­chard Pahl­man, um dos de­co­ra­do­res da mo­da em No­va Ior­que. Pe­a­body ape­nas re­fe­re que se co­la­bo­rou “com o se­nhor Pahl­man e com a re­vis­ta Hou­se and Gar­den nu­ma ex­po­si­ção ba­se­a­da em mo­ti­vos por­tu­gue­ses” a que jun­ta a or­ga­ni­za­ção de uma “gran­de ex­po­si­ção pa­ra ven­da” com ar­te­fac­tos de ins­pi­ra­ção por­tu­gue­sa cri­a­dos pe­lo de­co­ra­dor. Mas a in­ves­ti­ga­ção de Vasco Ri­bei­ro per­mi­tiu con­cre­ti­zar os por­me­no­res. A tal ex­po­si­ção foi um por­tu­gue­se ba­za­ar, ou ba­zar por­tu­guês, no Macy’s, um dos gran­des ar­ma­zéns de No­va Ior­que. O por­tu­gue­se ba­za­ar con­sis­tiu num an­dar mo­de­lo de­co­ra­do com tu­do o que era por­tu­guês: “Mo­bi­liá­rio, ta­pe­ça­ri­as e to­da a sor­te de ar­ti­gos de de­co­ra­ção, não fal­tan­do os azu­le­jos, as ces­tas de vi­me, a ca­ma es­ti­lo Qu­e­en An­ne, os pra­tos-cou­ve Bordallo Pi­nhei­ro e o ga­lo de Bar­ce­los”, es­cre­ve Vasco Ri­bei­ro. Saiu na Vo­gue. Pahl­man cri­ou ain­da uma li­nha de pe­que­nos ob­jec­tos de­co­ra­ti­vos de por­ce­la­na, com mo­ti­vos tão por­tu­gue­ses co­mo o car­ro de bois e os pes­ca­do­res da Na­za­ré, e que es­ti­ve­ram à ven­da no Macy’s.

O fim da co­la­bo­ra­ção

O iní­cio, ou a ins­pi­ra­ção, ti­nha afi­nal si­do mais uma das vi­a­gens pa­tro­ci­na­das por Pe­a­body, em 1952, e de seis se­ma­nas. Pahl­man vi­si­tou Por­tu­gal pe­lo me­nos mais du­as ve­zes em co­la­bo­ra­ção com SNI. “E ge­nui­na­men­te gos­tou do País, is­so é vi­sí­vel em ar­ti­gos pos­te­ri­o­res e até no seu li­vro mais im­por­tan­te, The Pahl­man Bo­ok ofIn­te­ri­orDe­sign”, em que há re­fe­rên­ci­as a Por­tu­gal, apon­ta Vasco Ri­bei­ro. A par­tir de cer­to pon­to, as coi­sas fun­ci­o­nam por si e é im­pos­sí­vel tra­çar a fronteira en­tre o que foi di­rec­ta­men­te de­ter­mi­na­do pe­la cam­pa­nha ou não. No iní­cio da dé­ca­da de 60, já não bas­ta­va uma cam­pa­nha de re­la­ções pú­bli­cas pa­ra sal­var a fa­ce ex­ter­na do re­gi­me. Po­li­ti­ca­men­te, o co­lo­ni­a­lis­mo co­lo­ca­va o Es­ta­do Novo sob uma luz ca­da vez me­nos fa­vo­rá­vel. A guer­ra co­lo­ni­al co­me­ça em 1961, em An­go­la, e a que­da de Goa avi­zi­nha-se. Pe­a­body, cu­ri­o­sa­men­te, pa­re­ce per­ce­ber os no­vos ven­tos po­lí­ti­cos. Após uma vi­a­gem que faz ao es­tran­gei­ro es­cre­ve a Sa­la­zar com um da­do es­tri­ta­men­te po­lí­ti­co, con­tan­do-lhe que te­ve a in­for­ma­ção di­plo­má­ti­ca de que a in­va­são da úl­ti­ma pos­ses­são por­tu­gue­sa na Ín­dia es­tá imi­nen­te. A ima­gem do re­gi­me de­te­ri­o­ra-se. Tal­vez por is­so, e a con­se­lho de The­o­tó­nio Pereira, a Pe­a­body aca­ba dis­pen­sa­da. Se­ria subs­ti­tuí­da pe­la Sel­va­ge and Lee, pon­do-se fim a 11 anos de co­la­bo­ra­ção. Mas o re­gi­me apren­de­ra a li­ção: nun­ca mais dei­xou de re­cor­rer a agên­ci­as de re­la­ções pú­bli­cas ame­ri­ca­nas.

O RE­GI­ME ACA­BOU POR DIS­PEN­SAR A AGÊN­CIA AME­RI­CA­NA: MAS CON­TAC­TOU OU­TRA DE IME­DI­A­TO

O es­cri­tó­rio do in­ves­ti­ga­dor que de­sen­ter­rou o re­la­tó­rio Pe­a­body do Ar­qui­vo Sa­la­zar es­tá re­ple­to de li­vros e ar­ti­gos da cam­pa­nha

Amá­lia tem vá­ri­as ac­ções de pro­mo­ção (ar­ti­gos em jor­nais e re­vis­tas, pro­mo­ção do LP, etc.), re­fe­ri­das di­rec­ta­men­te no re­la­tó­rio Pe­a­body

Fá­ti­ma, em filme (de que a Pe­a­body tra­tou do guar­da-rou­pa e pro­mo­ção) ou em li­vro, era uma cons­tan­te do tra­ba­lho de re­la­ções pú­bli­cas por Por­tu­gal

1 O Macy’s, o cé­le­bre ar­ma­zém de No­va Ior­que, che­gou a ven­der uma li­nha de ob­jec­tos com mo­ti­vos por­tu­gue­ses 1

2Ri­chard Pahl­man, um de­co­ra­dor fa­mo­so, or­ga­ni­zou um Por­tu­gue­se Ba­za­ar no Macy’s e vi­si­tou o País vá­ri­as ve­zes 2

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.